Mostrando postagens com marcador música. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador música. Mostrar todas as postagens
CL infelizmente não vingou da forma que merecia graças a negligência da empresa da qual fazia parte. Ainda quando era membro do 2NE1, deu seu maior passo como solista com "Hello Bitches" - uma pena que nunca vimos seu verdadeiro videoclipe - e em 2019 lançou o EP "In The Name of Love".

Sumida do Twitter desde março e quase há um mês do Instagram, CL atualizou suas redes com estas imagens abaixo e um vídeo, mas não explicou para ninguém do que se tratava. Isso foi motivo suficiente para que os fãs já especulassem um possível retorno da artista. Será que vem aí?


Talvez seja apenas uma sessão de fotos para alguma revista - o que acreditamos realmente ser. Mas não custa sonhar, não é mesmo? Enquanto o sonho não se realiza, dê um pouco de atenção ao último lançamento da cantora, "+ONE AN ONLY180228+".

Não se sabe como os mutantes irão ser introduzidos no Universo Cinematográfico Marvel (MCU), mas já temos uma forte candidata a dar vida a Ororo Munroe, a Tempestade dos X-Men. Em entrevista a Empire, nesta terça-feira (7), Janelle Monáe revelou que tem o sonho de interpretar a personagem nas telonas.

"Um dos meus sonhos sempre foi interpretar a Tempestade. Não sei se ela estará no [próximo] 'Pantera Negra', mas seria um sonho te-la. Não sei como eles estão com isso. Muitas mulheres interpretaram a Tempestade e fizeram um trabalho excepcional. Eu quero ser uma dessas artistas e fazer justiça a Tempestade".

Nos quadrinhos, além ser extremamente poderosa, a personagem também fez par romântico com o Pantera Negra. Por este motivo, muitos fãs clamam para que Ororo seja introduzida já nesta próxima sequência do filme estrelado por Chadwick Boseman. Após a fusão entre Fox e Disney, o acontecimento pode se tornar possível.

Interpretada por duas atrizes, a Tempestade nunca atingiu o seu verdadeiro potencial graças a roteiros que a inferiorizaram. Halle Berry foi a primeira a viver a personagem nas telonas na primeira trilogia dos X-Men. Já Alexandra Shipp deu vida a uma versão mais jovem da heroína em "X-Men: Apocalipse" e "X-Men: Fênix Negra".

Além de cantora, Monáe também é atriz. Entre os seus papeis de maior destaque estão Mary Jackson em "Estrelas Além do Tempo" e Teresa em "Moonlight: Sob a Luz do Luar". Ela também estreia ainda neste ano "A Escolhida".

Conhecidos por suas batidas aceleradas e estouradas, vocais computadorizadamente modificados e releituras de estruturas que vão do dubstep ao pop-punk, o duo americano 100gecs já garantiu o seu lugar nas nossas playlists de pop do futuro e daqui alguns dias dará um passo além, com a chegada do disco “1000 Gecs and The Tree of Clues”.

» Através do ZOOM, festa gratuita Trophy faz balada virtual com 8 horas de pc music, hyperpop & outras fritações


Esperado desde outubro do ano passado, o álbum será uma versão remix do disco de estreia da dupla, “1000 Gecs”, e trará não só novos arranjos pras músicas reveladas em seu primeiro álbum, mas também novos versos e, felizmente, inúmeras participações. 

Algumas faixas do projeto já são conhecidas, como “Ringtone”, com Charli XCX e Kero Kero Bonito, e “gec 2 ü”, com Dorian Electra, mas o que não faltam são surpresas, como a aparição de Fall Out Boy em “Hands Crushed by a Mallet” e a dobradinha de Hannah Diamond e Tommy Cash em “XXXi_wud_nvrstøp_ÜXXx”. Sua estreia tá marcada para o dia 10 de julho.


Cata só a tracklist:

  1. money machine (A. G. Cook Remix)
  2. ringtone (remix) (Feat. Charli XCX, Rico Nasty, Kero Kero Bonito)
  3. 745 sticky (Black Dresses Remix)
  4. gec 2 Ü (Danny L Harle Harlecore Remix)
  5. hand crushed by a mallet (Remix) (Feat. Fall Out Boy, Craig Owens, Nicole Dollanganger)
  6. 800db cloud (Ricco Harver Remix)
  7. stupid horse (Remix) (Feat. GFOTY & Count Baldor)
  8. ringtone (umru Remix)
  9. xXXi_wud_nvrstøp_ÜXXx (Remix) (Feat. Tommy Cash & Hannah Diamond)
  10. 745 Sticky (Injury Reserve Remix)
  11. gecgecgec (Remix) (Feat. Lil West and Tony Velour)
  12. xXXi_wud_nvrstøp_ÜXXx (99jakes Remix)
  13. gec 2 Ü (Remix) (Feat. Dorian Electra)
  14. hand crushed by a mallet (No Thank You Remix)
  15. came to my show (intro)
  16. came to my show
  17. toothless (home with you)
  18. small pipe (live from fishcenter)
  19. 800db cloud (live from fishcenter"

“1000 gecs”, disco de estreia do duo formado por Dylan Brady e Laura Les, foi lançado em maio de 2019 e não tardou em conquistar a crítica internacional, chamando a atenção por faixas como “Stupid Horse” e “Money Machine”.

De contrato assinado com a Warner Music internacional e o anúncio de um disco que visa projetá-la globalmente, sob a produção executiva de Ryan Tedder (vocalista do OneRepublic e produtor de artistas como Adele, Beyoncé, entre tantas outras), a cantora Anitta têm protagonizado inúmeros rumores sobre os próximos passos de sua carreira.

O último, e também audacioso, diz sobre o lançamento de um álbum chamado “Girl from Rio”, que contaria com a colaboração de artistas como Rosalía, Miley Cyrus, Nicki Minaj e Cardi B, além de uma aparição póstuma de Mr. Catra, que a própria Anitta já havia falado sobre há alguns meses.

Mas tudo isso, até então, não passam de especulações.

Sem nenhum indício de que seja um lançamento real, “Girl from Rio” surgiu de rumores envolvendo um suposto anúncio no site da Amazon, que nunca aconteceu. Além da tracklist, apareceu ainda uma possível capa do projeto que, na verdade, é uma edição do seu ensaio para Marie Claire em fevereiro de 2018. Logo, fake.


Desde o anúncio do contrato com a major norte-americana, algumas publicações internacionais sobre a cantora confundiram seus fãs ao falarem em parcerias com Katy Perry e Miley Cyrus: a brasileira realmente chegou a colaborar com as duas artistas, mas através de aparições em lives pelo Instagram e no seu novo programa da Multishow, “Anitta dentro da casinha”, não em músicas novas.

Conhecendo Anitta e o rumo de seus últimos projetos, como o disco colaborativo “Kisses”, não deve ser descartada a ideia dela surgir acompanhada de muitos outros artistas, mas, por enquanto, todos os nomes que possam vir a cantar em seu novo trabalho ainda estão em segredo.

Abaixo, você pode ouvir “Desce pro play”, última música lançada com a cantora, ao lado do funkeiro MC Zaac e o rapper americano Tyga:

Beyoncé está de volta com nada mais, nada menos do que um filme escrito, dirigido e produzido por ela mesma. “Black Is King”, seu novo projeto anunciado neste sábado (28), chega no dia 31 de julho ao Disney+.

De acordo com a Variety, o “Black Is King” vai funcionar como um registro visual do disco “The Gift”, álbum criado por Beyoncé para o remake de “O Rei Leão”, lançado no ano passado.

Em comunicado enviado à imprensa, a Disney e a Parkwood Entertainment, empresa de Beyoncé, contam que o álbum visual surgiu como uma forma de “reimaginar as lições de ‘O Rei Leão’”. Assim, o filme de Bey vai contar a história de um jovem rei africano que conta com a ajuda de seus ancestrais, os ensinamentos de seu pai e os conselhos de seu amor de infância para encontrar seu destino e assumir o trono. Simba ficaria orgulhoso! 

Sempre muito sucinta nas redes sociais, Beyoncé mostrou que o projeto é muito importante para ela ao fazer um texto no Instagram explicando um pouquinho mais sobre o conceito e processo de criação do filme. 





I typically keep comments short and sweet, but I just watched the trailer with my family and I’m excited. 🎶please don’t get me hype🎶🤪 “Black Is King” is a labor of love. It is my passion project that I have been filming, researching and editing day and night for the past year. I’ve given it my all and now it’s yours. It was originally filmed as a companion piece to “The Lion King: The Gift” soundtrack and meant to celebrate the breadth and beauty of Black ancestry. I could never have imagined that a year later, all the hard work that went into this production would serve a greater purpose. The events of 2020 have made the film’s vision and message even more relevant, as people across the world embark on a historic journey. We are all in search of safety and light. Many of us want change. I believe that when Black people tell our own stories, we can shift the axis of the world and tell our REAL history of generational wealth and richness of soul that are not told in our history books. With this visual album, I wanted to present elements of Black history and African tradition, with a modern twist and a universal message, and what it truly means to find your self-identity and build a legacy. I spent a lot of time exploring and absorbing the lessons of past generations and the rich history of different African customs. While working on this film, there were moments where I’ve felt overwhelmed, like many others on my creative team, but it was important to create a film that instills pride and knowledge. I only hope that from watching, you leave feeling inspired to continue building a legacy that impacts the world in an immeasurable way. I pray that everyone sees the beauty and resilience of our people. This is a story of how the people left MOST BROKEN have EXTRAORDINARY gifts.❤️✊🏾 Thank you to Blitz, Emmanuel, Ibra, Jenn, Pierre, Dikayl, Kwasi and all the brilliant creatives. Thank you to all at Disney for giving this Black woman the opportunity to tell this story. This experience has been an affirmation of a grander purpose. My only goal is that you watch it with your family and that it gives you pride. Love y’all, B
Uma publicação compartilhada por Beyoncé (@beyonce) em



Confira a tradução: 

“Eu normalmente mantenho meus comentários curtos e doces, mas acabei de assistir ao trailer com a minha família e estou animada. “Please don't get me hype”. “Black Is King” é um trabalho feito de amor. É o meu projeto do coração que eu tenho filmado, pesquisado e editado dia e noite pelo último ano. Eu dei a ele tudo de mim e agora é de vocês. Foi originalmente filmado como uma peça de acompanhamento para o disco de trilha sonora “The Lion King: The Gift” para celebrar a amplitude e a beleza da ascendência preta. Eu nunca poderia imaginar que, um ano depois, todo o trabalho duro colocado nesta produção serviria a um propósito maior. 

Os acontecimentos de 2020 fizeram a visão e mensagem deste filme ainda mais relevante, enquanto pessoas ao redor do mundo embarcam em uma jornada histórica. Estamos todos buscando segurança e luz. Muitos de nós querem mudanças. Eu acredito que quando pessoas pretas contam nossas próprias histórias, podemos mudar o eixo do mundo e contar a nossa história REAL de riqueza geracional e riqueza de alma que não é contada nos nossos livros de história. 

Com esse álbum visual, eu quis apresentar elementos da história preta e tradição africana, com um toque moderno e uma mensagem universal, e o que realmente significa encontrar sua própria identidade e construir um legado. 

Eu passei muito tempo explorando e absorvendo lições de gerações passadas e da rica história das diferentes vestimentas africanas. Enquanto trabalhava neste filme, houve momentos em que me senti sobrecarregada, como muitos em meu time criativo, mas foi importante criar um filme que incutisse orgulho e conhecimento. 

Eu apenas espero que, ao assisti-lo, vocês fiquem inspirados a continuar construindo um legado que impacte o mundo de uma forma imensurável. Eu rezo para que todos vejam a beleza e a resiliência do nosso povo. 

Essa é uma história sobre como as pessoas MAIS QUEBRADAS têm dons EXTRAORDINÁRIOS”. 

Por enquanto, ainda não sabemos como nós brasileiros poderemos assistir ao “Black Is King”, já que a plataforma de streaming Disney+ ainda não chegou ao nosso país e deve estrear somente no final do ano. Por aqui, o Prime Video tem sido responsável por transmitir alguns conteúdos da Disney. Quem sabe eles não trazem esse presentinho pro Brasil? Poxa, Amazon, nunca te pedimos nada!

Já que ainda não temos o filme, vamos aquecendo ouvindo o “The Gift” enquanto torcemos para que o  “Black Is King” faça com que o disco seja mais apreciado, afinal, “Brown Skin Girl”, “Water”“Mood 4 Eva” merecem muito serem hits.

Pouco mais de 24 horas desde o lançamento de “How You Like That” e já dá pra dizer que o comeback do BLACKPINK foi um sucesso. As garotas já começaram quebrando recordes e agora são as donas de vídeo mais assistido no YouTube em apenas um dia.



Lançado nessa sexta-feira (26), a superprodução acumulou mais de 82,3 milhões de visualizações em seu dia de estreia, superando o até então detentor do título, o outro grupo de K-pop, BTS, que fez 74,6 milhões de views em 24 horas com “Boy With Luv”, parceria com a Halsey.

E os números incríveis não ficaram apenas no YouTube. No Spotify, ”How You Like That” teve uma ótima estreia. Na parada mundial da plataforma, a canção debutou em #5 com mais de 4 milhões de streams, enquanto no chart dos Estados Unidos ficou em #10 com pouco mais de 762 mil streams acumulados.

“How You Like That” é a primeira amostra do disco de estreia do BLACKPINK, que deve chegar em setembro.
De Slayyyter a Rina Sawayama, o hyperpop nunca escondeu sua influência vinda dos anos 2000 e, invocando o melhor e mais sensual de artistas como Britney Spears, Paris Hilton, Lindsay Lohan e outras dessa geração, a drag maranhense Frimes eleva o formato com seu novo single, “XOXO”.

Desta vez distante das batidas estouradas e desconstruídas de suas músicas anteriores, inspiradas pela pc music, “XOXO” traz uma Frimes muito mais pop e radiofônica, mas sem perder a essência ousada e, literalmente, sexual, também presente em singles como “Fadinha” e “Big Fat Dick”.

No ano em que Rina Sawayama fez acontecer faixas como “XS” e “Comme Des Garçons”, Frimes chega pra servir o que tanto consumimos do mercado gringo e prova, mais uma vez, o quanto está a frente do nosso cenário atual, soando como um nome que tem tudo pra fazer história.

O ano é 2050 e três seres de outra dimensão aterrissam na nossa realidade para passar uma importante mensagem. O que eles encontram, porém, é o mundo lidando com um colapso pandêmico, que poderá se tornar um obstáculo pra conclusão da sua missão. 

É mais ou menos nesse cenário que se passa “Pandêmico 2020”, música nova da cantora Luanna Exner, que revelou a faixa nesta sexta-feira (19) e, daqui algumas horas, fará a primeira performance do single na festa virtual Trophy, pelo ZOOM.



Antes desse projeto distópico, Luanna já se antecipava como um dos grandes nomes da nova música brasileira, com destaque para a cena da trap music, que é onde seu nome tem se tornado cada vez maior. No Spotify, seus principais feitos são “Love Drink”, “Hello Kitty” e “Me Molho Sozinha”, além do feat “Drillz”, com Naio, Derek e Menestrel.

Pelo Youtube, outro trabalho que chama a atenção é o remix de “Arebunda”, no qual manda suas rimas ao lado de Naio, NOX e, claro, MC Lan.



Tradicionalmente realizada em São Paulo, com foco no hyperpop, pc music e outras fritações, a festa Trophy têm acontecido gratuitamente através da plataforma ZOOM desde o início da quarentena e, dadas as atuais circunstâncias, ter Luanna Exner como uma de suas atrações ao som de “Pandêmico 2020” não poderia fazer mais sentido. Retire seu ingresso gratuito pelo Sympla.
As batidas são eletrônicas, os vocais computadorizadamente modificados, e o visual? É servido com muita cor, brilho e referências  que passeiam do final dos anos 90 ao auge dos 2000, época em que a história do pop era escrita por artistas como Destiny’s Child e Britney Spears.


That Kid é um cantor americano que se autointitula “a twink queridinha da América”. Seu hype começou láaa em 2018, com a faixa “Dial Tone”, mas foi só dois anos depois, em 2020, que ele retornou com a mixtape de estreia “CRUSH”, em parceria com as produtoras Donatachi e Ms. Cheeseburger, além de composições do expoente do hyperpop, Ayesha Erotica, provando que ainda tinha muito a mostrar.



Ao longo de suas nove faixas, “CRUSH” é extasiante, explosivo e dançante, sendo a sua única preocupação não nos deixar parados, e entre suas letras românticas, ora platônicas, sobra até espaço para um cover do hit “Kiss Me Thru The Phone”, do Soulja Boy, aqui repaginada como se fosse uma música que Charli XCX colocaria em seus últimos discos.

Na próxima sexta, 19, That Kid  será a atração principal da festa virtual Trophy, que, desde o início da quarentena, tem sido realizada através da plataforma de vídeoconferência ZOOM. Além do cantor, a festa contará com mais de 8 horas de pop, hyperpop e outras fritações, com sets dos DJs residentes Tintel, Jana Duarte e Sate e os convidados Luca Rassi, BRVVO, RCHRDXSEABRA e Manuxerecão2000.


O mês de junho tem tudo para ser o mais agitado para o k-pop em 2020. Quem acompanha o gênero, sabe que desde o finalzinho de maio estamos sendo alertados quanto ao que poderia vir e parece que muita coisa boa será lançada nesse mês. Entre os grupos e solistas que já retornaram e aqueles que ainda estão por vir, são mais de 50 lançamentos.

Como é muita coisa para tentar acompanhar, o Daebak desta semana selecionou apenas 10 lançamentos que você precisa ficar de olho em junho. Vem comigo.

QUEM JÁ RETORNOU


TWICE 
As meninas do TWICE foram as primeiras a abrir o mês com o seu nono mini-álbum (EP) "MORE & MORE". Além do disco, o grupo trouxe um videoclipe para a faixa-título, que possui composição de Julia Michaels e Zara Larsson (!!!), além de um break perfeito para dançar em uma balada quando a quarentena acabar. Solta o som DJ!


TXT 
Quem também já deu o ar da graça são os meninos do TXT. O grupo havia lançado há pouco tempo o videoclipe para a excelente "Can't You See Me?" e agora retorna bem mais dark e selvagem, diga-se de passagem, com "Puma". Ambas as canções fazem parte do último disco do grupo, "The Dream Chapter: Eternety".



Super Junior K.R.Y.
Kyuhyun, Ryeowook e Yesung se juntaram mais uma vez para o sub-grupo do Super Junior, K.R.Y. O trio retorna com o mini-álbum "When We Were Us" e, olha, tem que ter gogó. Como já esperado, os três trazem vocais simplesmente impecáveis.


Chung Ha
Depois de servir com "Stay Tonight", Chung Ha lançou nesta segunda-feira (8) "Be Yourself". A faixa é completamente diferente do lançamento anterior: é animada, revigorante e bem fresh. Já o videoclipe é todo coloridinho, na paleta da Sprite mesmo, já que é uma parceria. "Be Yourself" não será integrada ao novo disco da cantora.


MOMOLAND
Donas do smash hit "BBoom BBoom", MOMOLAND retornou na quinta-feira (11) com o EP especial "Starry Night". O disco contém três faixas novas, além de dois instrumentais. No mesmo dia do lançamento do EP, o grupo também lançou um vídeo especial para a canção-título.


VEM AÍ


IZ*ONE
15.06.20
As princesinhas do IZ*ONE tão retornando já na próxima segunda-feira (15) com o disco "Oneiric Diary", seu terceiro mini-álbum. O retorno acontece junto do lançamento do videoclipe de "Secret Story of the Swan". Simplesmente chique.


Stray Kids
17.06.20
Depois de render hits como "My Pace" e "Miroh", os Stray Kids estão retornando com o seu primeiro álbum de estúdio, "GO生". Nos últimos dias, prévias das canções foram divulgadas e parece ser um material bem bacana, na verdade. Um trailer para o disco também já está entre nós e é impossível não ficar animado.


SEVENTEEN
22.06.20
Há quase um ano sem um lançamento para o mercado sul-coreano, o SEVENTEEN está prestes a fazer o seu comeback com o seu sétimo mini-álbum, "Heng:garae". O disco sai apenas no dia 22, mas na última quinta-feira o grupo pré-lançou "My My" com um videoclipe que aquece o coraçãozinho. O retorno do grupo acontece logo após a sua empresa, Pledis Entertainment, ser adquirida pela Big Hit, do BTS.


Golden Child
23.06.20
Logo após participar do reality "Road to Kingdom", o Golden Child se prepara para lançar o seu quarto mini-álbum, "Take a Leap". Com seis músicas e o single "One (Lucid Dream)", o lançamento está previsto para sair um dia após o retorno de SEVENTEEN e deve seguir um ar dark estabelecido desde o álbum "Reboot".


BLACKPINK
26.06.20
O que será que vem aí? A YG, empresa responsável pelo BLACKPINK, vem fazendo muito mistério quanto ao retorno das meninas, com o primeiro álbum previsto para ser lançado somente em setembro. Todavia, antes desse mês chegar, o grupo irá fazer pré-lançamentos e o primeiro acontece já no dia 26. Uma pena que a gente realmente não sabe nem qual vai ser o nome da faixa.
As novas princesinhas do R&B, as irmãs Chloe e Halle Bailey, lançaram nessa sexta-feira (12) seu segundo e ótimo álbum, o “Ungodly Hour” e, como a gente já esperava, o material é uma das melhores coisas lançadas em 2020. 



Em seu primeiro disco, “The Kids Are Alright”, a dupla Chloe x Halle investiu bastante em suas vozes angelicais para criar o mood de suas canções, apostando em um R&B mais tradicional. No novo disco, elas continuam explorando seus vocais diferenciados, mas experimentam muito mais em termos de sonoridade, flertando tanto com o trap como com elementos de música eletrônica (não à toa, a faixa-título do material tem produção do duo Disclosure).

Outro ponto alto do “Ungodly Hour” é que ele consegue mostrar muito bem todo o amadurecimento das artistas, não só em termos de sonoridade, pois agora parece que elas estão encontrando seu lugar na música, como também nas composições, pessoais, emotivas, melancólicas e muito relacionáveis. 

Algumas observações são válidas: elas participaram da composição de todas as músicas do material, tendo composto sozinhas algumas das faixas. Além disso, elas também ficaram à cargo da produção de algumas canções: “Baby Girl” e “Tipsy” são algumas das faixas produzidas pela Chloe, enquanto em “Wonder What She Thinks Of Me”, as irmãs trabalham juntas na produção.

Essa mistura de muito talento e coesão não poderia resultar em outra coisa senão aclamação. É por isso que elas são as pupilas da Beyoncé. 

Choveu, e não foi pouco não, hein! Lady Gaga e Ariana Grande inundaram a Billboard Hot 100 com seu novo single, “Rain On Me” e, de acordo com atualização da principal parada de singles americana, liberada nessa segunda-feira (01), estrearam a canção já no 1° lugar.

A colaboração de Gaga e Ariana deixou pra trás outros grandes competidores como Megan Thee Stallion e Beyoncé com “Savage”, DaBaby e Roddy Ricch com “Rockstar” e The Weeknd com “Blinding Lights” e se tornou a primeira parceria feminina na história a estrear direto no topo da Hot 100.



Lady Gaga agora soma cinco canções em n° 1 na parada: “Just Dance”, “Poker Face”, “Born This Way”, “Shallow” e, claro, “Rain On Me”. Isso faz dela uma das poucas artistas a terem #1s em três décadas diferentes: anos 2000, 2010 e 2020.

Já Ariana Grande também bateu um recorde: agora ela é a primeira artista na história a estrear quatro músicas no topo da Hot 100, superando Justin Bieber, Drake e Mariah Carey. Além de “Rain On Me”, ela estreou em 1° lugar com “Thank U, Next”, “7 rings” e “Stuck With U”.

“Rain On Me” é o novo single do “Chromatica”, o sexto disco de Lady Gaga, lançado na última sexta-feira (29). Não sabemos vocês, mas nós vamos comemorar esse #1 ouvindo um dos melhores discos pop do ano: 

Charli XCX lançou seu “How I’m Feeling Now”, Lady Gaga chegou com “Chromatica”, Dua Lipa já estava por aí com “Future Nostalgia” e seguimos impedidos de dançar ao som de todos esses hinos na balada mais próxima.

Sendo assim, a alternativa continuam sendo as festas virtuais que, felizmente, estão servindo até demais nesses tempos, nos permitindo um escape a rotina de isolamento com muita música boa, socialização e entretenimento.

Em sua terceira edição virtual, nona contando com sua versão da “vida real”, a festa Trophy voltará ao ZOOM no próximo sábado, dia 6 de junho, e, prometendo oito horas de festa, entregará muita fritação com setlists inspirados no hyperpop, pc music, bubblegum bass e o que a festa chama por “pop do futuro”.


Entre os artistas que costumam ser destaque na festa, temos Dua Lipa, Lady Gaga, Rina Sawayama, Charli XCX, Slayyyter, além de brasileiros como Pabllo Vittar, Lia Clark, Mia Badgyal e Linn da Quebrada.

Sábado (06) a festa contará com DJ sets de Jana Duarte, Tintel, ST, Sunshine Vendetta, Sophie da Rua Augusta, Pepapuke e Yazzion, além de duas atrações surpresas, que serão anunciadas em suas redes sociais pelos próximos dias.

De graça, a festa será transmitida pela plataforma de videoconferência ZOOM, onde todos aparecem através de sua câmera, e para participar, basta retirar seu ingresso gratuito no Sympla e acessá-lo no dia do evento.

Nesta quinta-feira (28), a aguardada parceria de Lady Gaga e BLACKPINK para o disco "Chromatica" chegou a rede mundial de computadores e, consequentemente, fez com que o quarteto liderado por Rosé quebrasse recordes no mundo da música. Por isso, o Daebak de hoje é dedicado a Rosé, Lisa, Jisoo, Jennie e os grandes números que o quarteto já conquistou.


BLACKPINK debutou em agosto de 2016, mas desde então possui apenas 13 músicas no repertório, além das parcerias com Dua Lipa ("Kiss And Make Up") e agora Lady Gaga. A escassez de música se torna ainda mais surpreendente por serem cantoras de k-pop, gênero que infla diariamente com lançamentos. 

Os fãs do BLACKPINK cobram constantemente a YG Entertainment, gravadora de nomes como 2NE1, Winner e BIGBANG, para que seja dada a devida atenção ao grupo, ainda mais com os números grandes que o quarteto consegue fazer com seus lançamentos quase que anuais. O lançamento com mais visualizações no YouTube é "DDU-DU DDU-DU", com atualmente 1,1 bilhão de visualizações, enquanto a canção com menor desempenho é "Stay", com pouco mais de 200 milhões de visualizações - o que muitos sequer conseguem.

O rendimento no YouTube também se perpetua em trabalho solo. Jennie, em novembro de 2018, deu um passo sozinha com a canção "Solo". O desempenho da música ultrapassa 460 milhões de visualizações.



A última vez que os fãs de BLACKPINK ouviram o quarteto com algo novo antes da parceria com Lady Gaga foi "Kill This Love", do EP de mesmo nome. Com essa canção, o quarteto quebrou inúmeros recortes. Ficou em quarto lugar na parada global do Spotify - sendo o grupo que conquistou a melhor posição até hoje - e teve a melhor estreia no YouTube com 56,7 milhões de visualizações em 24 horas.

Ainda quanto aos recordes de "Kill This Love", com esta música o BLACKPINK teve o seu maior pico na HOT 100 da Billboard. A música ficou em 41º, uma alta posição para um grupo de k-pop, que possui um consumo mais nichado. "DDU-DU DDU-DU", lançada em 2018 com o EP "Square One", também teve um bom desempenho, configurando a 55ª posição na época.

Já com "Sour Candy" as meninas conseguiram fazer o que nenhum outro girlgroup havia feito antes. A canção ficou em mais de 50 países em primeiro lugar no iTunes, e também configura a mesma posição mundialmente. No YouTube, a música já ultrapassa 25 milhões de visualizações. Lembrando que a canção é, por enquanto, apenas um single promocional de "Chromatica".

Não somente pela qualidade sonora, mas os números também se justificam devido a união de dois fandoms extremamente fieis. Principalmente no Twitter, blinks e little monsters se uniram para que a música siga tendo um bom desempenho nos próximos dias. 

De qualquer modo, "Sour Candy" é uma baita oportunidade para que o BLACKPINK cresça ainda mais, principalmente com um comeback previsto para setembro deste ano. As expectativas são altas visto que o grupo lançará um disco com 10 faixas. Um single promocional deve ser lançado ainda em junho. Será que vem aí?

O dia chegou. Está entre nós, a partir dessa sexta-feira (29), sexto disco de Lady Gaga. O "Chromatica" é a pista de dança da artista - e como Gaga nos avisou em muitas entrevistas de divulgação do material, essa é uma pista que ela lutou pra conquistar. 

Em seu novo álbum, Lady Gaga faz um passeio pela música dance dos anos 90, com influências de house, e do início dos anos 2000, como o europop. E quando Gaga se compromete com um estilo, ela vai até o fim. A prova disso é que não há sequer uma balada na tracklist do "Chromatica" - nem mesmo a parceria com o Elton John (!). 

Além de se comprometer com esse dance-pop nostálgico, ela também cumpre com a promessa de nos levar ao planeta "Chromatica". Para isso, ela aposta em interludes orquestrais, grandes hinos pop, boas composições - algumas das melhores da sua carreira - e uma produção refinada, crédito, em sua maioria das vezes, do produtor BloodPop. Uma jornada um tanto quanto cinematográfica. 



Em nossa primeira ouvida, precisamos destacar a poderosa "Alice", uma escolha arrebatadora para abrir o disco; "911", o dance-pop-sujo que a gente tanto gosta de ver a Gaga fazer; "Replay" que, com perdão pela brincadeira, perfeita para colocar no replay; e "Babylon", que chegou em uma versão diferente da anteriormente vazada, mas tão boa quanto, em um estilo vogue. Lute pela sua vida! 

Vale citar também as parcerias: "Rain On Me", a parceria com Ariana Grande que a gente não sabia que precisava até ouvir; a deliciosa "Sour Candy", com o BLACKPINK, que a cada ouvida fica melhor; e a mais surpreendente canção do disco, "Sine From Above", com o Elton John de uma forma que você NUNCA ouviu (é sério). 

Para os que sentiu saudade de ver Lady Gaga se jogar em um pop mais dançante, aqui está o "Chromatica", mas não dá pra dizer que esse é um retorno da artista às suas origens. Seu sexto disco é diferente de tudo que a gente já a viu fazer e algo pelo qual esperávamos há muito tempo. Aperte os cintos porque a jornada vai ser louca, libertadora e, nossa, muito divertida. 

Elas conseguiram! A atualização da Billboard Hot 100, principal parada norte-americana, divulgada nesta terça-feira (26) revelou que a rapper novata Megan Thee Stallion conquistou seu primeiro #1 no chart ao lado de Beyoncé com o remix de “Savage”.



Há algumas semanas acompanhamos a disputa ponto a ponto entre “Savage” e o remix de “Say So”, de Doja Cat e Nicki Minaj, que acabou levando a melhor pelo #1. Mas agora, podemos comemorar, porque todo mundo conseguiu seu momento no topo! 

Se para Megan esse foi seu primeiro n° 1 no chart, para Beyoncé esse #1 também foi importante: agora, ela é a segunda artista a conseguir chegar ao topo da Hot 100 em quatro décadas consecutivas (1990, 2000, 2010 e 2020). A primeira foi a Mariah Carey. 

Esse é o sétimo #1 de Beyoncé com músicas em carreira solo e, contando com as canções do Destiny’s Child, o décimo primeiro n° 1. Rainha faz assim!
Elas são o momento! Lady Gaga e Ariana Grande superam a dor e até uma chuva de facas (!) no maravilhoso clipe de "Rain On Me", lançado nessa sexta-feira (22). 

Dirigido por Robert Rodriguez, responsável por filmes como "Machete", "Sin City" e, mais recentemente, "Alita: Anjo de Combate", o videoclipe de "Rain On Me" traz as artistas explorando uma parte mais escura de Chromatica, contrastando com o show de cores de "Stupid Love"

O que não muda em relação ao primeiro clipe do sexto álbum de Lady Gaga é a importância da coreografia. Aqui, nossa narigudinha favorita bota Ariana Grande pra dançar de forma a deixar as lágrimas para trás e seguir em frente. 



THEY'RE ICONS, THEY'RE LEGENDS AND THEY'RE THE MOMENT!

Assistimos aos 3 minutos e 8 segundos de clipe com um sorriso no rosto o tempo todo. Parece que estamos vivendo um grande momento do pop, daqueles que vamos lembrar no início de outra década, não é? 

O "Chromatica" chega já na semana que vem, sexta-feira, 29 de maio, e contará ainda com faixas com BLACKPINK e Elton John em sua tracklist. 
Foram quatro anos de espera desde o último disco de Foxes, “All I Need”, até que ela voltasse a dar sinais de que um novo álbum estaria a caminho. E agora isso finalmente acontece, ao som da maravilhosa “Love Not Loving You”.

Primeira amostra do que a britânica veio preparando em estúdio durante esse tempo longe dos nossos ouvidos, a música parece partir exatamente de onde ela parou em seu trabalho anterior, com uma sonoridade funky que, ao mesmo tempo que conversa bem com seu som de anos atrás, chega a tempo do hype desse som em hits como “Say So”, da Doja Cat, e “Juice”, da Lizzo.

“Love Not Loving You” já chega com videoclipe e, sob a direção de  Rauri Cantelo, mistura a cantora com famosas obras de arte.


Bem vinda de volta, raposinha! <3
Se o isolamento não nos permite frequentar shows e baladas, impulsionou e popularizou os formatos virtuais que, nas mais variadas redes sociais, têm tentado adaptar eventos que aconteceriam ao longo desse ano para transmissões e videoconferências.

Foi o caso da festa Trophy, que contamos por aqui há algumas semanas e terá mais uma edição no dia 6 de junho, e é agora do Hyperpop Festival, evento completamente online, que contará com atrações nacionais e internacionais e acontecerá durante os dias 22, 23 e 24 de maio pela plataforma Twitch.

Com curadoria do duo Cyberkills, famosos por produções e remixes para artistas como Pabllo Vittar, Mia Badgyal e Jup do Bairro, o festival contará com dois formatos, sendo eles de performance e DJ Set; no primeiro, os artistas se apresentarão, cantando ou dançando suas músicas, já o segundo, é focado na apresentação de “sets” por cada um dos DJs convidados.


A iniciativa, além do objetivo de explorar e popularizar a cena do hyperpop e pc music no Brasil e mundo, pretende também levantar fundos para o coletivo Mães de Favela, programa criado pela CUFA para auxiliar mães e chefes de família que vivam em comunidades por todo o país.

O line-up é um prato cheio para os órfãos de festivais neste ano, incluindo headliners como a cantora canadense Allie X, a rapper americana Kilo Kish e o brasileiro Davi Sabbag, já entre os DJs, se destacam nomes como Aquaria, de ‘RuPaul’s Drag Race’, Nina Las Vegas e a produtora brasileira Badsista, que assina o mais recente lançamento de Jup do Bairro, “All You Need Is Love”, também presente nas atrações.


Com transmissão pelo Twitch, o Hyperpop Festival deverá divulgar os horários de todas as atrações pelo Instagram do Cyberkills, que já anunciou os detalhes desta sexta-feira (22), data em que abrirão seus trabalhos:

E não é que vem aí? Após anos de campanha em redes sociais, a tão sonhada versão de Zack Snyder para "Liga da Justiça" tem estreia marcada para 2021 no HBO Max, o grande serviço de streaming da Warner. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (20) pelo próprio diretor em uma sessão comentada de "Homem de Aço". Posteriormente, o serviço de streaming anunciou no Twitter a novidade.
A versão vendo sendo pedida desde o lançamento de "Liga da Justiça", em 2017. Snyder, é claro, contribuiu para que os fãs ficassem com mais vontade de assistir sua versão ao publicar nas redes ideias que foram descartas da produção. Membros do elenco também haviam confirmado a existência do "Snyder Cut".

A produção de "Liga da Justiça" foi totalmente conturbada. Em meio as gravações, Joss Whedon foi chamado para reescrever algumas cenas pois o estúdio as achava sombria demais. Tudo piorou quando Snyder se afastou após a morte de sua filha, o que resultou com que Whedon assumisse a direção. O resultado foi um filme com dois tons totalmente diferentes e uma sensação de que muita coisa estava faltando.