Calma, gente! Que tá tudo bem entre Ludmilla e a namorada, Brunna Gonçalves!


A cantora de “Amor difícil” deu um susto no público após usar seu Twitter para reclamar desabafar sobre ver coisas que não gostaria no celular de alguém, dizendo: “Pegar celular que não é seu pra ver a hora e descobrir coisa errada é foda.”


Em seguida, Lud continuou a fic falando que achou “mentira onde nem tava procurando.” Mas não tardou em explicar o que estava rolando: foi tudo marketing pra promover sua música nova em parceria com o Orochi, “I Love You Too”.


Parte do projeto ao vivo de pagode “Numanice”, a canção chegou aos streamings nesta sexta-feira (18) e, em sua letra, Ludmilla desabafa após encontrar mensagens de outra pessoa no celular do parceiro Orochi, que justifica dizendo se tratar apenas de uma fã.


Pra quem não conhece a história da música, “I Love You Too” pode soar esquisita aos ouvidos brasileiros pelo sotaque de Ludmilla e algumas escolhas de palavras, isso porque a canção, na verdade, é uma regravação de outra do mesmo nome, lançada no ano passado pela cantora cabo-verdiana Soraia Ramos - seu país de origem, assim como o Brasil, sofreu colonização portuguesa, tendo o idioma, ligeiramente diferente do falado no Brasil, como a sua língua oficial.


Ouça a música abaixo:



Se aventurando pelo pagode, Ludmilla estreou o projeto “Numanice” neste ano com um EP composto por seis faixas, incluindo uma versão solo do seu feat com o Silva em “Pôr do sol na praia”, além de destaques como “Amor difícil” e “Não é por maldade”. Com “I Love You Too”, a cantora dá início a versão ao vivo do projeto, que contará ainda com versões para sucessos como “A Boba Fui Eu”.

Pabllo Vittar não erra nos feats e, assim como rolou com as parcerias presentes no “111 Deluxe”, tem um apreço em especial pela cena independente pop brasileira, que é de onde ela veio, né? E nessas, os achados nunca terminam e a indústria se retroalimenta, permitindo que novos-novos nomes também tenham a vez de ter seu lugar ao sol.


De fora do último disco da drag, quem lançou parceria com ela foi o cantor Chameleo, aposta nacional e LGBTQ trabalhadíssima nas referências internacionais, com a faixa “frequente(mente)”, revelada no último mês com um videoclipe onde ele e a dona de “Bandida” vivem um romance sci-fi dirigido por Federico Devito.


Na madrugada desta quinta (17) a música ganhou uma nova versão, agora sob as mãos do duo brasileiro de hyperpop Cyberkills, que se despediu dos ares de calmaria da canção original para carrregadíssimos graves e sintetizadores que fritam o desabafo de Chameleo ao melhor estilo de artistas como SOPHIE, Arca e 100gecs.


Ouça abaixo:


Pela segunda vez trabalhando com Pabllo Vittar, Cyberkills é também o nome por trás do remix de “Buzina”, presente na versão remix do álbum “Não Para Não”. A dupla se apresenta neste final de semana na festa virtual Trophy, através da plataforma de videoconferência ZOOM, ingressos gratuitos estão disponíveis no Sympla.



E vamos de enaltecer artistas brasileiros que estão começando! O Fábio Sina lançou na última sexta-feira (04) seu EP de estreia, “Selvagem”, em que mostra toda a sua versatilidade.


Nascido no Complexo do Alemão e abertamente LGBTQI+, Fábio usa de influências nacionais como funk e samba, além de outras sonoridades como hip-hop, synthpop e R&B para falar sobre relacionamentos, empoderamento e autoconhecimento.


Entre as nossas favoritas do EP de oito faixas está “Jogo”, um R&B delicioso com carinha de IZA; o pop-funk com batidas de trap de “A Gente Veio Pra Ficar”, um manifesto de que a favela veio pra tomar conta do asfalto, “graduar e conquistar”, como diz o artista; e o synthpop de “Tragédia”, digno de Troye Sivan. 


O “Selvagem” é um material honesto e muito visceral de um artista que está apenas começando, mas promete muito mais. Bora valorizar os novos nomes do pop br?


Quem sintonizou no canal 32 da TV UHF na noite da última quinta-feira (03) assistiu ao emblemático momento em que a frequência que em outrora abrigou a antiga MTV Brasil e, até então, pertencia a rede religiosa do pastor Valdomiro Santiago, teve sua programação tomada por um homem vestido de alienígena, que se identificou pelo nome de “Mr. 52X”.


Interpretando um hacker prestes a invadir o sistema, a chegada do misterioso personagem foi supertransmitida através de todos os meios possíveis: pela tv aberta, na programação da tv paga e, de graça, também pela internet. Tudo de maneira simultânea, em tempo-real.


Na sequência, o que tomou conta da programação foi um episódio do clássico anime “Cavaleiros do Zodíaco”, com o lembrete de que a história poderá ser assistida neste mesmo canal de segunda à sexta, a partir das 20h no horário de Brasília.


Assim, sem pedir licença, estreou a tão aguardada Loading TV: emissora multiplataforma de cultura pop que promete trazer para a televisão brasileira uma nova forma de se traduzir a linguagem jovem e digital com imersão completa das redes sociais e grade que abrigará desde de música aos games, com foco pesado na cultura ocidental, dos animes aos hits do k-pop.



Sediada no prédio que também pertencia a antiga MTV em São Paulo, na Sumaré, o novo canal têm usado seu Instagram para anunciar algumas de suas atrações, incluindo títulos como “Ranma ½”, “Cardcaptor Sakura” e “Power Rangers”, além de uma parceria com a Sony Pictures Entertainment que ainda somará muitos filmes, séries e outras produções ao catálogo.


Com estreia marcada para a próxima segunda-feira, dia 7 de dezembro, a emissora usará dos próximos dias para invasões da programação que funcionarão como um termômetro para o seu alcance e engajamento: conteúdos como o episódio exibido de “Cavaleiros do Zodíaco” na última quinta poderão ser desbloqueados conforme a utilização da hashtag #invasaoloading no Twitter. Tudo é orquestrado e anunciado pelo tal Mr. 52X, que tem um perfil próprio nas redes sociais.


Já em sua programação oficial, os carro-chefes dessa primeira fase deverão ser programas focados no público geek e dos e-sports, com outros formatos na manga estando prontos para aos poucos serem revelados.




The Weeknd pode até ter sido esnobado pelo Grammy, mas no que depender do resto da indústria e, claro, esforços do próprio cantor, continuará sendo um dos grandes nomes desse ano por conta do disco “After Hours” e o smash hit “Blinding Lights”.


A música, detentora de recorde de maior permanência no top 5 da Billboard Hot 100 por suas 28 semanas consecutivas, se consagrou como o inegável hit de 2020 e, não contente, o dono de “Save Your Tears” veio sedento por mais e, nesta sexta (04), revelou uma versão remix da faixa.


Sem mudanças no seu arranjo, o que poderia facilmente ser enquadrado como um crime, o reforço do remix fica para os vocais da canção, aqui divididos com ninguém menos que a cantora espanhola Rosalía, repetindo uma estratégia semelhante ao que ele fez quando relançou “In Your Eyes” com a Doja Cat.


Sendo dois artistas que exalam aquela mistura de mistério e sensualidade desde a thumbnail do Youtube até quaisquer quinze segundos de um story no Instagram, a química na faixa funcionou perfeitamente bem, nos fazendo torcer pra que seja essa a versão levada pelo músico para o Super Bowl de 2021, do qual será a atração do halftime show.




Mais uma que caiu na corrente da Grimes pelo Whatsapp, a atriz Letitia Wright, a Shuri de “Pantera Negra”, deixou seu público bem decepcionado por conta de seus recentes posicionamentos através do Twitter.


Na rede social, a jovem, cotada para assumir o manto de Chadwick Boseman na sequência do filme da Marvel em 2021, se manifestou contra a vacina de combate ao COVID-19, associando o medicamento com uma suposta agenda anti-cristo e toda aquela ladainha de “chip da besta”, que já circula pelo imaginário de conspiracionistas há eras.


Na primeira publicação, feita há algumas semanas, a atriz afirmou: “me perguntando se realmente sabemos o quão longe vai essa agenda anticristo…”.



Já em outra postagem, publicada nesta quinta-feira (03), ela compartilhou um vídeo do Youtube com mais de uma hora de duração de propaganda anti-vacina, com o título “Vacina do COVID-19: Nós devemos tomá-la?”.


Apesar das reações negativas dos seguidores, a atriz manteve os tweets no ar e ironizou: “Se você não se conforma com a opinião popular, faz perguntas e pensa por conta própria, as pessoas te cancelam.”



Nas telonas, longe dos conspiracionistas de Youtube, Wright dá vida a personagem Shuri, irmã de T’Challa e, entre outras coisas, grande entusiasta da ciência, utilizada por ela para a pesquisa e criação de armas, medicamentos, armaduras e outras coisas baseadas no metal “vibranium”, tido como uma das maiores matérias raras de Wakanda.