Mostrando postagens com marcador RuPaul's All Stars Drag Race. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador RuPaul's All Stars Drag Race. Mostrar todas as postagens

Brian McCook, que você deve conhecer como Katya, a drag queen “russa” da sétima temporada de RuPaul’s Drag Race e segunda de RuPaul’s Drag Race All Stars, anunciou hoje via Instagram um hiato na carreira de drag para cuidar de sua saúde mental. Através de uma transmissão ao vivo na semana passada, Brian falou sobre o quão exaustiva estava a sua rotina trabalhando como drag queen, e como precisava focar na própria saúde.

Durante as suas duas temporadas em Drag Race como Katya, ele sempre discutiu abertamente as suas questões com ansiedade e vício em drogas, e não foi diferente em seu comunicado aos fãs: “É hora de tirar férias, porque a minha saúde, as drogas, meu cérebro, aquilo não estava bem”, disse a queen.

A maior parte da transmissão foi falada em francês, mas um usuário do Reddit divulgou uma tradução no fórum logo após o fim do vídeo, e a notícia se espalhou por grupos de fãs e portais de notícia LGBT de todo o mundo. Confira parte do depoimento:

Oi, aqui é a Katya. Essa é uma mensagem transmitida em francês. Se você não é francês, isso não vai fazer nenhum sentido para você. Em francês, eu vou falar sobre David Lynch, e também sobre a minha saúde. Não é uma emergência, não há emergência. Mas eu preciso de uma pequena pausa. É a hora de tirar férias, porque a minha saúde, as drogas, meu cérebro, aquilo não estava bem. Se você é francês, isso vai fazer todo o sentido. Eu falo francês, mas eu nunca tenho a oportunidade de praticar francês porque estou sempre ocupado, sempre trabalhando. Eu trabalho muito. Mas eu não sou louco, vocês entendem, é claro. Eu sou, em primeiro lugar, um estudante de idiomas; em segundo, um artista; e em terceiro, uma drag queen. Saúde é a coisa mais importante para mim. Vocês precisam me entender. No futuro, eu preciso tirar mais férias, eu sou uma pessoa, um humano. Vocês precisam me ouvir. Neste momento, isso não é uma crise. Eu estou tirando umas férias por mim. Eu preciso tirar férias. O sol está ali, estou feliz. Minha saúde está aqui, estou feliz. Estou contando isso para vocês com certa urgência. Não estou morrendo. Deixe-me contar a verdade. Não estou morrendo, eu quero viver. Eu sou um viciado em drogas, mas estou sóbrio. Hoje, e ontem. E antes disso. Mas eu preciso tirar férias, porque eu quero sobreviver, como Gloria Gaynor.“

Apesar da tristeza de saber que ficarão sem a Katya por tempo indeterminado, a maior parte dos fãs demonstrou apoio a Brian na decisão de fazer um hiato, além de pontuar a importância de ter figuras influentes falando sobre saúde mental. Muitos usaram o Twitter para falar sobre o assunto:
"Fique saudável, mãe, nós te amamos”

"Ver a Katya/Brian falar abertamente sobre precisar tirar um tempo para cuidar da saúde mental é tão importante & necessário. Conversas que normalizam e priorizam saúde mental deveriam acontecer com mais frequência, desejo o melhor para você @katya_zamo"

O futuro de seu atual programa “THE TRIXIE AND KATYA SHOW”, apresentado ao lado da atual participante da terceira temporada de All Stars, Trixie Mattel, no portal Viceland, retorna quarta-feira (24) com nova temporada, mas até o momento não foi discutido o futuro da produção. Em 18/01, Brian usou o Twitter para esclarecer a pausa e anunciou que todos os seus compromissos marcados para esse ano serão reagendados para 2019:


Oi, meu nome não é Katya. Eu sou Brian, um viciado em drogas em recuperação e um workaholic. Eu preciso tirar um tempo para curar a minha saúde mental e recuperá-la. Todas as minhas tours e shows serão adiados para 2019. Os locais de apresentação informarão mais detalhes nas próximas semanas. Eu amo todos vocês, e amor é mais poderoso que dinheiro. E porque estamos "online", preciso contar uma piada para saberem que estou falando sério: eu ainda odeio a Taylor Swift. Que a paz esteja com vocês.

Daqui, desejamos tudo de melhor para o Brian durante essa pausa e ressaltamos a importância de figuras como ele poderem falar abertamente com os seus fãs sobre a própria saúde mental e a necessidade de colocar a si mesmo em primeiro lugar. Muita força para a nossa boneca russa favorita <3

⚠ Opa! Pode ser que esse texto tenha alguns spoilers. Se você é do tipo que fica puto com spoilers, esse é um bom momento para parar a leitura ou seguir por sua conta e risco.

O primeiro episódio de RuPaul’s Drag Race All Stars foi um verdadeiro presente para os fãs, que aguardavam ansiosamente pelo retorno do programa desde o ano passado. Tivemos o retorno de queens das primeiras temporadas da competição, de favoritas dos fãs de temporadas mais recentes e de “underdogs” que voltaram para provar ao público que são dignas do respeito da lendária Mama Ru.

A temporada já contava com o elenco de estrelas Aja, BenDeLaCreme, Chi Chi DeVayne, Kennedy Davenport, Milk, Morgan McMichaels, Shangela, Thorgy Thor e Trixie Mattel, e uma décima competidora foi anunciada antes do primeiro desafio: a primeira vencedora da coroa de Drag Race, Bebe Zahara Benet. Se vencer o All Stars 3, Bebe será a primeira queen a conquistar duas coroas em Drag Race.

A biblioteca se abriu logo no mini-challenge inicial, e foi uma jogação de shade para todos os lados. Depois rolou o All Star Variaty Show, em que cada queen apresentou uma performance que mais representasse os seus talentos. Os destaques ficaram para Aja, que quase infartou o painel de jurados com o seu death-drop durante uma performance de Vogguing, e para BenDeLaCreme, que fez uma apresentação burlesca cheia de humor e acessórios de mamilo.


No bottom two, ficaram ChiChi DeVayne e Morgan McMichaels, que não impressionaram com as suas performances meio mornas de dança e lipsync.

Aja e DeLa disputaram o lipsync for your legacy e DeLa acabou vencendo, ganhando a básica gorjeta de US$10 mil e a chance de escolher qual das bottom queens seria eliminada. E aí veio o primeiro climão da temporada: DeLa eliminou Morgan, com a justificativa de que ela teria afirmado que, caso tivesse vencido, escolheria a queen mais forte para ser eliminada, e isso não estava de acordo com o que a maioria queria para a competição. Porém, as caras de dúvida das outras queens no fundo do palco não condiziam muito com o combinado, hehe.


O clássico twist das eliminadas se manteve: durante o seu discurso de despedida no Workroom, Morgan foi surpreendida pela voz de RuPaul, indicando que a sua participação na competição não se encerraria ali.

E vocês, o que acharam das primeiras performances da temporada? Pra quem é a torcida de vocês por enquanto? Comenta aqui embaixo pra gente saber!
⚠ Opa! Pode ser que esse texto tenha alguns spoilers. Se você é do tipo que fica puto com spoilers, esse é um bom momento para parar a leitura ou seguir por sua conta e risco.

Hello, hello, hello!

“RuPaul’s Drag Race” é um dos realities show de maior visibilidade LGBTQIA+ nos Estados Unidos. A famosa competição para encontrar a próxima estrela drag da América está retornando para a terceira temporada de “All Stars” – que, para quem não sabe, reúne concorrentes já conhecidas pelo público, que participaram anteriormente da versão “comum” do programa.

O diferencial de “All Stars” é ser imprevisível. Em sua estreia justice for Raven, as queens tiveram que concorrer em duplas até o último episódio, quando foram julgadas individualmente e, na temporada seguinte, as participantes tinham o poder de eliminar umas as outras.

O mesmo deve acontecer em “All Stars 3”, que conta com apenas 9 competidoras, o menor número de participantes que o show já teve desde a primeira temporada, nos deixando curiosos para saber como Mama Ru guiará o programa.



Enquanto a estreia não chega, a gente vai te ajudar a pelo menos descobrir quem são as queens da temporada:

1. Shangela (12º lugar – 2ª temporada, 6º lugar – 3ª temporada)
2. Morgan McMichaels (8º lugar – 2ª temporada)
3. Milk (9º lugar – 6ª temporada)
4. BenDeLaCreme (5º lugar – 6ª temporada)
5. Trixie Mattel (6º lugar – 7ª temporada)
6. Kennedy Davenport (4º lugar – 7ª temporada)
7. Chi Chi DeVayne (4º lugar – 8ª temporada)
8. Thorgy Thor (6º lugar – 8ª temporada)
9. Aja (9º lugar – 9ª temporada)


RuPaul mais uma vez estará acompanhado dos já conhecidos jurados Michelle Visage, Ross Mathews e Carson Kressley, além de convidados como Tituss Burgess de “Unbreakable Kimmy Schmidt”, o estilista Marc Jacobs e a cantora Emma Bunton.

A nova temporada de “All Stars” estreia dia 25 de Janeiro na VH1 norte americana, então é melhor se preparar ou sashay away!

A arte drag existe há muito tempo, com o termo surgindo de "Dressed as a girl" ("vestido como uma garota"). Não se limitando a ser apenas a expressão artística do indivíduo, o ato de fazer drag também é uma ruptura das imposições de gênero. Parte bastante celebrada da cultura LGBT, o reality show "RuPaul's Drag Race" é o principal nome moderno para a popularização da arte ao redor do mundo.

Com 11 temporadas (9 normais e 2 "All Stars"), "RuPaul's Drag Race" é a igreja queer da tevê. Comandado por RuPaul, a maior drag queen do mundo, o reality está cada vez mais popular, o que demonstra a conquista do nosso espaço no mainstream. A prova é o número de prêmios do programa, aumentando ano após ano: em 2017 foram três Emmys, o Oscar da televisão, incluindo o segundo prêmio de "Melhor Apresentador" à Mama Ru.

Com uma longividente considerável (já são quase 10 anos no ar), mais de 100 episódios e 100 participantes, "RPDR" nos ensinou bastante sobre a comunidade drag, e, por extensão, todo o mundo LGBT, trazendo positividade e união. Com participantes gays, trans e 11 vencedoras, cada uma agregou uma característica primordial ao o que é ser drag e um indivíduo LGBT na nossa sociedade ainda tão opressora.

Inspirado numa postagem do Reddit, trouxemos o que é ser drag pela ótica de cada uma das coroadas da corrida das loucas da RuPaul.


Bebe: drag é dignidade

A vencedora da primeira temporada trouxe uma característica fundamental: dignidade. Bebe Zahara Benet veio diretamente da África para provar, desde o primeiro episódio, que o ato de ser drag não faz o homem ser menor, e como é uma arte digna que merece todo o respeito e admiração. Madame Cameroon foi a escolha perfeita para encabeçar o time de vitorias e começar um legado ao mundo LGBT.


Tyra: drag é luta

A vencedora mais controversa do show é amada por uns, odiada por outros, porém é incontestável: a gata é um exemplo de luta. Indo ao show com poucas roupas, não tendo lugar para morar e um filho para criar, Tyra Sanchez mostrou, aos 21 anos, como vale a pena brigar pelos seus sonhos e venceu aos trancos e barrancos, sempre impressionando na passarela.


Raja: drag é fashion

Desde o início tivemos participantes que trouxeram peças de moda impressionantes (Nina Flowers não nos deixa mentir), mas foi com Raja que o patamar foi elevado ao máximo. Uma verdadeira fashion model, Raja ainda é icônica pelos seus looks de cair o queixo, demonstrando como ser drag é ser fashion, moderna, desafiadora, vanguardista, artística e imortal. Supermodel of the World: The Sequel.


Sharon: drag é transgressão

Enquanto ser drag estava (e ainda está, na verdade) bastante aliado a ser "feminina", Sharon Needles chegou para bagunçar o jogo. Jamais querendo se enquadrar no molde convencional, a queen chocou pela sua persona assustadora e dia-das-bruxas-é-todo-dia, abrindo novas portas para a visibilidade drag e retirando violentamente a arte de dentro da caixa. O programa nunca mais foi o mesmo.


Chad: drag é profissionalismo

Caso Sharon estivesse fora do jogo, Chad Michaels teria vencido a quarta temporada do programa, tanto que Mama Ru fez o primeiro "All Stars" todinho para Chad vencer. E também pudera: ninguém foi tão profissional, classuda e sabendo como jogar o jogo como Chad. Unindo a seriedade dos anos de carreira com a jovialidade que a arte pede, Chad é o melhor dos dois mundos, envelhecendo como vinho e nos ensinando como é preciso ser profissional para alcançar a linha de chegada.


Jinkx: drag é performance

Depois de vencedoras com visuais fortíssimos, Jinkx Monsoon chegou tímida, com roupas questionáveis e visual que a colocava atrás das concorrentes, todavia, ninguém mostrou um nível de performance maior que o dela. A nossa drag Meryl Streep, Jinkx atua e canta como nenhuma outra, vencendo a temporada mais concorrida quando passou oito semanas seguidas no top dos desafios por destruir em suas performances.


Bianca: drag é intrepidez

No discurso de vitória de Bianca Del Rio, ela falou que nunca foi uma queen de dublagens, característica básica da arte drag, mas ela nem precisou: ela é, até hoje, a única participante a nunca ficar entre as piores do desafio durante toda a temporada. Comediante de insultos, Bianca trouxe um nível de intrepidez absurdo, sendo afiada e venenosa, e, ao mesmo tempo, adorável, ensinando que devemos ter coragem de sermos nós vemos acima de tudo.


Violet: drag é confiança

Com apenas 22 anos durante o programa, Violet Chachki se assemelhava à Raja em termos fashions, porém, o que a drag trouxe de mais forte foi sua confiança. Impressionando até mesmo Mama Ru, Violet jamais deixou que a vissem suar, sendo absolutamente segura de si, sobre sua capacidade e quem ela era enquanto pessoa e drag - repetindo, com 22 anos de idade. É preciso confiar em si mesmo acima de tudo para que outras pessoas também confiem.


Bob: drag é política

Altamente engraçada e preparadíssima para o programa, Bob The Drag Queen sempre falou ser uma "queen para o povo", porque o ato de ser drag é puramente político. Em tempos de conservadorismo contra pessoas negras e gays, Bob é uma verdadeira ativista, colocando discursos políticos na sua arte para nos lembrar que, muito mais que entretenimento, a existência drag vai ao campo da militância enquanto ainda somos segregados.


Alaska: drag é perseverança

De se candidatar quatro vezes antes de entrar no programa, conseguir uma vaga na quinta temporada, ver seu namorado vencer enquanto ela mesma perdia, até voltar para brilhar no "All Stars 2", a caminhada de Alaska foi longa dentro do programa. A maior fã do show, como ela mesmo afirma, Alaska é exemplo de perseverança, de como todos os "nãos" recebidos não podem nos fazer fraquejar. Mesmo sendo controversa na temporada em que venceu, a coroa de Alaska é mais que junta pela sua força de vontade.


Sasha: drag é inteligência

Enquanto umas se gabam por serem bonitas, magras e polidas, Sasha Velour sempre se gabou por ser inteligente, virando um meme ambulante sobre história queer e intelectualismo, mas se engana quem a acha arrogante: inteligência é alma do negócio. Foi com ela que a participante entregou performances geniais e passarelas brilhantes, sempre aliando seu intelecto filosofal com a paixão pela arte.


Não ache, você, leitor, que as queens aqui são exemplos absolutos para o meio LGBT. Elas, humanas, também cometem erros, dão aquele close errado e pisam na bola, no entanto, puseram na mesa valores construtivos que nós, LGBTs, precisamos nesses momentos escuros de ignorância e intolerância.

E só para deixar claro, ser drag é ser fabulosa.


***


Sempre estivemos dispostos a usar nossa plataforma como algo além do tradicional “noticiar” e aproveitarmos nosso alcance em prol do que merece a máxima atenção possível.

Essa matéria integra a campanha #AmarNãoÉDoença, que visa celebrar a diversidade sexual e de gênero. Somos apoiados pelos veículos abaixo assinado.

Tem como não amar a Alaska? Sério, não dá!

Assim como todo o mundo, ela tá de olho na Lady Gaga e a fase do seu novo disco, “Joanne”, e em um vídeo feito para o canal WOW Presents, decidiu apresentar um tutorial MARAVILHOSO sobre como se vestir igual a nova era da cantora que, basicamente, consiste na simples combinação da brusinha cropped e shortinho jeans.

É claro que, se tratando de Alaska e Lady Gaga, nada é realmente simples, mas o melhor é a forma como a drag contextualiza todo o tutorial. Estamos morrendo de rir aqui!

Olha só:


Falando na Alaska, há alguns dias ela lançou seu novo disco, “Poundcake”, e o disco rende várias pérolas, como a parceria com a Adore Delano em “The T” e a homenagem aos seus fãs brasileiros na debochada “Come to Brazil”. O melhor é que, fora ser bem-humorado, a produção do disco tá mesmo muito boa.

Ouça no Spotify:


RAINHA.
Com a estreia da segunda temporada de "RuPaul's Drag Race All Stars" batendo à nossa porta - no próximo dia 25, nos pegamos em tom de nostalgia sobre as 10 queens que retornam à competição em busca de um lugar no panteão do mundo drag. Então nos dispusemos a pensar: quais os melhores (e piores) episódios da história de "RuPaul's Drag Race"?

Depois de oito temporadas regulares, um "All Stars" e 110 episódios, sentamos e avaliamos cada acontecimento para reunirmos aqui nossos 10 piores episódios da herstory do reality - post com os melhores vem em breve. Como o montante de desamor por esse programa é muito baixo, alguns dos listados nem são realmente ruins, péssimos, horríveis, mas tem que fechar a lista, não é mesmo? Então decidimos categorizar os episódios por cores: os roxos são considerados [Michelle Visage's Voice] "meh", os laranja são "oooh no she betta don't!" e os vermelhos são "you are fucking terrible".

Os critérios utilizados para as escolhas foram os mais diversos, deste os desempenhos, edição, jurados, vereditos, lipsyncs e tudo o que tiver dentro do episódio, mas principalmente o desafio. Então senta e acompanhe os 10 episódios que receberam nosso "sashay away!".

#10: S04, E02: WTF!: Wrestling's Trashiest Fighters
Na terceira temporada, no lendário lipsync entre India Ferrah X Mimi Imfurst, Mama Ru decreta uma das regras básicas da arte drag: não se trata de um esporte de contato. Mas como a idade avançada a faz esquecer das coisas, o segundo episódio da quarta temporada, "WTF!: Wrestling's Trashiest Fighters", colocou as queens para simularem luta livre, numa versão super caricata e óbvia. Se não bastasse o desafio bem "que diabos?", fazendo jus ao nome, ele é recheado de momentos estranhos (todo o momento em que a The Princess aparecia atuando, principalmente) e uma vitória dupla de Chad Michaels e Madame LaQueer tão insonsa que até nos espantamos no "Reunited" quando Ru relembra que esta última venceu o desafio - graças à Chad, segundo às próprias participantes. Temos que concordar com elas.

#9: S03, E05: QNN News
A longuíssima terceira temporada foi, de longe, a mais difícil de todas em termos de estresse, com nada menos que 15 episódios e vários desafios de costura - os mais difíceis. E era difícil não errar pelo menos uma vez. Buscando explorar o CUNT das participantes, Ru mandou todo mundo brincar de jornalista em dois telejornais "ao vivo" (tão real quanto a falta de botox no rosto da matriarca). Com poucos momentos memoráveis, o episódio segue a passos lentos e sem graça, culminando numa das mais injustas vitórias de um desafio já cometidas no programa: Shangela perdendo para a Manila Luzon, que fez absolutamente nada de mais no desafio, ao contrário de Shangela, que ofuscou todo mundo. Mama Ru, não querendo escancarar o favoritismo, ainda deu a vitória à Manila com cara e tom de quem tá fazendo aquilo obrigada. Não passou a vida dizendo "meu programa, minhas regras"? Então não venha com esse showzinho, henny. #JUSTICEFORHALLELOO

#8: S01, E05: Drag School of Charm
Todas as temporadas temos um episódio de "makeover", onde as participantes devem transformar alguma pessoa de fora numa versão fraterna/materna de si mesmas - e, sendo curto e grosso, os episódios em sua maioria são desastrosos. Primeiramente por levar uma queen ao chão graças aos não-esforços de outra pessoa, quanto pelos resultados muita vezes fracos - difícil montar alguém que você nunca viu em um dia. A primeira temporada começou com grande estilo ao trazer mulheres para o "makeover", mas mulheres másculas, musculosas e com traços "masculinos". E se de favoritismo vive o programa, é desde a primeira temporada, caindo aqui em cima de Rebecca Glasscock, que venceu o desafio colocando uma peruca loira e um vestido tubinho preto na sua parceira. Really, queen? Shannel, a verdadeira vencedora do desafio, passou horas dizendo o quanto Rebecca não merecia a vitória (concordamos toda), que levou a um dos Bottom 2 mais sofridos do programa : Bebe Zahara Benet X Ongina, duas das maiores concorrentes da temporada. Até hoje choramos.

#7: S04, E09: Frock the Vote!
O ato de fazer drag é puramente político, mas misturar drag e politicagem não deu certo em "Flock the Vote!". As cinco participantes restantes tiveram que preparar uma campanha política para se elegerem a primeira drag queen presidente dos Estados Unidos. Pode até parecer uma boa premissa, mas o episódio vem abaixo quando as queens são colocadas na parede ao terem que fazer campanhas sérias, ao invés de usar o humor óbvio para o desafio. Com participação de Dan Savage, o ativista LGBT desestruturou todos os planos das cinco ao abordar de forma séria suas campanhas. Ainda bem que algumas delas não deram ouvidos ao cara e conseguiram fazer algo minimamente engraçado, senão seria perda total.

#6: S07, E04: Spoof! (There It Is)

Mama Ru, marqueteira como só ela, jogou na roda o desafio em que as queens deveriam criar três paródias de três de suas músicas, "Sissy That Walk", "Let The Music Play" e "Dance With U". A injustiça já começa com a escolha das músicas, pois "Sissy That Walk" é a única com clipe, ou seja, o time que ficou com a música deveria não só parodiar a canção, mas também o clipe, realizando versões caricatas das queens do clipe original - as outras tiveram que fazer nada disso, apenas criar um conceito e a paródia. Uma completa bagunça, o episódio começa a construir rivalidades - Pearl X Miss Fame, joga um Bottom 2 só pelo climão - Pearl X Trixie Mattel, e ainda elimina a que foi melhor na dublagem, mais uma vez salvando Kandy Ho sabe por qual motivo. O tema da passarela, "Verde", rendeu poucos looks incríveis - Miss Fame, Pearl roubaram a cena - e as paródias nem ao menos ficaram engraçadas. Next!

#5: S04, E10: DILFs: Dads I'd Like To Frock
Olha mais um "makeover" aqui, gente! O desafio de transformação da quarta temporada foi marcado pelo retorno de Kenya Michaels - para fazer a Carmen Carrera e ser eliminada no mesmíssimo episódio - e cinco papais que deveriam ser transformados em cinco mamães pelas competidoras. Fora isso, todas tinham que aparecer grávidas na passarela e realizar uma performance de striptease (!?). Como esperado, entre convidados completamente irritantes (o par da Sharon chegou a brigar com Chad Michaels) e apresentações apáticas e sem graça (o par da Kenya, coitado), os últimos minutos deram um sopro de felicidade com o lipsync incrível de Latrice Royale com "(You Make Me Feel Like) A Natural Woman" - sendo a primeira e única participante a não sair do lugar num "Lipsync For Your Life".

#4: S02, E06: Rocker Chicks

Quando RuPaul pela primeira vez na história do programa disse "pela primeira vez na história do programa", ela pediu para as participantes da segunda temporada cantarem ao vivo numa performance com plateia. A música? Uma versão rock (?) de "Ladyboy", da própria apresentadora, claro. Sabemos que o programa é da Ru e ela faz o que ela quiser, mas nunca, nem mesmo no cotadíssimo "All Stars", as coisas foram manipuladas como em "Rocker Chicks". Raven era a óbvia vencedora dum desafio sem grandes performances, mas a vitória foi para Jessica Wild, quase um prêmio de consolação. E pela terceira vez seguida temos a participante com imunidade fazendo o pior trabalho, dessa vez com Tyra Sanchez apresentando um número que fez os jurados olharem com cara de "o que diabos é isso?". Ainda bem que Ru decidiu tirar imunidades a partir da quinta temporada, pois os exemplos de queens aproveitando para entregar trabalhos medíocres são vários. [Tatianna's voice] a hot mess.

#3: S08, E05: Supermodel Snatch Game
Todos os desafios da todas as temporadas são segredo até o momento do episódio, com a única exceção do Snatch Game, que desde a segunda temporada é fixo. Rendendo episódios incríveis (como o da quinta temporada) e outros mais fraquinhos (como o da terceira), o da oitava temporada veio envolto de muita expectativa pelas fortes participantes (Bob The Drag Queen já era carta certa de vitória), Derrick Barry como Andrea Mello Britney Spears e uma passarela dedicada para divulgar e enaltecer Madonna (!!!!). Só que tudo foi um completo fiasco. No desafio, vencido por Bob, nenhuma das performances conseguiu ser épica como a de outras temporadas, as duas juradas convidadas, Gigi Hadid e Chanel Iman, são, de longe, duas das piores juradas a aparecerem no programa, dando críticas completamente fracas, infundadas e pioradas pela edição que fez de tudo para que elas parecessem super engraçadas. Para fechar o bonde descarrilado, a passarela foi uma decepção completa com o Kimonogate e a eliminação de Acid Betty continua sendo uma das mais injustas da história do programa. E nada justifica escolher "Causing a Commotion" numa noite temática de Madonna, viu?

#2: S07, E06: Ru Hollywood Stories
Chamada de "pior temporada de todas", a sétima conseguiu a proeza de entregar vários episódios fracos, mas nenhum tão ruim como "Ru Hollywood Stories". Aqui as participantes deveriam recriar três versões que explicavam como Merle Ginsberg, jurada das duas primeiras temporadas, foi substituída por Michelle Visage. Ain't nobody got time for that! Em roteiros ridículos, todo o desafio foi absolutamente patético e digno de esquecimento, só piorando com a edição forçando uma rivalidade inexistente entre Merle e Michelle. Poderia pegar o primeiro lugar da lista se não fosse pela passarela "Morte Lhe Cai Bem", uma das melhores da história do programa. Amém Violet Chachki.

#1: AS1, E02: RuPaul's Gaff-In
A primeira temporada de "RuPaul's All Stars Drag Race" já começou toda errada ao colocar as participantes para competirem em duplas, rendendo vitórias sem fundamento, eliminações injustas e muito mimimi. Mas nada perto do desafio "RuPaul's Gaff-In". Como não poderia rolar um Snatch Game, as queens tiveram que imitar celebridades em esquetes, aquelas comédias curtas e que fizeram sucesso na década de 60 - algo meio "A Praça é Nossa". Não há palavras para descrever o quão ruim foi todo o episódio, com tiradas cômicas que matavam de tédio, momentos vergonhosos e uma vitória sem lógica de Yara Sofia e Alexis Mateo. Please, make it stop.


***
É com dor no coração que listamos esses episódios, pois nosso amor pelo programa é gigante, porém temos que soltar o chá de vez em quando para as coisas melhorarem, certo? Reclamaram tanto do "All Stars 1" que a continuação não será em duplas, a voz do povo é a voz de deus! E para você, qual é aquele episódio do reality que você não consegue chegar perto? Tem algum aqui listado que você ama e quer defendê-lo? Conta pra gente.  Everybody say love!

P.S.: Se você está pensando "cadê ShakesQueer???": o episódio, considerado por muito como um dos piores, é tão errado que acaba sendo divertidíssimo - é uma delícia ver tudo dando tão errado. No T, no shade, no pink lemonade.