Reprodução/Divulgação Se você gosta de Dorian Electra, 100 Gecs e Charli XCX, certamente gostará do novo EP do Mood Killer.

De Lorde a Eiffel 65, Mood Killer faz do pop o seu experimento no EP “Solidify”

Se você gosta de Dorian Electra, 100 Gecs e Charli XCX, certamente gostará do novo EP do Mood Killer.


Mood Killer é uma das atrações do festival virtual brasileiro Trophy, que acontece neste sábado (17) através da plataforma ZOOM. Ingressos gratuitos estão disponíveis no Sympla.


Da mesma leva de artistas que revelou nomes como o ícone queer Dorian Electra e a dupla de pop desajustado e herdeiro do pop punk 100 Gecs, Mood Killer é um nome pra ficarmos de olho.


Cantor, produtor e compositor, o músico, que já dividiu palco com artistas como Kim Petras e Charli XCX, lançou na última semana seu novo EP, “Solidify”, e, apesar do que seu nome sugere, o sucessor de “Liquify” pouco solidifica o território em que sua obra se estende, quebrando ainda mais barreiras de gêneros — musicais e identitários — e, consequentemente, tornando-o ainda mais interessante de ser acompanhado.



Musicalmente falando, “Solidify” cabe ao que o Spotify provavelmente classifica sob o termo guarda-chuva “hyperpop”, uma hipérbole da música pop no auge de suas experimentações, que também abriga nomes como AG Cook, SOPHIE e Arca.



Entre os destaques do disco, estão “Go Harder”, faixa de abertura que dá sequência a música de nome parecido do trabalho anterior (“Go Hard”), “Skullfucker”, que soa como uma paródia explicitamente sexual de algo que a Disney lançaria nos anos 2000, “Geren Lhigt by Lrdoe” que, tal qual seu título, desconstrói o quebra-cabeça de “Green Light”, da neozelandesa Lorde, e “Strap On”, que sampleia o clássico do eurodance, “Blue (Da Be Dee)”.