Sony Music corta suas relações com Dr. Luke, mas isso não significa nenhum avanço para Kesha

Em suma, não há muito o que comemorar.

O caso de Kesha contra Dr. Luke ganhou um novo episódio nessa terça-feira (25), quando o site Hollywood Reporter anunciou que a gravadora Sony Music encerrou sua parceria com o produtor e seu selo, Kemosabe Records.


A relação entre a Sony e Luke se firmou em 2011, resultando na contratação e contribuição para a visibilidade de artistas como Kesha, Becky G, Juicy J, entre outros nomes, mas chega ao fim dado o conturbado cenário em que o produtor se encontra, sendo acusado por abuso sexual e psicológico pela cantora Kesha.

O anúncio, entretanto, pouco avança em relação ao processo da cantora de “Dancing With The Devil”, que continua presa ao contrato de Dr. Luke e seu selo, mas agora sem as relações e alcance global da Sony, que ao longo dos últimos anos se absteve ao máximo quanto a ação judicial em andamento.

Kesha, que teve como seu último lançamento oficial o disco “Warrior”, de 2013, é contratualmente obrigada a lançar outros seis álbuns com o produtor, que no ano passado ofereceu a possibilidade dela lançar músicas novas caso retirasse publicamente suas acusações. Em resposta, a cantora garantiu que prefere perder sua carreira do que “mentir por um monstro outra vez”.



Enquanto o processo segue nas mãos da justiça americana, a cantora tem trabalhado em canções inéditas, esperando pela oportunidade de revelá-las ao público. Com o aval de Luke, chegou a participar da nova versão de “True Colors”, do DJ Zedd, mas não teve a mesma liberdade quanto as várias faixas entregues ao selo do produtor no ano passado, descartadas por não alcançarem o que eles acreditam ser as expectativas do público quanto ao seu retorno.

No começo desse ano, fizemos um vídeo resumindo todo o caso:



Em suma, não há muito o que comemorar. Dr. Luke perde o apoio da Sony Music, que nos últimos anos incentivou seu trabalho com artistas como Meghan Trainor, Pitbull, Jennifer Lopez e Fifth Harmony, mas continua com os direitos de seus trabalhos com Kesha e o selo Kemosabe, agora independente; a cantora continua no mesmo estágio anterior quanto aos trâmites legais, sem avançar um passo sequer quanto ao fim dessa parceria.