Mostrando postagens com marcador animação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador animação. Mostrar todas as postagens
A Netflix tem uma grade de seriados bastante extensa, e uma das melhores já produzidas é “BoJack Horseman”. A animação é uma das várias do segmento dentro da plataforma, mas chama a atenção por ser feita para o público adulto. Isso, por si só, é uma subversão bem curiosa, afinal, animações são fundamentalmente voltadas para o público infantil.

“BoJack” foi finalizada em 2020, mas nem deu tempo de sentir falta do formato. Estreou na Netflix “The Midnight Gospel”, mais uma animação adulta. Criada por Pendleton Ward (a mente por trás do sucesso “Adventure Time”) e Duncan Trussell. No curso de oito episódios (de aproximadamente 25-30 minutos), a história segue Clancy, um cara que possui uma espécie de podcast espacial. Ele vive numa dimensão chamada “Laço Cromático” (o mesmo local onde Lady Gaga agora vive no novo álbum, berro), e possui uma máquina que simula viagem para diversos universos paralelos – e é nessas viagens que ele grava o que se acontece para produzir seu conteúdo (assistido por poucos, mas fiéis espectadores).

Cada episódio começa com Clancy escolhendo um dos diversos planetas disponíveis no computador – com exceção daqueles que já foram destruídos. Todos estão passando por algum processo de apocalipse (como zumbi ou palhaços), e Clancy entrevista algum morador local e conversa sobre algum tópico. O título do seriado, traduzido livremente como "A Religião da Meia-noite", gerou bastante dúvida sobre o significado, e o criador explica: o "Gospel" vem da nova (e, segundo ele, "boa") percepção da religião, significando "boas notícias". Para ele, o desafio da produção é transmitir discussões relevantes mesmo no meio de situações catastróficas. Apesar do caos, somos capazes de crescermos enquanto seres humanos.


Assim como “BoJack”, os temas abordados pelo seriado são bastante complexos. As entrevistas de Clancy são baseadas em entrevistas reais, feitas no podcast de Trussell, então é uma verdadeira viagem. Os personagens conversam sobre a vida, o mistério da morte, o impacto do uso de drogas, o medo da solidão, como funciona a religião e váaaarias outras coisas.

É interessante como o roteiro não tem muita sutileza em discorrer sobre assuntos polêmicos – como o uso recreativo de drogas e suas responsabilidades –, então, caso tais conversas sejam demais para você, essa é uma série para deixar para depois. No decorrer da série, era engraçado como discordava veementemente de alguns pontos defendidos pelo texto, mas aí está a graça da obra: fazer com que você pense e repense seus conceitos. São temas muito necessários, como nossa relação com a morte e como podemos melhorar nossa percepção sobre a única certeza das nossas vidas.

Mergulhado em uma estética completamente surrealista, “The Midnight Gospel” é uma alucinação sem as drogas. Não é um estilo muito acessível, afinal, são milhares de coisas acontecendo ao mesmo tempo, numa explosão de cores e formas não tão bem especificadas. Um dos maiores acertos do visual é a maneira que a “fotografia” desenha seus enquadramentos, não possuindo limitações de onde veremos a história se passando. Para completar o processo de assimilação, ainda temos referências (bem charmosas) espalhadas – como os palhaços do segundo episódio possuindo uma aranha na parte interna, clara referência a “It: A Coisa”.

Confesso que algumas vezes fica um pouco difícil acompanhar o que está se passando: além da inundação de informações visuais, os diálogos são quase ininterruptos, e, somando com a complexidade dos temas, carece maior atenção do público para conseguir embarcar na mesma viagem dos personagens. Quem espera um “Adventure Time” - algo lúdico e recreativo - pode se decepcionar com a diferença de abordagens, com “The Midnight Gospel” sendo para quem busca um substituto para o vazio deixado por “BoJack Horseman” em termos de dinâmica. Eu, que nunca usei um alucinógeno na vida, acho que deve ser mais ou menos assim a sensação.

"Velocidade. Eu sou a velocidade". Esta frase, ouvida pela primeira vez em 2006, dava início à jornada do carro de corrida Relâmpago McQueen, protagonista do clássico "Carros", animação produzida pelos estúdios Pixar, e que viria a tornar-se uma lucrativa franquia Disney nos anos seguintes (com direito ao spin-off "Aviões", lançado em 2013). Mais de uma década depois, a mesma frase inicia o terceiro (e provavelmente último) filme da saga animada, estabelecendo instantaneamente uma conexão com o primeiro filme e, assim, causando arrepios nas crianças, hoje jovens adultos, que assistiram ao filme original em seu ano de lançamento. 

É com este clima nostálgico entre gerações que "Carros 3" chega, tentando a partir dele consertar os erros de sua sequência predecessora ao explorar novamente as rodovias norte-americanas, a pequena cidade Radiator Springs, as emblemáticas pistas de corrida e, claro, os carismáticos personagens da franquia — muitos sequer apareceram no segundo filme, lançado em 2011. Desta vez marcando a estreia de Brian Fee no posto de direção (após ele ter desempenhando diversas funções dentro do estúdio, como as de animador e artista de storyboards), o filme pode não ser o melhor da Pixar, mas consegue se redimir ao trazer de volta a essência do longa-metragem inicial.

Não mais tão jovem, nosso querido McQueen (Owen Wilson, na voz original) não consegue mais ser destaque nas pistas de corrida. Enfrentando em competição novos modelos cheios de tecnologia, dentre eles o rude Jackson Storm (voz de Armie Hammer), ele é questionado constantemente a respeito de sua eminente aposentadoria, apesar do grande desejo de permanecer correndo. Após sofrer um acidente em pista, ele teima em continuar competindo, aceitando de sua patrocinadora Rust-eze um trato para que seja treinado da forma mais moderna possível; caso isto não resolva sua situação e ele perca sua próxima corrida, deve largar as pistas para dedicar-se somente aos comerciais, como celebridade aposentada. 

Dentro desta condição, o protagonista passa a receber treinamento da jovem e entusiasmada Cruz Ramirez (voz original da comediante Cristela Alonzo), cujos modernos métodos de preparação e sua inexperiência na pista acabam estabelecendo um conflito de geração entre os dois. Esta situação em muito reaproxima Relâmpago de sua trajetória com o falecido Doc Hudson (voz do também falecido Paul Newman, por meio de flashbacks e gravações não utilizadas do primeiro filme), o que reitera as conexões do longa-metragem com a produção de 2006.

Apesar da presença de humor, um elemento quase onipresente em filmes de animação, o tom de "Carros 3" soa mais atraente ao público mais velho do que ao infantil. Vemos um McQueen preocupado com seu futuro e estabilidade, perdido em meio aos avanços que empurram sua geração para o passado. Flertando também com assuntos sociais de maior destaque na atualidade, como o machismo nos esportes, o filme amadurece em temática, embora permaneça com uma estrutura narrativa ainda muito simples e previsível. 

Visualmente, a franquia explora uma boa evolução: com a técnica de fotorrealismo já aprimorada em filmes e curtas prévios, tais como "O Bom Dinossauro" (2015) e "Piper" (2016), os carros refletem luz de maneira ainda mais real, elevando a qualidade de animação. Os cenários, por sua vez, prosseguem com o charme que já caracteriza o universo da franquia, trazendo belas paisagens em que é possível enxergar base em artes conceituais.

Trazendo de volta personagens que não revíamos há bastante tempo, este terceiro "Carros" consegue ganhar carinho e colocar um sorriso no rosto. Pode não ser classificado como uma produção tão memorável e criativa, mas faz um trabalho prazeroso aos fãs da trilogia e de suas amáveis figuras. Independendo de uma nova sequência, traz uma solução eficaz para a história de Relâmpago McQueen e seus amigos, removendo as pedras ao longo do caminho para construir, enfim, o fechamento de um ciclo.


Personagens Disney têm muito peso na cultura pop. Nem é preciso dissertar muito sobre o assunto; basta fazer pesquisas rápidas no Google para encontrar diferentes versões das adoradas princesas do estúdio, e adaptações alternativas das músicas que marcaram a infância de muitos. Carregando traços culturais e muitas ideologias sociais das épocas em que foram produzidos, os clássicos filmes de animação permanecem vividamente na memória do cinema (e do público), como "A Pequena Sereia" (1989), "Aladdin" (1992), "Hércules" (1997) e "A Princesa e o Sapo" (2009).

Ron Clements e John Musker, diretores responsáveis pelas produções aqui já citadas, decidiram então mergulhar totalmente nas técnicas de animação em computação gráfica (CGI) em sua nova produção, "Moana - Um Mar de Aventuras" (2017, Brasil). A dupla, que costuma trabalhar com culturas de diferentes locais do globo, realizando um intenso processo de pré-produção e pesquisa, resolveu desta vez mirar nos mares polinésios; sua nova protagonista (que nomeia o filme) é nativa da região e conta com a ajuda de um semideus chamado Maui (Dwayne "The Rock" Johnson/ Saulo Vasconcelos), personagem inspirado em lendas locais, para enfrentar desafios que retratam com afinco os credos do povo que a inspirou.

Moana (Auli'i Cravalho/Any Gabrielly) é a jovem filha do chefe da ilha Motuni. Desde criança, a personagem anseia em velejar e descobrir regiões além da ilha, mas por proibição do pai, que teme em perdê-la, ela cresce aprendendo a função de liderar seu povo. No entanto, com a aproximação de uma misteriosa "escuridão" que promete atingir o bem-estar do povo de Motuni, Moana sai em uma aventura para encontrar o semideus meta-morfo Maui e, com sua ajuda, realizar as atividades necessárias para restaurar o equilíbrio na vida de todos ao seu redor.


A história da adolescente espirituosa que deseja descobrir o mundo longe de sua casa não é ao certo inédita; a fórmula já é conhecida da Disney, sendo utilizada em "A Pequena Sereia" (1989), "A Bela e a Fera" (1991) e "Enrolados" (2010), por exemplo. O modelo narrativo, que segue a jornada do herói de Joseph Campbell, também não soa como alguma novidade, criando uma trama bastante episódica (fator evidenciado pela curta participação dos piratas-coco Kakamora e do siri gigante Tamatoa). Apesar destes fatores tradicionais, que contrastam perfeitamente com o corajoso, moderno e excelente "Zootopia" (2016), seu filme predecessor, "Moana" ganha destaque por sua qualidade de trama, que traz personagens mais profundos e interessantes.

Também é, de fato, impossível negar as pequenas evoluções de discurso nesta nova era de produções Disney. Como dito no início deste texto, as animações do estúdio carregam ideologias da época em que foram produzidas  e, no caso de Moana, nada melhor do que apresentar uma protagonista com corpo curvilíneo, cabelo cacheado e novos traços étnicos que não são europeus (não que isto não tenha sido construído anteriormente em outros longa-metragens. No entanto, este é um novo patamar atingido). Aventureira nata, a personagem-título não gosta de ser definida como princesa, e tampouco deixa o poderoso (e convencido) Maui tomar seu lugar.

Em termos visuais, "Moana" é estonteante. A animação apresenta avanços notáveis de movimento, e o cenário, com grande fotorrealismo, é cheio de texturas e cores, sendo, acima de tudo, crível. Com alto nível de detalhes, o Oceano (aqui também personagem) e as estrelas compõem uma fotografia que é quase um presente aos espectadores, criando sequências tão belas que muita gente vai querer usar como screensaver ou capa nas redes sociais.


A música, composta em uma parceria entre a banda de ritmos tribais Opetaia Foa'i, o astro Lin Manuel-Miranda (responsável pelo premiado musical "Hamilton") e o compositor de trilhas Mark Mancina, é completamente satisfatória, contagiante e, inevitavelmente, viciante. A wish song de Moana, "How Far I'll Go", o glam rock cantado pelo caricato Tamatoa (Jemaine Clement), "Shiny", e a balada de auto-descoberta "I Am Moana (Song of Ancestors)" são alguns dos pontos altos do filme. As adaptações em português, produzidas por Mariana Elisabetsky, nome conhecido do teatro musical brasileiro, não deixam em nada a desejar (inclusive na dublagem). É música pra colocar on repeat!

Como resultado, "Moana" é uma animação cheia de sentimento. Com alguns passos mais longos do que outros, o estúdio do Mickey comprova que é sempre capaz não só de se reinventar, mas conquistar as lágrimas e o carinho do público (os adultos, inclusive, devem tirar um proveito maior da história que as crianças, facilmente entretidas pelo colorido na tela e as piadas que oscilam entre o humor genérico e o pontual). Há muito coração neste oceano, de um estúdio que vem se encontrando novamente na última década, após vários fracassos de bilheteria e uma crise criativa. E, em resposta, a protagonista canta: "Com o passado eu aprendi / Esse legado mora aqui, me invade".



Depois de liberar três imagens oficiais na semana passada, a Dreamworks, através da sua filial asiática, liberou o primeiro trailer da animação "Kung Fu Panda 3". Mesmo sem muitos diálogos, já dá para ver o espetáculo visual que o novo filme da franquia será, além de sermos apresentados ao novo vilão, o perigoso Kai - não é o do EXO, gente -, que o panda Po e seus amigos terão de enfrentar para defender a China.
Uma das franquias de animação mais rentáveis dos últimos anos e, diga-se de passagem, mais fofas, vai ganhar mais uma sequência. "Kung Fu Panda" chega a sua terceira parte no ano que vem, e a USA Today liberou as primeiras imagens oficiais de Po, Tigresa, seus companheiros de luta e, agora, a família perdida do panda que entra para a história. Angelina Jolie, Jack Black e Seth Rogen voltam para a dublagem na continuação.
"Toy Story", "Monstros S.A.", "Up" e "Wall-e" são filmes que fizeram (ou não) parte de sua infância, principalmente o primeiro, e todos eles foram produzidos pela Pixar.  A dona de diversos prêmios Oscar é um grande simbolo no mundo das animações computadorizadas. E agora, com a proposta de trazer um ou mais lançamentos por ano, chegou a hora dos longas do ano que vem - serão dois - começarem suas campanhas de divulgação.
Neste post em comentaria sobre o um dos lançamento mais esperados do cinema internacional 'Inception' - mas não era Eclipse ? - , porém achei um lançamento bem mais POP: TOY STORY 3!
O terceiro filme da série continua a ''saga'' dos brinquedinhos, - e como já de costume - o filme tambem será em 3D ! A animação tem lançamento previsto para o inicio de junho, produzido pela Pixar, o terceiro filme promete ação e muita diversão ! E fikdik na continuação da historia, acabaram as brincadeiras para Andy que agora vai para faculdade... Então, de uma olhada no trailer e prepare a pipoca !