De volta ao Brasil, Kongos conversou com a gente sobre seu novo disco, próximos passos e a pressão pós-hit

Batemos um papo com o Jesse, baterista da banda, sobre a pressão para conseguir um novo hit depois de "Come With Me Now", o que podemos esperar dos hows no Brasil e muito mais

Formada pelos irmãos Johnny, Jesse, Daniel e Dylan Kongos, a banda KONGOS saiu da África do Sul para o mundo ao misturar um rock alternativo com ritmos característicos de seu país de origem, criando um som dançante e bastante original. Com três álbuns lançados, os caras acabaram, sem querer, saindo do nicho alternativo ao verem músicas como "Come With Me Now" e "I Want To Know", do seu segundo CD, "Lunatic", se tornarem hits dois anos depois de terem sido lançadas, pegando todo mundo de surpresa. 



O grupo só esteve uma vez no Brasil, no Lollapalooza de 2015, mas já tem um caso de amor com o país. A gente sabe como fazer uma banda se sentir verdadeiramente amada, né? Prestes a pisarem em solo tupiniquim de novo, conversamos com o Jesse, baterista do KONGOS, sobre como foi se apresentar no Lolla, a pressão para conquistar novos hits e as bandas alternativas sendo cada vez mais tocadas nas rádios e conhecidas pelo grande público:

***

It Pop: Bom, pra começar, nem todo mundo conhece o KONGOS, né? Então, conta pra gente, quem é o KONGOS?
Jesse: Sim, sim, muitas pessoas não nos conhecem mesmo. Somos uma banda de rock da África do Sul e temos morado nos Estados Unidos por bastante tempo. Somos quatro irmãos da África vivendo pelo mundo.

Qual a maior diferença entre o "Lunatic" e o "Egomaniac"?
Jesse: O "Egomaniac" é mais moderno, conseguimos entender e visualizar melhor nosso som e isso afetou a forma como fizemos esse novo álbum. 

O "Egomaniac" tem uma vibe anos 80 e soa muito mais dançante. Como foi o processo de experimentar algo diferente e misturar isso com o próprio som do KONGOS?
Jesse: Somos quatro pessoas e escrevemos e pensamos no som de forma individual às vezes. Escrevemos em tempos diferentes, no meio da turnê, e isso faz com que misturemos as coisas. Não queremos fazer o mesmo álbum duas vezes, queremos fazer mais, mudar, mas sabemos que, se mudarmos demais e muito rápido, as pessoas não vão nos reconhecer. Não queremos mudar a essência. É animador e necessário experimental coisas novas, mas tentamos manter a essência.

Vocês dirigiram o vídeo de "Take It From Me". Como foi essa experiência? Pretendem fazer algo assim novamente?
Jesse: Com certeza vamos fazer mas vídeos assim, seja dirigindo ou estando envolvidos na produção, porque somos egomaníacos [pegou a referência ao nome do álbum?] e controladores. Pra mim, foi assim: a gente ia ter um diretor e depois decidimos fazer nós mesmos. Chamamos um cara que ia pra escola comigo, Logan, ele é câmera e editor e ele nos ajudou muito. Foi muito legal e divertido. Chamamos nossos amigos e fizemos grandes cabeças para o vídeos, o que acabou sendo bastante detalhado, mas muito legal. Nós gostamos desse processo e queríamos que o vídeo refletisse o humor da letra e o conceito do álbum de forma bastante visual, com as cabeças crescendo. 



Vocês vão lançar outro single, talvez outro vídeo para o "Egomaniac"?
Jesse: Sim, provavelmente vamos. Estaremos fazendo turnê na América do Sul em abril e devemos mandar outra música para as rádios por agora. Estando em turnê nós não temos muito tempo, mas vamos tentar fazer mais coisas visuais para o "Egomaniac".

"Come With Me Now" é o maior hit de vocês até o momento. Vocês se sentiram pressionados a repetir esse sucesso com o "Egomaniac"?
Jesse: Sim. Fizemos "Come With Me Now" em 2010 e por quatro anos ninguém notou. De repente a música cresceu, as pessoas passaram a ouvir e se tornou algo gigante pelo mundo. Todo mundo começou a ouvir e foi bem louco. Claro que quando temos um hit e temos que fazer algo depois tem pressão, mas tentamos não ligar pra isso e não deixar que isso afete a música. A parte boa disso é que todo mundo soube da música e, com isso, conheceu o KONGOS e foi escutar nosso álbum, e nosso disco não soa só como essa canção. A parte boa é que as pessoas passam a conhecer a banda como um todo, entendendo quem somos além de uma música só. 



Vocês já estão trabalhando no novo disco? Já sabem como vai soar?
Jesse: Não especificamente. Temos ideias de músicas que vamos por mas, no momento, estamos fazendo turnê e nos preparando para isso e tudo isso toma muito do nosso tempo. Vamos continuar trabalhando nesse álbum ["Egomaniac"] e depois pensar no que queremos fazer. Vamos fazer álbuns para sempre, então temos tempo. Não sabemos exatamente como vai soar. Escrevemos músicas com guitarras e piano, mas não sabemos como vai soar até irmos ao estúdio. Então, vamos terminar a turnê primeiro. A música não vai ser muito diferente. Música boa vai ser música boa não importa quando feita.

Nós temos visto várias bandas alternativas como twenty one pilots, WALK THE MOON e Imagine Dragons dominando o cenário da música. O que você pensa sobre essas bandas alternativas e a música alternativa se tornando cada vez mais pop, mais conhecida e mais tocada nas rádios?
Jesse: Não acho que seja algo tão diferente assim. Às vezes rola de banda se tornarem mainstream mesmo. Essas bandas estão aí por tanto tempo e demoram para fazer sucesso, mas um dia aparecem. Acho que a ideia de uma banda sempre vai ser algo popular. Mesmo com a música pop, com o hip-hop, assim assim as pessoas gostam de ver vários músicos tocando em um palco, sempre foi assim e acredito que é algo que sempre vai acontecer. 



Vamos falar do Brasil! Animados para voltar?
Jesse: Sim, com certeza! A última vez que estivemos aí foi no Lollapalooza [2015] e foi um dos nossos shows favoritos. O show de São Paulo compete com o show que fizemos em Paradise Valley [cidade natal da banda] pelo título de melhor show que já fizemos porque foi muito bom mesmo! Estamos animados para voltar com um novo set, fazer nosso próprio show e ver como os fãs respondem a isso.

Da última vez que esteve aqui, conseguiu aprender algumas palavras em português? Conta pra gente!
Jesse: Sim, poucas, mas eu sei falar "obrigado"!

Foi bom! Melhor que o meu "obrigada"! E o que estão planejando para esse show?
Jesse: Estamos planejando essa turnê desde setembro do ano passado, tocando variações das nossas músicas do "Egomaniac" e tem dado 90 minutos de muita diversão, muitas mudanças e adições especiais. Será parecido com o show que já temos feito, mas não será igual. As pessoas do Brasil ainda não ouviram as músicas novas ao vivo, então isso é a prioridade. Vamos manter a energia lá no alto. Amamos fazer shows e ver as pessoas dançando, pulando e se divertindo.

Pode deixar uma mensagem para os fãs brasileiros?
Jesse: Estamos animados para voltar! Vocês foram ótimos em 2015, no Lolla, e contamos pra todos de vários lugares do mundo sobre a experiência que tivemos aqui no Brasil, sobre o café, as pessoas... Estamos animados para voltar.

***

Se você tá pronto pra pular, dançar, se divertir muito e, claro, ajudar a segurar o nosso posto de um dos melhores públicos da banda e representar muito bem o nosso país, garanta seu ingresso para o show da banda! O KONGOS se apresenta no dia 19 de abril no Cine Jóia, em São Paulo, e até esse dia chegar você pode aquecer bastante ao som do oitentista "Egomaniac".