Overdose | Chloë Moretz tenta renovar sua imagem em 'Se Eu Ficar'!

Chloë Grace Moretz pode não ser (ainda) uma grande atriz, porém caiu no gosto do público teen. Assim como Shailene Woodley e Jennifer Law...
Chloë Grace Moretz pode não ser (ainda) uma grande atriz, porém caiu no gosto do público teen. Assim como Shailene Woodley e Jennifer Lawrence (conhecida também como dona do mundo, e isso inclui nosso blog), a moça procura fazer trabalhos que possam trazer um maior reconhecimento de quem ainda não caiu em seus encantos. Isso envolve apagar a imagem de boa menina construída despretensiosamente ao longo da sua carreira. "Se Eu Ficar" pode não ser sua "Trapaça", porém a guria trilha no caminho certo.

MAS, antes de tudo, vamos ao trailer + sinopse rápida:


Moretz é Mia, uma violoncelista de 17 anos, e namorada de Adam, um roqueiro indie em ascensão. Mia como qualquer outra adolescente deve tomar suas decisões, as vezes simples ou não. Porém, após um acidente de carro, Mia entra em coma e deve tomar uma de suas maiores decisões. Viver ou morrer?

Aqui, como você deve ter percebido com o trailer, não temos grandes nomes, um elenco de peso. Moretz é realmente o grande destaque ("Mas ela não é a protagonista? Tem a obrigação de ser o prato principal" - vamos ignorar comentários do tipo tá?). Apenas seu nome é suficiente para chamar a atenção de qualquer um que tenha interesse pela guria ou que tenha pelo menos uma vez na vida ter ouvido "Chloë Moretz" em algum lugar. Caso tenha simpatizado com algum rosto desconhecido, temos também: Jamie Blackley ("Branca de Neve e o Caçador", 2012), Mireille Enos ("Guerra Mundial Z", 2013), Joshua Leonard ("True Detective", 2014), Stacy Keach ("Sin City: A Dama Fatal", 2014) entre outros.

Pareceu um ctrl+c, ctrl+v do último Overdose, o parágrafo acima.



A direção do filme fica por conta de R. J. Cutler, e sim você provavelmente nuuunca deve ter ouvido falar no rapaz. Cutler está fazendo sua estréia com longa-metragens, já que sua praia são documentários. Para dizer que Cutler nunca fez algo que chegasse a ser tão comercial quanto um filme, ele ficou responsável por dois episódios de "Nashville", do canal ABC.

"Se Eu Ficar", baseado em livro de mesmo nome, trouxe uma questão simples (e intrigante), porém ainda sem sua resposta realmente definida. Se você tivesse a chance de escolher entre a vida e a morte, qual decisão tomaria? Neste momento você deve estar escutando um "A vida, é claro!", ou algo do tipo em seu sub-consciente. Mas essa seria a decisão certa a tomar? Poderíamos ficar por ~horas~ discutindo tal questão, mas não somos filósofos e preferimos deixar o mistério no ar. rs


A essa altura do texto, você, caro leitor, pode (ou não) estar se perguntando porque dizemos lá em cima que o longa possa não ser a escolha certa para apagar a imagem de boa moça de Moretz. Pois bem, adolescentes. Hoje, é difícil encontrarmos um "As Melhores Coisas do Mundo", ou algo similar ao "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho" ou até um "As Vantagens de Ser Invisível": filmes com tramas adolescentes que apresentem um enredo despretensioso e que seja executado com tanta maestria.

Não, ainda não tivemos a oportunidade de assistir o filme ou até ler o livro, mas sempre ficamos com o pé atrás em relação à tais tramas, e podemos ficar ainda mais receosos quando temos um tema tão "diferente". E antes que venha fãs enfurecidos com o parágrafo acima, tudo pode ser uma simples implicância nossa. Acredite, esperamos que seja!

Apesar de tudo, esperamos um bom filme, independente de Moretz abandonar ou não a imagem de boa moça, se é que ela realmente quer acabar com ela (só tem 17 anos a guria). "Se Eu Ficar" trouxe uma questão de difícil resposta, e o lado adolescente da trama pode atrapalhar a procura dela. E, longe de ser um dos melhores filmes para tal público, ele trará lágrimas e entrará para a listinha de "melhor coisa que vi na vida" de alguém.