Mostrando postagens com marcador notícias. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador notícias. Mostrar todas as postagens
Depois de rumores envolvendo “Alice” e “Free Woman”, Lady Gaga pode ter escolhido “911” como novo single do “Chromatica”.

A faixa, uma das favoritas dos fãs, foi performada no VMAs, que aconteceu neste domingo (31), ao lado dos singles “Rain On Me” e “Stupid Love”.


Logo depois, a canção ganhou uma aba de promoção com links para todos os serviços de streaming (veja aqui), e até a Siri, assistente pessoal do iPhone, avisou que “911” é sim o próximo single de Gaga.


Depois do Video Music Awards, Bloodpop, um dos produtores do “Chromatica”, disse em seu Instagram que agora a era vai finalmente começar. Vem aí ou não vem?
SELEPINK IN YOU AREA! Depois de muita espera, a aguardada parceria entre BLACKPINK e Selena Gomez finalmente está entre nós. "Ice Cream" chega no finalzinho do verão norte-americano e sul-coreano, mas já tem cara de hit. Confira.



A parceria entre as cantoras vem sendo especulada desde o início do mês, quando o BLACKPINK anunciou uma parceria misteriosa por meio das redes sociais. No comecinho, muitos especularam que se tratava de Ariana Grande, mas não demorou muito para que o portal sul-coreano "My Daily" confirmasse que a canção seria em colaboração com Selena Gomez.

"Ice Cream" é a terceira grande parceria internacional do grupo. BLACKPINK já colaborou com a Dua Lipa para faixa "Kiss and Make Up", e recentemente com Lady Gaga para a faixa "Sour Candy", do disco "Chromatica". "Ice Cream" faz parte do disco "The Album", o primeiro álbum de estúdio do grupo previsto para outubro.
Anitta agora é trapper. O gênero, derivado do rap, cresce no Brasil há alguns anos e, principalmente pela internet, já catapultou inúmeros nomes ao cenário mainstream, tendo forte presença digital e, consequentemente, um público majoritariamente jovem, possui como alguns dos seus grandes nomes artistas como Recayd Mob, Sidoka e Raffa Moreira, além de agora, é claro, Anitta.

A cantora que começou sua carreira no funk e, pelos últimos anos, se dividiu entre o mercado pop e latino, já vinha se aproximando desse estilo musical pelas beiradas e, em seus dois últimos lançamentos, deixou mais do que clara a nova empreitada.

Quem assinou a estreia de Anitta no trap foi outro nome influente do meio: WC no Beat. Apontado como uma das referências na mistura do trap com o funk, WC lançou na semana passada seu novo disco, “GRIFF”, e conseguiu um dos feitos mais inesperados desse ano, que foi unir Anitta e Djonga na mesma canção.

Longe dos versos em espanhol e influências do reggaeton que ditaram o tom de suas últimas músicas, “Cena de Novela” traz a artista carioca mais do que enturmada dentro de sua nova proposta, com versos rimados que buscam fazer o encontro das suas novas inspirações no rap com a familiaridade do funk.



O flow de Anitta está aprovado?

Uma semana depois de “Cena de Novela”, foi a vez de mais uma parceria de Anitta no trap chegar ao público. Ao lado de Dfideliz, do Recayd Mob, BIN e seu parceiro de longa data, Papatinho, em “Tá com o Papato” Anitta vem ainda mais ousada, aqui sequer flertando com o funk pra facilitar a assimilação do público. “Chegou a patroa”, ela versa, em referência a treta com Ludmilla, que também rendeu a música “Cobra Venenosa”, enquanto segue falando sobre ela, Papatinho e manda até alguns versos em inglês, se autointitulando uma “diva worldwide”.

Anteriormente, Papatinho e Anitta haviam colaborado na música “Onda Diferente”, com Ludmilla, presente no disco “Kisses”.



Apesar da chegada de Anitta ao trap ainda ser uma novidade, a cantora nunca escondeu a sua influência no hip-hop, o que vai desde a sua admiração por Beyoncé a recente aproximação de artistas como Cardi B e Megan Thee Stallion pelas redes sociais, sem contar nos inúmeros feats com rappers em todas suas investidas no mercado internacional, como Tyga em “Desce pro play”, Swae Lee em “Poquito” e Snoop Dogg em “Onda Diferente”.

Será que essa nova fase da cantora pega?

Não foi só a bebê Daisy Dove Bloom que Katy Perry colocou no mundo esta semana. Seu novo disco, “Smile”, chegou nessa sexta-feira (28) com o objetivo de nos fazer sorrir e, em uma primeira ouvida, podemos dizer que a artista foi bem sucedida em sua missão.

Diferente do “Witness”, um trabalho mais experimental (ao menos para os padrões de Katy), o “Smile” é, de certa forma, uma volta às origens em termos de sonoridade para a cantora, tendo alguns elementos aqui e ali de “PRISM” e até “Teenage Dream”. Ainda assim, o “Smile” se destaca na discografia de Katy por mostrar seu amadurecimento: como pessoa, mulher, artista, filha, futura esposa e, agora, mãe. 

A artista reflete sobre os pontos baixos de sua vida que se sucederam após o desempenho moderado do “Witness” e o témino de namoro com seu atual noivo e pai de sua filha, Orlando Bloom. E é interessante notar que Katy poderia ter apostado em um álbum triste para contar essa história. Ao invés disso, ela fala de superação, força, amor e resiliência de forma leve, mas poderosa, nos convidando a dançar em meio às lágrimas. 



Entre os destaques do disco, pontuamos “Cry About It Later” e “Teary Eyes”, que juntas com “Never Really Over” formam a tríade perfeita para a abertura de um álbum como esse; “Champagne Problems”, que em seu início soa como um divertido brega funk; e a deliciosa “Tucked”, a cara do verão.

Pelas músicas do “Smile”, muitas sendo possíveis hits, fica claro que Katy não mais busca o sucesso dos charts, embora haja potencial em várias dessas canções. Se o objetivo dela fosse o êxito comercial, ela teria escolhido outros singles e investido mais em rádios e playlists. Porém, percebemos que a artista está em um outro momento da vida dela, um em que sucesso pra ela é chegar ao final do dia sorrindo e sabendo que nos fez sorrir também. Então, pode ficar tranquila, Katy. Você conseguiu.

Em meio aos diversos anúncios e trailers divulgados neste sábado (22) no DC Fandome, ainda houve espaço para um painel surpresa e junto dele um anúncio: um filme em live-action do personagem Super Choque está em negociações! A tentativa de levar o personagem aos cinemas é antiga, mas parece que agora vai. 

Com sua primeira aparição nos quadrinhos em 1993, Virgil Ovid Hawkins conquistou o público, principalmente o brasileiro, na série animada "Super Choque", no início dos anos 2000. A série acompanhou a adolescência de Virgil e promoveu encontros bacanas com Superman, Batman e outros membros da Liga da Justiça.

Como a produção ainda está em negociações, não há qualquer previsão de quando a adaptação será lançada nos cinemas. Outra dúvida que fica é se "Super Choque" será integrado no mesmo universo de Liga da Justiça ou se terá um universo próprio visto que a DC e Warner estão apostando em multiversos, ao invés de conectar todas suas produções.
Após a denúncia de Ray Fisher, que alegava abuso de poder de Joss Whedon no set de "Liga da Justiça", a Warner abriu uma investigação interna para apurar o caso. A informação foi divulgada pelo próprio Fisher no Twitter, nesta quinta-feira (20).

"Após cinco semanas de entrevistas com membros da equipe e elenco, a Warner iniciou uma investigação interna para chegar a cerne do ambiente tóxico e abusivo durante a regravação de 'Liga da Justiça'. Isso é um avanço enorme. Acredito que a investigação irá mostrar que Geoff Johns, Joss Whedon, Jon Berg e outros abusaram de seu poder durante a fusão da AT&T e Warner", disse.

Na primeira semana de julho, o ator afirmou nas redes sociais que o diretor foi "nojento, abusivo, sem profissionalidade e completamente inaceitável". A denúncia ainda alegou que a conduta de Whedon no set tinha apoio de ninguém menos que o Presidente da DC Entertainment, Geoff Johns, e do produtor Jon Berg.

As falas de Fisher foram suficiente para que um segundo rumor sobre a conduta de Whedon chegasse ao público. De acordo com Grace Randolph, criadora do canal Beyond The Trailer, o diretor teria forçado Gal Gadot a gravar a polêmica cena em que o Flash (Erza Miller) cai sobre Mulher-Maravilha. No fim, a atriz não aceitou gravar, o que resultou no uso de uma dublê de corpo - que explica porquê não vemos o rosto da atriz nessa cena.

Já o fotógrafo Jason Laboy acrescentou que Whedon ainda ameaçou a dublê caso ela não gravasse tal cena. Curiosamente, há uma cena similar em "Vingadores: Era de Ultron" em que Mark Ruffalo cai sobre Scarlet Johansson.

A produção de "Liga da Justiça" foi totalmente conturbada. Em meio as gravações, Joss Whedon foi chamado para reescrever algumas cenas pois o estúdio as achava sombria demais. Tudo piorou quando Snyder se afastou após a morte de sua filha, o que resultou com que Whedon assumisse a direção. O resultado foi um filme com dois tons totalmente diferentes e uma sensação de que muita coisa estava faltando.
Um dos políticos americanos de maior presença nas redes sociais, Barack Obama tornou tradição que, anualmente, suas músicas favoritas do verão sejam reveladas e, também anualmente, impressionem o público pela curadoria tão precisa, que não se limita ao que teve sucesso comercial nas paradas americanas.

Neste ano não poderia ter sido diferente e a “Barack Obama’s 2020 Summer Playlist” entrega tudo e mais um pouco, contando com músicas como “Already”, presente no álbum “The Gift”, da Beyoncé, “Be Honest”, da Jorja Smith, e até a recente “Un Día”, de J Balvin com Dua Lipa e Tainy.



Artistas confirmados na Convenção do Partido Democrático, que acontece entre os dias 17 e 20 de agosto, em Milwaukee, nomes como John Legend, Common, Jennifer Hudson e Billie Eilish também aparecem entre as músicas selecionadas.

Ouça a playlist completa abaixo:


Obama, eu imploro, entre em minha casa e refaça todas as minhas playlists!
Ainda levantando inúmeras questões sobre como acontecerá de maneira segura em meio a uma pandemia, uma das maiores premiações da cultura pop americana, MTV Video Music Awards, mantém a sua próxima edição confirmadíssima para o dia 30 de agosto e com uma lista cada vez maior de artistas em seu line-up.

Há algumas semanas, a MTV já havia dado como certo as performances de artistas como The Weeknd, J Balvin e BTS. Dona do hit “Say So”, Doja Cat também foi escalada, além da boyband latina CNCO e o dono do hit “The Box”, Roddy Rich.

Agora, mais nomes chegam para a lista que mantém nossas expectativas nas alturas, incluindo Miley Cyrus, que lançou há alguns dias seu single de retorno, “Midnight Sky”, e a dupla que fez chover no planeta Chromatica, Lady Gaga e Ariana Grande, garantidíssimas para um dueto em “Rain On Me”.


Um dos grandes nomes da música pop em 2020, a cantora Dua Lipa passou praticamente despercebida com os clipes do seu álbum mais recente, “Future Nostalgia”, e deve ficar de fora também das atrações musicais, enquanto os rumores falam ainda sobre uma possível aparição de Selena Gomez, que lança música com as sul-coreanas do Blackpink dois dias antes do evento, e Christina Aguilera, cotada ao título de Artista Vanguarda.

O MTV Video Music Awards 2020 acontecerá no dia 30 de agosto, diretamente do Barclays Center, em Nova York, com transmissão pela MTV Brasil.
Ao contrário de inúmeros artistas que têm se adaptado aos ditos “novos formatos da indústria”, apostando na baixa temporada de shows pra se apresentarem nos formatos de drive-in, a cantora Pabllo Vittar está disposta a esperar até que realmente seja seguro retornar aos palcos, com a promessa de que só voltará a fazer shows quando houver uma vacina contra o COVID-19.

A decisão é, obviamente, a mais sensata. Sem uma vacina, ainda que os eventos se comprometam a cumprir com todas as normas da OMS, não têm controle total aos processos de entrada e saída do público, bem como colocam em exposição a saúde de seus funcionários, ou, em casos como o criticado show dos Chainsmokers nos EUA, podem ainda contar com a irresponsabilidade do público que, não contente em saírem de casa numa quarentena, podem descumprir com as regras desse tipo de show e colocarem em risco a saúde de todos ao redor.

Desta vez não indo longe demais, uma vez que faz coro ao pedido de que “se puder, fique em casa”, Pabllo foi tão elogiada por suas palavras sobre esse atual cenário, que ganhou até mesmo uma homenagem feita pelos moradores de São Gotardo, em Minas Gerais, que expuseram um outdoor agradecendo as palavras da drag queen. “O povo trabalhador de São Gotardo está contigo, Pabllo Vittar. #ficaemcasa”, diz o cartaz.


Sobre os shows drive-in, Pabllo afirmou em entrevista ao Estadão:

“Eu acordo de manhã sabendo que ainda não tem vacina e é muito triste ver que o governo também não faz quase nada pela população que mais precisa. Então, como eu vou subir num palco pra drive-in? Primeiramente, para isso a pessoa tem que ter carro. Quem tem carro no Brasil? Não tem como eu subir num palco sabendo que tem um monte de gente que não está nem podendo trabalhar. Essa não é a energia que quero pra mim.”

No comecinho desse ano, em março, Vittar lançou o disco “111”, de onde extraiu hits como “Amor de que”, “Parabéns” e o feat. com a Charli XCX em “Flash Pose”. Sem a divulgação massiva pelos palcos e programas de televisão, a cantora cumpriu uma longa agenda de lives e participações em eventos virtuais, além de ter apostado no formato animação para o clipe da canção “Rajadão”, lançado em julho.

Ela veio! Miley Cyrus chegou com tudo em sua nova era com o lançamento da incrível “Midnight Sky” no início desta sexta-feira (14).

Produzida por Andrew Watt, nome por trás de músicas como “Eastside”, “Break My Heart” e “Anywhere”, “Midnight Sky” aposta em uma vibe new wave com influências de canções de rock (tem até sample de “Edge Of Seventeen”, da Stevie Knicks) e uma pitadinha da tendência disco-pop que tem rolado em 2020.

Essa mistura faz da faixa o primeiro single perfeito para o novo material de Miley, porque traz a artista confiante e muito confortável, em uma sonoridade que tem a cara dela. Parece que ela finalmente se encontrou! 

Já no clipe, gravado durante o isolamento social e dirigido pela própria Miley, ela aparece com seu cabelo estilo mullet usando muito looks que combinam perfeitamente as influências sonoras do single enquanto performa a canção com muita atitude. Simples, mas elegante.

SELPINK IN YOUR AREA!

Após muita especulação, as meninas do BLACKPINK revelaram nessa terça-feira (11) quem é o artista misterioso presente em seu novo single. E é... Selena Gomez

Em anúncio feito nas redes sociais do grupo e da artista, BLACKPINK e Selena confirmam o lançamento da faixa, ainda sem nome, para o dia 28 de agosto.



A parceria vai servir como primeiro single oficial do disco de estreia do BLACKPINK. Por enquanto chamado apenas de “THE ALBUM”, o material tem estreia marcada para o dia 2 de outubro.

Por enquanto ficamos aqui aproveitando a quarentena pra aprender a coreografia de “How You Like That”, single promocional do disco das garotas. Bring out your boss bitch!


Foram muitos adiamentos e incertezas sobre a nova era de Miley Cyrus, mas a artista anunciou nesta quinta-feira (06) que está oficialmente de volta ao revelar a data de lançamento de seu novo single, “Midnight Sky”.

A faixa que, pela prévia divulgada no instagram da cantora, vai misturar disco com rock, em uma vibe new wave, chegará no dia 14 de agosto, sexta-feira que vem. 

Junto com a capa da canção, Miley também reconheceu todo o tempo de espera pelo qual seus fãs tem passado, mas nos assegurou que agora ela está vindo e é pra valer: “eu sei que parece que vocês estão esperando há uma vida... mas não mais. Ela finalmente está aqui”.


“Midnight Sky” deve servir como primeira amostra da lenda urbana “SHE IS MILEY CYRUS”, álbum de Miley que, como a gente bem sabe, deveria ter saído ano passado, mas não rolou. E nós ficamos aqui com a esperança de que agora vai!
São 23 horas e alguns minutos de uma terça-feira qualquer. Abro o Spotify e sei o que quero ouvir. Pesquiso por “Rico Dalasam”, vou até sua página e desço em busca do seu último trabalho. “Dolores Dala Guardião do Alívio”, isso. Aperto o play.

O que se sucede aqui, é uma experiência que poucos artistas são capazes de compor, daqueles álbuns que te transportam para uma outra realidade, têm o poder de te causar sensações e, como aqui ele antecipa a partir do seu título, te transmite uma dose de alívio no meio do caos.

Quase despercebido entre o que entendemos como mainstream, o trabalho mais recente de Rico Dalasam consegue, sem muito esforço, se mostrar um dos mais completos e bem produzidos desse ano. E não digo isso pensando apenas no mercado nacional.



Cancelado por muitos e elogiado por outros tantos, o músico tem como uma das principais passagens de sua carreira o sucesso ao lado de Pabllo Vittar no carnaval de 2017, “Todo dia”, seguido de toda a polêmica que envolveu as disputas judiciais pelos direitos de composição da faixa, hoje extinta das principais plataformas de streamings — o que é uma pena.

Tais trâmites legais, por sua vez, estão longe de caber ao Tribunal do Twitter, então que os deixemos nas mãos daqueles que estudaram para tratá-los da forma adequada. (E se ainda existe alguma reflexão que nos cabe fazer acerca da música, que seja sobre o quanto Rico e Vittar se tornaram, ao longo dos últimos anos, muito maiores do que o sucesso invisível, e têm a devida importância pelo trabalho que seguiram fazendo desde então.)



Em 2020, ouço, vejo e sinto “Guardião do Alívio” numa posição muito parecida com a qual experienciava dois dos meus discos favoritos do ano passado: “Rito de Passá”, da MC Tha, e “AmarElo”, do Emicida. Como trabalhos que, transpassando a necessidade de colecionar números exorbitantes ou grudar no imaginário popular com sequências de versos chicletes, se colocam num lugar de arte que quase não encontramos dentro desse fluxo instantâneo e tão automatizado da indústria atual, daqueles discos que não basta botar pra rodar enquanto fazemos mil e outras coisas, que o peso e importância não se moldam aos quinze segundos de um ‘TikTok’ e que, consumindo-os por completo, entendemos que o negócio não era apenas escutar. Era preciso sentir.

Parece exagero, até um pouco arrogante. Mas leva em consideração os tempos atuais, esse cenário caótico em que sociedade, política, saúde e tantos outros tópicos se atravessam, não como as interseções que sempre existiram, mas mais como balas perdidas, que nos levam ao limite ao mesmo tempo que nos separa, nivela por baixo, e aí volta pra esses sons e olhares, esse convite que transborda sensibilidade, sobre versos e vivências há tempos silenciados, subjulgados, com uma passagem de ida para um lugar onde o que predomina é essa sensação de, enfim, equilíbrio.

É o que a música pode fazer.


Perdi a noção do som, aqui perdido entre minhas próprias palavras. Volto ao Spotify, repito a quarta faixa do disco, “Circular 3”. É um registro de senhoras conversando em um ônibus. Me policio pra não simplesmente escrever a exclamação vaga e tão cheia de significados “é sobre isso!”. Porque é o que é.

Esse negócio de isolamento mexe com a gente. Nesse momento em que sequer podemos trocar abraços, ter ao nosso alcance um álbum que soe tão verdadeiro, vulnerável e humano pode ser uma experiência grandiosa.

Agradeçam ao Rico por mim.
Dua Lipa, minha filha, vamos com calma! Na noite dessa terça-feira (04), a artista anunciou que lançará uma versão remix do disco “Future Nostalgia”, com faixas retrabalhadas por diferentes produtores e com participações de vários artistas. 

Chamado de “Club Future Nostalgia”, o álbum contará com o já anunciado remix de “Levitating”, em parceria com Madonna e Missy Elliott, e produzida pela The Blessed Madonna, além de um remix de “Physical” com Gwen Stefani e produção de Mark Ronson. 

Em seu anúncio, a cantora não falou nada sobre a inclusão de novas faixas, como a aguardada “It Ain't Me”, com a Normani, porém avisou que a nova versão do álbum contará ainda com muitas outras surpresas. Será que vem aí?

O “Club Future Nostalgia” chega dia 21 de agosto, uma semana depois do remix de “Levitating”, marcado para dia 14.


Obrigada por nos manter tão bem alimentados nessa quarentena, Duazinha.
Pode pegar o bloquinho de notas e começar as anotações, porque Luísa Sonza e MC Zaac estão prontos pra te ensinar o único exercício possível aos que estão quarentenados com o arroba e sem muitas opções do que fazer em sua música nova.

Sucedendo os hits “Braba” e “Flores”, essa última com participação do cantor Vitão, a cantora brasileira Luísa Sonza dá sequência na divulgação do seu segundo álbum com a faixa “Toma”, produzida pelo coletivo Brabo Music Team, com quem trabalhou anteriormente em outra que amamos: o feat com a Pabllo em “Garupa”.

Mais uma vez acompanhada, Sonza conta aqui com a participação do MC Zaac, que também colaborou com o Brabo Music Team em “Desce pro play”, e chega batendo nos 150bpm nessa mistura de pop com batidão de funk que só quer saber de uma coisa: agachar e tomar.

Não sem antes, é claro, prender o cabelo e flexionar o joelho. Acho que decoramos. Ouça abaixo:


“Toma” já teve seu clipe gravado, a produção chegará ao público na manhã desta sexta-feira.
Drew Barrymore começou sua carreira ainda mirim e fez muito sucesso nos anos 2000 graças a "As Panteras", "Como se fosse a Primeira Vez" e também "Letra e Música". Aos 45 anos, ela deixará um pouco de lado a sétima arte para estrelar o seu próprio talk show, o "The Drew Barrymore Show", em 14 de setembro. Sua primeira prévia foi divulgada nesta quinta-feira (30) e traz a atriz entrevistando seu eu mirim.

Na prévia, Drew entrevista uma pequena Drew de sete anos. Os trechos de sua versão mirim foram retirados de uma entrevista concedida por ela para o "The Tonight Show Starring Johnny Carson", durante a promoção de "ET - O Extraterrestre", lá no início da década de 1980. A prévia foi divulgada com exclusividade para a Entertainment Weekly e pode ser conferida aqui.

O novo talk show será transmitido pela CBS e deve ser todo good vibes. Segundo o Entertainment Weekly, o show será "otimismo na TV, trazendo informações e entretenimento para audiências diurnas, celebrando todas as partes da humanidade ao longo do caminho". Parece um "The Ellen DeGeneres Show", né? Então o hit é certo.
Madonna poderia estar divulgando o remix “Levitating”, de Dua Lipa, mas resolveu publicar no Instagram, nesta terça-feira (28), um vídeo da médica Stella Immanuel defendendo o uso da hidroxicloroquina, medicamento que já comprovou ineficácia contra o COVID-19. Donald Trump também já compartilhou um vídeo da mesma médica.


Na legenda do vídeo, a cantora usa argumentos que parecem ter surgido de uma corrente do WhatsApp. Madonna alega que "a verdade nos libertará, mas algumas pessoas não querem ouvir, especialmente as pessoas no poder que ganham dinheiro nessa corrida por uma vacina. (...) Preferem deixar as pessoas ricas mais ricas e as pessoas pobres mais pobres".

Até o momento da publicação desta matéria, o vídeo divulgado por Madonna segue no ar. Esta é a segunda tentativa da cantora de publicar o vídeo, já que na primeira o vídeo acabou sendo deletado. Por se tratar de uma informação falsa, o Instagram ocultou a publicação, mas ainda é possível assistir ao vídeo. Não iremos trazer o link para não propagar mais desinformação.

Logo nos primeiros meses de pandemia, Madonna, inclusive, revelou que testou positivo para anticorpos contra o COVID-19. Ela explicou ao fim da turnê de "Madame X" em Paris, por volta de março, sentiu que estava com uma gripe forte, mas aparentemente já se tratava do novo coronavírus devido a testagem positiva.

Importante ressaltar que um estudo brasileiro, publicado no "The New England Journal of Medicine", chegou a conclusão de que a hidroxicloroquina não tem eficácia em casos leves e moderados do COVID-19. O estudo, liderado pelo grupo "Coalizão COVID-19", analisou 600 participantes que foram atendidos em 55 hospitais do país.

Ainda no início de julho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que não encontrou qualquer "benefício claro" aos pacientes diagnosticados com COVID-19. O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, explicou que "nos nossos estudos observacionais, não vimos nenhuma mudança positiva entre aqueles que tomaram o medicamento".

Dados desta terça-feira aponta que no Brasil, mais de 88 mil pessoas perderam suas vidas devido ao novo coronavírus e o país beira e 2,5 milhões de casos. Entre os estados, São Paulo lidera no número de casos (487.654) e óbitos confirmados (21.676).
A quarentena pode até ter obrigado a maioria dos artistas a diminuírem o ritmo de seus projetos, com a pausa na agenda de shows e impossibilidade de idas a estúdios de gravações para trabalharem em novas músicas e videoclipes, mas para aqueles que já estavam familiarizados com as produções caseiras e através de redes sociais, a conversa foi outra e o período só fez se tornar mais produtivo, como é o caso do paulista MC Niack.

Dono da música mais ouvida do Brasil atualmente pelo Spotify, o funkeiro por trás do hit “Na raba toma tapão” desbancou o supertime de Anitta, MC Zaac e Tyga, juntos em “Desce pro play”, e nesta segunda (27) emplacou seu segundo sucesso na parada nacional da plataforma, “Oh Juliana”.


Com produção do DJ Léo da 17 e Two Maloka, ambos parte da Ritmo dos Fluxos, a música, feita à distância, segue a estética do funk rave, tendência pré-quarentena nos bailes de São Paulo, e, com composição do próprio Niack, canta sobre Juliana, a “ruivinha do rabetão” que não deixa claro quais são as suas intenções com a persona do cantor na música.

O que Juliana quer com Niack, não sabemos, mas temos certeza que as intenções dos ouvintes brasileiros com o funkeiro são as melhores possíveis. Isso porque, além da música nº1, o artista mantém ainda o hit “Na raba toma tapão” na terceira posição da mesma lista e, de quebra, tornou ambas as canções trilhas dos famosos challenges pelo TikTok. Maior exposição, impossível.

BLACKPINK irá lançar o seu primeiro álbum completo em outubro e começou a preparar o terreno com lançamentos mensais já neste mês com "How You Like That". Em agosto, uma nova canção será revelada e contará com a participação de ninguém menos que Selena Gomez. As informações são do portal sul-coreano MyDaily.

As cantoras de "Kill This Love" anunciaram uma misteriosa parceria na última quarta-feira (22) e fãs especularam diversos nomes, entre eles Ariana Grande e até mesmo Pabllo Vittar. No fim, acabou sendo uma parceria ainda mais inusitada, não é mesmo? A confirmação da parceria deve acontecer em breve pela YG Entertainment, gravadora responsável pelas meninas.

Previsto para o dia 2 de outubro, "The Album" será o primeiro disco do BLACKPINK após quatro anos de singles e mini-álbum. Antes do lançamento do disco, o grupo deve lançar mais alguns singles promocionais. Ansiosos?

Vai ter Lollapalooza 2020, sim. Mas pelo Youtube.

O festival que teve todas suas datas adiadas e, com exceção do Brasil, posteriormente canceladas, voltou atrás e anunciou que a sua edição de 2020 acontecerá virtualmente e com novo line-up, reprisando algumas das principais apresentações realizadas nos últimos anos.

Programado entre os dias 30 de julho e 2 de agosto, a edição virtual contará com shows de artistas como Alabama Shakes, Paul McCartney, Chance The Rapper, Kali Uchis, Tyler The Creator, Ellie Goulding, Lorde, Imagine Dragons e outros nomes. A transmissão será gratuita.



Aos brasileiros, permanece a incógnita sobre o festival, que manteve suas datas entre 4 e 6 de dezembro deste ano, apesar dos números do COVID-19 ainda serem alarmantes e não termos sequer um Ministro da Saúde em atividade.

No último mês, a Time for Fun, responsável pelo Lollapalooza por aqui, abriu a possibilidade do público reverter seus ingressos em “créditos” que poderão ser usados em outros eventos da empresa quando a pandemia chegar ao fim. A repercussão da medida foi negativa, visto não oferecer um reembolso completo do valor comprometido, que poderia ser utilizado em outras prioridades que não sejam shows ou festivais.