Manda mais Ariana Grande, que tá pouco! A fase boa de Calvin Harris se mantém em "Heatstroke"

Calvin Harris adotou o ditado "ano novo, sonoridade nova" e resolveu apostar com vontade em sua nova identidade musical

Calvin Harris levou o ditado "ano novo, vida nova" a sério e resolveu entrar 2017 apostando em novas sonoridades. Depois de lançar a inesperadamente boa "Slide", com o Frank Ocean e o trio Migos, o cara chamou outro time de peso, composto por Ariana Grande, Pharrell Williams e Young Thug, para o lançamento da veranesca "Heatstroke", e o resultado tem dividido opiniões. 

Se em "Slide" o DJ escocês saiu de sua zona de conforto e apostou no estilo "feel good and chill out", nesse novo single isso é potencializado. "Heatstroke" é um funk-pop classudo, divertido, radiofônico e inusitado, tudo ao mesmo tempo, e ainda é um forte candidato a hit do verão norte-americano e europeu. 

Como estamos acostumados ao eletro-house farofeiro do produtor, seus novos singles tem causado um estranhamento em uma primeira ouvida, mas não dá pra negar que essa nova identidade musical é bastante interessante e mostra um amadurecimento no trabalho de Calvin. 



Se você não gostou da música, nossa dica é: dê mais algumas chances e é quase certo que, quando você menos esperar, vai estar dançando ao som da Ariana em "when you do things like this, and youuuu set me free".

"Heatstroke" é o segundo de dez singles avulsos que Calvin Harris vai lançar nesse ano, já que o DJ decidiu que não lançará mais álbuns. Melhor assim, talvez a gente não aguentasse o impacto se tudo fosse liberado de uma vez.