It Investiga: Precisamos encontrar uma rebelde, mas cuidado, pois ela é conhecida por sua força, agressividade e dissimulação!

Recebemos mais um chamado do FBI, entretanto, desta vez, estamos à procura de uma figura perigosa. Ela é conhecida por performances chocantes, língua afiada, um corpo extremamente forte, com habilidades de dança contemporânea, com tecido e diversos outros tipos de acrobacias, utilizadas para chocar e, de forma evasiva, conquistar tudo que deseja. Seu verdadeiro nome é Alecia Moore, mas é conhecida por um codinome dissimulador: P!nk.

No ano de 2000, o mundo estava à pleno vapor com a febre da música pop. Diversas loiras com coreografias sensuais e refrões pegajosos dominavam os charts de todo mundo. A sociedade estava tão focada neste estilo de artista, que não percebeu a chegada de uma artista com o objetivo de ser totalmente diferente disso e derrubar todas as outras. Assim nascia Pink, a mais sorrateira do pop.


DOSSIÊ

Disfarces

Afim de chamar atenção dentro do cenário, Alecia chegou no mundo da música ruiva, fato chocante para uma época dominada por loiras. Todos foram pegos de surpresa e, com essa peruca, ela conseguiu seus primeiros hits "There You Go" e "Most Girls" do seu primeiro álbum, "Can't Take Me Home", e até uma participação na regravação da icônica "Lady Marmalade", para o filme "Moulin Rouge", seu primeiro nº1 no Hot 100. Seus planos estavam indo exatamente como planejado.



Com toda uma agenda programada, 2001 já chegou com "Get The Party Started", pois Pink queria ser a mais legal, com uma música que todos tocassem nas festas, garantido mais um sucesso para abrir os trabalhos do fenômeno "Missunderstood". Neste disco, ela adotou uma persona de adolescente sofrida, coisa que fez muito sucesso na época. Enquanto as loiras seguiam na dança, Pink conquistava os corações daqueles que brigavam com os pais. "Don't Let Me Get Me", "Family Portrait" e "Just Like a Pill" passaram por estudos comprobatórios de que, através de comunidades de jovens rebeldes do Orkut, em atos de protestos gastavam o dinheiro dos pais com singles, Pink conseguiu mais três hits e um disco com 13 milhões de cópias vendidas. 




Deslize

Tudo seguia exatamente como planejado para Pink. Em 2003, ela iniciava uma nova era, só que "Trouble", com elementos de punk e country, gêneros que há tempos não eram escutados por jovens rebeldes, fez com que seu público se desinteressasse e ela fosse derrotada pelo flop. As comunidades do Orkut passaram a bombar com a nudez e sensualidade de artistas como Britney Spears, cuja Moore, em ato de recalque, acusou de usar playback. Seu terceiro disco, "Try This" é um momento esquecido de sua carreira.




Captura e Reabilitação

Após o fiasco do terceiro disco, Pink foi finalmente capturada pelas autoridades e sofreu um processo de reabilitação, em um ambiente onde aprendeu danças, acrobacias e técnicas vocais impressionantes. Além disso, ela passou por um tratamento psicológico para utilizar isso somente para o bem. Assim nasce o "I'm Not Dead", em 2006, álbum onde ela, pela primeira vez falou a verdade sobre tudo que fez para chegar topo. Sua sinceridade gerou os hits "Stupid Girls", "Who Knew" e "U + Ur Hand", e Alecia conseguiu o perdão da sua base de fãs rebeldes, mas as autoridades mantiveram-na presa em todas as paradas do mundo. 



Evoluindo a linha seguida no disco anterior, Pink utiliza sua capacidade de atuação para o bem, montando um circo. No "Funhouse" de 2008, ela chega madura e evoluída, sem falar mal da concorrência e se importando apenas em pular de lugares cada vez mais altos em suas performances. "So What", "Sober" e "Please Don't Leave Me" foram mais tentativas de habeas corpus, mas a Billboard não facilitou, e em uma entrevista, o dono da revista disse: "Não haverá soltura sob fiança. Alecia Moore estará condenada ao top 20 do Hot 100, e qualquer posição abaixo disso estará sujeita à trabalhos comunitários e outras penalidades".



Como o single que leva o título do disco, não chegou ao top 20, Pink correu contra o tempo e lançou uma coletânea que gerou mais dois smash hits. "Raise Your Glass" e "Perfect" salvaram Moore de sofrer maiores penitências. Ainda tentando se libertar das acusações de falsiane e venenosa, ela seguiu trabalhando e seu sexto álbum chegou em 2012. "The Truth About Love" veio cheio de amorzinho e carinhos, rendendo mais e mais hits como: "Blow Me", "Try" e "Just Give Me a Reason". Entretanto, o quarto single, "True Love", também não fez o barulho esperado e a moça se desesperou.



Desaparecimento 

Após o top 60 de "True Love", Alecia recorreu ao seu amigo Dallas Green e em questão de meses ela apelou para o emocional, lançando o rose ave., nome que ninguém até hoje sabe o significado. Apesar da aclamação da crítica, os fãs rebeldes não gostaram do folk e sabotaram o álbum. Ninguém comprou nem disco, nem single. Assim, Pink pediu a Dallas para ajudá-la a fugir. Ninguém sabe como eles fizeram isso. Desde o final do ano passado, a cantora é procurada por todos seus fãs rebeldes e pelo dono da Billboard, que exige seu retorno imediato. 




Status: Emboscada

Passamos muito tempo trabalhando incessantemente para encontrá-la, além de tentar conter sua base de fãs rebeldes. Graças a agente especial, disfarçada de apresentadora de TV, Ellen DeGeneres, Pink gravou uma nova música para o seu programa "The Ellen DeGeneres Show".



"Today's The Day" foi liberada semana passada e acreditamos que a partir de agora será mais fácil manter Alecia sob custódia da Billboard. Um agradecimento especial para Ellen, que é um exemplo de competência e sempre surpreende com suas estratégias inteligentíssimas de trabalho.


Tecnologia do Blogger.