Conversamos com a Vanguart e descobrimos que eles adorariam fazer uma parceria com a Pabllo Vittar

Representantes brasileiros no Lollapalooza? Temos!

Representantes brasileiros no Lollapalooza? Temos! 

A Vanguart participou do Lolla pela primeira vez em 2013, mas, mesmo que já sejam veteranos nos palcos do festival, o gostinho que fica é o de uma nova estreia. Pelo menos foi isso que sentimos ao conversar com o Reginaldo Lincoln, vocalista da banda.

Mais do que animados para tocar na edição de 2018, os caras se sentem extremamente honrados de serem incluídos no que chamam de “a nata da música brasileira”. Também conversamos sobre o que estão preparando para esse show, possíveis parcerias com nomes inusitados e o novo disco, “Beijo Estranho”.


Confira a entrevista completa abaixo:

It Pop: Vamos falar do disco “Beijo Estranho”. Quais foram as inspirações pra esse álbum? 
Reginaldo: Po, muita coisa! Acho que é um disco bem amadurecido da banda, em um momento novo, onde estávamos os quatro, oficialmente (juntos), agora, e a gente tentou focar nas coisas que a gente mais gosta na vida toda. Olhando pra trás e vendo as bandas que a gente mais curtia, a gente conseguiu se libertar de algumas coisas que às vezes nos prendiam. A gente trouxe muita coisa de música brasileira, Clube da Esquina, trouxe muita coisa de David Bowie, de The Beatles, Bob Dylan, Tom Waits, coisas que a gente sempre ouviu. Tentamos fazer uma coisa só disso tudo. 

It Pop: Vocês tentaram trazer uma poesia que não era nem triste demais, nem feliz demais, mais realista. De onde veio esse desejo? 
Reginaldo: Do dia a dia, sabe? A gente vive um dia de cada vez. Ter uma banda hoje é difícil, não tem tanto lugar pra tocar. Mesmo a gente, que tem um público maravilhoso e fiel, às vezes ainda se pega sem lugar pra tocar, em algumas cidades a gente não consegue ir... Então, a gente meio que focou no dia a dia, e o dia a dia é isso: é um dia muito bom, depois é um dia muito ruim, e aí alguns vários dias são um marasmo... A vida é isso. É um disco mais maduro nesse sentido. Não há uma magia dentro do disco, é o disco dentro da vida, é ao contrário. 

It Pop: E vocês lançaram recentemente o clipe de “E o Meu Peito Mais Aberto”, e ele passa aquela sensação de solidão, de vazio, que a letra também passa. Mas, ao mesmo tempo, o instrumental passa aquela sensação calorosa, com cara de música que toca em reencontro de casal em filme de romance. Esse paradoxo foi intencional? 
Reginaldo: É uma música que fala do amor imediato, daquela coisa imediatista do dia a dia. Na verdade, é uma solidão muito profunda, só que na verdade faz apenas 1 minuto que a pessoa saiu de casa e o outro ficou sozinho. Então, é um pouco isso sim. É um pouco essa mistura de intensidade com algo perdido no meio do tempo, ele sem saber quanto tempo tá sozinho... É um amor corriqueiro, mas muito profundo, muito forte.


It Pop: Ultimamente, a gente tem visto uma grande mistura no cenário brasileiro. A galera do funk canta com a galera do sertanejo, a galera do pop vai com a galera do pagode... Aonde você enxerga a Vanguart nessa mistura? Você acha que seria possível alguma parceria bem diferente? 
Reginaldo: Ah, com certeza! Só não sei com quem ainda. Mas eu iria adorar! Eu acho que tem muito artista bom fazendo música ruim e muito artista ruim fazendo música boa. É uma questão de gosto também, mas eu gosto muito de ver alguns funks envaidecendo as mulheres, aquela coisa bonita... Tudo isso é tão forte que, mesmo que eu não goste de alguma música, eu gosto de outras. É uma coisa que faz parte do nosso universo. Porque esses caras são muito mais rock n’ roll do que um monte de banda de rock que eu vejo. Por isso que a gente se identifica e curte pra caramba. Eu ia adorar fazer alguma coisa com algum funkeiro. Não sei se ia dar certo, mas seria o máximo, com certeza. Vamos ver se o Pabllo Vittar conhece a Vanguart! 

It Pop: Uma mistura bem diferente. Seria muito legal! 
Reginaldo: A gente respeita muito e gosta muito. Eu sou muito fã do Liniker, acho que ele tem uma coisa fudida, uma voz incrível, que é meio soul music, aquela coisa fantástica. Estamos abertos!


It Pop: Ela vai cantar no Lolla também! Aí, já tem até uma forma de rolar um encontro...
Reginaldo: Total! E esse line up de bandas brasileiras do Lolla tá sensacional. A gente ficou muito feliz de estar no meio de todo mundo. Também tem algumas bandas mais novas até do que a gente, então, a gente ficou felizão! Acho que eles conseguiram reunir a nata das bandas nacionais. Muito legal. Modéstia à parte, né? (Risos)

It Pop: Antes a gente tinha as rádios, que eram a forma que o artista tinha de fazer as músicas dele aparecerem, aí veio o YouTube, que facilitou tudo isso, e agora o Spotify, que possibilita ver a quantidade de reproduções das músicas, playlists mundiais e tal. Pra vocês que são uma banda mais independente, o Spotify ajuda vocês? Como? E como vocês se adaptam a esse novo consumo de música? 
Reginaldo: O Vanguart surgiu no começo da internet, no começo do streaming, do YouTube. Então, a gente só continuou a fazer o que a gente já fazia. As plataformas vão mudando, mas a nossa ideia e nossa intenção permaneceu a mesma. Engraçado que a gente permeia as rádios e televisão, e vende CD pra caramba em show, mas a gente sempre teve tudo acontecendo. Nunca foi “ah, não, Vanguart é uma banda que a galera só ouve no Spotify”. Não, não, estamos em tudo isso.



O Spotify e a Apple Music, essa coisa de streaming, é muito legal. Você tem a possibilidade de conhecer a discografia completa do artista, às vezes tem alguma coisa exclusiva pro canal, então, é muito legal. Eu sou super aberto, mesmo amando vinil e CD. Eu gosto muito. Acho que é uma possibilidade incrível das pessoas conhecerem a fundo mesmo o trabalho e facilita muito. Você tá com o celular na mão e ouve o que você quiser, com a qualidade boa. É maravilhoso! Acho que os próximos anos serão melhores ainda. Só espero que as pessoas não parem de comprar CD e vinil, porque tem uma magia também, é diferente, né? Quem gosta de música não vai parar de comprar, mas R$ 15,00 por mês pra você ouvir tudo ao invés de gastar R$ 100,00 comprando 5 CDs... Eu sei que tem gente que vai parar de comprar, mas, faz parte. Aí é cada um. 

It Pop: Vamos falar um pouco mais do Lolla. Tá chegando, tá cada vez mais perto. Qual é a sensação de representar o Brasil em um festival tão grande e importante?
Reginaldo: Demais, né? Vai ser a nossa segunda vez no Lolla. A primeira vez a gente tocou em 2013 e já foi um absurdo. Foi do caralho. Foda. 

It Pop: E o Lolla só cresceu desde então, né? 
Reginaldo: Exatamente! Três dias agora. E tanta banda boa! A gente tocou na mesma noite do Pearl Jam da primeira vez e agora vai ter o Pearl Jam de novo, só que a gente vai tocar na mesma noite do (Red Hot) Chilli Peppers. É muito foda! São bandas muito importantes e eu, pessoalmente, gosto muito e igualmente das duas. Vai ser foda! Eu to muito feliz. É um festival muito importante. Todas as bandas que tocam no Chile, em outros lugares, acabam vendo as bandas que tocam aqui, em São Paulo, então é uma troca muito legal. Tem tudo pra ser um grande dia, com certeza.


It Pop: Além de tocar no Festival, com certeza tem alguns artistas que vocês estão bem animados para assistir. Quem vocês mais querem ver? 
Reginaldo: Olha, difícil essa pergunta, porque eu não posso dizer pela banda (risos), mas o Pearl Jam é com certeza a banda que eu mais gosto de todas. Eu fiquei muito feliz que vai ter o Terno, o Liniker, a Mallu (Magalhães) de novo... São artistas que compartilham da mesma pegada da gente, fazemos as coisas de forma muito parecida, nosso fãs são os mesmos e isso é muito legal. Mas tem muita banda boa! Spoon é uma banda muito massa, LCD Soundsystem, adorei que vai ter esse show incrível deles, e os Chilli Peppers, que a gente vai tocar no mesmo dia. Os caras estão lançando disco bom ainda, uma banda incrível e vai ser foda. To louco pra ver ao vivo. 

It Pop: E o que vocês estão preparando pro show? Alguma novidade que possam adiantar pra gente? 
Reginaldo: Esse show é um show curto. A gente tem feito shows de quase 2 horas já, porque com 4 discos é foda fazer um show de pouca música. Vai ser um show de 1 hora só, então a gente vai tentar fazer um apanhado das canções que a gente mais gosta e das preferidinhas da galera, mas é a turnê do “Beijo Estranho”. É o nosso novo show, com as canções do disco novo e as canções que as pessoas gostam, as canções que definem o que é o Vanguart. Acho que esse é um momento muito bom nesse sentido. É definitivo no sentido do que é o Vanguart. O Vanguart é isso aqui: tem 12 canções que definem a banda. São essas 12 que vão estar no show do Lolla.

***

Parece que nós temos uma nova missão: fazer a parceria Vanguart e Pabllo Vittar acontecer. Enquanto a colaboração não vem, fique com o disco "Beijo Estranho" e a certeza de que esse show no Lollapalooza vai ser inesquecível!

A Vanguart toca na sexta-feira de Lolla, dia 22 de março, e ainda tem ingresso pra esse dia! Corre lá no site pra não perder. 

Conversamos com a Vanguart e descobrimos que eles adorariam fazer uma parceria com a Pabllo Vittar Conversamos com a Vanguart e descobrimos que eles adorariam fazer uma parceria com a Pabllo Vittar Reviewed by Nathalia Accioly on 2/23/2018 12:32:00 AM Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.