Mostrando postagens com marcador Rosalía. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Rosalía. Mostrar todas as postagens
Pensa numa dupla inusitada, porém muito boa. Podemos dizer que Rosalía e Travis Scott cumprem esses requisitos. Juntos, a cantora e o rapper sabem como fazer mágica e provam isso no single “TKN”, lançado nessa quinta-feira (28).

Essa não é a primeira vez que os artistas colaboram: Rosalía já emprestou sua voz ao remix de “HIGHEST IN THE ROOM”, do Travis, e de lá já havia nos mostrado o quanto os dois soam bem juntos. “TKN” aproveita essa boa combinação ao saber juntar o melhor dos dois mundos de forma coesa e intrigante.

A parceria sabe preservar o que os faz serem tão únicos na indústria. Rosalía mantém sua influência flamenca e investe também no reggaeton, enquanto faz Travis brincar com versos em espanhol. Já o rapper sabe como somar seu som tão particular às influências sonoras da cantora.



Se Rosalía e Travis Scott já estão acostumados a servir muito em seus próprios clipes, imagina em um vídeo juntos? Na produção, dirigida pelo CANADA, também por trás da maioria dos videoclipes da catalã, os dois artistas lideram um grupo de crianças, cuidando e até dançando ao lado delas.  



Vem aí a primeira entrada da Rosalía na Hot 100 americana? A gente acha que sim, hein!
Chegou o tão esperado dia! Os nomeados ao Grammy 2020 foram revelados nesta quarta-feira (20) e, como não poderia deixar de ser, a lista trás algumas boas surpresas. A premiação acontece no dia 26 de janeiro. 

Liderando os indicados este ano, temos Lizzo com oito nomeações, seguida de perto por Lil Nas X e Billie Eilish, ambos com seis, e Ariana Grande, com cinco. E, entre as surpresas, temos Rosalía e Lana Del Rey recebendo o reconhecimento que merecem.

Vamos aos principais indicados:

Album Of The Year
“I, I”, Bon Iver
“Norman F***ing Rockwell!”, Lana Del Rey
“When We All Fall Asleep, Where Do We Go?” - Billie Eilish
“thank u, next”, Ariana Grande
“I Used To Know Her”, H.E.R.
“7”, Lil Nas X
“Cuz I Love You (Deluxe)”, Lizzo
“Father Of The Bride”, Vampire Weekend

Record Of The Year
“Hey Ma”, Bon Iver
“Bad Guy”, Billie Eilish
“7 Rings”, Ariana Grande
“Hard Place”, H.E.R.
“Talk”, Khalid
“Old Town Road”, Lil Nas X & Billy Ray Cyrus
“Truth Hurts”, Lizzo
“Sunflower”, Post Malone & Swae Lee

Song Of The Year
“Always Remember Us This Way”, Lady Gaga (performer)
“Bad Guy”, Billie Eilish (performer)
“Bring My Flowers Now”, Tanya Tucker (performer)
“Hard Place”, H.E.R. (performer)
“Lover”, Taylor Swift (performer)
“Norman F***ing Rockwell!”, Lana Del Rey (performer)
“Someone You Loved”, Lewis Capaldi (performer)
“Truth Hurts”, Lizzo (performer)

Best New Artist
Black Pumas
Billie Eilish
Lil Nas X
Lizzo
Maggie Rogers
Rosalía
Tank And The Bang As
Yola

Best Pop Solo Performance
“Spirit”, Beyoncé
“Bad Guy”, Billie Eilish
“7 Rings”, Ariana Grande
“Truth Hurts”, Lizzo
“You Need To Calm Down”, Taylor Swift

Best Pop Duo/Group Performance 
“Boyfriend”, Ariana Grande & Social House
“Sucker”, Jonas Brothers
“Old Town Road”, Lil Nas X & Billy Ray Cyrus
“Sunflower”, Post Malone & Swae Lee
“Señorita”, Shawn Mendes & Camila Cabello

Best Pop Vocal Album
“The Lion King: The Gift”, Beyoncé
“When We All Fall Asleep, Where Do We Go?”, Billie Eilish
“thank u, next”, Ariana Grande
“No.6 Collaborations Project”, Ed Sheeran
“Lover”, Taylor Swift

Best Latin Rock, Urban or Alternative Album
“X 100PRE”, Bad Bunny
“Oasis”, J Balvin & Bad Bunny
“Indestrutible”, Flor de Toloache
“Almadura”, iLe
“El Mal Querer”, Rosalía

Best Song Written For Visual Media
“The Ballad Of The Lonesome Cowboy”, Chris Stapleton (performer)
“Girl In The Movies”, Dolly Parton & Linda Perry (performers)
“I'll Bever Love Again (Film Version)”, Lady Gaga & Bradley Cooper (performers)
“Spirit”, Beyoncé (performer)
“Suspirium”, Thom Yorke (performer)

Best Music Film
“Homecoming”, Beyoncé
“Remember My Name”, David Crosby
“Birth Of The Cool”, Miles Davis
“Shangri-la”, Various Artists
“Anima”, Thom Yorke

Best Music Video
“We've Got To Try”, The Chemical Brothers
“This Land”, Gary Clark Jr.
“Cellophane”, FKA Twigs
“Old Town Road (Official Movie)”, Lil Nas X & Billy Ray Cyrus
“Glad He's Gone”, Tove Lo

Confira todos os indicados ao Grammy 2020 aqui.
Conceito, coesão e muita aclamação, né?

Rosalía passou pelo Grammy Latino, que rolou nesta quinta-feira (14), como um furacão e levou pra casa vários prêmios aos quais concorria, incluindo o mais importante da noite, Álbum do Ano pelo hinário "El Mal Querer"

O "El Mal Querer" ganhou também os prêmios de Melhor Álbum Pop Vocal Contemporâneo, Melhor Arte Visual e Melhor Engenharia de Gravação. Além disso, Rosalía também saiu vitoriosa na categoria de Melhor Canção Urbana, que foi para seu hit "Con Altura", em parceria com J Balvin e El Guincho. 



Com a vitória por Álbum do Ano no Grammy Latino, Rosalía fez história: ela se torna apenas a segunda mulher nas vinte edições da premiação a ganhar essa categoria. A primeira mulher a conquistar esse feito foi a Shakira, com o "Fijación Oral Vol 1", lá em 2006.

Outros destaques dessa edição foram para a vitória de Camila Cabello nas categorias de Gravação do Ano e Melhor Canção Pop, ambas por sua parceria com o Alejandro Sanz em "Mi Persona Favorita"; Marília Mendonça em Melhor Álbum de Música Sertaneja pelo "Em Todos Os Cantos"; o duo Anavitória, que levou pra casa o Grammy de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa pelo "O Tempo É Agora"; e Tiago Iorc na categoria de Melhor Canção em Língua Portuguesa por "Desconstrução".

E vamos de álbum Grammyado:

Ok, ok, nesta altura do campeonato você já sabe que a noite da última segunda-feira (26) rolou mais uma edição do MTV Video Music Awards e, parabéns, Taylor Swift!, que deixou a premiação com alguns dos principais prêmios pelos quais concorria com os trabalhos do disco “Lover”. 

Mas nós estamos aqui pra falarmos de coisas realmente sérias, tipo, Lizzo, como foi que dormiram por tanto tempo no ponto com você? É sério. A gente falou pela primeira vez da cantora aqui em meados de 2015 e, em 2019, ela consegue ser foda o suficiente pra cantar músicas lançadas há anos como se fossem as coisas mais atuais que já ouvimos na vida.

Atualmente entre as mais ouvidas dos EUA com “Truth Hurts”, graças a trilha sonora de “Someone Great”, da Netflix, a artista apresentou seu hit originalmente lançado em 2017 e outro hino mais antigo ainda, “Good As Hell”, de 2016, e TOMOU. CONTA. DA. PREMIAÇÃO. Com uma verdadeira aula de vocais ao vivo, coreografia, presença de palco e, sim, muita representatividade nas mãos de quem sabe o que está fazendo. Fazia tempo que uma performance não nos arrepiava e empolgava como essa. Lizzo é a popstar que precisávamos e não fazíamos ideia.



Agora só falta “Truth Hurts” chegar ao topo dos Estados Unidos e vingar essa artista que esteve por tantos anos fazendo hinos que quase ninguém ouvia. Inclusive, ouçam seus discos: “Lizzobangers” (2013), “Big Grrrl, Small World” (2015) e “Cuz I Love You” (2019). Dá de dez a zero em muita coisa lançada nos últimos cinco anos. Mesmo.

Ao contrário de Lizzo, quem não quis saber de trabalho antigo foi o rapper Lil Nas X. Dono do maior hit do ano, “Old Town Road”, o rapper abertamente gay começou sua performance zoando sua trajetória ao topo das paradas e os mil remixes do seu primeiro single, que ficou por 19 semanas em 1º lugar na Billboard Hot 100, e, em seguida, empolgou a plateia da premiação com uma apresentação toda futurista do seu novo single, “Panini”. Dale tanta dança e luz pra esse reizinho que mal chegou e já consideramos pacas!

Ainda na ala das performances que nos tiraram o ar, uma das grandes revelações do ano, Rosalía, chegou aos Estados Unidos de Trump  para uma performance todinha em sua língua natal ao som de “A Ningún Hombre”, de seu disco de estreia, “El Mal Querer”, e as recentes “Yo x Ti, Tu x Mi”, com o rapper Ozuna, e “Aute Cuture”.



Vencedora pela primeira vez de dois prêmios VMAs por sua parceria com J Balvin em “Con Altura”, Rosalía levou ao palco tudo o que tanto enaltecemos em seus trabalhos de estúdio: não faltou presença de palco, carão, coreografia e, claro, a voz marcante da fada hispânica. Arriscamos dizer que, com essa performance, ela mais do que assinou seu passe para as próximas edições.

Reizinho latino, J Balvin também subiu ao palco para cantar ao lado de Bad Bunny a parceria “Que Pretendes”. Grandiosa, como não podemos evitar o adjetivo, a apresentação transformou o palco da premiação num imenso universo inspirado no disco colaborativo dos dois, “Oasis”, e como não poderia ser diferente, fez todos dançarem do início ao fim.



Numa noite com tantos nomes novos arrasando, ainda sobrou espaço para a homenagem da premiação a rapper Missy Elliott, que acabou de lançar seu primeiro EP em mais de dez anos, “Iconology”, e, no palco do VMA, tratou de nos lembrar o porquê dela ser um dos maiores e mais memoráveis nomes do hip-hop — e, aqui, dizemos isso sem distinção de gênero. Ela não é só a mais foda entre as mulheres, ela é uma das mais fodas entre todos os rappers. Esperamos que os artistas que estavam na plateia tenham tomado muitas notas.



E como iconicidade demais é bobagem, a gente encerra esse resumão do que realmente importa com ela: a deusa Normani, que finalmente estreou seu primeiro single solo desde o fim do Fifth Harmony e, sem dó nem piedade, mostrou quem é que está com a bola da vez com a maravilhosa “Motivation”. Carão? Teve demais. Coreografia? Garantidíssima. Fôlego? Pra dar e vender. Deu o nome e venceu o jogo. Olha só:



Abaixo, você confere a lista completa dos vencedores:

VIDEO DO ANO

“A Lot” – 21 Savage ft. J Cole
“thank u, next” – Ariana Grande
“bad guy” – Billie Eilish
“Sucker” – Jonas Brothers
“Old Town Road” – Lil Nas X feat. Billy Ray Cyrus
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

ARTISTA DO ANO

Ariana Grande
Billie Eilish
Cardi B
Halsey
Jonas Brothers
Shawn Mendes

MÚSICA DO ANO

“thank u, next” – Ariana Grande
“In My Feelings” – Drake
“Sucker” – Jonas Brothers
“Shallow” – Lady Gaga & Bradley Cooper
“Old Town Road” – Lil Nas X feat. Billy Ray Cyrus
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

ARTISTA REVELAÇÃO

Ava Max
Billie Eilish
H.E.R.
Lil Nas X
Lizzo
Rosalía

MELHOR COLABORAÇÃO

“Boy With Luv” – BTS & Halsey
“I Don’t Care” – Ed Sheeran & Justin Bieber
“Shallow” – Lady Gaga & Bradley Cooper
“Old Town Road” – Lil Nas X & Billy Ray Cyrus
“Señorita” – Shawn Mendes & Camila Cabello
“ME!” – Taylor Swift & Brendon Urie

APOSTA

Bazzi
Billie Eilish
CNCO
H.E.R.
Lauv
Lizzo

MELHOR POP

“Easier” – 5 Seconds of Summer
“thank u, next” – Ariana Grande
“bad guy” – Billie Eilish
“Please Me” – Cardi B & Bruno Mars
“Sucker” – Jonas Brothers
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

MELHOR R&B

“Raise a Man” – Alicia Keys
“Make it Better” – Anderson.Paak feat. Smokey Robinson
“Feels Like Summer” – Chilkdish Gambino
“Trip” – Ella Mai
“Cold’ve Been” – H.E.R. feat. Bryson Tiller
“Waves” – Normani feat. 6LACK

MELHOR HIP HOP

“Rule The World” – 2 Chainz feat. Ariana Grande
“A Lot” – 21 Savage feat. J Cole
“Money” – Cardi B
“Higher” – DJ Khaled feat. Nipsey Hussle & John Legend
“Old Town Road” – Lil Nas X feat. Billy Ray Cyrus
“Sicko Mode” – Travis Scott feat. Drake

MELHOR MÚSICA LATINA

“Secreto” – Anuel AA & Karol G
“Mia” – Bad Bunny feat. Drake
“I Can’t Get Enough” – benny blanco feat. Tainy, Selena Gomez & J Balvin
“Con Calma” – Daddy Yankee & Snow
“Mala Mía” – Maluma
“Con Altura” – Rosalía feat. J Balvin & El Guincho

MELHOR K-POP

“Kill This Love” – BLACKPINK
Boy With Luv” – BTS ft. Halsey
“Tempo” – EXO
“Who Do U Love” – Monsta X ft. French Montana
“Regular” – NCT 127
“Cat & Dog” – Tomorrow x Together

MELHOR ROCK

“Love It If We Made It” – The 1975
“Bishops Knife Trick” – Fall Out Boy
“Natural” – Imagine Dragons
“Low” – Lenny Kravitz
“High Hopes” – Panic! At The Disco
“My Blood” – twenty one pilots

MELHOR DANCE

“Call You Mine” – The Chainsmokers & Bebe Rexha
“Solo” – Clean Bandit & Demi Lovato
“Say My Name” – David Guetta feat. Bebe Rexha & J Balvin
“Taki Taki” – Dj Snake feat. Selena Gomez, Ozuna & Cardi B
“Happier” – Marshmello & Bastille
“Electricity” – Silk City feat. Dua Lipa

VÍDEO COM MENSAGEM

“Nightmare” – Halsey
“Ruynaway Train” – Jamie n Commons, Skylar Grey feat. Gallant
“Preach” – John Legend
“Land of the Free” – The Killers
“Earth” – Lil Dicky
“You Need to Calm Down” – Taylor Swift

MELHOR DIREÇÃO

Billie Eilish – “Bad Guy” – Directed by Dave Meyers
FKA twigs – “Cellophane” – Directed by Andrew Thomas Huang
Ariana Grande – “thank you, next” Directed by Hannah Lux Davis
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)” – Directed by Calmatic​
LSD ft. Labrinth, Sia, Diplo – “No New Friends” – Directed by Dano Cerny​
Taylor Swift – “You Need to Calm Down” – Directed by Drew Kirsch & Taylor Swift

MELHOR EFEITOS VISUAIS

Billie Eilish – “when the party’s over” – Visual Effects by Ryan Ross, Andres Jaramillo
FKA twigs – “Cellophane” – Visual Effects by Matt Chandler, Fabio Zaveti for Analog
Ariana Grande – “God is a Woman” – Visual Effects by Fabrice Lagayette, Kristina Prilukova & Rebecca Rice for Mathematic
DJ Khaled ft. SZA – “Just Us” – Visual Effects by Sergii Mashevskyi​
LSD ft. Labrinth, Sia, Diplo – “No New Friends” – Visual Effects by Ethan Chancer​
Taylor Swift ft. Brendon Urie of Panic! At The Disco – “ME!” – Visual Effects by Loris Paillier & Lucas Salton for BUF VFX​

MELHOR EDIÇÃO

Anderson .Paak ft. Kendrick Lamar – “Tints” – Editing by Elias Talbot
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)” – Editing by Calmatic​
Billie Eilish – “Bad Guy” – Editing by Billie Eilish
Ariana Grande – “7 Rings” – Editing by Hannah Lux Davis & Taylor Walsh
Solange – “Almeda” – Editing by Solange Knowles, Vinnie Hobbs, Jonathon Proctor
Taylor Swift – “You Need to Calm Down” – Editing by Jarrett Fijal​

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

BTS ft. Halsey – “Boy With Luv” – Art Direction by JinSil Park, BoNa Kim (MU:E)
Ariana Grande – “7 Rings” – Art Direction by John Richoux​
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)” – Art Direction by Itaru Dela Vegas
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita” – Art Direction by Tatiana Van Sauter​
Taylor Swift – “You Need to Calm Down” – Art Direction by Brittany Porter
Kanye West and Lil’ Pump ft. Adele Givens – “I Love It” – Art Direction by Tino Schaedler​

MELHOR COREOGRAFIA

FKA twigs – “Cellophane” – Choreography by Kelly Yvonne
ROSALÍA & J Balvin ft. El Guincho – “Con Altura” – Choreography by Charm La’Donna​
LSD ft. Labrinth, Sia, Diplo – “No New Friends” – Choreography by Ryan Heffington​
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita” – Choreography by Calvit Hodge, Sara Biv
Solange – “Almeda” – Choreography by Maya Taylor, Solange Knowles
BTS ft. Halsey – “Boy With Luv” – Choreography by Rie Hata​

MELHOR CINEMATOGRAFIA

Anderson .Paak ft. Kendrick Lamar – “Tints” – Cinematography by Elias Talbot
Billie Eilish – “hostage” – Cinematography by Pau Castejon
Ariana Grande – “thank you, next” – Cinematography by Christopher Probst​
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita” – Cinematography by Scott Cunningham
Solange – “Almeda” – Cinematography by Chayse Irvin, Ryan Marie Helfant, Justin Hamilton
Taylor Swift ft. Brendon Urie of Panic! At The Disco – “ME!” – Cinematography by Starr Whitesides

MELHOR GRUPO

5 Seconds of Summer
Backstreet Boys
BLACKPINK
BTS
CNCO
Jonas Brothers
PRETTYMUCH
Why Don’t We

MELHOR HINO

Ariana Grande – “7 Rings”
DJ Khaled, ft. Cardi B & 21 Savage – “Wish Wish”
Halsey – “Nightmare”
Lizzo ft. Missy Elliott – “Tempo”
Maren Morris – “GIRL”
Miley Cyrus – “Mother’s Daughter”
Taylor Swift – “You Need To Calm Down”
Megan Thee Stallion ft. Nicki Minaj & Ty Dolla $ign “Hot Girl Summer”

MÚSICA DO VERÃO

Ariana Grande & Social House – “boyfriend”
Billie Eilish – “bad guy”
DaBaby – “Suge”
Ed Sheeran & Justin Bieber – “I Don’t Care”
Jonas Brothers – “Sucker”
Khalid – “Talk”
Lil Nas X ft. Billy Ray Cyrus – “Old Town Road (Remix)”
Lil Tecca – “Ransom”
Lizzo – “Truth Hurts”
Miley Cyrus- “Mother’s Daughter”
Post Malone ft. Young Thug – “Goodbyes”
ROSALÍA & J Balvin ft. El Guincho – “Con Altura”
Shawn Mendes & Camila Cabello – “Señorita”
Taylor Swift – “You Need To Calm Down”
The Chainsmokers & Bebe Rexha – “Call You Mine”
Young Thug ft. J. Cole & Travis Scott – “The London”
Pedro Almodóvar sempre está nas listas de melhores diretores nos cinéfilos mundo afora, e felizmente. O espanhol provavelmente deve carregar o título de maior diretor gay do Cinema moderno, sem jamais, nos quase 40 anos de carreira, deixar os tópicos LGBTs fora de sua filmografia.

Só com o recorte desse século, Almodóvar, vencedor de dois Oscars, carrega alguns dos melhores filmes do período, como as obras-primas "Fala Com Ela" (2002), "Má Educação" (2004), "Volver" (2006) e "A Pele Que Habito" (2011), o que justifica o evento que é o lançamento de qualquer um dos seus filmes. Não foi diferente com "Dor & Glória" (Dolor Y Gloria).


Estreando diretamente na competição principal do Festival de Cannes 2019, "Dor & Glória" segue Salvador Mallo (Antonio Banderas, um dos ícones do cinema almodovariano, estando presente em oito de seus filmes), um diretor de cinema em declínio. Numa depressão pessoal e artística, ele reencontra algumas figuras chaves de sua vida, o que o faz questionar como chegou até ali e, principalmente, como vai ser dali para frente.

A narrativa se divide basicamente em dois córregos, o presente e a infância de Salvador, nos anos 60, com sua mãe sendo interpretada pela musa mór de Almodóvar, Penélope Cruz (criminalmente subutilizada aqui). Nesse vai e vem - que inclui até a cantora Rosalía num papel coadjuvante -, Salvador decide reatar os laços com Alberto (Asier Etxeandia), o protagonista de um dos seus primeiros - e mais bem sucedidos - filmes. Separados há 30 anos graças a uma briga, o retorno é conturbado, principalmente pela parte de Salvador.


Cheios de problemas físicos e emocionais, o diretor encontra dificuldade em conseguir a simpatia do ex colega porque, durante décadas, massacrou o trabalho que Alberto fez em seu filme, uma impressão finalmente mudada. É ele, também, que abre alas para que Salvador entre no mundo das drogas, uma via de escape com prazo de validade curtíssimo.

Devo confessar a você, leitor, que relutei e me questionei bastante se escreveria ou não sobre "Dor & Glória". Almodóvar é um dos meus diretores favoritos e estava bastante ansioso para o sucessor de "Julieta" (2016), que mesmo sendo um filme competente, é nada memorável. As críticas internacionais teciam elogios aos baldes para o novo longa e tinha tudo para que o jejum de quase 10 anos sem uma fita magistral finalmente tenha chegado ao fim - "A Pele Que Habito" foi o último grande Almodóvar.

Só que não demorou muito para perceber que o jejum continuaria. E os motivos foram vários. Um dos melhores diálogos da película, que na maior parte do tempo é uma aula de metalinguagem, diz que o maior ator não é aquele que sabe chorar diante da câmera, mas o que consegue conter as lágrimas. Fiquei com a frase na cabeça e, enquanto matutava, percebi que a afirmação era uma definição fidedigna para o próprio filme.


Percorrendo pelas dores e glórias de Salvador, a produção parece que está prendendo a emoção em todas as cenas - como se o filme estivesse com medo de ser vulnerável. Há uma camada grossa de letargia sobre o ecrã, e a sensação primordial que me abatia era a de anestesiamento; conseguia produzir sentimento nenhum além do tédio. E a conclusão que cheguei é a mais óbvia possível.

O problema está na composição de Salvador. Bandeiras está bem no papel - nada extraordinário como o prêmio de "Melhor Ator" em Cannes poderia sugerir -, todavia, ele foi moldado para ser a versão cinematográfica do próprio Almodóvar. É só olhar para o pôster: o protagonista está na frente de sua enorme silhueta, que é parecidíssima com a do diretor (isso se não for realmente a sombra de Almodóvar).

"Dor & Glória" sofre do mesmo dano de "Roma" (2018): é particular demais. São construções que fazem muito mais sentido para quem está as realizando, sem um apelo que permita um apreço por parte da plateia - não acho que seja necessário afirmar o elementar, mas sim, estou cozinhando essas afirmações dentro da deliciosa esfera da subjetividade, você pode assistir ao mesmo filme e se sentir tocado como nunca na vida. O pequeno Salvador escrevia cartas para os analfabetos de sua vila, assim como a mãe real de Almodóvar, e essa escolha de roteiro só tem um peso concreto para ele - por possuir um laço afetivo ali. Salvador é um personagem que não denota simpatia pelos traços introspectivos, frios e distantes, um confusão emocional que está presa dentro da cabeça e nada mais.

E tome diálogos que evoquem o amor pela arte e monólogos intermináveis que significam coisa nenhuma para ninguém além de quem está o evocando, e, quando mal pisquei, estava mais interessado no design de produção super bonito e colorido. A superfície de "Dor & Glória" é bem mais atraente que seu conteúdo, um reflexo muito bom para exemplificar o quão raso é seu texto.


Outro ponto gritante é como Almodóvar faz um amontoado de reciclagens de diversos temas já explorados dentro de sua filmografia. Artista em declínio? O homem virando deus através de sua arte e tendo uma mulher como secretária e (quase) serva? "Abraços Partidos" (2009). A exposição da homossexualidade na infância? Um filme dentro do filme? Reencontros de ex amores fracassados? "Má Educação". O ato de ser mãe na terceira idade e como a aproximação com os filhos é dificultada? "Volver". Consumo de drogas que reflete a marginalização de LGBTs? "Tudo Sobre Minha Mãe" (1999). E por aí vai.

"Dor & Glória" atira em inúmeras fórmulas já gastas e acerta em nenhuma. É bem verdade que, com o passar dos anos, Almodóvar retornou em tópicos anteriores, no entanto, ele sempre se superava, indo ainda mais longe que anteriormente e entregando mais camadas de profundidade daqueles que são os temas que fizeram seu cinema ser tão celebrado. "Dor & Glória" passa longe da mesma fortuna. É só ver "A Pele Que Habito", por exemplo, uma revolução dentro da carreira do diretor quando seus tópicos são levados a caminhos tão diferentes e inéditos dentro de seu próprio mundo. O rei espanhol talvez precise de uma renovação que quebre as paredes da caixa que ele mesmo se colocou, senão continuará sendo uma repetição de si mesmo.

Almodóvar, no desejo de mostrar como o Cinema salvou a sua vida, realiza um filme estritamente íntimo, o que ceifa a produção através de seus personagens unidimensionais, tramas de perfumaria e uma narrativa que evoca o sono. O todo deixa um gosto ainda mais árido quando até mesmo dentro da filmografia almodovariana há homenagens à Sétima Arte mais vívidas e verdadeiras, sem a chatice que é mais um filme sobre crise artística e a jornada para o reencontro criativo que em nada enriquece os 40 anos de Almodóvar nas salas escuras mundo afora.

¡Esto vamo' a arrancalo con altura!

Rosalía tem um grande hit mundial pra chamar de seu. O clipe de "Con Altura", que já era o mais assistido de sua videografia, agora é também o vídeo feminino com maior número de visualizações em 2019 (pelo menos até o momento). 

A parceria com J Balvin e El Guincho que tem rendido vários memes pelas redes sociais (¡La Rosalía!) já soma mais de 494 milhões de visualizações no YouTube. Assim, o clipe da catalã ultrapassou "7 rings", da Ariana Grande, que agora se encontra em segundo lugar na lista de vídeos femininos mais assistidos do ano com 483 milhões de views.



Nada mal, hein?

A artista começou a ganhar projeção internacional no ano passado com o disco "EL MAL QUERER", sucesso de público em seu país natal, a Espanha, e de crítica no mundo inteiro. Depois de levar 2 Grammys Latinos, Rosalía se tornou um nome requisitadíssimo no meio, e nos parece seguro dizer que ainda vem muitas parcerias e sucessos por aí. 

Recentemente, a cantora lançou também o single "Aute Cuture", que ganhou um clipe incrível, para somar às produções maravilhosas de sua videografia, e lançou na semana passada o single duplo "F*****g Money Man", que conta com as faixas "Milionària" e "Dio$ No$ Libre del Dinero". 

A gente sempre pode contar com a Rosalía pra salvar o pop a cada novo lançamento. A prova disso é seu novo single, “Aute Cuture”, que já chegou com um clipe incrível nessa quinta-feira (30).

  » Amanhã, dia 31, estreia em SP a festa Gasolina, Especial Rosalía

Na vídeo da música, que é um batidão pra ninguém botar defeito, a cantora aparece com roupas extravagantes e em cenários elaborados dançando muito e desfilando com unhas bem longas e douradas. É que, no clipe, Rosalía comanda um salão de beleza especializado nessas unhas gigantescas. Estilo é estilo, né?

Olha só:



¡Madre mía, Rosalía!

“Aute Cuture” é o primeiro single solo da espanhola desde o lançamento do disco “EL MAL QUERER”, no ano passado. Ainda esse ano, Rosalía lançou o single “Con Altura”, reggaeton em parceria com J Balvin e El Guincho.

“Estão prontos?”, perguntou Rosalía, que anunciou música nova para a próxima quinta-feira (30), às vésperas do seu show no Primavera Sound e, também, da festa Gasolina, em São Paulo, que contará com sets especiais dedicados ao seu repertório.

  » Sexta, dia 31, estreia em SP a festa Gasolina, Especial Rosalía

A canção em questão será “Aute Cuture”, já presente em seus últimos shows, e, pela prévia, deverá vir acompanhada do seu videoclipe. Olha só:


Lendária pra caralho!

Essa é a primeira música que a cantora lança de maneira solo após o disco “El Mal Querer”, sucedendo parcerias como o hit “Con Altura”, com J Balvin e El Guincho, e “Me Traicionaste”, com A.CHAL para a trilha de “Game of Thrones”.

Respondendo a sua pergunta, nunca estivemos tão prontos.

Gente, estamos morrendo!

Seja pelo Instagram, Twitter ou Facebook, é sempre comum que fãs criem páginas de apoio aos artistas que gostam, fã-clubes e tudo mais, mas alguém foi um pouco além e, pela rede social do Mark Zuckerberg, fez um perfil T-O-D-O dedicado às mãos da Rosalía.


Isso mesmo, você não leu errado:


Com um trecho de “Badgad”, do primeiro álbum da cantora em sua biografia, o perfil tem um username bem direto: @rosalia.maos. E aí todas as publicações são com imagens focadas nas mãos da musa espanhola.

Rosalía entrou para o radar de novos nomes do pop no ano passado, quando lançou o disco “El Mal Querer” e ascendeu com o hit “Malamente”. Neste ano, a cantora chegou a estrear na trilha sonora de “Game of Thrones” com a ótima “Me Traicionaste” e retornou às paradas ao lado de J. Balvin no seu maior hit até aqui, “Con Altura”.


Quanto ao Instagram dedicado às mãos da cantora, engraçado ou creepy? Tem alguma artista que você admira muito as MÃOS?
Tem festa nova chegando em São Paulo, gente!

Na última sexta deste mês, dia 31, estreia na Peixaria Mitsugi, na Liberdade, a festa Gasolina, que promete fazer todo mundo suar com muitos hinos do pop, funk, trap e latinidades. A primeira edição será um especial Rosalía.

A Peixaria Mitsugi, pra quem não conhece, é um dos picos mais hypados da cena noturna de São Paulo atualmente, pelo diferencial de visual e proposta: é um tradicional restaurante e peixaria que, aos finais de semana, apaga suas luzes para algumas das festas mais legais da cidade.



Palco para shows de nomes como Duda Beat, Jaloo e Davi Sabbag, a casa fica a apenas alguns minutos do metrô Liberdade e é também acessível quanto aos preços de suas bebidas e entrada.

Gasolina é o novo projeto de Guilherme Tintel que, além de criador do It Pop, já tocou por algumas das principais casas da noite paulistana, como Tokyo, Selva, Lab Club, The Week, Yacht e Cine Joia; a festa, por sua vez, nasce da necessidade de aquecer este cenário com uma visão plural que vá do público ao som, sem fronteiras de pessoas, culturas, gêneros ou linguagens, onde todos se sintam parte do todo e, consequentemente, mais do que bem vindos.

Em sua edição de estreia, a Gasolina contará com sets dos DJs Gui Tintel, Marcello Oliveira e Jay Franchini, e, no nosso Spotify, você pode curtir uma playlist toda inspirada no repertório da festa, incluindo, além da aposta espanhola, nomes como Cardi B, Rihanna, Nicki Minaj, entre tantos outros. Ouça aqui.

SERVIÇO
Dia 31 de maio de 2019
Gasolina na Peixaria Mitsugi (R. Galvão Bueno, 364 - Liberdade)
Entrada: $20 até 0h // $30 depois
Classificação: 18 anos
Faltando menos de uma semana para o retorno de “Game Of Thrones”, hoje (09) foi anunciado que um álbum com faixas inspiradas na obra de George R. R. Martin será lançado dia 26 de Abril.

Na tracklist, podemos ver nomes de peso da música, como The Weeknd, Rosalía, Ellie Goulding, Travis Scott, SZA, The Lumineers e muito mais, olha só:

Após de 8 anos de sucesso na HBO, “Game Of Thrones” está se despedindo da tv em sua oitava e última temporada, com a estreia acontecendo neste domingo, dia 14.
 
Tem alguém que ainda não está ligado na Rosalía? A cantora espanhola despontou para o mundo no ano passado com o disco "EL MAL QUERER", modernizando o flamenco e misturando o ritmo tradicional de seu país com pop, R&B, eletrônica e por aí vai. O resultado foi tão bom que ela conquistou espaço nas principais listas de final de ano, além de levar dois Grammys Latinos pra casa.

Pronta para dar os próximos passos e se tornar cada vez mais internacional, Rosalía está com uma agenda de shows marcada por todas as partes do mundo (menor por aqui. Só vem, fada!), além de estar colaborando com grandes nomes do cenário atual. Assim, surge seu mais novo lançamento, "Con Altura", parceria com J Balvin e El Guincho

Liberada nesta quinta-feira (28), a canção tira Rosalía da sonoridade flamenca (embora ela não abandone completamente seus movimentos de dança), "Con Altura" aposta no reggaeton, o que poderia fazer com que a faixa passasse batido, se não fosse o star quality dela.

A garota sabe o que faz, tem segurança, estilo e personalidade suficiente, e basta uma ouvida na música, ou, de preferência, um play no incrível e super produzido clipe da canção, todos nas alturas e com aquela vibe "Toxic", pra perceber isso. 



¡La rosalía!

Além dessa parceria, Rosalía está trabalhando também com outro nome conhecidíssimo do pop atual: Billie Eilish. Depois de muitos elogios de ambos os lados, as revelações da música entraram em estúdio, mas ainda não deram data para lançarem esse novo louvor. A qualidade já é certa, isso a gente sabe.
Rosalía e Billie Eilish podem ser novatas de estilos bem diferentes, mas tem algo em comum: a rápida ascensão que estão vivendo. Enquanto a catalã trabalha para conquistar o mundo após o lançamento do ótimo "EL MAL QUERER" e de algumas vitórias no Grammy Latino, a americana se torna um dos maiores nomes da era dos streamings, prestes a lançar seu disco de estreia, "when we all fall asleep, where do we go?", no dia 29 de março.



Entre agendas de divulgação e shows, as garotas acabaram se encontrando e decidiram ver o que aconteceria se entrassem em estúdio juntas. E o resultado aparentemente foi tão positivo que a Rosalía resolveu falar um pouquinho sobre essa experiência em seu Twitter, confirmando que tem sim colaboração vindo por aí:


"Mal posso esperar para terminar nossa música. Compartilhar o estúdio com você e ver você se apresentar me inspira demaaaais", disse ela sobre a Billie. 

Se Rosalía é só elogios a amiga, Billie também não fica pra trás. Em recente entrevista a uma estação de rádio, a artista de apenas 17 anos contou que foi "refrescante" trabalhar com a catalã: "ela sabe o que ela quer. Eu fiquei tipo 'Uau! Você é a única pessoa que conheci que é realmente o que parece ser'. Foi viciante trabalhar com ela. Ela é uma garota muito legal!”.



A gente nem consegue imaginar como a mistura do new flamenco da Rosalía com o pop alternativo e cheio de personalidade de Billie vai funcionar, mas talento é o que não falta nesse dueto, e se todos esses elogios forem uma prévia do quão bem as duas funcionam juntas, podemos esperar por um grande sucesso. 
James Blake tá de disco novo. Três anos depois do álbum “The Colour In Anything” e da parceria com Beyoncé em “Forward”, do “Lemonade”, o britânico retorna ao som de “Assume Form” que, entre outras coisas, traz as parcerias de Rosalía e Andre 3000.

Revelação latina responsável pela hypada “Malamente” e um dos melhores discos do último ano, Rosalía aparece na faixa “Barefoot in the Park”: uma faixa bilíngue que descansa sob os sons introspectivos do produtor. Seus vocais, assim como em suas músicas próprias, aqui fluem como parte de todo o arranjo, tornando a faixa um dos destaques do álbum desde a primeira audição.



Mais pop, “Where’s The Catch?” é a parceria entre Blake e Andre 3000. Antes de colaborarem, James já havia demonstrado sua admiração pelo trabalho do rapper, principalmente em sua época de Outkast, e aqui os dois trocam figurinhas que nos entregam uma faixa complexa, tão obscura quanto otimista, que fala sobre amor e ansiedade.



“Assume Form” saiu nesta sexta (18) nos streamings. Ouça o álbum completo abaixo: