O grande “pacito” da música latina pode torná-la a próxima tendência da indústria pop

A música latina tem ganhado cada vez mais espaço mundialmente e tem tudo para suceder o tropical house nas paradas.

Ainda que enfrente muita resistência nas rádios e paradas dominadas pela hegemonia americana, o pop latino esteve por muitos anos a espera de uma oportunidade para mostrar cultura pra esse povo, colecionando nesse tempo uma leva de hits esporádicos nas vozes de Shakira, Jennifer Lopez, Enrique Iglesias, Pitbull, Daddy Yankee, entre outros nomes, e eis que, com um empurrãozinho dos streamings, nossos conterrâneos finalmente se encontraram à frente das paradas e estão prestes a alcançarem um feito histórico.


Se as previsões estiverem certas, a próxima música a encabeçar o topo da Billboard Hot 100 será a parceria de Luis Fonsí com Daddy Yankee e Justin Bieber, “Despacito”, e caso isso se concretize, essa será a primeira vez que uma faixa majoritariamente em espanhol estará no topo da parada americana desde 1996, quando a lista foi liderada por “Macarena”.



O sucesso de Luis Fonsí com Bieber, entretanto, é consequência de uma longa mudança que já vinha surtindo efeito pela internet. Cada vez mais fortes, as plataformas de streaming vêm propondo uma longa reeducação na maneira como consumimos música e, por meio de playlists e paradas como a ‘Global Top 50’, do Spotify, nos permite acompanhar não só os sucessos mundiais, mas também as faixas emergentes em regiões específicas, contribuindo pra que conheçamos produções além da bolha norte-americana, o que beneficiou não só os artistas latinos, como também asiáticos e de países nórdicos.

Outra coisa que facilitou a redescoberta e ascensão do pop latino foi a forma como os artistas do gênero vieram se ajudando ao longo dos últimos anos, fazendo inúmeras colaborações que, conforme alcançavam um público maior, levavam com elas outras faixas como sugestões. Isso explica a quantidade de músicas que vimos nos últimos meses com nomes como Maluma e J Balvin, além de, em anos anteriores, Daddy Yankee e Pitbull.



Com a pluralização das paradas após os streamings, foi comum que o público buscasse cada vez mais por sotaques diferentes dos usuais hits americanos. Foi assim que Sia emplacou o remix de “Cheap Thrills” com o jamaicano Sean Paul, Drake não perdeu tempo com o nigeriano Wizkid em “One Dance” e  também colou com Rihanna, que trouxe mais referências da música jamaicana em “Work”.

O pop latino, por sua vez, já vinha caindo nas graças de muitos artistas conhecidos pelas paradas americanas. A própria Sia lançou uma versão de “Cheap Thrills” com o rapper e cantor Nicky Jam, de Porto Rico, e as versões latinas se estenderam para “Sorry”, do Justin Bieber, com participação do J Balvin, e, usando um exemplo mais recente, “Shape of You”, do Ed Sheeran, relançada com a dupla Zion & Lennox.



Entre o público adolescente, os latinos também estão ganhando vez. Revelações como o cantor Abraham Mateo e a boyband CNCO são cada vez mais frequentes nas listas de mais ouvidos do Spotify, na maioria das vezes ao lado de nomes também conhecidos por seus trabalhos na televisão, como as atrizes e cantoras Lali e TINI.



No Brasil, não tem sido diferente! Anitta foi um nome essencial para a popularização de faixas como “Ginza”, do J Balvin, e “Sim ou Não”, com Maluma, e além de ter contribuído pra que as canções fossem inevitáveis sucessos em solo nacional, abriu a porta para outros artistas, como Zion & Lennox, que há algumas semanas lançaram uma versão de “Otra Vez” com vocais da Ludmilla.



O cantor colombiano Maluma, que colaborou com Shakira, Anitta, Ricky Martin, entre outros nomes, também tem se saído bem sozinho com o single “Felices Los 4”, que já aparece entre as faixas virais do Spotify no mundo e, na estreia do seu videoclipe, se tornou o clipe latino mais assistido em 24 horas. O clipe já conta com mais de 115 milhões de visualizações.


Uma vez no topo das paradas, será cada vez mais fácil para a música latina se consolidar mundialmente, e grandes nomes para isso não faltarão. Shakira, que recusou lançar uma versão em inglês de “Chantaje”, por anos foi um dos principais expoentes da música latina para o mundo e, atualmente, está gravando seu novo disco, totalmente em espanhol; Enrique Iglesias, que atualmente promove o single “Subeme La Radio”, também está com seu próximo trabalho prestes a sair do forno e, de volta ao campo das revelações, a ex-Fifth Harmony, Camila Cabello, deu indícios de que assumirá suas origens cubanas no trabalho de estreia solo, investindo mais no que fez com Pitbull e J Balvin em “Hey Ma”.



Usted percibió que los latinos están incluso dominando el mundo, ¿verdad? Pra completar esse intensivão, a gente preparou a playlist “Dominação Latina” no Spotify, qual aconselhamos que você siga o quanto antes, pra acompanhar esse pisão na hegemonia americana com a gente: