Lista: nos 10 anos da franquia "Crepúsculo", nosso ranking dos filmes, do pior para o melhor

Ou do pior para o menos pior, que seja

Era 21 de novembro de 2008 quando chegou aos cinemas o primeiro exemplar de uma das maiores franquias da história: "Crepúsculo". Sucesso absoluto de bilheteria, os cinco filmes arrecadaram mais de $3,3 bilhões de dólares, levando milhões de fãs à loucura, o que, em contrapartida, marcou o nome da saga como uma das mais odiadas que se tem notícia.

Foi assim desde o nascimento: ou você amava ou odiava "Crepúsculo". Eu nunca me enquadrei em algum desses extremos. Conseguia assistir aos filmes sem amar ou odiar, levando-os como entretenimento momentâneo com suas qualidades e defeitos - até porque tem coisa VERDADEIRAMENTE ruim na Sétima Arte, principalmente voltado para o mesmo nicho: adolescentes.

É fato que "Crepúsculo" está longe de um "Harry Potter" ou "Jogos Vorazes" - citando as maiores franquias como o mesmo público alvo que funcionaram -, mas, vamos lá, não precisa olhar torto para os vampirinhos que brilham no sol - obrigado, Stephenie Meyer, pela bagunça na biologia vampira - pois dá pra tirar algo de bom entre eles. É por isso que eu, nesse aniversário de 10 anos do lançamento do primeiro filme, cá estou para listas meu ranking com os cinco longas, do pior para o melhor - ou do pior para o menos pior, dependendo da sua filosofia de vida.


#5 Eclipse

Direção de David Slade.
O terceiro filme da franquia serve, basicamente, para nada - ele começa e termina no mesmo lugar. O longa é inteiramente sobre um aborrecido triângulo amoroso, com Bella enrolando tanto Jacob como Edward - mesmo estando noiva do vampiro. Para não ficar só no lenga-lenga, o plot gira em torno de Victoria, a vampira do primeiro filme, querendo vingança pela morte do amado - bom pontuar que a escalação de Bryce Dallas Howard aqui foi péssima. São duas horas intermináveis com a protagonista passando de mão em mão, clímax com uma batalha morna e, sinceramente, toda a mitologia dos lobisomens é desinteressante. Uma tortura.

#4 Crepúsculo

Direção de Catherine Hardwicke.
É bem provável que a Summit, produtora de "Crepúsculo", não imaginaria a dimensão do sucesso comercial que tinha em mãos lá em 2008, quando ainda era uma independente companhia. Então não é de se espantar que muita coisa na obra seja, digamos, "amadora". É clara a falta de requinte em diversos aspectos do filme, que abusa de um filtro pesado para dar uma atmosfera visual. A história carrega seu charme, com uma Síndrome de Estocolmo absoluta, porém, falta uma equipe melhor para sair do básico - o clímax, a construção dos vilões e, sim, Robbert Pattinson, são fracos.

#3 Lua Nova

Direção de Chris Weitz.
Depois dos cofres lotados, o salto da produção entre "Crepúsculo" e "Lua Nova" é gritante. Os efeitos especiais não podiam permanecer no mesmo patamar já que os lobisomens entraram na história - com um CGI aceitável agora. Edward, percebendo o perigo que Bella corre ao estar rodeada de vampiros, coloca a segurança da amada acima do relacionamento e vai embora, deixando-a em profunda depressão - mas com Jacob e todos os seus músculos para consolá-la, claro. "Lua Nova" tem algumas escolhas visuais bastante inspiradas - a sequência da passagem dos meses e o momento em que Bella vê Edward na água são destaque -, que compensam as forçações. E o melhor: tem a introdução dos Volturi.

#2 Amanhecer: Parte 2

Direção de Bill Condon.
Depois da adaptação de "Harry Potter e as Relíquias da Morte", virou moda dividir o último livro em dois longas. O macete não voltou a ser tão bem usado como no mundo bruxo - a divisão do último "Jogos Vozares" piorou o saldo final -, todavia, em "Amanhecer" se mostrou justificável. O último exemplar finalmente transforma Bella em vampira, e promete o embate final dos Cullen contra os Volturi. A verdade é que o filme se transforma num "X-Men", com vários vampiros e seus superpoderes, de manipulação dos quatro elementos até ilusões visuais, e eu não estou reclamando. Contudo, nada se compara com a mudança brilhante no clímax: no livro, nada acontece, enquanto no filme há uma reviravolta que consegue chocar e empolgar. Entre acertos, o cinema vai sempre ser assombrado por aquele bebê de CGI.

#1 Amanhecer: Parte 1

Direção de Bill Condon.
E o melhor filme da franquia é, de longe, "Amanhecer: Parte 1". A película já começa sem rodeios e em 10 minutos Bella já está casando. Da lua de mel no Rio de Janeiro até a noite de núpcias dos pombinhos - quebrando a cama -, "Amanhecer 1" carrega o melhor plot da franquia: Bella fica grávida de Edward, e o bebê - ou seja lá o que for essa cria de uma humana com um vampiro - está matando-a de dentro pra fora. Pela primeira vez o roteiro faz com que tememos o desenrolar da situação, fincando arcos narrativos interessantes e colocando coadjuvantes que serviam de enfeite para o palco principal. Obrigado, Bill Condon, por trazer dignidade e compor um filme sólido.

***

Caso você queira maratonar - como eu tive que fazer para montar esta lista -, boa sorte.

Lista: nos 10 anos da franquia "Crepúsculo", nosso ranking dos filmes, do pior para o melhor Lista: nos 10 anos da franquia "Crepúsculo", nosso ranking dos filmes, do pior para o melhor Reviewed by Gustavo Hackaq on 11/25/2018 04:22:00 PM Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.