Mostrando postagens com marcador mariah carey. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mariah carey. Mostrar todas as postagens
Não nos resta dúvidas de que Mariah Carey é uma das maiores hitmakers de todos os tempos: a diva reinou absoluta nas décadas de 1990 e 2000, acumulando #1s. Seu legado é tão forte que ela carregou o título de música que ficou mais tempo em #1 na Hot 100 por 23 anos com “One Sweet Day”, sendo batida apenas esse ano por Lil Nas X e o smash “Old Town Road”.



E se todo ano tem natal, todo ano tem Mariah. É mais que certo que nessa época do ano um hino atemporal renasça em nossos corações e plataformas de streaming, sendo ela “All I Want For Christmas Is You”. Lançada em outubro de 1994, a canção faz parte do primeiro álbum natalino de Mimi, “Merry Christmas”. Todo ano a música dá as caras pelos charts, fazendo o natal de todo mundo muito mais feliz.

Essa semana, o "christmas hit" alcançou a posição #3 no Hot 100, um feito incrível pra uma música que tem nada mais nada menos que 25 anos. E não para por aí é provável que ela consiga o tão esperado #1 (sim, estamos esperando muito por esse momento). Então taca stream na lenda natalina!


All I Want For Christmas is #1 😉
Lil Nas X quer o mundo? A gente te dá.

O maior hit do ano até aqui, “Old Town Road” foi mais longe do que qualquer um imaginaria no início do seu sucesso e, nesta segunda (22), se consagrou entre as maiores músicas na história da Billboard Hot 100, igualando o recorde de Mariah Carey e Luis Fonsi com 16 semanas no topo da parada.

Antes sucesso como viral, a canção de Lil Nas X já completa sua 20ª semana na maior parada dos Estados Unidos, e após remixes com nomes como Billy Ray Cyrus, Diplo, Young Thug e até Mason Ramsey (todo mundo já viu aquele vídeo dele cantando no Walmart) segue firme na possibilidade de ir além e quebrar o recorde de Mariah Carey, mantido pela faixa “One Sweet Day” desde 1995.

Em anos anteriores, principalmente pós-ascensão dos streamings na contabilização das paradas, hits de Drake, Ed Sheeran e Black Eyed Peas chegaram perto de ameaçar a marca de Mariah, mas nenhum foi tão longe quanto Luis Fonsi, que se equiparou a cantora em 2017, com “Despacito”, e agora Lil Nas.


A marca é importante não apenas pelo recorde em si, mas também pela guerra travada pela própria Billboard contra o artista negro e LGBTQ durante sua ascensão. “Old Town Road”, apesar do sucesso, foi barrada da parada country da revista, após alegarem não possuir elementos o suficiente para se enquadrar no gênero. Acusada de racismo, a revista manteve sua decisão e, como resposta, teve o primeiro remix do hit, com o cantor country Billy Ray Cyrus, e, daí em diante, ninguém o parou.

No Twitter, onde é usuário assíduo, o artista até brinca com sua conquista e a importância dos remixes para alcançá-la, tendo, inclusive, convidado Mariah Carey para uma eventual nova versão do sucesso, além de nomes como Dolly Parton e até a animação “Peppa Pig”.


Neste ano, Lil Nas X lançou seu primeiro EP, “7”, e trouxe nele duas apostas para manter os bons números de “Old Town Road”: seu próximo single, “Panini”, e a parceria com Cardi B em “Rodeo”.

Lil Nas X está em uma corrida para se tornar um nome inesquecível na história da Hot 100 norte-americana. O rapper completou 14 semanas no topo da parada com o hit “Old Town Road” e está prestes a quebrar o recorde histórico de Mariah Carey (e Luis Fonsi).



A cantora é a detentora da música que passou mais tempo no #1 lugar do chart. A faixa em questão é “One Sweet Day”, parceria com o Boyz II Men que ficou no lugar mais alto da parada por 16 semanas. O remix de “Despacito”, de Luis Fonsi, Daddy Yankee e Justin Bieber, conseguiu igualar esse feito, mas não bater. 

Agora, Lil Nas X se prepara para quebrar esse recorde, e vem trabalhando duro pra isso. Além de um remix com Billy Ray Cyrus e outro com Diplo, o cara lançou uma quarta versão da música, dessa vez com a adição do rapper Young Thug e do cantor mirim de country Mason Ramsey, além do pai de Miley Cyrus. 




Porém, mais do que escrever seu nome na história da Hot 100, Lil Nas X sabe que temos que reverenciar os ícones que pavimentaram o caminho. Pensando nisso, o rapper convidou ninguém menos do que a própria Mariah para um novo remix de “Old Town Road”.


Rápida que só, a dona da voz correu pra responder o novato e já tacou logo uma foto de chapéu de cowboy pra mostrar que curtiu a ideia. Será que isso é uma confirmação?



Pra completar, Lil Nas X respondeu um “SÓ VAMOOOO”. Esse momento é nosso!


Se esse remix vai rolar ou não, só Deus sabe, mas fato é que, em anos, ninguém nunca esteve tão próximo de ultrapassar esse recorde quanto o Lil Nas X. Pra se ter uma noção do tamanho do sucesso de “Old Town Road”, a música nesse momento está fazendo o dobro de pontos que o segundo colocado na Hot 100, a canção “Bad Guy”, da Billie Eilish. Isso é poder!
Essa semana Mariah Carey foi ao "Watch What Happens Live" e jogou, como quem não quer nada, que gostaria de lançar um remix para "A No No", faixa do seu novo disco, "Caution", com Lil' Kim e Cardi B, mas que não sabia se rolaria. E não é que deu certo? Vai rolar, sim!


A empresa que gerencia a carreira da Kim, BLAS ENTERTAINMENT, foi ao Instagram nessa quarta (21) para confirmar que uma nova versão da canção será mesmo lançada.


Já imaginaram Mariah com quase três décadas de carreira e quinze álbuns conseguindo seu décimo nono (!) single em primeiro lugar na Billboard Hot 100?

Ainda não temos data para ouvir essa colaboração ou se vamos ganhar um clipe, mas a cantora foi vista nessa quarta mesmo em estúdio de gravação, dando força para a postagem da BLASS. Agora é torcer pra essa mega parceria chegar logo!
Mariah Carey lançou o álbum "Caution" na última sexta-feira, 16 de novembro, e como parte da divulgação do disco está participando de vários programas. Em um deles, o "Watch What Happens Live", a diva revelou que gostaria muito de lançar uma parceria com Cardi B e Lil' Kim

Ao ser perguntada se colaboraria com Cardi, Mariah foi bem específica e chegou já com a ideia de um remix para uma faixa do seu novo álbum: "Eu adoraria que isso acontecesse! Essa música que vocês estavam tocando, 'A No No', era originalmente uma música da Lil' Kim - nós amamos a Kim! - e eu estava esperando que nós três pudéssemos fazer uma colaboração. Eu acho que isso seria ótimo!", disse a artista. 


Mas será que vai rolar? Mariah mandou o recado: "Se ninguém nos colocar juntas, não vai acontecer. As coisas acontecem tão rápido hoje em dia. Você nunca sabe".

Dá uma olhada no vídeo da entrevista:



Alô, Cardi B? Alô, Lil' Kim? Vamos?

O décimo quinto álbum (!) da Mariah Carey, "Caution", já está disponível em todas as plataformas digitais e, ó, tá bom demais. Tem produções do DJ Mustard, Timbaland e Skrillex, além da participação de artistas como Blood Orange e Ty Dolla $ign. Com 85 no Metacritic, site de críticas especializadas, o disco já é seu material mais bem avaliado nesse milênio.


Lançar um disco aclamadíssimo depois de quase 30 anos de carreira é essencial. 
Só porque Mariah Carey foi um ícone dos anos 90 e 2000 não quer dizer que ela não se atualiza, né? Por isso, em seu novo single, "With You", liberado nesta quinta (04), a rainha das notas altíssimas apostou não só em seus tradicionais whistles como também nos sussurros que tomaram a música pop de uns tempos pra cá. 

A música é o primeiro single oficial do décimo quinto disco de Mariah, ainda sem nome ou data de lançamento. Produzida por DJ Mustard, nome por trás de sucessos como "Needed Me", da Rihanna, e pela ascensão de Ella Mai, que recentemente hitou nos Estados Unidos com "Boo'd Up", "With You" nos apresenta uma Mariah que gosta de flertar com os novos tempos, seus hooks repetitivos e batidas minimalistas, ainda que não deixe de lado seu R&Bzão tradicional. Um equilíbrio muito bem-vindo.

É tipo um vídeo de ASMR no YouTube, gente. Tem coisa mais atual do que isso?



Mariah está apostando pesado nessa nova era e em "With You". A cantora já está com performance marcada no American Music Awards, que acontece na próxima terça-feira, 9 de outubro, além de já ter gravado o vídeo da canção. Será que vai?
Mariah Carey está de volta e de uma forma inusitada. Conhecida por seus melismas e notas altíssimas, o ícone com incontáveis #1s na Hot 100 resolveu apostar em uma atmosfera mais sexy e intimista na nova “GTFO”, liberada nesta quinta (13).

Com produção de Nineteen85, a primeira amostra do novo disco de Mariah traz vocais mais suaves, que combinam perfeitamente com a letra melancólica sobre um relacionamento fadado ao fracasso e que a esgota por completo. É algo diferente do que esperávamos vê-la lançar a essa altura, por ela ser constantemente associada a gritaria e dedo no c*, mas é o que torna o lançamento bem interessante e até corajoso.

Se não fosse pela voz inconfundível de Carey, daria até pra dizer que “GTFO” é uma música nova de SZA ou H.E.R, e isso é um baita de um elogio.


Uma delícia, né? Como resultado, a artista chegou ao #1 lugar no iTunes dos Estados Unidos e mundial. Um comeback é um comeback.

Amanhã, dia 14, Mariah vai liberar o clipe da canção, que é apenas um buzz single para seu décimo sexto (!) álbum. O primeiro single oficial do sucessor do “Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse”, de 2014, se chama “With You” e estará entre nós no dia 5 de outubro. O disco completo deve chegar ainda esse ano. Deu pra animar, hein?
Agora a coisa é pessoal. Luis Fonsi, dono do maior hit do ano, “Despacito”, está a apenas duas semanas de ultrapassar Mariah Carey e o lendário recorde de “One Sweet Day”, parceria da cantora com os Boyz II Men, que se manteve por fucking 16 SEMANAS no topo da Billboard Hot 100, em 1996.

Com Daddy Yankee e Justin Bieber, Fonsi já segura o primeiro lugar da parada americana há 15 SEMANAS e, caso se mantenha por lá na próxima atualização, se igualará a Mariah, garantindo um título mais do que significativo, principalmente quando lembramos que “Despacito” é uma canção majoritariamente em espanhol, lançada por um artista latino.


Mariah Carey, por sua vez, resolveu mostrar que não tá pouco se fodendo pro seu recorde e já tratou de agir. A cantora entrou em estúdio com o French Montana e, juntos, eles trabalharam num remix de “Unforgettable”, que tem força para alcançar o topo da mesma parada e, atualmente, está na sua quarta posição.


Até aqui, a música de Montana perde apenas para “Bodak Yellow”, da revelação Cardi B, e “Wild Thoughts”, do Khaled com Rihanna, mas caso o remix impulsione seus números nos streamings e vendas, a ameaça ao reinado latino será real.

Em seu Twitter, Mariah Carey mostrou uma prévia de como ficará a sua versão de “Unforgettable”. Faixa que, com esse título mais do que propício, marca uma disputa inesquecível por um título cada vez mais ameaçado pelo imediatismo da indústria atual.


Será que “Despacito” conseguirá manter esse reinado? A gente realmente espera que sim.

Seria mais um dia normal na residência de Mariah Carey em Las Vegas, mas aí que ela resolveu fazer diferente e trouxe o John Legend para uma participação mais do que especial. 

No último sábado (18), Legend, que assistia ao show de Mimi com sua mulher, Chrissy Teigen, subiu ao palco da turnê "Mariah Carey #1 To Infinity", não para cantar, mas, sim, para participar de uma brincadeira. Enquanto Mariah cantava "Touch My Body", John deitou na cama utilizada como cenário do show e ficou vendado, ao mesmo tempo em que um dançarino da turnê fazia a festa (sem camisa, diga-se de passagem) em cima do cara. Confira o momento: 



Rolou até declaração de amor entre os dois amigos <3

Mariah aproveitou para colocar várias fotos (e até um videozinho) desse momento incrível em seu Instagram.

Uma foto publicada por Mariah Carey (@mariahcarey) em



Um vídeo publicado por Mariah Carey (@mariahcarey) em



Uma foto publicada por Mariah Carey (@mariahcarey) em

E a Chrissy que enlouqueceu vendo o marido participando do show? A gente te entende, miga.

Um vídeo publicado por Mariah Carey (@mariahcarey) em

 Pena que essa turnê é exclusiva para Las Vegas, né?

Seleção de sete novidades musicais que não apareceram no blog ao longo da semana, mas que valem sua atenção. Para conferir as edições anteriores do It's New, clique aqui!

Mariah Carey até tenta, mas sempre termina soando como aquela coisa de sempre, né? A cantora, que no ano passado lançou o disco “Me, I Am Mariah, The Elusive Chanteuse”, anunciou para esse ano mais uma coletânea de seus maiores sucessos e, para promovê-la, anunciou a inédita “Infinity”, que chegou a rede mundial de computadores nesta madrugada de domingo para segunda (27).
Desde os tempos bíblicos, o Natal não é a mesma coisa se não tiver especial na tevê americana com a Mariah Carey, mas neste ano, pode-se dizer que estamos vivendo uma daquelas fases que tudo sai errado lá no Polo Norte, o Papai Noel aparece doente e os brinquedos todos fora de série, na esperança de que algum protagonista de um desenho animado salve o tal harmonioso dia 25 de dezembro.

Mas do que a gente está falando? É claro que vamos explicar. Nesta semana foi ao ar o especial natalino da NBC, o clássico Christmas In Rockefeller Center, e as principais atrações do evento foram Mariah Carey e a dupla de jazz Lady Gaga and Tony Bennett, mas só conseguimos dizer uma coisa: que morte horrível!

Disposta a retomar os rumos de sua própria carreira, que há tempos gera uma certa desconfiança, Mariah Carey prepara para o dia 23 de maio, o lançamento de "Me. I am Mariah... The Elusive Chanteuse", seu décimo quarto álbum em estúdio e vencedor do título mais pedante do ano.

Como contamos anteriormente, sua tracklist trará os três menos piores singles lançados por ela desde 2012 (sorte MESMO que "Triumphant (Get' Em)" tenha ficado de fora), sendo eles, "#Beautiful", "The Art of Letting Go" e "You're Mine (Eternal)". O baixo desempenho desse último, inclusive, fez Mimi anunciar hoje seu novo single.

Composto pela própria cantora em parceria com Hit-Boy, que assina a produção também, "Thirsty" é bem melhor que "You're Mine (Eternal)", o que, por sinal, já é uma boa coisa. Em duas versões (assim como o anterior), uma contendo apenas os vocais de Mariah, e outra com o rapper Rich Homie Quan, é um R&B, com doses e vocais sensuais, onde tudo está ali e parece se encaixar bem, mas sem ser memorável. A dúvida que fica é: será que um single apenas "ok", tem chance de vingar pra alguém que se considera uma "Elusive Chanteuse"? Confiram e vejam o que acham:








Ainda que muitos fãs de cultura pop costumem dividir a década de 2000 como Antes e Depois de Britney Spears em 2007, tanto pelo lançamento do Novo Testamento, "Blackout", quanto por sua icônica, de forma negativa, passagem pelo VMA em 2007, devemos reconhecer que essa década foi marcante para o gênero nos mais diversos tópicos, revolucionando desde os videoclipes à forma como esse tipo de música seria consumido dali em diante e por isso somos gratos à todos os artistas que, durante esse período, lançaram novos materiais, mesmo que eles não fossem tão bons.

tumblr_n4xctaPTPL1qk08n1o2_250.gif (245×245)

Traçando uma linha do tempo, podemos começar a falar sobre a década de 2000 citando o oitavo álbum de estúdio da rainha do pop australiana, Kylie Minogue, "Fever". Repleto de influência do pop europeu e com quês do dance dos anos 70, o disco arrancou mais e mais elogios dos críticos no tempo em que foi lançado, e conseguiu até mesmo uma boa colocação nas paradas dos EUA, rendendo a Minogue sucessos como "Can't Get You Out Of My Head".



No mesmo ano, quem também lançou disco novo foi a P!nk, que retornou impressionando o público e críticos com seu "M!ssundaztood". Apresentando mudanças se comparado ao seu disco de estreia, o segundo álbum da cantora foi o responsável por algumas características que ela carrega em seu trabalho até hoje, trazendo uma sonoridade mais pop-rock, sem abandonar o R&B que ditou seu disco de estreia mais urbano, "Can't Take Me Home". Com ele, a cantora garantiu hits como "Get The Party Started" e "Don't Let Me Get Me", além da ~polêmica~ "Just Like A Pill".



Avançando no tempo, esbarramos então com uma Christina Aguilera bem diferente da que conhecemos hoje. Com a barriga de fora (e alguns piercings, no plural, pela área do umbigo) e um jeans rasgado, foi em 2002 que Xtina lançou um dos álbuns mais expressivos de toda sua carreira, sendo ele o divisor "Stripped". Naquele desafio de amadurecer para a mídia, Aguilera passou durante esse período pela mesma fase que hoje acompanhamos com nomes como Miley Cyrus, Selena Gomez e Ariana Grande, mas pareceu tirar isso de letra, ainda que contasse com um obstáculoney no caminho, extraindo do disco sucessos como "Beautiful", "Fighter", "Dirrty" e o hino feminista "Can't Hold Us Down".



Em 2003, foi a vez da Beyoncé brilhar e ela fez isso com maestria ao som do seu álbum de estreia em carreira solo, "Dangerously In Love". Ainda que a pressão fosse grande, sendo esse seu primeiro CD desde o hiato das Destiny's Child, foi com esse registro que Beyoncé ditou boa parte do que a ouvimos fazer até os dias de hoje, num disco cheio de influências do soul e R&B, só que retrabalhados para soarem radiofônicos ao estilo Bey. "Crazy In Love", "Baby Boy" e "Naughty Girl" foram alguns dos singles extraídos deste disco.



Com o mesmo corpo em que recentemente apareceu na capa do seu novo álbum, "Me. I Am Mariah... The Elusive Chateuse", um dos maiores destaques na indústria musical estadunidense em 2005 também foi do R&B, sendo esse o décimo álbum da cantora Mariah Carey, "The Emancipation of Mimi". Dona dos melhores títulos para álbuns de todos os tempos, foi com esse disco que Carey teve seu grande retorno, depois do fiasco de seus discos anteriores, "Glitter" e "Charmbracelet", e aproveitou bem o momento, extraindo do disco nada menos que S-E-T-E singles, incluindo os sucessos "We Belong Together" e "Don't Forget About Us". No mesmo ano, quem também esteve nos holofotes foi a Rainha do Pop, Madonna, e também com um álbum que fez a diferença, não só no mercado dos EUA como em todo o mundo.



Ganhador do Grammy de Melhor Álbum Dance/Eletrônico, "Confessions On A Dance Floor" foi o décimo álbum de Madonna e, apos alguns problemas para definir qual rumo nele seria seguido, terminou com uma sonoridade que pega bastante coisas emprestadas do ABBA, Depeche Mode, Pet Shop Boys e Donna Summer, com um dance ora setentista, ora oitentista, e trazendo no fim uma única certeza: não importa em qual década estamos, nós vamos dançar. "Hung Up", "Sorry", "Get Together" e "Jump" foram os dos singles extraídos do Primeiro Testamento.



Dois anos depois, eis que o Testamento é reescrito e por Britney Spears. Em um momento conturbado de sua carreira, marcado pelo assédio da midia, problemas na vida pessoal e até alguns distúrbios, a Princesa do Pop resolveu transformar seus transtornos em música e tirou disso uma das suas melhores produções. No excesso de obscuridade, introduziu na história uma sequência de LEDs, provavelmente da festa mais próxima, e com isso rendeu músicas como "Gimme More", "Piece Of Me" e "Break The Ice" (sdds continuação). De acordo com o Wikipédia, um dos produtores do álbum é Jesus.



Enquanto Britney Spears refazia o pop, o R&B também tinha suas definições atualizadas, mas por uma outra cantora. Procurando seu lugar ao sol há alguns anos, foi em 2007 que Rihanna nos presenteou com seu terceiro disco, "Good Girl Gone Bad", iniciando dentro da ceita do Jay Z e abrindo seus rituais com o smash hit "Umbrella". Não sabemos se vocês lembram disso, mas neste tempo, A INTERNET FOI DE RIHANNA e todos, desde bandas de rock gospel à sua avó que tem Whatsapp, estavam no Youtube fazendo covers do seu sucesso. Aliás, não tem palavra melhor pra definir esse disco e era da cantora barbadiana: sucesso. "Good Girl Gone Bad" também contou com singles como "Shut Up and Drive", "Hate That I Love You" e "Don't Stop The Music", além da parceria com o Justin Timberlake em "Rehab".



Faltando 3 anos para o fim da década, já temos certa dificuldade para respirar e assimilar tantas mudanças. Teve a cantora australiana roubando a cena nos EUA, a outra americana nos avisando que cresceu, a Rainha do Pop escrevendo o Primeiro Testamento e depois passando essa responsabilidade para a Princesa do seu reino e, se não fosse o suficiente, ainda nos mostramos prontos para aceitar Beyoncé e Rihanna, mas não acabou, pois na reta final, também fomos apresentados a duas novas cantoras, sendo elas a californiana Katy Perry e a nova-iorquina Lady Gaga.



Foi em 2008 que as rádios foram impactadas com "I Kissed A Girl" e "Just Dance", uma fazendo um pop-rock pra lá de ousado, enquanto cantava sobre seu primeiro beijo com uma garota, e a outra com uma proposta mais eletrônica, cheia de sintetizadores, nos induzindo a apenas dançar. Com seu disco de estreia, "One Of The Boys", Katy Perry oficializou o fato de ser um nome para ficar de olho e dele ainda extraiu sucessos como "Hot N' Cold" e "Waking Up In Vegas", enquanto Lady Gaga e seu "The Fame" também preparou o mundo para uma nova era dos videoclipes, com investimentos em produções absurdinhas e que causam efeitos na indústria até hoje, como "Paparazzi". O disco também contou com os singles "Poker Face" e "Love Game". Daí em diante, a história todos vocês conhecem.



De certo, olhando assim, dá até aquela vontade de voltar no tempo só pra sentir cada um desses lançamentos acontecendo novamente, não é mesmo? Até porque no começo disso, láaa com a Kylie Minogue e seu "Fever", o público ainda lidava com uma forma totalmente diferente de consumir essa cultura, sem toda essa exploração do nome dos artistas, além de conteúdos não tão facilmente acessíveis como atualmente, em que um single chega até o público antes mesmo de ser oficialmente lançado, mas é assim que o ciclo segue e sabemos que cada um desses lançamentos contribuiu, nem que de uma forma bem pequena, para a cultura pop que amamos hoje. E só pra não cometer injustiças, também devemos lembrar que essa década incluiu outras coisas como a estreia da banda La Roux com seu disco autointitulado, lançado em 2009, além dos discos "We Are Born" e "Body Talk", respectivamente da australiana Sia e sueca Robyn, sendo esse último responsável por boa parte do que influenciou o electropop nos anos seguintes.



MAS CALMA QUE NÃO ACABOU. Se você não é tão íntimo dos discos aqui citados, recomendamos que dê uma conferida em todos, até porque é provável que encontre um pouco das divas que ama hoje por lá, mas se seu caso for outro, fica tranquilo, pois depois de lembrá-lo de quanto tempo passou desde então, vamos animá-lo alertando que todos os 10 discos citados entre a linha traçada de 2001 à 2008 poderão ser seus e de uma forma muito simples.



Em colaboração com os blogs amigos Contém Pop e QDNG, nós estamos sorteando os dez discos + dois DVDs e para participar é só curtir as páginas dos blogs envolvidos (botões acima), além de clicar em "Quero Participar" neste aplicativo do Facebook.

O sorteio será realizado no dia 16 de junho e apenas um vencedor levará os D-E-Z discos para casa. É tanta cultura pop que é capaz de no dia seguinte acordar e esbarrar com sua mãe vestida de Marilyn Monroe, o pai fazendo o "moonwalk" e a irmã mais nova arriscando um twerk à la Miley Cyrus. Hahahah.

Nos últimos dias, a cantora Mariah Carey soube usar muito bem a mídia ao seu favor. Depois de cancelar a listening party do seu novo disco, até então chamado "The Art Of Letting Go", a cantora adiantou que ele ainda não estava finalizado, visto que não havia encontrado um single perfeito e, na busca por essa perfeição, terminou revelado pela Billboard seus planos de lançar algo de surpresa, mais ou menos como Beyoncé fez em dezembro do ano passado.

Pensando nos assunto, estávamos certos de que o disco, anteriormente promovido pelos singles "Triumphant", "#Beautiful" e "You're Mine (Eternal)", já começava como um erro, até porque não foi desta forma, nos alertando previamente, que Beyoncé fez a internet parar para assistir seus DEZESSETE novos videoclipes, mas deixemos isso de lado, afinal, se os planos de Mimi realmente incluíam um lançamento Beyoncéstico, eles mudaram.



Ainda assim, sempre há um espaço para a surpresa e foi assim que Mariah, na noite desta quarta-feira (30), lançou seu novo disco para pré-venda no iTunes, revelando consequentemente a sua capa, tracklist e, bem, título. 

Então vamos pra hora da verdade. Dos singles anteriores, apenas dois realmente foram para o disco e nesta, para a nossa felicidade, "Triumphant" ficou de fora. Antes de comemorar, porém, achamos válido alertá-lo sobre o CD se chamar "Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse", sério, fator que eleva ao cubo qualquer cúmulo dos álbuns autointitulados na história da música. MAS OK, a gente superaria isso, mas aí também vemos sua capa:

"Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse" em suas versões standard e deluxe

Uma clara homenagem ao Kanye West.



(Pausa para absorver as informações, dar uma passada na cozinha pra pegar uma água, corridinha no banheiro pra lavar o rosto e voltar para encarar os fatos.)

De certo, fica bem difícil falar mais alguma coisa depois disso tudo e, querendo ou não, terminamos bem surpreendidos por Mariah, ainda que surpresa nem sempre seja algo bom, mas também é válido citar que o disco conta com a participação do R. Kelly na nova versão de "Betcha Gon' Know", qual já sabemos que não ganhará clipe se for single, é um carma, além da Mary J. Blige em "It's A Wrap", Fabolous em "Money", Wale em "You Don't Know What To Do" e Nas em "Dedicated". Confira um vídeo introdutivo ao álbum e sua tracklist abaixo:


Tracklist
1) Cry. 
2) Faded 
3) Dedicated (feat. Nas)
4) #Beautiful (feat. Miguel) 
5) Thirsty 
6) Make It Look Good 
7) You're Mine (Eternal)
8) You Don't Know What To Do (feat. Wale) 
9) Supernatural 
10) Meteorite 
11) Camouflage 
12) Money ($ * / ...) 
13) One More Try 
14) Heavenly (No Ways Tired / Can't Give Up Now) 
15) Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse
15) It's A Wrap (feat. Mary J Blige) 

Deluxe
16) Betcha Gon' Know (feat. R. Kelly) 
17) The Art Of Letting Go 
18) Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse

"Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse" tem previsão de lançamento para o dia 27 de maio. E seja o que Deus quiser.


Revelado há dois dias, "You're Mine (Eternal)", novo single da Mariah Carey chegou em duas versões: a oficial, contendo apenas os seus vocais, e a versão remix, que traz os vocais adicionais do Trey Songz. Enquanto no videoclipe da primeira versão, temos Mariah sensualizando seminua em uma floresta com cachoeira, enquanto Trey Songz aparece  de figurante, como modelo de um ensaio fotográfico; no da versão remix, divulgado agora há pouco, isso muda (pouca coisa, mas muda).

Mesmo com novas cenas integradas e, principalmente a parte do Trey, que leva um novo sentido ao clipe, particularmente ainda acho bem boring. A música é até legal, embora não tenha cara aparentemente de single, já seu clipe, nas duas versões, não muda ou acrescenta algo realmente interessante. O que continuamos a ter, é Mariah sensualizando, e agora com o auxílio do cantor, que sem camisa, também sensualiza e traz uma nova beleza para o monitor. Confiram:


"The Art of Letting Go", novo (e muito adiado) álbum da Mariah Carey, tem previsão de lançamento para 06 de maio.

Como prometido há alguns dias, Mariah Carey está oficialmente de volta. Lançado na madrugada desta quarta-feira, "You're Mine (Eternal)" é o mais novo single, do muito adiado, "The Art of Letting Go", e abre os trabalhos oficiais do álbum, que tem previsão de lançamento para o dia 06 de maio.

Divulgado em duas versões, o single é um novo acerto de Mimi, que depois da besteira que foi com "Triumphant (Get 'Em)", vem acertando (ao menos na qualidade) em seus trabalhos posteriores. Seja "Almost There", para a trilha de "Oz: Mágico e Poderoso", "#Beautiful" com o Miguel ou a faixa-título do álbum. O que temos na versão oficial de "You're Mine (Eternal)", é um retorno às grandes e emocionais baladas interpretadas por Carey, com direito até aos fenomenais agudos na parte final, relembrando porque é uma das melhores vocalistas de sua geração. Já seu remix, que conta com a participação de Trey Songz, dá uma quebra no setor emocional e melancólico da canção, indo para uma direção um pouco mais sensual, mas sem perder a identidade. Ouçam abaixo:



ATUALIZAÇÃO: O videoclipe para a versão oficial do single, filmado numa floresta em Porto Rico, foi lançado. E, apesar de belo fotograficamente, é bem ZzZzZz, concentrando-se apenas em mostrar Mariah Carey sensualizando seminua em volta de uma mata com cachoeira, enquanto em segundo plano, aparece Trey Songz, num estúdio, fotografando. Lembrando que o vídeo da versão remix, gravada pelos dois, terá seu lançamento nessa sexta. Confiram o vídeo oficial logo abaixo:



"You're Mine (Eternal)" será o nome do seu próximo single. Parece que Mariah Carey quer complementar o título do seu último single, "The Art of Letting Go" e seguir em frente depois de não divulgá-lo nem um pouco. A diva anunciou através do Twitter, mais cedo, que irá lançar a música no próximo dia 12, às vésperas do Dia dos Namorados por lá, comemorado em 14 de fevereiro. Já aproveitando também para divulgar a data de lançamento do seu novo álbum, em 06 de maio, seguido de um vídeo com os êxitos de sua carreira.


Esse será o terceiro single oficial. No ano passado, ela lançou "Beautiful", com Miguel e depois, "The Art of Letting Go", cujo ficou na posição #199 nos charts da Billboard.


No dia 6 de fevereiro a ABC News tinha confirmado que o single se chamaria "Be Mine", mas estavam enganados.


Mas gente, o que dizer dessa notícia que a gente mal encontrou e já considera pacas? Acontece que confirmaram quais serão as atrações do especial natalino dos EUA, Christmas in Rockefeller Center, e entre nomes como Mary J. Blidge, Kelly Clarkson e Toni Braxton, temos ninguém menos que Ariana Grande e Mariah Carey. A original e a versão mini repaginada! Hahaha!

Infelizmente, ainda não se sabe como ficaram escaladas as apresentações, podendo rolar de cada uma se apresentar em momentos diferentes, mas nós torcemos pra que elas se unam no palco, afinal, seria um momento mais que histórico, né? 


Ariana Grande, revelada pela Nickelodeon, nesse ano lançou seu disco de estreia, "Yours Truly", e arrancou vários elogios dos críticos, além de frequentemente ser comparada com Mariah por conta dos seus vocais. Mimi, por sua vez, há pouco lançou "The Art Of Letting Go", o novo single homônimo do seu vindouro álbum. Vê-las juntas é um dos nossos itens da nossa lista de coisas pra se fazer antes de morrer e se isso acontecesse em um especial de Natal,  as coisas ficariam ainda mais especiais. Vamos cruzar os dedos e torcer juntos! O evento acontece no dia 4 de dezembro, daqui uma semana. :D

Por essa ninguém esperava. Depois de divulgar seu novo single, "The Art of Letting Go", Mariah Carey decidiu fazer uma surpresa para seus fãs. Alguns foram convidados para um audição exclusiva do lead single da diva no programa "Late Night With Jimmy Fallon" - mas eles nem desconfiavam que Mimi iria entrar cantando no mesmo estúdio em que estavam. 

Foram gritos, choros, pulos e muita emoção. E nós podemos ver tudo isso e dar muitas risadas com as reações desses fãs. E sem julgar, muitos de nós faríamos o mesmo caso nosso ídolo aparecesse do nada para interpretar uma de suas canções bem na nossa frente. E notem os abraços carinhosos e verdadeiros hahahahaha com que Mariah cumprimenta cada fã <3333. Confira:


Amaram também? Esses fãs histéricos fazem desses momentos emocionantes nossas mais deliciosas gargalhadas. E esse single auto-ajuda da Mimi tá super bacana, né? Agora é esperar por mais performances e novidades sobre o novo projeto da ex-jurada do American Idol.