Mostrando postagens com marcador doutor estranho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador doutor estranho. Mostrar todas as postagens

Finalmente chegamos à nossa primeira lista de melhores do ano de cinema. Neste ano resolvemos fazer diferente: ao invés de juntar a lista pipoca com a lista cult, resolvemos separar cada um em seu lugar para ficar mais organizadinho. Começaremos com os filmes pro povão, e vamos ser sinceros? Que 2016 estranho, meu deus!

Num ano onde uma das maiores apostas fica a cargo do filme que trouxe os dois grandões da DC para brigar, quem acabou surpreendendo mesmo no mundo dos heróis foi o cara que não para de falar e o médico estranho. Um ano também em que aprenderam a fazer um sci-fi sem tiroteios contra os alienígenas para o povão adorar, sem contar aquele que usou só os monstros para ambientar o filme. No fim, um live-action de um desenho estranhamente quaaaase se tornou o melhor do ano.

Sem mais delongas, eis aqui os 15 melhores filmes pipoca de 2016.

Começamos nossa lista com o primeiro de quase todos os filmes de heróis lançados em 2016. Finalizando a trilogia iniciada em “Primeira Classe”, “X-Men: Apocalipse” traz um dos vilões mais legais e poderosos do universo mutante, reunindo também o melhor da franquia “X-Men”. O trabalho em equipe é um de seus pontos principais, como também a ação e uma pitadinha de fanservice. Se tivéssemos um terceiro ato tão grandioso como os dois primeiros prometem, “X-Men: Apocalipse” com certeza estaria numa posição melhor. — Salvani

Em tempo onde “Sharknado” é nome mais comentado quando falamos em tubarões no cinema nos dias de hoje, “Águas Rasas” é o grande alívio que precisávamos. Blake Lively sobre(vive) no papel de Nancy, uma surfista que na busca da onda perfeita vai para uma praia deserta e acaba tendo que enfrentar o maior tubarão que nós respeitamos. A trama é só isso, porém sua execução é de tirar o folego, com cenas tensas suficiente para que nós precisássemos de ajuda de aparelhos. É um suspense com tubarões, o “Jaws” da nossa época. — Salvani

Incompreendido por uns, detestado por outros e amado por nós, temos “Batman VS Superman: A Origem da Justiça”. Como o nome sugere, aqui temos um embate entre os dois personagens mais foderosos da DC, interpretados por Henry Cavill (Superman) e Ben Affleck (Batman). Além destes dois, somos apresentados ao Lex Luthor, interpretado por Jesse Eisenberg, e também não podemos esquecer da melhor coisa do longa, a Mulher-Maravilha, que foi vivida pela ex-Miss Israel e atriz Gal Gadot. É sombrio e realista como todo fã de Nolan gosta, porém dá pra se divertir pra caramba. — Salvani

O único terror de nossa lista é do cara que tá fazendo um puta barulho no gênero desde “Jogos Mortais” e está se mostrando bem capaz em filmes fora de sua zona de conforto. James Wan faz o que poucos cineastas conseguem com exatidão: fazer com que o público se importe pelos personagens. É sério! É um terrorzão da porra, mas após a cena do Ed Warren cantando Elvis, não tem como não torcer para que tudo dê certo para aquela família. — Salvani

J. K. Rowling finalmente começou a expandir o universo “Harry Potter” no cinema com o maravilhoso “Animais Fantásticos e Onde Habitam”. A produção pega como ideia central o livro didático de mesmo nome que Harry usa na franquia, porém vai além e através dele nos prepara, mesmo que pouco, para a grande batalha que envolve Dumbledore e Grindelwald. É uma overdose de nostalgia fantástica. — Salvani

"A Luz Entre Oceanos" entra aqui por ser uma ótima adaptação do romance best-seller homônimo da autora australiana M. L., além de contar com um elenco de peso que inclui Michael Fassbender, Alicia Vikander e Rachel Weisz. Com um tom mais denso do que a maioria das produções do tipo, o filme envolve bastante o público e consegue levantar questões morais, fazendo com que a gente pense sobre a situação de Tom e Isabel Sherbourne, o casal protagonista, em relação à viúva Hannah Roennfeldt. Vale conferir não só pelo roteiro interessante, mas também pela ótima performance dos atores, a belíssima fotografia e todo o visual de época da produção. — Gustavo Nery

O público que viu o "Procurando Nemo" quando ainda era criança, em 2003, provavelmente teve a mesma sensação (salvo às devidas proporções, claro) dos fãs de “Star Wars” ao assistir “O Despertar da Força”. Parece até que os 13 anos de intervalo entre um filme e outro somem – literalmente – quando o longa começa, até porque a história quase que se inicia de onde parou. Os coadjuvantes icônicos e as cenas emocionantes são alguns dos toques especiais que mantêm o filme interessante, mesmo sendo praticamente uma segunda versão da primeira história. — Júlia Arneiro

Chegando aos cinemas já no finalzinho de 2016, não poderíamos deixar de incluir este ótimo spin-off da saga "Star Wars" na nossa lista. Diminuindo (ou talvez aumentando) nossa ansiedade para o próximo episódio da saga, esta produção toma lugar entre os episódios III e IV e cumpre a proposta de explorar um pouco mais do universo expandido da franquia, apresentando novos heróis (aqui encabeçados por Felicity Jones no papel de Jyn Erso) e algumas sequências surpreendentes, que já figuram entre as melhores de todos os filmes. Certamente, muitos fãs pularam da cadeira! — Gustavo Nery

Carregando no nome o peso do seu antecessor, "Rua Cloverfield, 10" era uma incógnita para todos que entravam na sala de cinema para assisti-lo. Nossa surpresa ao sair do cinema só não é maior que o tamanho da tensão que sentimos durante o filme. Uma história ambientada em paralelo ao primeiro longa, mas com uma proposta totalmente diferente. "Rua Cloverfield, 10" é um suspense extremamente competente, que traz excelentes atuações de John Goodman e Mary Elizabeth Winstead. Uma história ambientada no mesmo cenário, com apenas três personagens e que tinha tudo para ser um grande fiasco, se torna uma das grandes surpresas do ano. — Nicolas Santos

Após aquela bomba que foi o Deadpool em "X-Men Origens: Wolverine", quem diria que veríamos o anti-herói de volta às telonas e do jeito que merece? "Deadpool" definitivamente é um filme que entrou para a história por diversos fatores. Aconteceu pelo apelo dos fãs, arrecadou horrores e abocanhou duas indicações ao Globo de Ouro. É desbocado, debochado, violento e sem censuras, e utiliza da quebra da quarta parede para criar ótimas piadas. O melhor fica pela zoação que o filme faz ao criticar o próprio gênero que se banha. — Nicolas Santos

Esse é aquele tipo de filme que deveriam passar nas salas de aula para as crianças de tão incrível que é. Sério. E não, a grandiosidade desta animação não está na determinação da coelhinha Judy Hopps para se tornar uma policial, na amizade que floresce entre Judy e a raposa malandra Nick Wilde ou na famosa e esperada vitória do bem sobre o mal. O que torna “Zootopia” um filmão do caramba é o tapa na cara que ele dá sobre um assunto muito em voga nos últimos tempos: o preconceito. Não queremos dar spoiler, mas a mensagem não é nada sutil e não é preciso fazer grandes esforços para perceber a lição que o filme passa. — Júlia Arneiro

Adaptar um dos arcos mais importantes dos quadrinhos Marvel, sem deter dos direitos autorais de todos os personagens desse universo no cinema, nos pareceu um certo risco para a Marvel Studios. Entretanto, "Guerra Civil" não se tornou um erro na história da Marvel, e nós pudemos ver nos cinemas o confronto dos dois principais rostos do UCM, Homem de Ferro e Capitão América. Ganhamos de quebra a introdução de dois novos personagens ao Universo Marvel: Homem-Aranha e Pantera Negra, que acabaram roubando a cena. Guerra Civil no final das contas pode até não ter mudado muita coisa na história dos próximos filmes da Marvel, mas ao menos vimos a pancadaria que estávamos na sede de ver desde que um certo filme aguçou nossa vontade de ver dois heróis lutando um contra o outro. — Nicolas Santos

Vocês pediram tanto alguma mudança nos filmes da Marvel Studios que, quando teve, quase ninguém percebeu. Por mais que a produção se banhe na formulazinha que o estúdio vem seguindo desde "Homem de Ferro", ela tem seu diferencial. Um dos primeiros pontos a serem relevantes é que ele não tenta ser grandioso em momento algum: a batalha final é dentro de uma dimensão, nada de explosões ou coisas do tipo. Temos uma piadinha ali e aqui, e é só, nada que de fato atrapalhe o filme. É mais sério que os demais, porém sem se tornar sombrio e realista. É divertido pra caramba! — Salvani

"Mogli - O Menino Lobo" foi um daqueles filmes que ganhou trailers esquecíveis no começo de sua divulgação, porém, prestes a chegar aos cinemas teve uma campanha de marketing pesadíssima. O longa-metragem de Jon Favreau durante sua campanha se apoiou no elenco maravilindo de dublagem e num CGI que meu deus, que negócio lindo, puta que pariu. Ao nos depararmos com a produção no cinema, recebemos tudo que foi prometido, além de uma adaptação boa, personagens envolventes e um toquezinho de nostalgia que todo remake gostaria de ter. — Salvani

Este filme causou um rebuliço na redação do It Pop quanto à lista que entraria: afinal de contas, é cult ou pipoca? Depois de muita deliberação, o longa, dirigido por Denis Villeneuve (“Sicario – Terra de Ninguém”) e com Amy Adams e Jeremy Renner no elenco, acabou entrando para a lista dos pipocões e conquistou o primeiro lugar. Esse filmão da porra mostrou, mais uma vez, que ficção científica pode ser muito mais do que efeitos especiais, seres fantásticos/misteriosos ou a extinção da humanidade. Em boas obras de Sci-Fi, a “moral da história” pode ser tão surpreendente e tocante como a de um drama ou até mesmo de uma animação. “A Chegada” pode até ter seres extraterrestres com os quais a linguista Louise Banks (Adams) e o matemático Ian Donnelly (Renner) tentam se comunicar para saberem sua missão na Terra, mas você com certeza sairá (ou saiu) da sala extasiado com a explosão de sentimentos que o filme causa. — Júlia Arneiro

Em julho deste ano, em seu painel na San Diego Comic-Com, o Marvel Studios divulgou um novo logo que deve anteceder seus filmes pelos próximos anos. Nos quase 30 segundos de duração, vemos rápidos flashs de todos os últimos filmes apresentados pela Marvel desde "Homem de Ferro". O logo que estreia nos cinemas junto com "Doutor Estranho", serve para reforçar que, depois de 13 filmes a Marvel possui passe livre para introduzir os personagens mais desconhecidos ao público geral. Eles sabem usar a formula para não errar.

Assistir ao novo logo em tela grande pela primeira vez, já é motivo para qualquer fã sentir agraciado por mais conteúdo inédito.

"Doutor Estranho" é o décimo quarto filme do Universo Cinematográfico Marvel. E, junto de "Guardiões da Galáxia" e "Homem-Formiga", é um dos filmes mais ousados desse universo. Pela primeira vez, a Marvel pisa em solo declaradamente mágico (já que teoricamente, Thor e os Asgardianos são alienígenas e não exatamente Deuses). Dessa forma, existe a necessidade de apresentar à audiência toda uma nova gama de conceitos inéditos, e encaixa-los de forma coesa e assertiva no contexto dos outros filmes. Quando se junta isso ao fator de que o filme deve também agradar ao público geral, e não se perder em sua própria história, podemos concluir que tirar Doutor Estranho do papel foi um grande desafio para a Disney e seus executivos.

A primeira etapa para superar essa barreira foi a escolha acertada do elenco. Primeiramente, escolhendo Benedict Cumberbatch, o equivalente ao Robert Downey Jr da Tv, para fazer o papel principal. Benedict não só tem um imenso carisma, como também é um excelente ator. Ele brilha interpretando o detetive Sherlock Holmes e leva um pouco dessa interpretação para o papel de Stephen Strange. As comparações com Tony Stark são inevitáveis. Ambos os personagens são arrogantes, mas também excepcionais naquilo que fazem e ambos passam por traumas que os levam a despertar o heroísmo dentro de si. A caracterização está impecável e para quem já viu alguma ilustração dos quadrinhos sabe que a semelhança entre o Doutor Estranho do papel e do cinema é imensa. O elenco de apoio também está sensacional, Rachel McAdams em suas poucas cenas está excelente, e Tilda Swinton está literalmente destruidora no papel da Anciã, enfiando goela abaixo os discursos machistas que ela vinha ouvindo desde o anúncio de sua participação.

A diferença entre "Doutor Estranho" e os outros filmes da Marvel não fica apenas na temática mágica. "Doutor Estranho" é também um filme mais contido, menos caótico e apocalíptico como seus antecessores que insistiam em dizimar cidades, planetas e aeroportos. Seguindo a tradicional fórmula de filme de origem em três atos, temos a introdução do personagem, seu treinamento seguido de negação e por fim aceitação dos poderes e responsabilidades na luta contra o vilão. Mantendo então uma narrativa linear, o roteiro se transforma em algo muito menos bagunçado do que estamos acostumados a ver nos filmes de super-herói do estúdio. Essa contenção de escala certamente foi uma decisão certeira, e que melhorou muito na narrativa da história. Outro grande acerto foi evitar o erro comum cometido na maioria dos filmes de origem: a enrolação. Ao invés de protelar, e esconder ao máximo todo seu potencial para o clímax do filme, logo nos minutos iniciais já somos jogados literalmente de cabeça na viagem cinematográfica que é "Doutor Estranho". Apesar de ser um novo conceito e exigir a introdução de elementos espirituais envolvidos com Multiversos, o filme não teme ou fica beirando o sigilo, pelo contrário, já prontamente nos explica tudo o que precisamos entender, numa das melhores cenas do filme.

O visual do longa é outro ponto alto. Quando se faz necessária uma explicação maior a respeito do conceito de Multiverso, a estratégia utilizada é nos jogar juntos com Stephen Strange numa experiência visual completamente imersiva, psicodélica e absolutamente incrível cheia de cores e efeitos visuais delirantes. Aliás, apenas essa sequência já seria o suficiente para nos obrigar a ver o filme na maior e melhor tela possível, mas a qualidade técnica do filme não para aí. Desde as já conhecidas cenas a lá “A Origem” que vimos nos trailers até as cenas de invocação de magia e as de luta, vemos que tudo foi muito bem desenhado e produzido para ser um grande deleite aos nossos olhos. O filme só perde para "Guardiões da Galáxia" no quesito beleza e entretenimento visual.

As já tradicionais cenas pós-crédito estão lá. Enquanto uma tem o objetivo de dar continuidade na história que culminará em "Vingadores 3" e ligar "Doutor Estranho" diretamente ao próximo filme da Marvel, Thor Ragnarok, a outra serve para definir o próximo vilão que atormentará Stephen Strange no futuro. 

A sensação final é de que a Marvel finalmente chegou a sua madureza, usando e abusando dos recursos tecnológicos direcionados ao cinema. Porém com a madureza, a Marvel passa a experimentar mais do receio de se enfiar em produções com clímax megalomaníacos. Isso pode chatear um pouco a expectativa da audiência, que sempre espera por escalas cada vez maiores, tanto das destruições quanto das ações dos seus heróis. Outro grande calcanhar de Aquiles dos filmes Marvel é o tom de seus filmes, e aqui "Doutor Estranho" ganha muitos pontos. O filme não é propriamente sombrio mas muito mais sério que seus companheiros. O humor está lá em cenas pontuais mas nada espalhafatoso e desnecessário com o simples intuito de arrancar gargalhadas, Os roteiristas estão lapidando cada vez mais suas histórias. Uma coisa que a Marvel claramente ainda não aprendeu é o desenvolvimento dos seus vilões, mais uma vez temos um personagem raso com motivações toscas que até mesmo é ironicamente ofuscado pelos personagens mais coadjuvantes da história, mais uma vez Loki mantém o posto de melhor vilão. Quando se põe na balança, ao final concluímos que esse é certamente um dos melhores filmes desse universo compartilhado, um filme que funciona bem tanto na introdução de novas ideias como na continuação de uma longa história. E por fim, podemos arriscar dizer que com esse filme, a Marvel acaba de encontrar o futuro substituto do protagonismo de Robert Downey Jr e seu Tony Stark nos próximos filmes da franquia "Vingadores".


Stephen Vincent Strange surgiu nos quadrinhos pela primeira vez em 1963 através da série "Strange Tales", na edição de número 110. O personagem destacou-se dos demais pela origem quase única dos poderes e abriu as portas para lado místico Marvel nas HQs. Agora ele chega aos cinemas com a mesma função, porém com a responsabilidade maior de fazer esse lado místico ser estabelecido com o mesmo sucesso das HQs.

Antes de ganhar o título de Mago Supremo, Strange era um renomado neurocirurgião de Nova York — seu interesse na medicina parte de sua irmã com câncer terminal —, dito por muitos como arrogante. Entretanto, sua fama dentro na medicina chega ao fim quando ele sofre um acidente de carro que afeta os nervos de sua mão, deixando-as trêmulas. Revoltado, querendo uma cura e seus dias de glória de volta, Stephen parte numa grande jornada.

Diversas possíveis soluções são tentadas, porém sem sucesso algum. Em um bar, ouvindo uma conversa alheia, o ex-neurocirurgião fica sabendo de um Ancião (nas HQs é um homem, enquanto no cinema é uma mulher, interpretada por Tilda Swinton) que reside no Tibete e que poderia dar sua tão sonhada cura. Porém, ao chegar lá, Stephen Strange não a obtém e descobre algo maior que a própria medicina, ciência e tudo conhecimento pelo homem.

"Doutor Estranho", 2016.

Ao entrar em contato com o Ancião, Strange descobre sobre as artes místicas, dimensões paralelas de realidade, e diversas outras coisas de explodir a cabeça. Sabendo do grande potencial mágico que o médico tinha, o Ancião o treina, fazendo com que futuramente se torne seu sucessor e ganhe o título de Mago Supremo, sendo então um dos personagens mais foderosos da Marvel.

O Doutor Estranho tem alguns artefatos bem marcantes. O mais importante deles é o Olho de Agamotto, que gera rajadas de energia e protege Stephen — no filme, o artefato será o Tempo dentre as Jóias do Infinito. Temos também o livro de Vinshanti: é através dele que o personagem aprende a maioria dos feitiços. E por último, sua capa de Levitação, que dispensa o uso de magia por ter "vida própria" — pelos trailers, ela deve entrar como uma espécie de "alívio cômico".

Antes mesmo de cogitarem um grande filme para o personagem, o Doutor Estranho já esteve em outras mídias além das histórias em quadrinhos. Em 78, ele quase ganhou uma série de TV pela Universal, porém com o fracasso do telefilme/piloto, a ideia logo foi descartada. Além do material para a televisão, Stephen Strange já apareceu em diversos jogos como Ultimate Marvel vs. Capcom 3

Como já foi falado, a criação do Doutor Estranho abriu portas para o lado místico da Marvel. Foi através dele que foram inseridos conceitos surtados, diga-se de passagem, a ideia de dimensões paralelas e uma pegada bem psicodélica. Os trailers já deixaram claro que a distorção de dimensões/realidade estarão presentes e alguns posteres brincaram bastante com cores vibrantes e o forte lado psicodélico.

"Doutor Estranho", 2016.

Assim como na época de sua estreia nas quadrinhos, o personagem chega aos cinemas com a responsabilidade de estabelecer um universo totalmente novo e crível dentro do que já fora estabelecido. Com a interpretação do ótimo Benedict Cumberbatch, apoiado em um grande elenco, um visual beirando a "Inception", porém mais colorido e despirocado, é quase certo de que a produção seja um grande sucesso.


"Doutor Estranho" é o terceiro projeto arriscado da ousada Marvel. Após estabelecer-se no mercado cinematográfico, a Casa de Ideias apostou num space opera recheado de comédia que lucrou horrores; depois veio com um filme de assalto que não foi muito bem nas bilheterias; e agora quer mostrar que sabe trabalhar com um mundo todo mistico.

A gente ficou sabendo que sairia o primeiro trailer de "Doutor Estranho" hoje dias antes, e após o primeiro poster divulgado e muitas tentativas falhas de conter a ansiedade, finalmente temos o vídeo em mãos, e desculpa falar, mas tá foda pra caralho! Não falaremos mais nada sobre o trailer, deixaremos que ele fale por si próprio.



Do caralho, né?

Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel! O longa-metragem tem estreia marcada para o dia 3 de novembro.

"Guardiões da Galáxia" foi um grande passo para a Marvel, tornando-se o primeiro space opera do estúdio. "Homem Formiga", ainda que bem tímido nas bilheterias, é um outro marco, sendo um filme de assalto. Com ambos os longas, fica claro que a Casa de Ideias busca testar novos gêneros, procurando sair da zona de conforto, mesmo que seus filmes bebam de uma mesma fórmula: ação + humor.

No próximo ano, a Marvel pode dar um tiro no próprio pé ao surtar com o mundo místico de Doutor Estranho. Entretanto, o estúdio parece saber muito bem o que faz com as duas primeiras imagens que saíram do Benedict Cumberbatch como o personagem-título. Em tais fotos, temos a sensação de que o ator nasceu para o papel devido à caracterização. Tá foda, mas foda pra caralho, gente.

Doutor Estranho

Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel! O longa-metragem tem estreia prevista para 4 de novembro de 2016.

"Doutor Estranho" parece ser promissor em todos os sentidos, né? Finalmente seremos apresentados ao mundo mistico — que não deverá parecer deslocado dos mundos já mostrados — e temos um elenco que só melhora a cada nova escalação. Começamos pelo seu protagonista, Benedict Cumberbatch, depois temos o Ancião, que será interpretado pela maravilhosa Tilda Swinton, além de contar com Chiwetel Ejiofor ("12 Anos de Escravidão") no antagonismo, e finalmente podemos dar as boas vindas para aquela que sondava rumores que chegaram ao fim.

Falam há tempos que Rachel McAdams estaria sendo integrada ao elenco, mas até agora, nenhum site ou até mesmo a própria Marvel tratava de tornar oficial e dizer: "sim, ela estará em 'Doutor Estranho'". Porém, nossa eterna Regina George não devia estar se aguentando e louca para soltar a novidade, tanto que, durante uma entrevista ao The Wrap no Festival de Toronto, tornou oficial sua participação. Ainda não há informações sobre sua personagem, apenas sabemos que ela será a protagonista feminina ao lado de Cumberbatch.

Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel! O longa-metragem tem estreia prevista para 4 de novembro de 2016.

Após "Homem-Formiga", filme que pode ser o grande escorregão da Marvel, e "Capitão América: Guerra Civil", teremos "Doutor Estranho", e, diferente do primeiro, as apostas são grandes, já que temos um nome bem relevante no papel principal: Benedict Cumberbatch, aquele que é o Sherlock Holmes em uma série de tevê, e que já emprestou sua voz a um dragão. E, aparentemente, o elenco pode ganhar mais um nome de peso. Nós já até providenciamos o papel e os lápis para perguntar ao Charlie se isso realmente acontecerá.

Tilda Swinton, nossa eterna Feiticeira Branca de "As Crônicas de Nárnia" - muitos da geração atual conheceram a atriz por tal longa -, está de olho no papel do Ancião -  mestre de Stephen Strange nas artes místicas -, segundo o Hollywood Reporter. Pera, o personagem não é masculino? Calma lá, o site ainda afirma que a ideia original era manter o gênero do personagem, sendo destinado ao Morgan Freeman ou Chiwetel Ejiofor, mas, depois de uma reformulação de roteiro, o Ancião tornou-se Anciã. 


Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel! "Doutor Estranho" tem estreia prevista para 4 de novembro de 2016.
Desde quando começaram a especular um filme do Doutor Estranho, logo os rumores sobre um ator para o personagem-título - mesmo sem uma confirmação do longa - começaram a circular na web. Depois do anúncio, passamos por atores ~suspeitos~ para o papel, e por atores que quase nos fizeram ligar para a Disney/Marvel para implorar por uma contratação.

Joaquin Phoenix e Benedict Cumberbatch, ambos no auge, eram os principais cotados. O primeiro tinha quase assinado o contrato. Alguns meses atrás, a Varity anunciou que Cumberbath estava em negociações para o papel com a Marvel, e que o maior problema a ser enfrentado seria fazer uma conciliação entre a agenda do ator e a agenda das gravações do filme. Ao que tudo indica, tudo foi resolvido, já que a contratação foi oficializada pela Marvel, então, VAI TER MUITO BENEDICT!

Para quem não sabe, Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel!!

"Doutor Estranho" ainda está sem previsão de estreia!
Ewan McGregor. Joaquin Phoenix. Ambos candidatos ao papel-título do tão aguardado filme do Doutor Estranho e por ora já "barrados", pela rejeição dos próprios atores devido ao grande número de longas a serem feitos como o personagem, como foi o caso de Phoenix. Benedict Cumberbatch é um dos nomes que já estava circulando em meio aos inúmeros rumores envolta à escolha do ator para tal personagem, mas, diferente dos outros, já se encontra fazendo negociações com a Marvel Studios. Agora vai?

De acordo com a Varity, a única barreira que o rapaz está tendo é sua agenda com a da Marvel, mas nada que uma boa conversa resolva. Visualmente, estranhamos o ator, mas maquiagens estão aí para tirar tal sensação. Estamos acreditando cegamente na contratação, e desejando que ela aconteça, sim. Nós aprovamos e vocês?

Para quem não sabe, Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel!!

"Doutor Estranho" ainda está sem previsão de estréia, e sem seu protagonista escolhido (Joaquin Phoenix teria sido cotado, mas por enquanto nada)!
Após o arriscado, diferente, e completamente amado "Guardiões da Galáxia", a Marvel Studios promete trazer mais um filme (e em um futuro não tão distante mais outros, por que já está tudo planejado, igual a discografia de Lady Gaga) que fugirá um pouco de seus padrões. "Doutor Estranho" está sendo guardado à sete chaves, não estamos aquentando isso, e o filme está um pouco longe de acontecer ainda. Mas, sabemos de uma coisa: será um filme sobrenatural.

Kevin Feige, produtor de "Guardiões da Galáxia" e do ainda não lançado "Homem-Formiga", em entrevista ao Screen Crush, contou um pouco sobre o novo filme, e sobre esse lado sobrenatural que apresentará, e nada de um ~terror~ como muitos acharam que teria: "É uma história clássica de origem, e ele tem uma das melhores histórias de origem, e é nossa oportunidade de investir no sobrenatural. Agora, qual a definição de sobrenatural? Varia. Gostamos da ideia de brincar com dimensões alternativas, o Estranho, com aquelas viagem por realidades e dimensões com um visual bem Ditko de piração de ácido, é algo que acreditamos ser bem legal - jogar com percepções da realidade".

"Eu acabei de assistir à série de TV Cosmos, com Neil deGrasse Tyson, que é incrível e que poderia ser também uma viagem de ácido. É de entortar a mente, e é toda baseada em física e mecânica quântica. Vamos brincar bastante com essa noção, como uma explicação de como os magos fazem o que fazem (nas histórias de Estranho)." completa Feige.

Esse provavelmente será o longa mais diferente que a Marvel Studios já fez! E não, não estamos falando algo como o tom mais sério de "Capitão América 2: O Soldado Invernal", ou como o universo apresentado em "Guardiões da Galáxia"! Sinceramente, não sabemos o que realmente esperar desse filme.

Para quem não sabe, Doutor Estranho é um personagem criado por Stan Lee e Steve Ditko em 1963. Antes, Stephen Vincent Strange, era um cirurgião, que ao perder suas mãos em um acidente de carro, parte em busca de um cura. Encontrando sua cura lá no Himalaia, acaba tornando-se, por consequência, o maior mago do Universo Marvel!!

"Doutor Estranho" ainda está sem previsão de estréia, e sem seu protagonista escolhido (Joaquin Phoenix teria sido cotado, mas por enquanto nada)!