As 50 melhores músicas eletrônicas de 2016

Acharam que a gente não ia rebolar nossa bunda este ano?

Quase como se tivéssemos voltado alguns anos na história da música, a cena eletrônica voltou a ditar tendências para o mercado pop e, nos últimos anos, o que não faltaram foram DJs sendo escalados para manter o mínimo de relevância de algumas cantoras, mas por trás desse grande negócio, essa ascensão da EDM terminou como algo positivo para os fãs da música eletrônica, que conquistaram ainda mais espaço nas rádios e paradas, além de uma maior variedade de festivais especializados no gênero.

Você pode até fingir não gostar, ter certo preconceito e evita-las ao máximo, mas é inevitável que, a cada ano, sempre aparecem aquelas eletrônicas que grudam nos nossos ouvidos sem a gente nem mesmo pedir. Em 2016, nada disso foi diferente. E como forma de tornar seu fim de ano uma surra de bunda sem fim, o It Pop decidiu rankear os 50 melhores hinos da EDM neste ano (e isso foi mais difícil do que vocês imaginam). Prontos? Lesgou.


50. Alok & Bruno Martini,  “Hear Me Now (feat. Zeeba)”

Se você foi em uma balada eletrônica neste ano e não se deparou com "Hear Me Now" tocando, alguma coisa está muito errada. Considerada a grande eletrônica brasileira de 2016, a faixa traz consigo uma carga emotiva tão grande que parece estarmos flutuando ao som dos vocais calmos de Zeeba. Diferente de todos os batidões que você está acostumado a ouvir, a faixa é uma boa pedida pra dar o pontapé inicial à nossa lista das the best of.


49. Otto Knows & Avicii, “Back Where I Belong”

E foi da forma mais sorrateira possível que fomos bombardeados pela banger chamada “Back Where I Belong”. Como forma de celebrar uma amizade de infância que a gente não sabia, Otto Knows e Avicii trouxeram referências da disco dos anos 80 adaptados a um refrão totalmente épico para fazer da faixa uma das mais aclamadas na EDM em 2016.


48. Bob Sinclar, “Someone Who Needs Me”

Se o mundo da música vivesse à base de violinos e sintetizadores, este blogueiro que vos fala morreria feliz. Dono da EDM de outrora, o francês Bob Sinclar retorna ao cenário eletrônico com a eficaz “Someone Who Needs Me”, faixa que aposta num refrão repetitivo mesclado a um instrumental poderoso. Bem do jeito que a gente gosta.


47. Blonde & Craig David, “Nothing Like This”

Não é de hoje que estamos de olhos bem abertos pro duo eletrônico Blonde. Responsáveis por vários remixes sensacionais e donos de singles já reconhecidamente ótimos nos últimos anos, os caras uniram forças a um monstro da eletrônica chamado Craig David para dar vida à irretocável “Nothing Like This”. É pra f*der com força!


46. Tough Love, “Touch (feat. Arlissa)”

Divertidamente interessante, o duo eletrônico Tough Love repete a fórmula engraçadinha de fazer música ao criar o single “Touch”. Contando com os vocais potentes da britânica Arlissa (olho nela), a música vai ganhando seus contornos ditados por instrumental cheio de firulas que dá muito certo no fim das contas. Amém? Amém.


45. Jonas Aden vs Kings, “Breathe”

Lançada no início de novembro, o jovem Jonas Aden nos chamou bastante a atenção com sua parceria com Kings, na faixa “Breathe”. Tratando de imprimir um ritmo melódico e cadenciado ao começo da faixa, os vocais quase sussurrados da canção preparam o ouvinte para um refrão que não é de Deus. Solte o play e não exite em dar replay!


44. Mike Mago & Dragonette, “Secret Stach”

Pra nossa alegria, essa parceria não tem nada de inédito. Reeditando o sucesso de “Outlines”, Mike Mago e Dragonette uniram forças para fazer de "Secret Stach" um dos hinos mais promissores de eletrônica de 2016. Entre synths que beiram os limites da house e simples toques de piano, o refrão desse hino é uma das melhores coisas que escutamos neste ano.


43. The Magician, “Shy (feat. Brayton Bowman)”

Se você era leitor assíduo das nossas extintas colunas de EDM, o nome “The Magician” não é surpresa nenhuma nesta lista. Apesar de não ser unanimidade em suas produções (alguns reclamam dos toques clichês e músicas sem espírito), o DJ manda um cala boca enorme pros críticos com a ótima “Shy”, entoada por vocais suaves e batidas caralhudas.


42. Redlight & Tayá, “Here With Me”

Igual já dissemos anteriormente, como a combinação sintetizadores/violino dá certo, né?! Seguindo uma linha mais pesada do modo Clean Bandit de fazer música, o produtor Redlight pede espaço com a sua “Here With Me”. O DJ faz das batidas a dramaticidade perfeita para uma letra que implora para que o amor de sua vida o siga por toda a eternidade.


41. Louis The Child & Icona Pop, “Weekend”

Minha Icona Pop está vivíssima! Unindo forças ao dueto eletrônico Louis The Child, as meninas ditam o contorno das variadas facetas no fantástico single “Weekend”, faixa com toques altamente estridentes que se intercalam com batidas tímidas e graves de um tambor. Essa é pra dançar bem perigótica!


40. Alesso, “Take My Breath Away”

Se tem alguém que não brinca em serviço quando o assunto é música boa é o maravilhoso Alesso. Entre toques crescentes, sintetizadores poderosos e vocais ecoantes, “Take My Breath Away” é a cota de “hino romantiquinho” que não podia faltar também na EDM. Puro amor envolvido.


39. GTA & Wax Motif, “Get It All”

Em grandioso estilo, o Good Times Ahead, ou simplesmente GTA, botou pra fuder neste ano com alguns hits que beiram ao épico. Um deles, o qual escolhemos por mera necessidade de escolher algum, é “Get It All”, parceria com Wax Motif que dá o tom de um trabalho puramente house que a gente sempre pede pra escutar.


38. Flume, “Never Be Like You (feat. Kai)”

Diretamente da Austrália, o fodástico Flume pede passagem para grudar em nossas mentes um dos trabalhos mais perfeitos da EDM em 2016. Cercado por faixas nada comerciais, o cara conseguiu a façanha de ser sucesso com a diferentona “Never Be Like You”, uma ode à música eletrônica de qualidade.


37. SNBRN, “Sometimes (feat. Holly Winter)”

Esse ano tá tudo tão eclético que até espaço pro indie eletronic sobrou. Não é exatamente de um artista puramente alternativo, mas o SNBRN usou e abusou de toques que nos remetem ao melhor de MGMT e Hot Chip... até chegar o refrão. A partir dali, os sintetizadores tomam conta, numa proposta bastante arriscada e, até certo ponto, original no mercado eletrônico atual.


36. Fais, “Hey (feat. Afrojack)”

A fórmula pode ser batida, mas misturar vocais de um cantor pop com os batidões dá muito certo. Prova disso é "Hey", parceria de Afrojack e Fais. Aqui, temos uma combinação perfeita entre letra com mensagem positiva e leves vocais, que se somam à produção na medida, não apenas para as pistas, quanto para as rádios.


35. DVBBS & Shaun Frank, “La La Land (feat. Delaney Jane)”

Conhecido pelas batidas sempre fortes e melodias pra lá de dançantes, o DVBBS largou um pouco a sonoridade agressiva para se juntar a toda meiguice de Shaun Frank e os vocais pontuais de Delaney Jane em "La La Land". Com toques carregados de dramaticidade por um instrumental igualmente arquitetado, a faixa traz um ar de angústia que, fatalmente, adoramos sentir.


34. Far East Movement x Marshmello, Freal Luv (feat. Tinashe)

Segura esse comeback! Adjetivos provavelmente faltarão a este blog para descrever o quanto esperávamos para ter o retorno do Far East Movement. E não é que aconteceu da melhor forma possível? Com a ajuda do DJ Marshmello, os farofentos caçaram Chanyeol e Tinashe para dar vida à "Freal Luv". E tem de tudo na faixa: R&B, rap, break, refrão poderoso, batidão. Corre, gente!


33. Axwell Λ Ingrosso, “Thinking About You”

De uma forma bastante extrovertida, Axwell e Sebastian Ingrosso lançaram no meio do ano o single "Thinking About You". Na faixa, os DJ's brincam com os vocais modificados em meio aos synths que, vez ou outra, tomam a direção de toda a percusão musical. Tudo acompanhado de uma produção impecável!


32. Röyksopp, “Never Ever (feat. Susanne Sundfør)”

Quando escutamos “Never Ever” pela primeira vez, não entendíamos se amávamos ou odiávamos a faixa. Hoje, não conseguimos parar de tremer quando a batida insana dos primeiros versos começam a entoar o ritmo que abre alas pra rainha Sussane e seus vocais impecáveis tornarem a música um dos hinos eletrônicos desse ano. Nada menos que incrível!


31. Ruxell, “Summer (feat. Disto)”

Essa é pra quem tá preparado pra fortíssima lacração! Como bons brasileiros que somos, prezamos o que é enraizado na nossa terra e damos total espaço pro que é verdadeiramente bom. Esse é o caso de Ruxell, DJ e produtor que vem desempenhando, há algum tempo, papel importante na implantação da EDM como um dos ritmos de preferência nacional. Exemplo vivo é o single “Summer”, um flerte forte com o trap que a gente tanto ama. Vem com força, Ruxell!


30. Sebastian Ingrosso, “Dark River”

O mais puro conceito de Electronic Dance Music está transcrito em “Dark River”. Arriscando novos ares fora do projeto com Axwell, Sebastian Ingrosso pegou o que parecia uma cantiga de ninar, jogou uns poderosos sintetizadores e transfigurou o que parecia brincadeira numa fudelância sem precedentes. Achamos tendência!


29. Steve Aoki & Autoerotique, “Ilysm”

Nada é mais espetacular que uma música eletrônica te encantar principalmente pelos toques, com poucos vocais, sem quase nenhum apoio. Foi bem nessa fórmula que surgiu “Ilysm”, uma faixa que exala sensualidade e traz uma parceria pra lá de apropriada entre Steve Aoki e Autoerotique.  Hitai por nós, amém!


28. Borgeous & Loud Luxury, “Going Under”

Representando bem a ala dos hinos eletrônicos que servem pra fazer vídeo de festa badalo, “Going Under” é a representação de uma vida envolta de luxos e riquezas. Recheada de batidas bem radiofônicas e um instrumental com um boom estrondoso, a música tem espaço reservado na nossa baladinha pessoal.


27. John Gibbons, “Would I Lie to You”

A história de “Would I Lie to You” é, no mínimo, curiosa. Praticamente na mesma época, David Guetta e John Gibbons escolheram os vocais da balada clássica de mesmo nome, interpretada nos anos 90 pela dupla Charles e Eddie, para dar vida aos seus novos singles. Ocorre que o de Guetta não vingou e o de Gibbons virou uma banger. Por motivos óbvios que não nos importa discorrer.


26. Dillon Francis, “Anywhere (feat. Will Heard)”

Desde a primeira vez em que ouvimos os vocais de Will Heard em várias faixas do último álbum do Rudimental, ficamos extremamente apaixonados pelo rapaz. E dando prosseguimento a toda essa paixão, ele emprestou seu gogó para Dillon Francis lançar a divertida e descompromissada “Anywhere”. Uma delicinha em forma de música!


25. Kattison, “Up and Down”

De acordo com a revista Mixmag, Kattison é um nome que devemos nos acostumar a ouvir. Apresentando mais uma das relíquias que a música eletrônica nos esconde pelo mundo afora, o DJ deu as caras de uma forma apoteótica ao mostrar seu single de estreia, a interessantíssima “Up and Down”. Vale a pena ouvir!


24. Robin Schulz & David Guetta, “Shed a Light (feat. Cheat Codes)”

Se eles demorassem mais um pouquinho, ficariam de fora da lista. No finalzinho de novembro, o DJ sensação de 2015, Robin Schulz, juntou forças com David Guetta e Cheat Codes para criar a alegrinha “Shed a Light”.  Ao passar dos segundos, a música vai se transformando em um apoteótico hino das pistas que amamos amar.


23. Cash Cash, “Aftershock (feat. Jacquie Lee)”

Donos de um dos álbuns eletrônicos mais sensacionais do ano, o Cash Cash assegurou sua presença na lista de melhores logo no começo de 2016, quando pudemos ouvir “Aftershock”. De primeira, não conseguíamos falar nada. Depois, permanecemos sem falar. Hoje? Ainda sem ter o que dizer, só podemos sentir muito amor por essa obra-prima.


22. SIGMA, “Find Me (feat. Birdy)”

Podemos dizer que o SIGMA e sua “Find Me” são um capítulo a parte nessa lista. Com toda uma carga emocional impregnada na sua letra, os toques minimalistas presentes no início da faixa deixam toda a simplicidade de lado para tomarem proporções orquestrais. Palavras faltam neste momento! Que hinário eletrônico.


21. ALMA, “Karma”

Passam-se os anos e a música eletrônica ainda nos reserva ótimas revelações. A finlandesa ALMA (isso mesmo, dessa vez fomos longe) trouxe à sonoridade eletrônica, todo o seu potencial vocal para introduzir um cartão de visitas mais que apropriado: “Karma”. Que hino, senhores!


20. Katy B x Chris Lorenzo, “I Wanna Be”

Daquele jeitinho meigo que a gente já conhece, Katy B apresentou em 2016, seu novo disco intitulado “Honey”. Do projeto musical, podemos extrair ótimas faixas, dentre as quais destacamos “I Wanna Be”, parceria com o peso-pesado da eletrônica, Chris Lorenzo. Bem no estilo Gorgon City de ser, a menina Kátia Bê nos dá a esperança de um futuro maravilhoso à EDM de alta qualidade.


19. Oliver Heldens, “Good Life (feat. Ida Corr)”

Se não tiver Oliver Heldens, a gente nem brinca de fazer lista! Quase no finalzinho do ano, o garotinho chegou zerando a vida ao lado da icônica Ida Corr em “Good Life”. Carão de hit dos anos 80, com elementos dos anos 90 e arranjo dos anos 2000. Ficou difícil de entender? Então você pode compreender com seus próprios ouvidos.


18. Martin Garrix & Bebe Rexha, “In the Name of Love”

Em nome do amor, a gente diz sim ao Martin Garrix! Nosso xodozinho de apenas 20 anos chegou ao ápice da sua carreira neste ano, ao ser decretado o grande vencedor do DJ Mag. Também não poderia ser diferente: EP novo e parceria que rendeu ótimos frutos com Bebe  Rexha em “In the Name of Love”. Quanto orgulho!


17. Cheat Codes x Kris Kross Amsterdam, “SEX”

É tão bom quando podemos apresentar a vocês nomes diferentes daqueles que o grande cenário traz à tona (mesmo com músicas nem tão boas assim). O Cheat Codes é um desses casos típicos: introduzindo a safadinha “SEX”, o duo impressiona pelos toques de extrema classe e coesão, tudo num eargasm de pouco mais de quatro minutos.


16. Kungs vs Cookin' On 3 Burners, “This Girl”

Kungs começou bem sua carreira. O lead single do primeiro disco do DJ, This Girl, apostou numa sonoridade tropical e tornou-se sucesso nas paradas europeias, além de ser atualmente uma das músicas mais tocadas nas rádios por aqui. É aquele tipo de música que a gente com certeza vai querer ouvir na praia ou numa festa em uma noite quente.


15. Riton, “Rinse & Repeat (feat. Kah-Lo)”

Ainda que Riton não seja novato na empresa EDM, foi apenas em 2016 que o cara surgiu para o mundo na ótima “Rinse & Repeat”. Marcada pelas variadas repetições de refrão e embalada por um instrumental que acompanha os vocais de Kah-Lo, o DJ vai contornando o ritmo alucinante da faixa com firulas dignas de aplausos. A gente não podia deixar essa de fora, né?!


14. Jonas Blue, “Perfect Strangers (feat. JP Cooper)”

Não satisfeito por ter um dos singles eletrônicos mais executados do ano, ele fez questão de trazer logo outro “hitão” de f*der qualquer balada. Embalado pelo sucesso de “Fast Car”, o britânico Jonas Blue foi mais um que abusou do ritmo tropical house para fazer a batida perfeita em “Perfect Strangers”. Um amor de faixa!


13. AlunaGeorge, “I’m in Control (feat. Popcaan)”

“I’m in Control” é o próprio reflexo de como uma faixa pode grudar tão facilmente na nossa cabeça. Com um instrumental pra lá de pegajoso, dá vontade de largar tudo, arrastar os móveis da sala e sair rebolando como se não houvesse amanhã. Então, sejam bondosos em levantar as mãos pros céus e dizer “Amém, AlunaGeorge”.


12. KREAM, “Taped Up Heart (feat. Clara Mae)”

Prestem bem atenção neste nome! O KREAM despontou para o grande público logo no início do ano com “Love You More”. Depois vieram os singles “Another Life”, por último, nossa escolhida “Taped Up Heart”. Poderíamos inserir qualquer uma das três aqui, mas fomos arrebatados pelos vocais da fofura Clara Mae.


11. The Chainsmokers, “Setting Fires (feat. XYLØ)”

Não, não é Closer e não teria a menor possibilidade de ser. O que? Achou um absurdo? Pois então coloque os fones de ouvidos, pare o que está fazendo e aprecie “Setting Fire” sem moderação. Aí vocês entenderão nossa escolha.


10. DJ Snake, “Let Me Love You (feat. Justin Bieber)”

Justin Bieber foi o queridinho do ano, e isso rendeu muitas parcerias boas. Na eletrônica, além da parceria com o Major Lazer, ele se uniu a DJ Snake em “Let Me Love You”, que virou hit instantâneo, estreando no top 20 de várias paradas mundo afora. A música contém elementos clássicos do DJ e, na voz de Bieber, não poderia faltar na lista das melhores eletrônicas do ano.


09. Martin Solveig, “Do It Right (feat. Tkay Maidza)”

Outro repeteco da nossa lista de eletrônicas é o DJ Martin Solveig (ano passado ele apareceu com o hino “Intoxicated”). Acompanhado da maravilhosa Tkay Maidza, o francês faz de “Do It Right” a confusão sonora mais acertada do ano, ao misturar vários tipos de sonoridade em pouco mais de três minutos de faixa.


08. Calvin Harris, “This Is What You Came For (feat. Rihanna)”

Baaaaby, this is what you came for! Quem não reproduziu esse verso nem que seja uma vez no ano, que atire a primeira pedra. Reeditando o sucesso de “We Found Love”, Calvin Harris e Rihanna embarcaram num novo hit que, não menos que o primeiro, fez muita gente ralar a ppk no chão... bem insinuante!


07. Jax Jones, “House Work (feat. Mike Dunn & MNEK)”

Todos os anos surgem músicas com as quais nos identificamos pela estranheza dos seus deliciosos toques. Em 2016, a responsável por essa sensação é a faixa “House Work”, parceria cheia de sintetizadores de Jax Jones com Mike Dunn e o amável MNEK. Vai dizer que não é boa?!


06. Black Saint, “Could You Love Me?”

Single de estreia e já vem hitando assim? Pode entrar, Black Saint! Diretamente de Londres, o DJ simplifica sua descrição com um “minha intenção é apenas trazer música boa”. E assim ele trouxe batidas inigualáveis na promissora “Could You Love Me?”, canção que dá o pontapé de uma carreira que queremos acompanhar de perto.


05. MK & Becky Hill, “Piece of Me”

Imaginem só a situação: você, com mais de vinte anos de estrada, lança um single dance que, despretensiosamente, vira um hit em toda a Europa. Foi exatamente isso que aconteceu com o veterano Marc Kinchen, mais conhecido pela sigla MK. “Piece Of Me” é a banger que te faz bater cabelo sem medo de ser feliz.


04. Gorgon City, “All Four Walls (feat. Vaults)”

Costumamos dizer que o Gorgon City é o duo eletrônico mais classudo da indústria. E não é difícil de explicar a assertiva: o uso de pianos, violinos, baterias e outros instrumentos tiram aquela sensação de que a música é completamente fabricada por sons “não naturais”. Basta ouvir nossa 4ª posição para comprovar.


03. Major Lazer, “Cold Water (feat. Justin Bieber & MØ)”

Figurinha certa em todas as listas eletrônicas do It, aqui está o Major Lazer fazendo bonito por mais um ano. Dessa vez com “Cold Water”, o grupo de Diplo conseguiu reunir os dois intérpretes de recentes sucessos dances para hitar mais uma vez. Resultado? Outra tropical house de tirar o fôlego.


02. Don Diablo, “Cutting Shapes”

Sinceramente, ficamos muito divididos qual seria o topo da nossa lista. E o responsável por toda a indecisão tem nome: Don Diablo. Lançando a sensacional “Cutting Shapes”, o cara dá um tom futurístico/robótico à música em meio a toques que fazem toda a diferença ao conjunto da obra. Que batida é essa?!


01. Galantis, “No Money”

O duo sueco de eletrônica conquistou o mundo ano passado com o hit “Runaway (U &I)”, um dos melhores sons do ano, e voltou em 2016 se (re)afirmando como um dos maiores nomes da EDM atual. “No Money” segue a fórmula que deu certo dos singles anteriores e não poderia dar mais certo. Um hit pronto, que conquistou as pistas do mundo todo e garantiu um primeiríssimo lugar na nossa lista.


Caso queira incorporar o espírito eletrônico pro ano que começa em breve, ouça e siga a lista completa das 50 melhores eletrônicas pelo Spotify: