Uma década da cultura pop: essa é sua chance de levar para casa 10 discos que marcaram a indústria pop nos anos 2000!

Ainda que muitos fãs de cultura pop costumem dividir a década de 2000 como Antes e Depois de Britney Spears em 2007 , tanto pelo lançame...

Ainda que muitos fãs de cultura pop costumem dividir a década de 2000 como Antes e Depois de Britney Spears em 2007, tanto pelo lançamento do Novo Testamento, "Blackout", quanto por sua icônica, de forma negativa, passagem pelo VMA em 2007, devemos reconhecer que essa década foi marcante para o gênero nos mais diversos tópicos, revolucionando desde os videoclipes à forma como esse tipo de música seria consumido dali em diante e por isso somos gratos à todos os artistas que, durante esse período, lançaram novos materiais, mesmo que eles não fossem tão bons.

tumblr_n4xctaPTPL1qk08n1o2_250.gif (245×245)

Traçando uma linha do tempo, podemos começar a falar sobre a década de 2000 citando o oitavo álbum de estúdio da rainha do pop australiana, Kylie Minogue, "Fever". Repleto de influência do pop europeu e com quês do dance dos anos 70, o disco arrancou mais e mais elogios dos críticos no tempo em que foi lançado, e conseguiu até mesmo uma boa colocação nas paradas dos EUA, rendendo a Minogue sucessos como "Can't Get You Out Of My Head".



No mesmo ano, quem também lançou disco novo foi a P!nk, que retornou impressionando o público e críticos com seu "M!ssundaztood". Apresentando mudanças se comparado ao seu disco de estreia, o segundo álbum da cantora foi o responsável por algumas características que ela carrega em seu trabalho até hoje, trazendo uma sonoridade mais pop-rock, sem abandonar o R&B que ditou seu disco de estreia mais urbano, "Can't Take Me Home". Com ele, a cantora garantiu hits como "Get The Party Started" e "Don't Let Me Get Me", além da ~polêmica~ "Just Like A Pill".



Avançando no tempo, esbarramos então com uma Christina Aguilera bem diferente da que conhecemos hoje. Com a barriga de fora (e alguns piercings, no plural, pela área do umbigo) e um jeans rasgado, foi em 2002 que Xtina lançou um dos álbuns mais expressivos de toda sua carreira, sendo ele o divisor "Stripped". Naquele desafio de amadurecer para a mídia, Aguilera passou durante esse período pela mesma fase que hoje acompanhamos com nomes como Miley Cyrus, Selena Gomez e Ariana Grande, mas pareceu tirar isso de letra, ainda que contasse com um obstáculoney no caminho, extraindo do disco sucessos como "Beautiful", "Fighter", "Dirrty" e o hino feminista "Can't Hold Us Down".



Em 2003, foi a vez da Beyoncé brilhar e ela fez isso com maestria ao som do seu álbum de estreia em carreira solo, "Dangerously In Love". Ainda que a pressão fosse grande, sendo esse seu primeiro CD desde o hiato das Destiny's Child, foi com esse registro que Beyoncé ditou boa parte do que a ouvimos fazer até os dias de hoje, num disco cheio de influências do soul e R&B, só que retrabalhados para soarem radiofônicos ao estilo Bey. "Crazy In Love", "Baby Boy" e "Naughty Girl" foram alguns dos singles extraídos deste disco.



Com o mesmo corpo em que recentemente apareceu na capa do seu novo álbum, "Me. I Am Mariah... The Elusive Chateuse", um dos maiores destaques na indústria musical estadunidense em 2005 também foi do R&B, sendo esse o décimo álbum da cantora Mariah Carey, "The Emancipation of Mimi". Dona dos melhores títulos para álbuns de todos os tempos, foi com esse disco que Carey teve seu grande retorno, depois do fiasco de seus discos anteriores, "Glitter" e "Charmbracelet", e aproveitou bem o momento, extraindo do disco nada menos que S-E-T-E singles, incluindo os sucessos "We Belong Together" e "Don't Forget About Us". No mesmo ano, quem também esteve nos holofotes foi a Rainha do Pop, Madonna, e também com um álbum que fez a diferença, não só no mercado dos EUA como em todo o mundo.



Ganhador do Grammy de Melhor Álbum Dance/Eletrônico, "Confessions On A Dance Floor" foi o décimo álbum de Madonna e, apos alguns problemas para definir qual rumo nele seria seguido, terminou com uma sonoridade que pega bastante coisas emprestadas do ABBA, Depeche Mode, Pet Shop Boys e Donna Summer, com um dance ora setentista, ora oitentista, e trazendo no fim uma única certeza: não importa em qual década estamos, nós vamos dançar. "Hung Up", "Sorry", "Get Together" e "Jump" foram os dos singles extraídos do Primeiro Testamento.



Dois anos depois, eis que o Testamento é reescrito e por Britney Spears. Em um momento conturbado de sua carreira, marcado pelo assédio da midia, problemas na vida pessoal e até alguns distúrbios, a Princesa do Pop resolveu transformar seus transtornos em música e tirou disso uma das suas melhores produções. No excesso de obscuridade, introduziu na história uma sequência de LEDs, provavelmente da festa mais próxima, e com isso rendeu músicas como "Gimme More", "Piece Of Me" e "Break The Ice" (sdds continuação). De acordo com o Wikipédia, um dos produtores do álbum é Jesus.



Enquanto Britney Spears refazia o pop, o R&B também tinha suas definições atualizadas, mas por uma outra cantora. Procurando seu lugar ao sol há alguns anos, foi em 2007 que Rihanna nos presenteou com seu terceiro disco, "Good Girl Gone Bad", iniciando dentro da ceita do Jay Z e abrindo seus rituais com o smash hit "Umbrella". Não sabemos se vocês lembram disso, mas neste tempo, A INTERNET FOI DE RIHANNA e todos, desde bandas de rock gospel à sua avó que tem Whatsapp, estavam no Youtube fazendo covers do seu sucesso. Aliás, não tem palavra melhor pra definir esse disco e era da cantora barbadiana: sucesso. "Good Girl Gone Bad" também contou com singles como "Shut Up and Drive", "Hate That I Love You" e "Don't Stop The Music", além da parceria com o Justin Timberlake em "Rehab".



Faltando 3 anos para o fim da década, já temos certa dificuldade para respirar e assimilar tantas mudanças. Teve a cantora australiana roubando a cena nos EUA, a outra americana nos avisando que cresceu, a Rainha do Pop escrevendo o Primeiro Testamento e depois passando essa responsabilidade para a Princesa do seu reino e, se não fosse o suficiente, ainda nos mostramos prontos para aceitar Beyoncé e Rihanna, mas não acabou, pois na reta final, também fomos apresentados a duas novas cantoras, sendo elas a californiana Katy Perry e a nova-iorquina Lady Gaga.



Foi em 2008 que as rádios foram impactadas com "I Kissed A Girl" e "Just Dance", uma fazendo um pop-rock pra lá de ousado, enquanto cantava sobre seu primeiro beijo com uma garota, e a outra com uma proposta mais eletrônica, cheia de sintetizadores, nos induzindo a apenas dançar. Com seu disco de estreia, "One Of The Boys", Katy Perry oficializou o fato de ser um nome para ficar de olho e dele ainda extraiu sucessos como "Hot N' Cold" e "Waking Up In Vegas", enquanto Lady Gaga e seu "The Fame" também preparou o mundo para uma nova era dos videoclipes, com investimentos em produções absurdinhas e que causam efeitos na indústria até hoje, como "Paparazzi". O disco também contou com os singles "Poker Face" e "Love Game". Daí em diante, a história todos vocês conhecem.



De certo, olhando assim, dá até aquela vontade de voltar no tempo só pra sentir cada um desses lançamentos acontecendo novamente, não é mesmo? Até porque no começo disso, láaa com a Kylie Minogue e seu "Fever", o público ainda lidava com uma forma totalmente diferente de consumir essa cultura, sem toda essa exploração do nome dos artistas, além de conteúdos não tão facilmente acessíveis como atualmente, em que um single chega até o público antes mesmo de ser oficialmente lançado, mas é assim que o ciclo segue e sabemos que cada um desses lançamentos contribuiu, nem que de uma forma bem pequena, para a cultura pop que amamos hoje. E só pra não cometer injustiças, também devemos lembrar que essa década incluiu outras coisas como a estreia da banda La Roux com seu disco autointitulado, lançado em 2009, além dos discos "We Are Born" e "Body Talk", respectivamente da australiana Sia e sueca Robyn, sendo esse último responsável por boa parte do que influenciou o electropop nos anos seguintes.



MAS CALMA QUE NÃO ACABOU. Se você não é tão íntimo dos discos aqui citados, recomendamos que dê uma conferida em todos, até porque é provável que encontre um pouco das divas que ama hoje por lá, mas se seu caso for outro, fica tranquilo, pois depois de lembrá-lo de quanto tempo passou desde então, vamos animá-lo alertando que todos os 10 discos citados entre a linha traçada de 2001 à 2008 poderão ser seus e de uma forma muito simples.



Em colaboração com os blogs amigos Contém Pop e QDNG, nós estamos sorteando os dez discos + dois DVDs e para participar é só curtir as páginas dos blogs envolvidos (botões acima), além de clicar em "Quero Participar" neste aplicativo do Facebook.

O sorteio será realizado no dia 16 de junho e apenas um vencedor levará os D-E-Z discos para casa. É tanta cultura pop que é capaz de no dia seguinte acordar e esbarrar com sua mãe vestida de Marilyn Monroe, o pai fazendo o "moonwalk" e a irmã mais nova arriscando um twerk à la Miley Cyrus. Hahahah.