“13 Reasons Why” ganhará terceira temporada em 2019, mas podia ter parado na primeira, né?

Aquela série que tem mais de treze porquês pra nem ter existido.
A gente precisa aceitar que as coisas precisam ter um começo, meio e fim, né galera? Mas tá faltando alguém pra dar esse toque na nossa amiga Netflix, que aproveitou essa quarta (06) para confirmar a terceira temporada daquela série que tem mais de treze porquês pra nem ter existido: “13 Reasons Why”.

Só recapitulando, a série é aquela que até começou com uma intenção bacana, abordando a história da estudante Hannah Baker, que foi vítima de suicídio mas, antes do falecimento, deixou 13 fitas que buscavam explicar as coisas pelas quais vinha passando e como lidava com cada uma delas, mas aí degringolou depois do hype e, principalmente, vontade de ganhar dinheiro em cima de tópicos tão sérios e delicados.

Aí, o que inicialmente despertou debates muito importantes sobre depressão, machismo, cultura do estupro, entre outros assuntos, passou a romantizar, banalizar e expor de maneira que chega a ser sádica todas essas discussões, se tornando uma produção bastante irresponsável e que, infelizmente, tem entre seu principal público um pessoal muito novinho.


O anúncio da sua terceira temporada alerta que “a história ainda não acabou” e já adianta também a sua previsão de estreia, para 2019, mas o que queríamos mesmo é que a plataforma de streaming e produtora colocasse a mão na consciência e começasse a levar em consideração que, ao mesmo tempo que a série cresce e se torna um dos seus maiores casos de sucesso, ela também ganha ainda mais responsabilidade e obrigatoriedade de tratar esses assuntos com o cuidado e seriedade que eles merecem.

Essa fita é pra vocês, Netflix: já deu. Tá feio. E a gente não quer ver piorar. Dá uma atenção para o resto do seu catálogo, valoriza o trampo lindão de séries como “Dear White People” e desapega dessa narrativa problemática e tão prejudicial pra sua própria audiência.