Review: O seco retrato histórico de Kathryn Bigelow sobre a morte de Bin Laden em “A Hora Mais Escura”!

O primeiro concorrente ao Oscar de “Melhor Filme” na 85ª edição do prêmio a receber a nossa review é, de longe, o mais polêmico e contr...


O primeiro concorrente ao Oscar de “Melhor Filme” na 85ª edição do prêmio a receber a nossa review é, de longe, o mais polêmico e controverso. Polêmico pelo tema, pela abordagem, pelo desenrolar e impacto histórico-cultural. A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty, 2012) conta como o governo dos Estados Unidos conseguiu capturar, e matar, o maior terrorista de todos os tempos: Osama Bin Laden.

Dirigido por Kathryn Bigelow - diretora ganhadora do Oscar pelo filme Guerra Ao Terror (The Hurt Locker, 2008) e roteirizado por Mark Boal, também ganhador do Oscar pelo mesmo - A Hora Mais Escura recebeu fortíssimas críticas. Logo nos primeiros minutos dos longos 157 já somos apresentados a algumas práticas de tortura, e bem explícitas, secas, sem rodeios. O governo norte-americano (agora indo para a realidade) atacou a distribuidora Sony Pictures pelo conteúdo do filme, que eles chamaram de “grosseiramente impreciso e enganoso”. Para eles, a fita passa a imagem de que, só foi possível chegar até Bin Laden através da tortura. Mas a confusão não para por aí: o Comitê de Inteligência do Senado Americano instaurou uma investigação junto à CIA para tentarem descobrir se alguém da agência passou informações secretas, e para eles, errôneas, para a diretora e o roteirista sobre a missão de maio de 2011. O que tudo isso causa? 1: A fama do filme aumenta, e consequentemente, sua bilheteria. Ponto positivo. 2: Bigelow é esnobada nas indicações ao Oscar, perdendo seu posto para outros diretores com trabalhos “menos bons” (não “piores”). Lastimável.

Voltando ao filme em si. A história é por vezes bem lenta e arrastada, e somos (perdão pelo trocadilho) bombardeados com milhares de informações de cunho político e bélico que não nos leva a lugar algum (numa cena de reunião no início eu não consegui assimilar quase nada). Em contra partida, há um punhado de cenas extremamente poderosas para a trama que nos fazem ficar presos à poltrona, como a cena chave do projeto: a morte de Bin Laden. Tudo isso graças à competente direção de Bigelow, que orquestra um filme com moldes faraônicos.

O elenco é bem diverso, com poucos destaques, já que Jessica Chastain rouba a cena. Todavia, esse roubar não foi feito com uma atuação eufórica ou forte, foi definido pelo próprio roteiro, o que ainda me intriga o motivo da bela atriz ganhar tantos prêmios pela atuação, incluindo o Globo de Ouro (Melhor Atriz Drama). Chastain está ruim? Não, muito pelo contrário, porém nada avassalador como Emanuelle Riva em Amor (Amour, 2012), Naomi Watts em O Impossível (Lo Imposible, 2012), e a pequenina Quvenzhané Wallis – Indomável Sonhadora (Beasts of the Southern Wild, 2012). As chances do filme levar a estatueta principal eram muito grandes (principalmente por se tratar de uma história americana numa premiação americana), mas depois da esnobada na direção, a dúvida paira. Veremos se a Academia nos reservará surpresas (creio fortemente que não). O filme concorre em 5 categorias: Melhor Filme, Melhor Roteiro Original, Melhor Atriz - Jessica Chastain, Melhor Montagem e Melhor Edição de Som.

Por fim, Bigelow cria um filme sólido, que evoca o patriotismo da maior potência mundial (ou ele na verdade mostra o lado frágil e destrutivo desta?). Yes, we can, até o mais temido terrorista caiu perante seu poder. Vemos toda a operação costurada cirurgicamente, e isso até surpreende, já que o filme foi escrito, produzido, dirigido e lançado um ano após o fato, rapidez impressionante. Se o produto final ficou mais para o lado cultural (um filme feito para nos entreter) ou histórico (feito para guardar o “marco americano”), ou os dois, isso depende de você que assiste.

  • Próxima Review do Oscar: As Aventuras de Pi, de Ang Lee: sexta, 25/01.