Recap | "AHS: Cult": Ally não fez nada de errado

O terceiro episódio mostra que há mais do que um surto psicótico na vida de Ally.

As coisas começaram a fazer sentido em “AHS: Cult” e sim, Ally não é completamente louca (ainda) - existe algo por trás de tudo o que está acontecendo em sua vida. O terceiro episódio da temporada começa com uma longa cena do casal Mark e Rosie falando com o Dr. Rudy Vincent (Cheyenne Jackson), sobre a superação da fobia de Rosie (de ficar enclausurada em lugares pequenos). Após a cena, o casal volta para casa e são surpreendidos pela gangue de palhaços, que finalmente sabemos que são reais e não apenas uma invenção da cabeça de Ally. Essa cena é toda muito estranha, e o Dr. Vincent passa a ser um dos suspeitos da trama diabólica que está acontecendo nessa pequena cidade do Michigan. O psiquiatra tem todas as informações de seus pacientes nas longas sessões de terapia, e o terror proporcionado pelos palhaços consiste em abalos psicológicos, usando as fobias, o que só Vincent poderia saber. 

De maneira mais simples do que costumava-se fazer na série, o terror é construído com o uso de beats rápidos e simultâneos; a todo tempo há uma informação, um novo estímulo, um novo som ou personagem que nos desorienta e deixa-nos angustiados a todo momento. Além disso, “AHS: Cult” não esquece da trama política, satirizando a esquerda americana também, como na cena em que Harrison e Meadow, vizinhos de Ally e Ivy, aparecem à sua porta usando sombreiros e atacando Ally por seu “privilégio branco e preconceito”, pela morte do funcionário de descendência latina Pedro. O casal é um tapa na cara do estereótipo liberal americano, que entre discussões e ataques entre seus pares permitiu a vitória de Trump. 

Sobre a ideologia de Ally, aliás, temos no episódio “Vizinhos do Inferno” o questionamento dos valores da protagonista: aceitar o discurso de legítima defesa ou se entregar como culpada? Como é um caminho muito difícil, Ally decide conversar com os manifestantes que querem sua cabeça, o que é uma péssima ideia, como não poderia ser diferente. Para salvá-la, existe Kai, que parece estar sempre presente para ajudá-la e dar um “have a nice day”. Ambos, que estavam em faces opostas do espectro político, após a radicalização que se espalhou por todos os lados, agora estão próximos, embora Ally prefira morrer a admitir. 

Kai, que tem seu lado político pouco abordado no episódio, também entrega algumas pontas importantes: o ritual estranho que fez com Winter no primeiro episódio se repete, dessa vez com Harrison e Meadow. É a primeira conexão mais forte de Kai com tudo o que está acontecendo na cidade e na vida de Ally. O suposto culto começa a ter suas formas, e aqui vai minha opinião: o culto é inspirado nas ideias de Kai (ou talvez do Dr. Vincent, o que soaria mais profissional), e tem como objetivo espalhar o medo, como o próprio Kai diz “você quer ser alguém? Ser importante? Então faça o mundo estar errado”, e a missão atual deles é infernizar a vida de Ally. Poderíamos dizer que em um primeiro momento que há algum ódio por Ally e há intenção em matá-la, mas talvez seja justamente o contrário: há uma certa disposição do culto em aceitar pessoas homossexuais (Winter e agora Harrison, que deixa escapar sua atração por homens), o que pode significar que tudo isso é um recrutamento. Somente suposições. 

E Ivy? Há algo por trás de sua irresponsabilidade afetiva ou ela apenas está cansada? Não a descartamos como parte do culto, que pode estar muito mais penetrado na vida de Ally do que imaginamos. Ainda estamos no terceiro episódio, e muita coisa pode rolar.