Mostrando postagens com marcador elton john. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador elton john. Mostrar todas as postagens
Apesar de ainda não ter sua próxima data de lançamento definida, o disco “Chromatica”, de Lady Gaga, segue como uma das estreias mais aguardadas deste ano e, desta vez, por três novas razões: Elton John, Blackpink e Ariana Grande.

Antes especulados, todos os artistas foram confirmados como participações especiais no álbum, que teve sua tracklist completa revelada pela loja Target, que ainda contará com três canções inéditas em sua versão exclusiva.

Bastante comentada há alguns meses, a colaboração de Gaga com Ariana Grande se chama “Rain On Me”, como diziam os rumores, enquanto Blackpink participa de “Sour Candy” e Elton John de “Sine From Above”.

Outra parceria, aqui na produção, fica para “Plastic Doll”, produzida pela londrina SOPHIE, conhecida por seus trabalhos com artistas como Charli XCX (“Vroom Vroom”) e Madonna (“Bitch I’m Madonna”), além do seu próprio disco de estreia, “Oil Of Every Pearl’s Un-Insides”, que chegou a ser indicado ao Grammy.

“Chromatica”, que dá nome ao disco, aparece três vezes ao longo da tracklist, podendo ser interludes que se completam no decorrer do álbum. Olha só:

  1. “Chromatica I”
  2. “Alice”
  3. “Stupid Love”
  4. “Rain on Me” (com Ariana Grande)
  5. “Free Woman”
  6. “Fun Tonight”
  7. “Chromatica II”
  8. “911”
  9. “Plastic Doll” (prod. SOPHIE)
  10. “Sour Candy” (com BLACKPINK)
  11. “Enigma”
  12. “Replay”
  13. “Chromatica III”
  14. “Sine from Above” (com Elton John)
  15. “1000 Doves”
  16. “Babylon”

Inicialmente, o disco seria lançado no dia 10 de abril, promovido pelo single “Stupid Love”, mas teve sua estreia adiada devido aos avanços do coronavírus e a preocupação de Lady Gaga quanto ao momento certo pra divulgação e celebração do trabalho, dado seu envolvimento com todo o movimento de luta contra a pandemia que segue paralisando o mundo.

Seguindo os passos de obras como “Bohemian Rhapsody”, estreia no Brasil na próxima quinta-feira (30) a cinebiografia do músico Elton John, a intensa, triste e grandiosa “Rocketman”.

Assim como o músico, que acompanhou de perto a construção da obra, o filme é tão musical quanto visual, utilizando de uma estratégia muito precisa para dar peso e dinamismo aos acontecimentos narrados: uma reunião de alcoólicos anônimos em que, pelas histórias contadas pelo próprio cantor, cria-se uma linha do tempo.

A trama, por sua vez, têm início na infância de Reginald Dwight, um menino tão tímido quanto intimidado, que vive inúmeras relações e acontecimentos que marcam e justificam boa parte do que viemos a conhecer mais tarde com o astro dos palcos.

Com direção de Dexter Fletcher, “Rocketman” se faz grandioso quando repete os passos de Elton John em não ser apenas uma coisa: é uma produção sensível, dramática e musical quando assim se propõe, ao mesmo tempo em que aborda de maneira dura e, por vezes, crua, momentos que assim pedem, como quando desenvolve sua história de abuso de álcool e drogas, suas certezas e descobertas quanto à sua orientação sexual e a longa busca pelo sentimento tão comum ao seu repertório: o amor.

A intensidade dos seus relacionamentos marcam boa parte dos momentos decisivos da história, da conturbada relação com seu pai, um homem ausente e autoritário por quem mendigou afeto desde a infância, à entrega ao romance unilateral com o empresário interpretado por Richard Madden, passando ainda pela relação de amizade e família com seu letrista e maior confidente, Bernie Tapin.

Os extremos do músico também são trabalhados nos contrastes da narrativa que vai da enorme sobriedade de certos momentos para o abuso propositalmente fantasioso de outros, como sua estreia no lendário Troubadour, na qual músico e plateia “flutuam” tamanho o êxtase causado por sua performance da faixa “Crocodile Rock”.


A força do imagético, inevitavelmente associada aos ícones de Elton, se torna maior com a interpretação de Taron Egerton, que desaparece em meio aos trejeitos do cantor e surpreende pela intensidade como se entrega ao personagem. Vale citar que o ator fez aulas de piano para dar mais realismo às cenas em que aparece tocando e cantou de verdade em todas as versões do filme, alcançando um tom de voz muito parecido ao que conhecemos nas músicas originais.



Uma sacada bastante precisa cabe aos figurinos do músico: nos palcos, quanto mais se veste, mais esconde as dores e vulnerabilidades que não leva com o personagem que assume para os shows; na reunião em que se abre sobre sua vida, quanto mais se despe, mais revela as cicatrizes que tanto se esforçou para esconder. Daí sai um dos grandes acertos de “Rocketman”, que pouco se empenha em elevar o músico a uma posição que sua obra já cumpriu o trabalho de deixar, desconstruindo-o sob uma honestidade que beira o sádico para nos mostrar o homem por trás da arte e o quanto lhe custou essa trajetória ao topo.

Cinebiografias de grandes nomes do mundo da música parecem que se tornarão uma tendência hollywoodiana. Após o enorme sucesso de público "Bohemian Rhapsody", chegou o momento de Elton John ter sua história contada nos cinemas sendo interpretado por ninguém menos que Taron Egerton


O blogueiro que vos escreve pode conferir o ator de “Kingsman: Serviço Secreto” cantando pela primeira vez na CCXP 2018, onde foi exibido um trecho da produção com o moço cantando. Ainda que a caracterização não seja uma das melhores - em termos de semelhança com Elton John -, saber que é realmente Taron cantando, e não uma mera dublagem duvidosa, o filme ganha muitos pontos.

O primeiro trailer que foi revelado ontem aposta justamente nesse fato e traz o mozão soltando a voz o tempo inteiro. A prévia também passa por alguns pontos importantes na vida de Elton John, como a escolha de seu nome artístico e seus primeiros figurinos extravagantes que marcaram sua carreira. Tem um cheirozão de hit, gente.


Além do talentoso Taron Egerton, que já tá sedento em sua primeira indicação ao Oscar, a produção conta com Richard Madden e Bryce Dallas Howard. Madden interpreta um dos agentes do cantor, John Reid, com quem teve um envolvimento, enquanto Howeard fica encarregada de dar vida à mãe de Elton nas telonas.

Ah!, é importante ressaltar que "Rocketman" vai ser um verdadeiro musical, com números grandiosos suficiente para ninguém botar defeito. O longa-metragem dirigido por Dexter Fletcher ("Voando Alto") chega aos cinemas em maio.
Elton John é um músico icônico, tem uma carreira lotada de sucessos e muitos prêmios. O cara é uma daquelas grandes referências que recebem homenagem atrás de homenagem. Uma delas é o disco "Revamp", com grandes hits seus nas vozes de outros grandes artistas dessa nova geração, lançado nesta sexta-feira (06). 

O álbum conta com a presença de vários artistas, dos mais variados ritmos. Essa mistura garantiu versões totalmente inusitadas, que não só atendem a proposta de "reinvenção" do projeto como também combinam perfeitamente com os cantores convidados. 

Q-Tip e Demi Lovato, por exemplo, fizeram uma versão R&B e sexy para "Don't Go Breaking My Heart" que em nada lembra sua versão original, mas que com certeza faz justiça a esta. Miley Cyrus teve a responsabilidade de recriar "Don't Let The Sun Go Down On Me", música de Elton com George Michael, mas podemos dizer, com alegria e alívio, que a homenagem funcionou. E a versão atualizada de "I Guess That's Why They Call It The Blues", sucesso de Elton nos anos 80, ganhou emoção na voz de Alessia Cara, além de um toque a mais de blues (é sério, gente!). 



Na ala das bandas, os caras do Mumford & Sons transformaram "Someone Saved My Life Tonight" em uma música deles. Se a gente não conhecesse, até acharia que é uma inédita. "Mona Lisas and Mad Hatters" ganhou uma nova versão feita pelos The Killers, e o resultado ficou tão bom que nos lembrou bastante o "Battle Born", disco lançado pelo grupo em 2013 e um dos melhores deles. Quer elogio melhor do que esse?

Mas não teve pra ninguém: as melhores versões foram de "Your Song" e "Tiny Dancer". A primeira, cantada por Lady Gaga, que também toca o piano, não mudou tanto com relação a sua original, mas é interpretada tão lindamente que não dá pra não se arrepiar. Pra quem curte "Speechless", "Brown Eyes" e as demos antigas da época que ela ainda era Stefani, é uma ótima pedida. Já "Tiny Dancer", uma das mais lendárias músicas de Elton, ficou ainda mais emocionante na voz de Florence Welch. Quando o som dar harpas invadem a música, então, parece que estamos indo em direção ao céu. Amém, irmãos! 

Tem ainda P!nk, Sam Smith, Mary J. Blige e muitos outros no "Revamp":

Quando "Kingsman: O Serviço Secreto" chegou aos cinemas, lá em 2014 e sem muitas expectativas, tanto o público quanto a crítica ficaram surpresos com o aspecto divertido e jovial do filme. Utilizando-se de cenas de ação cheias de humor e tecnicamente atraentes, o longa-metragem, baseado em uma famosa HQ, não deixou para trás seus personagens, desenvolvendo-os de forma satisfatória e entregando carisma suficiente para diferenciar a produção de muitos blockbusters formulaicos que são lançados constantemente pela indústria cinematográfica.

Em 2017, a sequência "Kingsman: O Círculo Dourado", também a cargo do diretor Matthew Vaughn ("Kick-Ass", 2010), trouxe os espectadores de volta ao universo insano (e ainda assim, "elegante") da franquia. Desta vez, no entanto, o filme regride um pouco em relação ao anterior: incluindo ainda mais estrelas no elenco, a trama sofre com o excesso de personagens, reduzindo alguns a um nível superficial.

Agora um agente de sucesso, Eggsy (interpretado pelo talentoso galã Taron Egerton, de "Voando Alto" [2016]) lida com as saudades de seu mentor Harry (o ótimo Colin Firth) e a rotina com sua namorada, a princesa Tilde (Hanna Alström). A situação muda completamente após um ataque à Kingsman, que destrói a sede do serviço secreto e aniquila todos os seus membros. Como sobrevivente, ele deve buscar a ajuda de uma entidade similar localizada nos Estados Unidos, a Statesman, enquanto investiga a ligação de um cartel de drogas denominado Golden Circle com o ataque ocorrido.

Além do retorno, ainda que em aparições, de boa parte do elenco original, que inclui nomes como Mark Strong e Sophie Cookson, o segundo filme adiciona a participação de várias personalidades relevantes do cinema atual, como Julianne Moore, Halle Berry, Channing Tatum, Jeff Bridges, Emily Watson e Pedro Pascal — há espaço até para o músico Elton John! Entretanto, poucos conseguem tempo de tela suficiente para trazer algum resquício de relevância em seus personagens. 

Moore e Pascal, talvez, foram os únicos com maiores aspectos a serem explorados. A vilã de Julianne Moore, Poppy, ainda que siga uma loucura exagerada, diverte ao ser tão caricata quanto psicótica. Pedro Pascal, por sua vez, encara um personagem bastante diferente das produções em que tem se envolvido (como os seriados televisivos "Narcos" e "Game of Thrones"), sendo uma das boas surpresas do filme. Tatum é irritante, Berry é mal utilizada e Bridges consegue ser desinteressante. Egerton e Firth permanecem bem, ecoando suas performances do primeiro filme.

É estranho pensar que o roteiro do próprio Vaughn, escrito junto com Jane Goldman e Matt Byrne, parceiros do Kingsman anterior, tenha se perdido tanto em sua sequência. Muitos personagens já estruturados são abandonados em poucos segundos e substituídos por uma leva de vários novos, como se o próprio longa-metragem tivesse um botão de "resetar". Além disso, apesar de apresentar bastante humor inteligente (com ótimas indiretas à Donald Trump), "O Círculo Dourado" inicia uma discussão a respeito da legalização e consumo de drogas ilícitas que, apesar de relevante, acaba por não definir-se muito bem, entregando uma mensagem que pode parecer confusa ao final da produção. 

Por outro lado, o nível técnico do filme permanece elevado, com um design de produção bastante colorido e essencial para a construção da atmosfera descontraída que permeia o longa-metragem. As cenas de ação, muitas utilizando-se de um inquietante e já esperado exploitation, são envolventes e bem coreografadas, com movimentos e truques de câmera que tornam a experiência do expectador ainda mais louca e divertida. 

"Kingsman: O Círculo Dourado" consegue divertir, ainda que com algumas falhas. Retrocede um pouco nos aspectos e na mensagem que destacaram seu predecessor, mas entrega uma experiência alucinada que mantém o filme com um saldo positivo. Não consegue ser memorável, mas talvez agrade a quem o assista sem expectativas. Talvez a franquia desenvolva melhor as sementes que plantou agora? Saberemos nas próximas missões.


Depois de morar por sete semanas no #1 da principal parada britânica com "Rockabye", o Clean Bandit já está planejando os próximos passos. A banda arrasa nos números: são 16 milhões de singles e 1,6 milhões de álbuns vendidos, além do Grammy de Best Dance Recording (Melhor Música Dance/Eletrônica) com "Rather Be", parceria com Jess Glynne. Misturando música clássica com eletrônica, o grupo, integrado por Grace Chatto e os irmãos Jack e Luke Patterson, vem conquistando cada vez mais reconhecimento e espaço no cenário musical, além de fãs no mundo todo.

Conseguimos um tempinho na agenda de Grace para conversar sobre os planos da banda, o novo álbum, novas parcerias e como é se apresentar em festivais com um público tão grande. A entrevista completa vocês conferem abaixo!



It Pop: Vamos começar com "Rockabye". A música é um hit no mundo todo! Vocês estão orgulhosos dela? Como foi trabalhar com Anne-Marie e Sean Paul?
Grace: SIM, SIM! Nós estamos muito orgulhosos da música. É uma música muito especial para mim e é o tipo de música que eu amo, como o que Anne canta também é muito interessante... E a gente sempre quis trabalhar com o Sean Paul, eu amo o senso de humor dele. Foi um sonho que se realizou!


It Pop: Anne-Marie é uma artista que estourou há pouco tempo. Por que vocês convidaram ela para uma colaboração e como vocês escolhem os artistas para trabalhar?
Grace:  Um dia, estávamos em um festival e Anne estava cantando com o Rudimental. Ficamos obcecados pela voz dela e percebemos na hora que ela seria perfeita para "Rockabye". A gente escolhe o tipo certo de palavras para cada música e é assim que selecionamos o artista. Depende muito da letra.

It Pop: Vocês já trabalharam com vários artistas diferentes. Existe alguém que você queira muito colaborar?
Grace: Hum, bem, meus artistas preferidos no momento são Lana Del Rey, James Bay... Mas nós estivemos trabalhando com Zara Larsson, Elton John, e eles são músicos excelentes.

It Pop: Sim, eu vi que vocês postaram uma foto no estúdio com a Zara. O que você pode nos dizer sobre isso?
Grace: Ela é incrível! Ela é tão jovem, mas é muito madura como artista e como pessoa. Ela tem uma voz poderosa. Talvez seja o próximo single que vai sair, ainda não temos certeza.

It Pop: E vocês mantêm contato com essas pessoas? Por exemplo, a Jess Glynne...
Grace: Sim, sim. Nós sempre nos encontramos em festivais e estamos trabalhando com ela no seu próximo álbum.


It Pop: Clean Bandit é uma banda que mistura eletrônica e música clássica. Como é isso para você?
Grace: Nós gostamos dessa mistura. Eu sempre toquei música clássica e Jack sempre gravava áudios, ele estava sempre nos meus ensaios. Um dia, decidimos brincar com isso, adicionando graves e algumas batidas. Foi assim que isso começou pra gente.

It Pop: É verdade que o segundo álbum sai este ano? E ele vai seguir os caminhos do "New Eyes" ou vai ter um estilo diferente?
Grace: Sim, ele vai sair este ano mesmo. Estamos trabalhando nele já faz um tempo, Eu acho que não será como "New Eyes". Existem muitos estilos musicais nele.

It Pop: E vocês já têm um nome pra ele?
Grace: Não, ainda não escolhemos...

It Pop: Já que estamos falando sobre isso, você tem um álbum preferido do ano passado?
Grace: Hmmm, um álbum favorito... Acho que o da Rihanna, "Anti".

It Pop: Vocês já tocaram em vários palcos ao redor do mundo. Como foi a primeira vez que você se apresentou para um público grande?
Grace: Eu toquei música clássica a minha vida toda e a plateia é muito diferente, é quieta. Então, na primeira vez que nos apresentamos como um banda, as pessoas estavam animadas, pulando, dançando, e eu amei ter essa conexão com o público.

It Pop: E qual é a lembrança mais legal de um show que você tem?
Grace: Eu acho que foi quando nos apresentamos com a Orquestra Filarmônica da BBC e nós recriamos o nosso álbum "New Eyes". Foi um momento muito especial.


It Pop: Vocês ficam nervosos no palco? Por exemplo, num evento como o Mobo Awards...
Grace: Não, eu não fico muito nervosa. Eu acho que nesse dia a Anne-Marie ficou nervosa, mas nós apenas aproveitamos o momento.


It Pop: Ainda falando sobre shows, vocês planejam uma visita ao Brasil?
Grace: Ah, eu adoraria! Possivelmente, um dia. Nós só estamos planejando o nosso ano agora com nossos agentes e empresários, mas já faz muito tempo que eu quero ir ao Brasil ver os fãs.

It Pop: Eu imagino que vocês já estejam cansados dessa pergunta, mas é algo que os fãs querem muito saber. A música "Disconnect", com a Marina and the Diamonds, vai estar no novo álbum?
Grace: Sim! Vai estar sim. Nós ainda estamos trabalhando nela e fazendo mudanças, mas vai sim estar no nosso próximo álbum. Os fãs podem ficar tranquilos!
A cantora de jazz Lady Gaga nunca escondeu a sua admiração pelo cantor e amigo Elton John, mas numa recente entrevista ao Irish Examiner, a hitmaker de “Anything Goes” contou que o dono de “Your Song” foi um dos principais responsáveis por sua superação no vício de drogas.
“Ele foi curto e grosso, me dizendo que eu estava indo longe demais. Ele me salvou”, contou a cantora.
Vira e mexe, Gaga toca no assunto sobre seus vícios e, desde a sua ascensão na mídia, essa relação já teve mais idas e vindas do que o namoro da Selena Gomez com o Justin Bieber, mas desta vez ela afirmou ter um maior controle sobre isso, estando totalmente sóbria quando está em palco.

Na entrevista, ela ainda relembrou o episódio em que foi dama de honra do casamento de uma velha amiga no ano passado e presenciou toda a cerimônia drogada, se mostrando arrependida porque sua amiga “merecia uma dama de honra sóbria”.

Não bancando os bons samaritanos, mas pensando no histórico de ícones que já perdemos pelo vício em drogas e/ou bebidas, esperamos que ela consiga se recuperar por completo o quanto antes, até porque também precisamos dela para um próximo disco propriamente pop e, quem sabe, a prometida sequência de “Telephone”.

Salve o rock and roll! A banda Fall Out Boy retornou no ano passado com o single "My Songs Know What You Did In The Dark (Light'Em Up)", lançando pouco depois um dos melhores discos de 2013, "Save Rock and Roll" (review), e com ele desenvolveu um dos melhores projetos audiovisuais do ano, fazendo do disco um álbum visual (quando ninguém o chamava assim, até porque Beyoncé ainda não havia mainstrenizado o termo), enquanto lançava aos poucos clipes para todas as suas faixas, o que resultou, por sua vez, nas Youngblood Chronicles.

Com a participação de diversos nomes especiais, como Courtney Love, Foxes, Big Sean, 2 Chainz e até Tommy Lee Jones, as crônicas do Fall Out Boy narravam uma inusitada aventura, onde a banda, em meio a muitas armadilhas e acontecimentos sobrenaturais, lutavam na busca pela salvação da música, enquanto Courtney Love, com a ajuda de 2 Chainz e suas comparsas, lutavam como podiam para fazer o contrário. Tudo isso, porém, a gente assistiu nos clipes anteriores, acompanhando também a busca implacável da banda por uma maleta, inicialmente apresentada no clipe de "The Phoenix", o segundo da saga, e eis que finalmente chegamos ao fim da história, com o lançamento dos clipes para "Miss Missing You" e "Save Rock and Roll", com participação do Sir Elton John.

Coincidindo com a data da passagem dos caras pelo Brasil com a Save Rock and Roll Tour, rolou nos EUA a grande estreia da "Save Rock and Roll: The Youngblood Chronicles" e, pela primeira vez na história da música, toda a saga foi exibida de uma só vez, sem cortes, com todas suas canções e participações especiais. Esse vídeo, porém, só estará disponível no VEVO da banda pelos próximos dias, então, por enquanto, a gente assiste ao fim das crônicas com clipe por clipe, para as duas canções já citadas. Sem spoilers, tudo o que podemos dizer é que o melhor fica mesmo para o grand finale e que temos sim um final feliz, ainda que sobre muito sangue.

Confira:



SENSACIONAL. Caso tenha perdido algum clipe, assista toda a saga, composta por clipes para todas as canções do CD "Save Rock and Roll", abaixo:


Mas esse tem sido O ano, hein? David Bowie, Cher, Justin Timberlake, é retorno atrás de retorno e agora chegou a vez do cantor Elton John (que já havia nos surpreendido esse ano, ao lado do Fall Out Boy em "Save Rock and Roll") nos apresentar novidades. Assim como o citado Bowie fez no início da divulgação do disco "The Next Day", Elton surgiu na manhã desta quinta-feira (22) com uma nova produção, chamada "Home Again", e já trouxe áudio com clipe e tudo!

No vídeo para o novo single, acompanhamos a história de um rapaz que, conforme caminha de volta ao seu lar, começa a voltar no tempo e ficar mais jovem. É uma história meio "O Curioso Caso de Avril Lavigne Benjamin Button" e com produção impecável, fotografia digna de cinema. Tem como assistir e não ficar de queixo caído? Olhem só:



"Home Again" abre os trabalhos de Elton John com o disco "The Diving Board", o 30º de sua carreira (chora, Rihanna) e primeiro solo em sete anos. O disco sucede o projeto "Good Morning To The Night", lançado pelo cantor em 2012 numa parceria com a dupla Pnau, e será oficialmente lançado dia 24 de setembro. Abaixo, vocês podem conferir sua capa e tracklist:

1. "Oceans Away"  
2. "Oscar Wilde Gets Out"  
3. "A Town Called Jubilee"  
4. "The Ballad of Blind Tom"  
5. "Dream #1" (Instrumental interlude)
6. "My Quicksand"  
7. "Can't Stay Alone Tonight"  
8. "Voyeur"  
9. "Home Again"  
10. "Take This Dirty Water"  
11. "Dream #2" (Instrumental interlude)
12. "The New Fever Waltz"  
13. "Mexican Vacation (Kids in the Candlelight)"  
14. "Dream #3" (Instrumental interlude)
15. "The Diving Board"  

Se matar pensando na madrinha de um filho? Claro que não, mais fácil repetir o acerto! Elton John revelou em entrevista que a madrinha de seu segundo filho será ninguém menos que a madrinha de seu primeiro filho: Lady Gaga. Em 2011 ela aceitou o convite para ser a "segunda mãe" (quem é a primeira, gente?) do Zachary e agora será também madrinha do Elijah, filho mais novo do Elton John e seu marido David Furnish. 


Segundo John, ela tem sido uma ótima fada madrinha para Zachary, ele ainda diz achar que "ela é um ótimo modelo. Ela é jovem e eu admiro tudo nela". O bebê nasceu em janeiro desse ano, e dias depois de seu nascimento Gaga voou para Las Vegas para conhecer seu futuro afilhado e dar banho de sangue nele. Quanto instinto de mother monster, gente ♥ Esperamos que esses dois saibam aproveitar o acesso que têm a dois grandes ícones do pop e quando crescerem se inspirar (não copiar, nem tudo se aprende com a madrinha) para seguir carreira, nos dando maravilhosas obras de arte como Elton John e Lady Gaga.

Assistam a entrevista em que o Elton John e David Furnish falam da relação de Gaga com Zachary e sobre outros assuntos relacionados à família:


Se teve algum retorno mais legal que do Fall Out Boy esse ano, ainda não vimos. Após oficializar sua volta com o disco "Save Rock and Roll" e seu carro-chefe, "My Songs Know What You Did In The Dark", a banda lançou um videoclipe para o segundo single do álbum, "The Phoenix", e manteve esse ritmo instantâneo de revelações, soltando também a tracklist do novo material.

Falando primeiro sobre a música nova, eles realmente voltaram pra dar uma moral para o rock. A faixa mantém a pegada barulhenta do primeiro lançamento, mas ainda assim soa extremamente pop, com um refrão pra lá de chiclete. Quanto ao clipe, ele narra a história que antecedeu o video de "My Songs Know...", explicando como foi que o 2 Chainz e suas assistentes gangstas tiveram acesso aos documentos da banda. Dessa vez, eles fazem aparições mais significativas e mostram que continuam na boa e velha forma de sempre, com direito ao bom-humor e o Pete Wentz pegando alguém. Confiram:


Agora vamos falar do álbum? A salvação do rock está prevista para o dia 6 de abril e a tracklist do "Save Rock and Roll" foi divulgada nesta segunda-feira (25), revelando colaborações com Courtney Love, Sir Elton John, Big Sean e até a cantora Foxes, que apresentamos aqui no blog há um tempinho. Precisamos dizer o quanto estamos ansiosos e animados para este CD? Olhem só:


1. "The Phoenix" 
2. "My Songs Know What You Did in the Dark (Light Em Up)" 
 3. "Alone Together" 
4. "Where Did the Party Go" 
5. "Just One Yesterday" (featuring Foxes) 
6. "The Mighty Fall" (featuring Big Sean) 
7. "Miss Missing You" 
8. "Death Valley" 
9. "Young Volcanoes" 
10. "Rat a Tat" (featuring Courtney Love) 
11. "Save Rock and Roll" (featuring Elton John)
Recém-anunciado como atração musical do Grammy 2013, que acontece no dia 10 de fevereiro, o cantor britânico Ed Sheeran utilizou seu Twitter pra acabar com as surpresas e contar para seus fãs que sua apresentação na premiação contará com um convidado pra lá de especial: Elton John!

Sheeran, concorrente ao Grammy na categoria Música do Ano, ficou tão animado com a coisa toda que, além de revelar a participação de Elton, também afirmou que os dois farão um dueto com uma de suas músicas e não do cantor de "Your Song", dizendo:
“Tocarei no Grammy, cantando uma das minhas músicas em um dueto com Elton John. Estou muito animado com isso!”
Sempre envolvido em parcerias com esses artistas mais novos, o cantor Elton John já havia se apresentado na mesma premiação ao lado da Lady Gaga, em 2010.
É gente, e vocês aí com briguinhas entre Madonna e Lady Gaga... O cantor Elton John se apresentou no Brasil ano passado, integrando a line-up do Rock In Rio, e já está com novas datas no país para 2013, só que se você estiver pensando em conferir essa passagem de perto, é melhor correr e bem rápido!

Em Porto Alegre, onde acontecerá o segundo show do cantor com a fase brasileira de sua turnê, o primeiro lote de seus ingressos esgotou em pouco mais de uma semana, sendo vendido na faixa de R$180 à R$750. A apresentação, que acontecerá no Estádio Zequinha, está programada para o dia 5 de março e sucederá o show em São Paulo (Jockey Club), no dia 27 de fevereiro.

Além de São Paulo e Porto Alegre, a capital do Brasil também está confirmadíssima na agenda de Elton John, com ingressos que variam de R$200 à R$500. Pra ir esquentando, confiram abaixo um video com a performance de "Skyline Pigeon" no Rock In Rio:
“MDNA” pode ter sido um álbum musicalmente fraco, nele a Rainha do Pop emplacou apenas um #10 no Billboard Hot 100, com a infantil “Give me All Your Luvin’” feita em pareceria com MIA e Nicki Minaj, porém dois fatos sobre a cantora são inegáveis:
1 – A turnê dela tem MUITA expressividade no mundo pop, basta ver que em poucos meses sua turnê “MDNA” já se tornou uma das mais lucrativas da história, mesmo sem ter um single de grande impacto para promovê-la.
2 – Quando quer comprar uma briga, por motivos pessoais ou políticos, Madonna sabe exatamente como atacar seus desafetos, Elton John e, mais recentemente, Lady Gaga, são provas disso.
Juntando esses dois fatos, com o ativismo a favor dos gays que a cantora possui, em um país em que a parada gay em diversas cidades foi proibida e que apenas manifestações sexuais de cunho heterossexuais são permitidas, com um líder que governa o país com mão de ferro, apenas uma coisa poderia acontecer: polêmica. E o alvo da vez foi um dos homens mais poderosos do mundo: Vladimir Putin.
Em seu show na cidade russa de São Petesburgo, Madonna não perdeu a oportunidade de criticar o presidente Putin, por ter preso o trio russo Pussy Riot, o qual, em protesto pelo apoio concedido pela Igreja Ortodoxa Russa e pelo Patriarca (espécie de Papa) Cirilo I ao governo, cantou uma canção em uma igreja em que pedia a saída do presidente.
No vídeo, que você pode conferir no final do texto, Madonna faz um discurso em que afirma, entre outras coisas, “orar pela liberdade do trio”, além de ter cantado a sua versão de “Like a Virgin” para o show com o rosto coberto.
Além disso, ela já prometeu no Facebook que em seu próximo show em São Petesburgo, na quinta-feira (9), uma pulseira rosa será entregue para qualquer um que queira apoiar a comunidade gay e lésbica da cidade, segundo ela, “a pulseira será parte do show” e convoca os fãs: “prepare-se para levantar seu braço em apoio”.
Com isso, só pode se chegar a uma conclusão, quando quer, Madonna sabe deixar a infantilidade de lado e chamar a atenção para as causas que defende, e para sua turnê, de maneira eficaz e interessante, e não apenas mostrando seu seio, ou beijando mulheres em países islâmicos.
Aproveitando a onda de comebacks que rolou este ano, o cantor Elton John se jogou de cabeça numa parceria com a dupla australiana, Pnau e, juntos, Elton, Peter e Nick produziram o álbum "Good Morning To The Night", que mescla os característicos vocais do cantor com batidas eletrônicas bem atuais e ainda assim, com todo um toque oitentista, resultando em algo realmente incrível. A parceria do cantor com os australianos deu certo e nesta semana, o álbum "Good Morning To The Night" foi dar bom dia para o Reino Unido no primeiro lugar da UK Albums Top 100, barrando o "Overexposed" do Maroon 5, que subiu uma posição na parada e acabou no segundo lugar. 

O novo single do projeto Elton John vs. Pnau é a deliciosa "Sad", mas aqui no post você vai escutar a faixa-título do álbum, que foi um fator super importante para que esse projeto funcionasse bem e também faz parte da trilha-sonora dos Jogos Olímpicos de Londres, acompanhando "Survival" do Muse e "Theme From Velodrome" do Chemical Brothers. A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2012 acontecerá na próxima sexta-feira (26) e no Brasil,  será transmitida com exclusividade pela Rede Record. Confira abaixo "Good Morning To The Night", do Elton John com a dupla Pnau:


Poucas horas atrás, eu postei uma notícia falando sobre a música da Melanie Amaro que caiu na rede. Trata-se de uma versão moderna para "Respect", de Aretha Franklin. Mas esquecemos de mencionar que essa música estaria no novo comercial da Pepsi que acabou de ser transmitido no intervalo do Super Bowl.
O vídeo, super bem produzido, é estrelado pela ganhadora do X-Factor e também o atual BFF de Madonna, Elton Recalcado John. ~risos~
Já tá no YT em alta definição, confira!
Rolou essa semana o Globo de Ouro, que é um dos prêmios mais importantes do cinema internacional e Madonna desbancou a parceria de Elton John, levando o prêmio de "Melhor Canção Original", por "Masterpiece" na trilha de "W.E." e quem não gostou nada disso, foi o marido de Elton, David Furnish, que usou seu Facebook para desabafar:
"Madonna, melhor canção? É f*da ein!", disse Furnish, que prosseguiu: "Madonna levar essa mostra como esssas premiações não dão valor ao mérito. Seu discurso de agradecimento foi tão embaraçoso e deixou claro seu narcisismo. E as suas criticas a Lady GaGa em programas de TV só mostram o quão desesperada ela está".
Este ano, a Rainha do Pop volta às prateleiras com o álbum "M.D.N.A.", que terá seu primeiro single, "Gimme All Your Luvin'", performado durante o show do intervalo no SuperBowl. Quanto à declaração de Furnish, preciso concordar em parte - mesmo sabendo que Madonna não precisaria disso para voltar a mídia - é um fato que todas essas declarações se resumem ao marketing.
Para a felicidade de seus fãs, o cantor Elton John tem em seus planos expor sua vida em um filme autobiográfico nas telonas e para isso, quer os melhores nomes envolvidos na produção.

Em recente entrevista, o cantor revelou que o filme será algo fora do normal, assim como sua vida e adiantou também que o primeiro nome de sua lista para interpretá-lo nas telonas é Justin Timberlake, que já viveu a vida de Elton no videoclipe "This Train Don't Stop There Anymore":

"O filme será uma visão surreal sobre minha vida e não apenas factual. Não quero que seja um filme autobiográfico normal porque minha vida não foi assim. Eu tenho uma lista, mas o número um é Justin Timberlake. Ele me interpretou em um vídeo do David LaChapelle e foi incrível"
Abaixo, você confere o cantor e ator, Justin Timberlake, dando vida a Elton John em "This Train Don't Stop There Anymore", lançado em 2002.


Inspirada, ou não, pela máquina de lançar álbuns, mais connhecida por Rihanna, a cantora Lady Gaga também já entrou em estúdio para o sucessor de "Born This Way". 
Em entrevista à Alan Carr, da TV britânica, a cantora revelou que seu novo álbum já está em processo de criação e que Elton John é um dos possíveis duetos.

"Meu próximo dueto, acredito eu, que será com Elton John. Eu estou trabalhando no meu novo álbum e toquei para ele uma música que eu escrevi e ele realmente adorou", contou Gaga
Outro nome especulado para o novo álbum de Gaga é a rapper Nicki Minaj. Recentemente, a rádio B96 anunciou uma parceria entre as duas. Se lembram? O que esperam do novo álbum de Lady Gaga? Será que voltaremos a escutar os sintetizadores ao estilo "The Fame"?! 


Enfim, além da entrevista, Lady Gaga também performou seu atual single, "Marry The Night", em versão acústica e com um figurino todo trabalhado na fofura em excesso. Assista:

Depois de agitar o público de forma surpreendente com seus maiores sucessos, o cantor Elton John deixa o palco do Rock In Rio com um "Muito obrigado". 
Em sua performance, Elton contou com o destaque de show de luzes e cantou também uma faixa inédita.

O último show do Rock In Rio 2011 fica por conta de Rihanna que finaliza a noite pop do festival, sendo o quinto show da noite.