Entrevista: Yann fala sobre o lançamento de EP visual, como Anitta salvou o pop brasileiro e "RuPaul's Drag Race"

O cantor integra o grupo de músicas LGBTs a se lançarem no nosso mercado e afirma: Anitta abriu portas no Brasil

Você tem um minutinho para dar atenção a um ótimo artista independente made in Brazil? O cantor Yann finalmente lançou seu EP "Entre o Fim e o Recomeço", que conta com o carro-chefe o hino "Até te Encontrar" (que demos cinco motivos para você amar nesse post aqui, lembra?). Completamente visual, a primeira parte do álbum completo do cantor conta com a participação da atriz e nossa eterna Lara Pereira Fontini de "A Favorita", Mariana Ximenes.

Convidamos Yann prum papo sobre música, inspirações, o cenário musical brasileiro, as dificuldades de ser um membro LGBT na nossa sociedade e, é claro, "RuPaul's Drag Race"! Você pode ler enquanto ouve o Volume 1 do "Entre o Fim e o Recomeço", recomendamos.




IT: Oi Yann, como você está?

YANN: Muito, muito bem. E você, Hackaq?

IT: Vou bem também, passei o dia com “Até te Encontrar” na cabeça.

YANN: Ah, maravilhoso. Fico feliz em perturbar seu cérebro haha.

IT: Vamos começar já nesse assunto com uma pergunta difícil: qual sua música favorita do “Entre o Fim e o Recomeço”?

YANN: Hmm... sendo bem honesto, varia muito. Acho que no momento “Love” porque foi a última que finalizei, então foi a que escutei menos, mas tenho uma queda forte por “Futuro Ex”. Talvez por ter sido, de longe, a mais trabalhosa.



IT: Eu lembro, há um bom tempo, que você já falava dessa música? O que teve de tão difícil?

YANN: Ela passou por diversas transformações. Aliás, foi uma das primeiras que comecei a fazer quando iniciei o projeto há dois anos. Originalmente era meio tropical house, mas aí logo em seguida o Bieber veio nessa onda e pensei: "ferrou, o pop todo vai ser assim, preciso mudar". E sorte que fiz isso mesmo. Depois demorou mais de 30 versões pra chegar exatamente aonde queria. Sou doentemente detalhista. Meu produtor me odeia haha.

IT: O EP será inteiramente visual? Já tem algum gravado além de “Até te Encontrar”?

YANN: SIM! Tem clipe pra todas vindo. “Futuro Ex” e os outros estão em pré produção. To bem animado pra lançar ele, mas ainda falta um pouco.

IT: Os clipes serão meio "Era Joanne", interligados, ou não?

YANN: Sim e não. Eles existem de forma independente, mas tem vários elementos que se interligam. O clipe “Até te Encontrar” é na verdade uma introdução. Não é uma narrativa linear, mas todas tratam sobre o meu processo de descobrimento e superação.

IT: Superação do quê, exatamente?

YANN: Da perda de um relacionamento. Na verdade, para o conceito do álbum, misturei algumas experiências. Tipo quando fazem filme biográfico e avisam que tal personagem é na verdade uma mistura de várias pessoas.

IT: A letra de “Até te Encontrar” trata muito bem disso, é quase que a faixa-chave do conceito do EP, ou to errado?

YANN: Bem isso mesmo. Por isso que escolhi ela como introdução pro “Volume 1” do EP.



IT: Ela é, de longe, minha faixa favorita, acho a produção muito boa, mas é a letra que me ganha. Já disse que acho a "Habits" brasileira hahahah. Como ela surgiu?

YANN: Hahaha. A primeira versão dela surgiu em outro projeto que ia fazer. Acabou que era só um trecho da música, mas senti que existia algo aí. Quando mergulhei nesse projeto, resolvi revisitar ela e terminei de compor a música. A ideia era tratar bem desse momento de desespero/euforia em que caímos na noite buscando anestesiar um término. Depois que surgiu essa letra de abertura "Me apaixono todo dia, até eu levantar" tudo acabou fluindo. Porque é bem essa ideia de sentir que consegue se reapaixonar na noite, até o segundo que a realidade bate e a sobriedade renasce hahaha.

IT: O dia chega e com ele a ressaca moral, entendo bem hahaha. Mas agora vários sites do país estão falando de “Love”, parceria com a atriz Mariana Ximenes. Como surgiu a música e a parceria?

YANN: Quando eu estava começando esse processo de composição do álbum eu tinha esse desejo de fazer uma música com alguma atriz, uma música que tivesse uma parte falada. Eu não imaginava que iria rolar [com a Mariana], eu nem ia tentar nada, mas sabe quando você quer muito algo na sua cabeça? Nessa mesma semana chegou um e-mail e tinha o de várias pessoas, inclusive o da Ximenes. “Gente, isso é um sinal, é pra ser, não é possível” hahaha. Aí eu mandei um e-mail para ela, contei o disco inteiro e dias depois tinha uma resposta dela topando. Demoramos uns seis meses para resolver tudo, porque ela tava gravando novela, e nos encontramos, trocamos histórias e com base nisso compus “Love”. A letra tem detalhes de histórias que ela me contou e histórias minhas. São verdades compartilhadas.

Foto: Divulgação/@marixioficial

IT: Como foi o processo de gravação?

YANN: Foi lindo vê-la interpretando e cantando uma musica que escrevi. Quando a Mari falava o texto, ela dizia chorando, lágrimas caindo mesmo. Ela é inacreditável. Eu a adoro, ela é uma das melhores atrizes da geração dela, um talento e uma intensidade absurda. Ela tem também esse lado delicado, sabe? Eu gosto muito dessa dicotomia que ela tem entre intensidade e delicadeza.

IT: Já podemos esperar um "Cheek To Cheek" de vocês dois? 
                       
YANN: Hahaha, veremos até onde vai a dupla Maryann, mas por enquanto estamos no “Love” mesmo. 

IT: O nome do EP leva "Vol. 1". Teremos outras partes ainda esse ano? Ele também será visual? Beyoncé realmente mudou as nossas vidas?

YANN: Tem uma segunda parte que quero que chegue esse ano ainda, já estou na metade das gravações. Mas em mundo de artista independente, existem surpresas. E quero muito que seja [visual]. Pra rolar é provável que eu precise vender meu rim, mas ta valendo hahaha.

IT: Fiquei sabendo que tuas nudes estão com cotação altíssima na roda gay, qualquer coisa já sabe hahaha. Inclusive, a pergunta que todos estão se fazendo? Está namorando?

YANN: Hahahaha. Estou sim!

IT: O vale chora hahaha. A gente tá acompanhando uma mudança bastante interessante na música brasileira. Com Anitta e Ludmilla, por exemplo, o pop voltou a ser um dos principais gêneros do mercado, que abriu espaço para artistas LGBTs, como Pabllo Vittar, Gloria Groove, Jaloo e Aretuza Lovi. Como você enxerga tudo isso sendo LGBT?

YANN: Eu acho maravilhoso. Bem ou mal, antes da Anitta o pop tava muito fechado no Brasil. Anitta abriu muitas portas para a gente, e, consequentemente, por ela trazer um holofote para esse gênero, acabou surgindo todas essas oportunidades com a Pabllo, o Jaloo e tantos outros artistas LGBTQs sensacionais. Quanto mais visibilidade para a nossa comunidade, melhor. Imagina a gente pequeno, podendo crescer com uma Pabllo para olhar. Você não se sente tão sozinho. Eu sempre vi nos meus ídolos pop representações de quem eu sou, do que eu quero ser, das minhas inspirações. E eu sempre falo, as Spice Girls me salvaram. Eu passava por muito bullying na escola quando era pequeno e gay. Então eu via nas Spices uma forma de fuga, existia uma autenticidade ali. Era incrível ver uma banda daquele porte falando de feminismo.


IT: Falando na nossa comunidade, semana passada começou a nona temporada de “RuPaul’s Drag Race” (também conhecido como a nossa Copa do Mundo). E aí, tá torcendo pra quem?

YANN: Já começo torcendo pra Charlie Hides (que amo os videos do YouTube) e Peppermint, mas ainda preciso assistir mais pra conhecer as outras queens direito. Essas duas eu já conhecia bem antes do programa, então é injusto com as outras haha.


IT: Adoro as duas, mas meu coração é da Sasha Velour e da Nina Bo'nina Banana Fofana Osama Bin Laden Brown Boom Boom Boom Boom. Eu não consigo não amar as estranhonas hahahaha. Até o próprio programa tem passado por muitas mudanças no sentido de exposição de gênero aceita. Uma Sasha nas primeiras temporadas nem entraria.

YANN: Nina é religião! E é uma evolução natural do programa, a ideia das temporadas iniciais era mostrar estilos mais tradicionais de drag, fazer com que o público se acostumasse com isso e, com o tempo, introduzir elementos novos. Cada temporada que passa, temos mais visibilidade. Peppermint é a primeira mulher abertamente trans a entrar no programa [na nona temporada].

IT: Isso é muito verdade e um passo gigante na representatividade. Até no próprio meio é complicado ser trans. Quem não se lembra da Monica Beverly Hillz na quinta temporada ou da Sonique na segunda chorando no palco quando revelaram?
                    
YANN: Sim, existe muito preconceito contra mulheres trans fazendo drag. Como se elas já não passassem preconceito suficiente. Até parte da nossa própria comunidade precisa se virar contra a representatividade delas nessa forma de arte. Inacreditável.


YANN: Sim, sim. Passos lentos, mas reais. As últimas três décadas foram revolucionárias pra nossa comunidade. Se formos pensar, até recentemente, ainda mostravam homossexualidade na tevê como uma doença. Quer dizer... tem gente que ainda tenta argumentar isso.

IT: Vamos voltar a falar de música? Vai ter “Entre o Fim e o Recomeço Ball Tour”?

YANN: Está nos planos, estou tentando articular isso agora. Quero muito mesmo, gosto demais de cantar ao vivo e trocar energia com a plateia.

IT: Se você pudesse lançar um álbum com três grandes parceiras, quem seriam?

YANN: Pergunta difícil hahaha. Tem muita gente, posso pensar nas deusas maiores da minha vida pop, que me criaram e me inspiraram até hoje, como Grace Jones, Kate Bush, Madonna. Por acaso tem uma música no segundo disco que eu tenho o sonho irreal de fazer com a Anitta. Não sei se ela toparia porque é bem alternativo, algo muito diferente do que ela já fez, mas seria sensacional pelo timbre de voz dela. Eu nem cogito, não me coloco nessa pretensão, mas vamos sonhar, né? Hahaha.


IT: Com a Mariana era um sonho irreal e deu certo, então vamos tentar hahaha. Para finalizar, o que você espera que seja o "legado" do “Entre o Fim e o Recomeço”? Qual o objetivo final dele?

YANN: Meu objetivo sempre foi colocar para fora esses sentimentos. O processo de composição, para mim, sempre foi extremamente pessoal, baseado em experiências minhas, então quero compartilhar essas verdades e compartilhar esses momentos da minha vida. Uso a música como meu diário, cada lançamento fala da minha vida, e quero que as pessoas ouçam e se identifiquem com minha história. Acontecendo isso já valeu pra mim, é tudo o que eu quero.

IT: Não sei os outros, mas eu me conecto demais com “Até te Encontrar”, me vejo muito na letra, então seu objetivo foi atingido com sucesso aqui hahaha.

YANN: Ahhh, fico tão feliz de ler isso, mesmo.


Yann é maravilhoso, não é mesmo? Além de ouvir o "Entre o Fim e o Recomeço" no Spotify, seguir o cara no Facebook, Instagram e Twitter. Agora vamos aguardar o Volume 2 do EP - vai que tem Anitta, não é mesmo?