Por que The Weeknd foi esnobado pelo Grammy 2021?

Um dos principais nomes do ano, The Weeknd não apareceu em nenhuma categoria da premiação e nós tentamos destrinchar o motivo


Nesta terça-feira (24) descobrimos quem são os indicados ao Grammy Awards. Entre surpresas, como diversas nomeações merecidas para Dua Lipa e aparições um tanto quanto estranhas de um certo cantor yummy, yummy, o principal assunto após o anúncio dos indicados ao prêmio é, inegavelmente, a ausência total de The Weeknd.

De fora de todas as categorias, tanto as de gênero quanto as gerais, The Weeknd não apenas era uma das principais apostas para ser indicado ao Grammy, como também para levar boa parte dos prêmios pra casa. Esse ano, o artista lançou o aclamado “After Hours”, que rendeu dois hits #1, incluindo a recordista de semanas no Top 5 e Top 10 da Billboard Hot 100 (e Gravação do Ano moral), “Blinding Lights”. Abel foi responsável por dar força à onda de disco e synthpop estilo anos 80 no pop internacional, junto com Dua Lipa, o que ajudou a impulsionar hits como “Say So” e “Dynamite”, ambos indicados ao Grammy. 


Mais que conquistas voltadas para charts, The Weeknd entregou também um trabalho coeso visualmente, com uma estética inspirada em filmes de terror tipo slash, videoclipes bem trabalhados e que contam uma história contínua e performances que se conectam com os clipes. Teve conceito, teve coesão e teve aclamação. Só não tiveram indicações à premiação. Por quê? 


Para entendermos melhor, é interessante analisarmos as submissões de The Weeknd. Segundo o site Goldderby, o artista optou, pela primeira vez em sua carreira, em submeter seu disco “After Hours” à categoria de Melhor Álbum de Pop Vocal, diferentemente de seus antigos trabalhos, “Beauty Behind The Madness” e “Starboy”, ambos submetidos, indicados e vencedores em Melhor Álbum de R&B Progressivo (a antiga categoria de Urban Contemporâneo).


E faz sentido. Se pararmos para analisar, o “After Hours” é um álbum pop, tendo faixas produzidas até pelo hitmaker Max Martin. E, sim, ele flerta com o R&B, mas o que hoje que é pop não flerta também com outros ritmos? É só olharmos os indicados em Melhor Álbum de Pop Vocal desse ano e vermos toda a experimentação presente nos discos escolhidos pela academia.


A decisão foi muito bem pensada por The Weeknd pra funcionar como uma declaração de que artistas negros fazem sim música pop e não devem ser sempre colocados em categorias de R&B ou rap. Uma declaração que já havia sido dada pelo próprio Tyler, The Creator ao vencer Melhor Álbum de Rap no Grammy passado:



É uma droga que, quando nós, e eu quero dizer caras que se parecem comigo fazem qualquer coisa que mistura gêneros musicais ou qualquer coisa, eles sempre colocam na categoria de rap ou urban. O que é... Eu não gosto dessa palavra, 'urban'. É apenas a forma politicamente correta de dizer a palavra com 'n' pra mim. Então, quando eu ouço isso, eu fico tipo: 'por que não podemos estar em pop? Por quê?' Entendem o que estou dizendo? Eu me sinto como... Metade de mim sente como se a nomeação em rap fosse um elogio indireto. 'Ah, meu priminho quer brincar, vamos dar a ele o controle desligado para ele poder ficar quieto e se sentir bem'. É assim que eu me senti.


É interessante também voltarmos para a entrevista que The Weeknd concedeu à revista Rolling Stone, em que ele explica mais sobre a forma como vê o assunto e em que gênero musical enxerga seu som:


Eu sempre falei sobre ser um popstar. Eu achei que o ‘House Of Balloons’ fosse pop. Eu acho peculiar [Sobre ter concorrido e ganhado a categoria de Melhor Álbum de R&B progressivo duas vezes]. Colocar um disco como ‘Starboy’ e colocar um disco como ‘Beauty Behind The Madness’ na mesma categoria que outros artistas não é justo. R&B e música negra são uma grande variedade. Se eles colocarem todos nós em uma categoria, eu ainda não acho justo. Vamos ver o que vai acontecer.


De 2011 a 2020, nenhum artista negro ganhou o prêmio de Melhor Álbum de Pop Vocal. Nesse período, apenas três artistas negros concorreram nessa categoria - Cee Lo Green (“The Lady Killer”), Rihanna (“Loud”) e Beyoncé (“The Lion King: The Gift”). Três em um total de mais de 50. (Importante notar: não estamos contabilizando as duas indicações e uma vitória de Bruno Mars na categoria porque, nos Estados Unidos, ele não é lido como negro). 


The Weeknd, um dos artistas do ano de 2020, teve a audácia de desafiar um padrão antigo do Grammy, colocando em risco suas indicações e sua relação com a premiação para provar um ponto de vista. E, ao ser esnobado, ele provou que estava certo em suas declarações e em seu pensamento. E a premiação, com isso, deu um recado bem claro sobre o que pretende (ou não pretende) fazer para resolver seu constante problema racial. 


O que mais pode ter acontecido dentro do comitê do Grammy? No Academia existem comitês de gênero para escolherem os indicados em cada categoria. Isso não acontece com as categorias de pop, abertas para mais votantes. Assim, fica claro que o Grammy, de fato, não enxerga Abel como um artista pop.


Para as categorias gerais, fica mais complicado. Podemos argumentar que The Weeknd ressentiu os membros do comitê de R&B ao escolher submeter seu trabalho em pop, fazendo com que eles tenham preferindo votar por discos como o “Chilombo” de Jhené Aiko ao apoiar o “After Hours” em Álbum do Ano. Ainda assim, é importante lembrar que as categorias gerais do Grammy (Álbum, Gravação e Canção do Ano, além de Melhor Novo Artista) são escolhidas por um comitê especial que seleciona os oito indicados de cada categoria a partir dos 20 mais votados. Será que The Weeknd chegou aos 20 indicados mesmo com um álbum que não era nem pop nem R&B para os votantes? E será que ele foi barrado para, então, ser efetivamente silenciado? 


Em seu Twitter, The Weeknd não deixou barato e se pronunciou sobre tudo que aconteceu: “O Grammy continua corrompido. Vocês devem a mim, aos meus fãs e a indústria transparência”. 


O que aconteceu de fato dentro da academia do Grammy nós não podemos saber. Mas, olhando o histórico da premiação e toda a movimentação de The Weeknd sobre o assunto, já temos uma ideia sobre a motivação principal de tudo isso. Racismo, que continua se repetindo todos os anos na premiação, aparecendo em cada cantinho de cada categoria anunciada - e, pelo que parece, não vai sumir tão cedo.