De Lorena Simpson ao Biu do Piseiro, conheça os artistas presentes no novo disco da Pabllo Vittar, “111 Deluxe”

Reunimos um dossiê destrinchando todas as colaborações por trás do álbum, que vai das tendências do Youtube aos novos nomes da música brasileira.


Para o bem e para o mal, a cantora Dua Lipa se tornou referência quando o assunto são álbuns de remixes pelo recente “Club Future Nostalgia”, no qual revisitou seu último disco, “Future Nostalgia”, com releituras mixadas pela produtora The Blessed Madonna.


Em tempos de eras cada vez mais curtas — e engolidas — pelo timing dos streamings, a estratégia funciona para revitalizar o trabalho, aumentando a sua vida útil, bem como permitir que o artista ganhe mais tempo para explorá-lo através de novos singles, contando com outros exemplos recentes, como são os casos dos discos “1000 Gecs and The Tree of Clues”, da dupla 100 Gecs, e os EPs “SAFC Remixes”, da banda nacional Fresno.


Antes da dona de “Don’t Start Now”, quem já tirava essa ideia de letra no Brasil era a cantora Pabllo Vittar que, desde o seu primeiro álbum, aposta nas versões remixadas para oferecer outras perspectivas de suas músicas e, o mais legal, colaborar com inúmeros artistas e produtores independentes que encontram no seu álbum uma prateleira pra se lançarem ao mercado de massa.


“Vai Passar Mal: Remixes”, de 2017, antecipou inúmeros nomes que emplacaram hits posteriores na cena brasileira: Omulu, produtor de “Open Bar”, é o nome por trás de faixas como “Meu jeito de amar”, com Duda Beat, e “Tô te querendo”, com Luedji Luna; DKVPZ, que remixou “Então Vai”, lançou em 2019 o EP “Flvxo do Fvtvro”, com Kevin o Chris, e também assinou a produção de hits como “Kanye West da Bahia”, do Baco Exu do Blues; já Zebu, do remix de “Irregular”, casou tão bem com o som da drag, que co-compôs e produziu seus dois discos seguintes, incluindo hits como “Disk Me” e “Amor de quê”.



Dois anos depois, com o disco “Não Para Não”, a estratégia se repetiu. “NPN: Remixes” voltou a olhar para a nova cena brasileira e, desta vez, apresentou nomes como Cyberkills, dupla em ascensão entre os fãs de hyperpop e pc music, que remixou o hit “Buzina”, kLap, em evidência entre os nomes do chamado “brazilian bass” pela mistura de ritmos mundiais com os gêneros brasileiros, e o projeto musical O’Hearts, formado pelos músicos Pedrowl, Barbara Ohana e o ex-CSS, Adriano Cintra.


Já em seu terceiro disco de inéditas, “111”, Pabllo mantém a tradição e, na próxima quinta-feira (26), lançará a sua edição remixada, que teve sua capa e tracklist anunciadas nesta semana e, mais uma vez, repleta de participações especiais de artistas nacionais, independentes e em ascensão.



Substituindo nomes como Charli XCX, Ivete Sangalo e Psirico, presentes em sua versão original, a edição deluxe do disco “111” traz nomes como Jaloo, Lucas Boombeat, Getulio Abelha e Lorena Simpson, além da cantora e produtora Alice Glass, que provavelmente será um nome familiar aos que conheciam seu trabalho como ½ da dupla Crystal Castles.


De olho na tracklist que, certamente, dará uma nova cara — e som — para o mais recente trabalho de Pabllo, resolvemos aproveitar sua curadoria tão certeira de parcerias para mostrar um pouquinho do trabalho de cada um desses feats, te ajudando também a entender os elementos que esses poderão incluir nas músicas que escutaremos até o Spotify riscar pelos próximos meses.


POCAH (feat. em “Bandida”)

Lenda do funk, a cantora é mais conhecida por seu nome de outrora, “MC Pocahontas”, mas tem hits bem recentes como “Quer Mais?”, com a MC Mirella, e “Não Sou Obrigada”, que pegou no carnaval de 2019.



VERONICAT (feat. em “Parabéns”)

Com assinatura de remixes para artistas como Tropkillaz, Jaloo e Lucas Boombeat disponíveis em seu Soundcloud, Veronicat é uma estudante de engenharia elétrica que, quando a noite cai, assume a posição de DJ e produtora musical.



LUCAS BOOMBEAT (feat. em “Parabéns”)

Integrante do coletivo de rap Quebrada Queer, Boombeat lançou nesse ano o seu disco de estreia, “Nem tudo é close”, que também ganhou a sua própria edição de remixes altamente recomendada, com feats de Gloria Groove, BADSISTA e Noize Men.



A TRAVESTIS (feat. em “Tímida”)

Banda soterapolitana formada por uma mulher só, a compositora e vocalista trans Tertuliana Lustona, de 23 anos, é referência LGBTQ+ no meio do pagodão baiano, ainda dominado por artistas héteros e, em sua maioria, homens. Seu hit é a chiclete “Murro na costela do viado”.



JALOO (feat. em “Lovezinho”)

Com dois discos pra chamar de seu, “#1”, de 2015, e “ft.”, de 2019, o músico paraense talvez seja um dos nomes mais famosos dessa lista, seja por seus trabalhos solos ou pelas produções para outros artistas. Tem no histórico a icônica parceria com Deize Tigrona em “Injeção” e, em seus trabalhos mais recentes, sucessos como “Chega”, com Duda Beat e Mateus Carrilho, e “Céu Azul”, com MC Tha.



GETÚLIO ABELHA (feat. em “Amor de Que”)

Mais um oferecimento da música nordestina, Abelha é um artista músico-visual que tem como um dos seus pontos mais fortes a versatilidade e imensa paleta de referências que não ousa em aplicar nos seus trabalhos. Seu registro mais recente, “Sinal Fechado”, é mergulhadíssimo no cinema de horror dos anos 70 e 80.



TOMASA DEL REAL (feat. em “Salvaje”)

Presente no remix da espanhola “Salvaje”, a cantora e compositora Tomasa Del Real é autoridade quando o assunto é presença feminina no reggaeton e, principalmente, no subgênero “neoperreo”, que se movimenta pela inclusão de mulheres, LGBTQs e outros grupos minorizados na linha de frente da música latina. Seu trabalho mais recente é o disco “Bellaca del Año”, de 2018.



DJ ANNE LOUISE (feat. em “Flash Pose”)

Solta o som, The Blessed Madonna! Anne Louise é uma ex-pianista que largou o direito para se dedicar ao amor pela música eletrônica, onde tem seu público cativo. Além da música, é famosa pela alcunha “Missionary of Happiness”, traduzida livremente como “Missionária da Felicidade”, e pelo gosto peculiar para leques, frequentemente utilizado em suas apresentações.



LORENA SIMPSON (feat. em “Flash Pose”)

De bailarina da Kelly Key para um dos maiores nomes da música pop e eletrônica brasileira, Lorena Simpson foi uma das primeiras referências de diva pop aos moldes americanos para o público LGBTQ+ brasileiro, e isso lá em meados de 2008. Inspiração para artistas como Wanessa e até mesmo Anitta, com quem dividiu o palco em 2014, emplacou o hit “Brand New Day” na coletânea “Summer Eletrohits, Vol. 6”.



WEBER (feat. em “Clima Quente”)

Um dos produtores do hit “Corpo Sensual”, do disco “Vai Passar Mal”, Victor Weber é famoso por suas versões abrasileiradas para hits internacionais, incluindo o remix pisadeira de “New Rules”, da Dua Lipa, e a redenção de Justin Bieber ao forró em “Sorry”. Já viralizou ao ter músicas usadas em vídeos do humorista Whindersson Nunes e, no ano passado, veio a público desmentir suposto affair com a própria Pabllo Vittar e apoio ao governo Bolsonaro.



BIU DO PISEIRO (feat. em “Clima Quente”)

Cantor, produtor e compositorparaibense, Biu do Piseiro ou, como é chamado fora dos palcos, Guilherme Alexandre, também ficou famoso pelos covers e remixes, em sua maioria de hits do funk traduzidos para o forró e pisadinha, que é uma vertente do forró eletrônico, “sintetizado”. No Spotify, viralizou suas versões de músicas como “Vem me satisfazer” e “Surtada”.



CHEDIAK (feat. em “Ponte Perra”)

De São Paulo para a rede mundial de computadores, Pedro Chediak se autodenomina um “visual noise artist”, conhecido pelas produções que exploram do trap ao future bass, seja remixando hits do funk ou através de seus trabalhos autorais, lançados pelo selo fundado pelo próprio artista, Lost Boys, onde incentiva a criação de outros artistas independentes em ascensão.



LAYSA (feat. em “Ponte Perra”)

Revelação do rap lá em 2016, Laysa é natural de São Paulo e, através da música, traduz sua vivência enquanto mulher, negra e brasileira, com uma pegada que inevitavelmente nos teletransporta para o auge do rap feminino dos anos 90 e 2000, marcado por artistas como Lauryn Hill e Missy Elliott. Além do feat com Pabllo, neste mês ela também lança seu disco “Ghetto Woman”, apresentado pela faixa “Introducción Woman’s”.



ALICE GLASS (feat. em “Rajadão”)

Apesar da separação conturbada e, infelizmente, repleta de relatos de abusos por seu antigo parceiro de música, é impossível falar de Alice Glass sem mencionar a sua passagem pelo duo Crystal Castles, que ajudou a definir boa parte do chamado “witch house noise”, que nada mais é do que uma vertente alternativa e barulhenta do pop indie, ascendida no auge do surgimento de plataformas como o Soundcloud e essencial para a chegada de outras subvertentes, tal qual o atual hyperpop. Em carreira solo, lançou em 2018 seu EP de estreia, autointitulado, incluindo os singles “Without Love” e “Forgiveness”.



***


“111 Deluxe” chega às plataformas de streaming nesta quinta-feira, dia 26 de novembro.