Review: essa é... nossa review para o (grandioso) "This is..." da dupla Icona Pop!

Elas não se importam com isso, mas amam. Donas de um dos hits-atrasados mais legais desse ano, “I Love It (I Don’t Care)”, Ayno e Carol...

Elas não se importam com isso, mas amam. Donas de um dos hits-atrasados mais legais desse ano, “I Love It (I Don’t Care)”, Ayno e Caroline formam a dupla de indie-pop sueco Icona Pop, mas disso é provável que vocês já saibam. Na Suécia, eles fizeram seu debute ainda em 2012, com um fantástico álbum homônimo, mas ainda faltava um pouco pra que elas ganhassem o resto do mundo e por isso elas foram se vender lá nos EUA, produzindo um novo disco desta vez acompanhadas por nomes de peso como o Benny Blanco, Shellback, Stargate e até o brasileiro Kool Kojak, quase todos responsáveis por recentes hits de Rihanna, Ke$ha, Britney Spears e Katy Perry.

Por lá, o álbum foi chamado “This is... Icona Pop!” e lançado no fim de setembro desse ano, incluindo o sucesso “I Love It”, além do carro-chefe “All Night” e os buzz-singles que antecederam o lançamento do álbum completo, “Girlfriend” e “In The Stars”. Se elas vão ou não sobreviver nesse mercado que tanto ilude esses artistas em ascensão, os derrubando na mesma velocidade que os colocam lá em cima, a gente não sabe, mas de fato “This is...” é um p*ta cartão de visita. Queremos voltar sempre.



Quem abre os trabalhos com o disco é nada menos que o grande smash, “I Love  It”. Até hoje, custamos a encontrar a Charli XCX nessa música, mas fontes garantem que ela realmente está por lá. As batidas dançantes, regadas de synths e somadas aos vocais sincronizados da dupla não resultam em algo menos contagiante e, caso você não saiba dançar, ao menos seus pés estarão se mexendo. Não tem como não dançar, muito menos não amar, mesmo que você não se importe. Dando sequência ao material, a festa continua em “All Night”. Numa sonoridade parecidíssima com a do grande sucesso, a faixa mantém a fórmula: vocais sincronizados com esse coro auto-tunado, o batidão, mas o diferencial vem em sua letra, com um jogo de palavras bem mais legal que de sua antecessora. “Vamos lá querido, nós podemos alcançar as luzes, fazer o errado parecer certo, agitar o clube, fazer do pop um rock. Com um amor tão profundo, nem precisamos dormir, e é como se pudéssemos fazer isso a noite toda”.



No mesmo clima festivo, “We Got The World” é o grito de liberdade da dupla. Para a infelicidade dos que não aprovam as duas primeiras do álbum, a fórmula se mantém fiel, sem grandes mudanças, mas seus versos repetem o grande trunfo da faixa anterior. “Eles dizem que você é estranho enquanto nos divertimos, que devemos estar bêbados enquanto espalhamos o amor. Mas nós só estamos vivendo nossas vidas e nunca vamos parar. Nós temos o mundo”. Como se torna notável nessa altura do campeonato, a ideia é viver cada dia como se fosse seu último, mas tudo ficaria bem chato se você fizesse sozinho e é aí que entra a filosofia de vida do refrão de “Ready For The Weekend”, uma das mais frenéticas de toda a breve carreira dessas suecas. “Agarre alguém e vá viver, sim baby, vamos lá! Se prepare para o fim-de-semana!”.

A gente não sabe com vocês, mas ao menos por aqui, só em “Girlfriend” pra escutarmos algo vindo do 2pac. Em um genial rip-off de um dos maiores sucessos do rapper já não mais entre nós (assim como o Akon, R.I.P.), elas dão uma descansada nas fucking parties pra dizer que tudo o que precisam pra sobreviver nesse mundo de pecados é uma da outra. Estão sentindo o cheiro? Isso mesmo, é de couro, hahahaha. Pegando carona no ritmo mais devagar, vamos de encontro com “In The Stars”, qual conhecemos um pouco antes do disco por conta de um remix para a Samsung. Em sua versão final, porém, a música fica ainda mais interessante, trazendo outra vez os vocais sincronizados, além de muito, mas MUITO sintetizador. “Os céus estão abertos. Para onde estamos indo? Fica nas estrelas. É isso o que nós somos.”



“On A Roll” é a sétima música do disco e primeira em toda a tracklist com as mãos do Shellback e Kool Kojak. Logo em seus primeiros segundos, as mãos de terceiros já são notáveis. O começo, com os synths entrando de forma mais tímida e introduzidos por um vocal que brinca de ser instrumental, nos remetem a um pop meio 8-bit, meio 80’s à la Lady Gaga “The Fame” e sim, isso é muito bom. Liricamente falando, a liberdade é quem continua reinando. “Estou acordando, na pista de dança, continua parecendo perfeito. Estou andando, em direção a porta, para o circo. Eu pulo o trem, eu nunca pago, porque sou uma rockstar. Você vai e urina, sua bebida é tão segura comigo [...] Em um rolo de novo, mandando ver outra vez”.



Ainda como resultado da produção de terceiros, “On A Roll” é sucedida por uma baladinha (111!!!!!) linda de morrer, “Just Another Night”. Aqui, a nossa surpresa é tripla, 1) essa é uma baladinha de verdade, L-E-N-T-A e funcional; 2) os vocais da dupla aparecem um de cada vez, nada de apenas versos sincronizados e isso também funciona; 3) que vozeirões, hein? Quem produz o hino é o Stargate, mesmo de “Diamonds” da Rihanna, e estamos certos de que o time de produtores sabia bem o que fazia quando colocaram essas duas pra acalmar os nervos e aqui a letra também não fica atrás. “Caminhando pelas rachaduras no pavimento. Mais uma noite para ser desperdiçada. Olhando para seu nome. Eu penso se está saindo com alguém no centro. Me pergunto quem estaria dançando com você agora. Você faz o mesmo?”. HINO. HI-NO. H-I-N-O. E sem prometer.

O disco podia acabar com “Just Another Night”. Na realidade, elas poderiam passar o resto da vida sem lançar mais nada só pra não estragar o legado dessa música, mas preferiram ir além e nos trouxeram mais 3 canções no “This is...” e que canções! “Hold On”, sucessora do hino pra vida, começa com algumas cordas de maneira tímida, ganhando forma ao decorrer da canção com uma bateria que só explode de verdade em seus segundos finais. E olhem só,  é mais uma falando sobre amor — elas amam isso E SE IMPORTAM — “segure, pois não acho que posso nos salvar, baby. Se segure, pois eu não sinto como se estivesse partindo”. Dando sequência ao gran finale, “Light Me Up” traz um pouco de rock para o cd. A bateria, em “Hold On” bem contida, aqui é a atração principal, nos remetendo a canções como “Yoü and I” e “Gold Trans AM”, respectivamente da Lady Gaga e Ke$ha, ambas com sample de “We Will Rock You” do Queen. “Eu sei que você tem quebrado a cabeça tentando entender quem sou eu”. Auxiliando no quesito rádio, mesmo não soando como um single em potencial, a música ainda conta com alguns “oh oh oh oh” que a torna bem forte no fator chiclete. E gruda mesmo!



“Da luz do dia até o anoitecer ao nascer do Sol. Através dos seus olhos, meus olhos. Seus lábios nos meus lábios, depois nos seus quadris e nossos quadris mexendo juntos... EN-TÃO-NOS-BEI-JA-MOS!”. Encerrando o disco, vamos de “Then We Kiss”, outro grande destaque do álbum. Com produção do Patrick Berger, mesmo de “I Love It” e “All Night”, a música repete a fórmula do pop feito pras rádios atuais com aquele gostinho de décadas passadas, mas sem fazer com que tenhamos aquela sensação de já ter escutado isso antes. Toda a ideia de se divertir amando, amar se divertindo, é reforçada ao decorrer dos versos e então nos beijamos! Quer dizer, e o resultado não é menos que incrível. Seu instrumental lembra um pouco “Take On Me” do A-Ha, há pouco sampleado pelo Pitbull com a Christina Aguilera em “Feel This Moment”, mas como dissemos, aqui não temos aquela sensação de ser algo datado, já ouvido antes. É uma lembrança vaga e bem positiva, por sinal.




Em suma, THIS is Icona Pop e esperamos que elas não mudem tão cedo, pois estamos amando sem se importar.