Essas são nossas primeiras impressões sobre o "Queen", novo disco de Nicki Minaj

Tem shade, autoafirmação e muita música pra fazer a bunda rebolar sozinha no novo disco da rapper

Depois do tira casaco, bota casaco envolvendo a data oficial do lançamento do novo disco de Nicki Minaj, “Queen”, a rapper finalmente liberou o álbum em todas as plataformas digitais nessa sexta-feira (10). Consistente, apesar de um pouco arrastado (são 19 faixas, gente!), o material tem momentos realmente incríveis e traz a rapper em ótima forma.



Já no começo, a segunda faixa do disco, “Majesty”, uma parceria pop-rap com Eminem e Labrinth, joga a vibe do projeto lá no alto e mostra que tem tudo para ser um single bem sucedido. Logo depois, chega “Barbie Dreams”, que começa calma e depois nos surpreende com a força total do flow de Nicki. É uma das melhores coisas que a rapper lançou em tempos, e dá até pra dizer que já é uma das melhores de sua carreira.

E é nela mesmo que Onika solta um dos maiores shades do álbum. Fazendo referência a declaração de DJ Khaled de que não faz sexo oral em mulheres, ela responde com o verso “eu tive que cancelar o DJ Khaled, não estamos nos falando. Nenhum cara gordo vai me dizer o que ele não está comendo”. Mas ela insistiu que isso não foi um ataque: ”eu só digo coisas sobre pessoas que sabem levar na brincadeira e não ficam chateadas com isso”, contou em entrevista à rádio Beats 1. 

O CD vem recheado de muita autoafirmação, o que não chega a ser uma surpresa quando falamos de Nicki Minaj. E ainda que seja um tanto quanto cansativo, não é algo que especificamente nos incomodou no "Queen". Em “Chun Swae”, por exemplo, Nicki manda um recado para todo mundo que está escutando o disco, em meio a muitas risadas (AQUELAS risadas alá Nicki Minaj): 

"Você está no meio do ‘Queen’ agora, pensando, ‘eu entendi porque ela chamou esse disco de ‘Rainha’. É porque ela é realmente a rainha!”


Outra sequência boa é a do trio que começa com o single anteriormente lançado “Chun-Li”, continua com a dançante “LLC”, onde a a rapper faz referências a Britney Spears, Ariana Grande e Katy Perry, e continua com o rap com cara de anos 2000 em “Good Form”. A bunda chega a rebolar sozinha!



Apesar do trio de faixas matadoras, é aí que o “Queen” começa a perder seu fôlego. As canções que se seguem não conseguem trazer novas facetas de Minaj ou se igualar a explosão das já apresentadas, e a sensação que fica é que o disco poderia ter terminado com 13 faixas, para encaixar “Coco Channel”, que é ótima, mas acaba perdida nas músicas que sobram.

Ainda assim, o saldo é positivo, e finalizamos essa uma hora e seis minutos com a reafirmação (dessa vez, mais do que necessária) de que a rapper não está fora do jogo e que ainda tem muito a falar e fazer no hip-hop e pelo hip-hop. 

Essas são nossas primeiras impressões sobre o "Queen", novo disco de Nicki Minaj Essas são nossas primeiras impressões sobre o "Queen", novo disco de Nicki Minaj Reviewed by Nathalia Accioly on 8/10/2018 07:40:00 PM Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.