O disco de estreia da Hayley Kiyoko e a importância dessa geração de novos artistas LGBTQs

Todo mundo pode se identificar com as histórias de Hayley, que são, primariamente sobre amar e ser amada.

As causas LGBTQs tem ganhado cada vez mais espaço na indústria, porém, em sua maioria das vezes, através das vozes de estrelas que se identificam como heterossexuais ou até fazem músicas insinuando o flerte com o mesmo gênero, mas sem levantarem nenhuma bandeira. Falas importantes, sim, mas que trazem a tona uma representatividade falha.

Nos últimos anos, as coisas começaram a mudar. Miley Cyrus declarou sua panssexualidade, Sam Smith cantou as tristezas de seus amores, que são como todos os outros, e Troye Sivan fez um lindo disco sobre ser um jovem gay e se aceitar (e já prepara outro, mais alegre e pra cima), isso só pra citarmos alguns exemplos. Em 2017, Halsey e Lauren Jauregui representaram em “Strangers” e Kehlani falou abertamente sobre como gosta de suas garotas. Pra somar a todo esse grupo que, ainda bem, só cresce, Hayley Kiyoko, uma das promessas do pop para esse ano, finalmente lançou seu disco de estreia nesta sexta-feira (30). 

Recheado com muito synthpop, aos moldes do “Lady Wood” de Tove Lo, o álbum conta as histórias de uma mulher lésbica que se relaciona secretamente com uma outra que ainda não se abriu sobre sua orientação sexual e tenta mostrar para ela que o homem com quem se relaciona não é a pessoa certa.



Todo mundo pode se identificar com as histórias de Hayley, que são, primariamente sobre amar e ser amada. Indo fundo, entretanto, temos ainda mais: é uma representatividade escancarada que se faz extremamente necessária. Ela não tem medo de falar sobre seus relacionamentos como são, naturalizando todos esses sentimentos e mostrando que, na verdade, tudo é amor e descobrimento, e é isso que faz o disco ser não só um ótimo álbum pop, mas também um importante avanço. Hayley não é só uma promissora artista pop, ela é uma promissora voz. 

Em recente entrevista, a cantora contou que foi questionada por executivos sobre colocar e fazer vídeos sobre garotas.

“Vários executivos da indústria me disseram 'você vai fazer outro videoclipe sobre garotas?'. Eu literalmente olhei pra eles e disse 'bem, sim, Taylor Swift fala sobre homens em toda música e clipe e ninguém reclama que ela não está sendo original”.


Não é preciso de muito para entender que Hayley não fez uma crítica a colega, mas sim reivindicou seu espaço para fazer sua arte do jeito que queria, representando suas histórias da forma que bem entende. Afinal, como cantora heterossexual, Taylor Swift nunca precisou escutar que estava fazendo muitas músicas e clipes sobre caras. É isso que a própria Taylor disse em sua resposta: "Nós deveríamos aplaudir artistas que são corajosos o suficiente para contar honestamente a sua narrativa romântica através de sua arte e é fato que eu nunca me deparei com a homofobia como ela. É direito dela falar sobre todos que tratam de forma diferente o interesse amoroso gay e heterossexual".

Muito se discute sobre o que é a música do futuro. Ainda que a música viva sua fase conservadora, com homens dominando as paradas, acreditamos que esse futuro se vê representado por quem pode trazer não só boa música, mas, também, uma boa narrativa, falar com coragem sobre o que sente e quem é e, dessa forma, trazer representatividade para esse meio.

São mulheres como Kesha e Lady Gaga usando sua voz para denunciar o machismo diário e os abusos da indústria, Kendrick Lamar e Frank Ocean escancarando o racismo, Beyoncé e SZA indo além e desabafando sobre a realidade de uma mulher negra, Camila Cabello falando por uma massa que está sempre prestes a ser jogada para o outro lado do muro de Trump e, agora, Hayley, Troye e tantos outros contando a realidade do que é ser jovens LGBTQs.



A música do futuro é composta por vozes que vão se levantar para falar sobre sua realidade, contar suas histórias e finalmente falar por aqueles que até então não conseguiam ser ouvidos e não se sentiam vistos. Vozes que não só vão nos fazer dançar, mas ajudar a transformar a sociedade. Hayley é mais uma dessas vozes. E por cada uma delas, seremos gratos.

O disco de estreia da Hayley Kiyoko e a importância dessa geração de novos artistas LGBTQs O disco de estreia da Hayley Kiyoko e a importância dessa geração de novos artistas LGBTQs Reviewed by Nathalia Accioly on 4/04/2018 03:16:00 PM Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.