Do pop ao R&B, é difícil não viciar no disco de estreia do baiano Kafé

Nossa nova aposta, Kafé pode repetir o feito de Pabllo Vittar que, do Maranhão, se tornou referência em meio ao mercado dominado por SP e RJ.

“Nem sei o que vai ser, mas tem que ser com você”, canta o baiano Kafé na música “360”, que abre seu disco de estreia, autointitulado, ousadamente lançado em plena semana do Rock in Rio e que, aos poucos, tem conquistado o seu lugar ao sol.

Ouça Kafé e mais do pop nacional na playlist “Novo Pop Brasil”

Apesar de ser composto só por 10 faixas, há muito o que explorar no disco “Kafé”, que leva o sotaque do cantor por vertentes do pop ao R&B, com perceptíveis influências dos últimos sons do Drake, que pendeu para o pop desde o hit “Hotline Bling”, sucedido por faixas como “One Dance” e a playlist “More Life”.



Com a vantagem de ser seu primeiro trabalho, o brasileiro tem aqui a oportunidade de mostrar a que veio e, por isso, não limita seu espaço, flertando com o house, trip-hop e até uma pegada mais acústica, como tende a funcionar com nomes masculinos no pop nacional, aos exemplos de Tiago Iorc, Jão e Silva.



Ao seu favor, tem ainda fatores como a falta de nomes masculinos em exposição no pop brasileiro, assim como o diferencial por vir da Bahia, podendo repetir o feito de Pabllo Vittar que, vinda do Maranhão, se tornou referência em meio ao mercado homogeneamente dominado por nomes de São Paulo e Rio de Janeiro.

Até aqui, nossas favoritas do disco são as investidas no pop, como “Sol”, “Quando Chegar”, “Nós 3” e “Confiar”. Ouça abaixo e tire as suas conclusões: