É questão de tempo para que Patty Jenkins tenha uma maior influência no universo DC

Vem salvar o universo DC, mulher!

"O estilo escolhido [pela DC], uma tentativa de ser diferente e dar um olhar com uma perspectiva diferente, não necessariamente funcionou. Sim, fez dinheiro, mas não foi um sucesso de crítica; não deu a alguém a sensação que os heróis deveriam dar ao público. (...)  ‘Mulher-Maravilha’ foi o primeiro passo na direção correta", aponta Henry Cavill numa entrevista sincera para a revista The Rake. Sim, não deu certo.

Influenciados pelo estilo um tanto quanto realista e sombrio de Christopher Nolan na trilogia "O Cavaleiro das Trevas", os grandões da Warner e DC optaram por seguir uma linha similar em sua primeira produção que abriria espaço para um universo compartilhado.


Dirigido por Zack Znyder, "Homem de Aço" chegou aos cinemas em 2013 apostando em um Superman nem um pouco experiente que sequer conseguiu transparecer o simbolo de esperança que o herói representa. A produção trouxe o personagem contribuindo para a destruição de duas cidades e matando um personagem de forma cruel. Estes últimos pontos não funcionaram muito bem para o público.

Propositalmente ou graças às reclamações do público, "Batman VS Superman: A Origem da Justiça", também dirigido por Snyder, pegou esta mesma premissa para promover a luta contra o Batman que, sentindo-se ameaçado pelo alienígena, achou necessário fazer uma intervenção. O filme poderia dar certo só com isso, porém as subtramas extrapolaram seu espaço, resultando em uma produção confusa e extremamente cansativa. Em contrapartida, corrigiu alguns erros do antecessor e estabeleceu os dois personagens-chave para a Liga da Justiça: o morcegão e Mulher-Maravilha.

"Esquadrão Suicida", que conta com a direção de David Ayer, é um filme tão aleatório que contribui em n a d a para o universo, trazendo apenas Margot Robbie de forma majestosa na pele de Arlequina. Vamos então ao que realmente interessa: "Mulher-Maravilha".



Com três erros consecutivos e pouquíssimos acertos neste início caótico, a Warner e DC viram que realmente não estava dando certo esta proposta "sombria" do universo, seja pela má execução ou aceitação do público. A solução, logo, foi ir contra sua própria maré, promover um filme leve, para o povão e com o famigerado fanservice dosado.

"Mulher-Maravilha" é o primeiro grande acerto em quatro anos de tentativas. O longa-metragem de Patty Jenkins é bem ordinário e tem até alguns problemas — que soam como dedo dos produtores —, porém é bem executado em sua maioria de duração, com personagens ótimos e Gal Gadot ganhando seu merecidíssmo espaço e provando o porquê de ter sido escolhida como Mulher-Maravilha. Fora isso, o filme é importante para a história cinematográfica por vário motivos, como por ser o primeiro filme dirigido por uma mulher com a maior arrecadação do cinema.



A produção chegou em merecidos US$ 821,74 milhões em arrecadação, quebrando o recorde de "Homem-Aranha" (2002) que durava já 15 anos. "Mulher-Maravilha" é agora o filme de origem mais lucrativo da história. O sucesso é real, a aceitação do público também e a Warner sabe disso. Tão felizes, Patty Jenkins e Gal Gadot?

"Liga da Justiça" chegou aos cinemas nesta última quarta-feira no Brasil. O longa segue a proposta leve imposta em "Mulher-Maravilha", porém os frutos colhidos não parecem ser os mesmos. A recepção da produção segue tão mista quanto os filmes pré-MM, com até mesmo os fãs entrando em choque já que por um lado detestaram a abordagem divertida e aventuresca, enquanto outros amaram este "novo tom".

No Rotten Tomatoes, "Liga da Justiça" não tem uma das melhores aprovações da crítica (40%), com um pessoal achando até mesmo que a crítica americana tenha um certo ranço (risos) com Zack Snyder, já que dos cinco filmes do Universo Cinematográfico DC, três são dele e todos têm uma porcentagem bem baixa de aprovação. Em contra partida, a aprovação de público está alta (89%). Entretanto, não são as aprovações do Rotten Tomatoes que irão definir o futuro do universo DC no cinema. Sempre foi a bilheteria das produções que define os próximos passos.


Todos os filmes passam fácil da casa do meio bilhão, porém nem os números grandiosos de "Batman VS Superman", o que mais arrecadou até agora, são bons suficientes. "A Origem da Justiça" promoveu o combate entre os dois maiores personagens da DC, e nem isso foi suficiente para trazer o filme ao 1 bilhão, arrecadando U$ 872,7 milhões.

"Liga da Justiça" também não deve trazer a arrecadação desejada pelo estúdio. Só em seu final de semana de estreia nos Estados Unidos, a produção sequer conseguiu chegar em 100 milhões, arrecadando U$ 96 milhões, marcando a pior estreia do Universo DC nos cinemas americanos. Mundialmente, o longa-metragem chegou em U$ 281,5 milhões. Levando em consideração a recepção negativa da crítica, que influencia muito, "Liga da Justiça" também não deve chegar na casa do bilhão.

Pouco importa se a visão/direção de Zack Snyder é boa ou ruim, mas ela não funciona financeiramente como deveria — a arrecadação dos filmes é boa, mas poderia ser muito melhor. É aí que entra Patty Jenkins. "Mulher-Maravilha", um filme solo timidamente contido e com poucas pretensões, quase fez o mesmo dinheiro que "BVS", e ainda contou com um orçamento bem menor, o que gerou um maior lucro. A mulher com U$ 149 milhões para a produção fez U$ 821,7 milhões de bilheteria.


O público adora "Mulher-Maravilha", a diretora soube vender bem a sua ideia de herói, a crítica ama e o melhor: usou metade do dinheiro que boa parte dos filmes usou na produção. Se a Warner quer ser efetiva nestes quatro pontos, é Patty Jenkins quem deve assumir um futuro filme da Liga da Justiça ou até mesmo ampliar a visão da diretora em outros filmes. Nós realmente vemos essa possibilidade caso "Mulher-Maravilha 2" faça o mesmo, ou talvez maior, sucesso de bilheteria que seu antecessor. Claro, desde que "Liga da Justiça" faça um dinheiro absurdo — o que é difícil —, Zack Snyder ainda deve continuar na direção do próximo filme da Liga e até mesmo sua visão deve ser mantida no universo.