Sem avisar, Taylor Swift tira do ar todas suas músicas no Spotify e, assim como os fãs, serviço online pede para tê-las de volta

Depois de lançar um álbum sonoro após todos ficarem sabendo de sua existência e sem lançar clipes pra todas as suas faixas, mas, até o mo...
Depois de lançar um álbum sonoro após todos ficarem sabendo de sua existência e sem lançar clipes pra todas as suas faixas, mas, até o momento, apenas para o seu primeiro single, a cantora propriamente pop Taylor Swift continua se mostrando um nome em potencial para impactar a indústria neste ano, de forma bem semelhante ao impacto pós-Beyoncé que o mercado sofreu em dezembro, quando a hitmaker de “I Was Here” lançou seu CD visual com todos os clipes de uma só vez, surpreendendo a crítica e público.

Mas como a divulgação não para após a chegada do disco, o próximo passo de Taylor Swift foi ainda mais imprevisível e, de surpresa, a cantora e sua gravadora removeram suas músicas do serviço de música online Spotify, caminhando contra a maré que, bem, todos os artistas têm seguido rotineiramente.

A verdade é que, ainda que seja um dos principais serviços de streaming online, assim como um dos mais vantajosos para nós, meros ouvintes, o Spotify não oferece lá uma quantia muito generosa ao artista, que tem sua recompensa passada por muitas mãos e cálculos até que realmente chegue a você, de forma que essa possa ter sido a grande razão da saída de Taylor, que não deu maiores explicações ao serviço de transmissão pela rede mundial de computadores.

Em contrapartida, também há uma segunda e menos ousada explicação para o ocorrido. A gravadora de Taylor Swift, Big Machine, está passando por um processo de transição contratual, o que também explicaria sua repentina retirada do Spotify. Mas, assim como nós, o site não tem dado muito crédito à esta ideia, visto que não hesitou em usar suas redes-sociais pra pedir a volta da cantora de “New Romance”, até preparando uma playlist com uma mensagem pra lá de subliminar à moça:



“Volta, Taylor: Ei Taylor, nós queríamos tocar suas incríveis músicas de amor e elas não estão aqui exatamente agora.”

De duas uma. Ou Taylor Swift volta, finge que nada aconteceu, e simplesmente usa a história da gravadora, até porque tem crescido de forma significativa dentro do catálogo do Spotify e o serviço, ainda que pouco lucrativo para os artistas, é uma maneira criativa e segura de combater a pirataria. Ou a cantora mantém a postura anti-Spotify, na esperança que outros artistas façam o mesmo e comecem uma espécie de novo movimento na indústria, mais ou menos como aqueles que lançaram álbuns visuais depois da Beyoncé (que não inventou a prática, mas popularizou, aceite você ou não).

Seja como for, tanto nós quanto o Spotify saem perdendo com o sumiço de Taylor Swift, ainda que não saibamos por qual razão. </3