Reprodução/Divulgação Antes de falecer, o músico trocou muitas figurinhas com a cantora e deverá fazer mais aparições em seu novo disco.

“Make Me Feel”, da artista importante Janelle Monáe, teve os dedos do próprio Prince

Antes de falecer, o músico trocou muitas figurinhas com a cantora e deverá fazer mais aparições em seu novo disco.
Janelle Monáe lançou na última semana dois novos videoclipes, que abriram os trabalhos de seu quarto disco, “Dirty Computer”, e uma das faixas em especial, o single carro-chefe “Make Me Feel”, chamou a atenção do público por sua clara inspiração no músico Prince e, pra sermos mais exatos, na sua faixa e videoclipe “Kiss”.


Mas o que parecia ser apenas uma inspiração em um dos maiores artistas dos últimos tempos ficou ainda melhor: Lenka Paris, também conhecida por ter sido uma das DJs de Prince, entregou que a faixa teve os dedos do cantor, que também colaborou em outras músicas desse novo trabalho de Janelle.


Numa publicação já deletada em seu Facebook, a DJ conta que o cantor havia mostrado as batidas de “Make Me Feel” para ela há aproximadamente dois anos, durante uma festa, e quando ouviu o single de Monáe, ela não teve dúvidas, eram as mesmas batidas.

“Ele deu [o som] para ela. Era um pioneiro e muito à frente de seu tempo. Ouvi ontem a entrevista por telefone da Janelle com Annie Mac e parece que os sons e batidas do Prince estarão presentes no álbum dela. Ela não pode falar muito, ficou emocionada, e disse que é difícil falar sobre ele e que sente falta dele. Essa música é brilhante. A genialidade de Prince continua a me impressionar. Sinto falta dele.”

Janelle Monáe falou sobre o assunto numa entrevista e afirmou que, sim, Prince colaborou com algumas batidas do disco. E sendo uma de suas maiores inspirações, a cantora manda avisar: “seu espírito nunca me deixará.”

Lindo demais, né?

“Dirty Computer” será lançado no dia 27 de abril e tem tudo pra ser um dos álbuns mais bem sucedidos da carreira de Janelle. O projeto audiovisual também conta com o videoclipe de “Django Jane”, no qual a cantora faz a sua chamada para uma revolução negra e feminina: