Desculpe o transtorno, mas parece que vocês nunca viram um pinto

Após denúncias, o clipe de “Eu Escolhi Você” sofreu censura e saiu do ar no Youtube.

São muitos os elementos que podem tornar um videoclipe bom, das técnicas utilizadas na sua produção ao contexto que ele se encontra, além da mensagem a ser passada, mas quando ignorou essas e outras convenções, a cantora brasileira Clarice Falcão conseguiu apresentar um dos clipes mais despretensiosamente ousados do ano, com direito à censura do Youtube e tudo mais.

Para chegar neste ponto, entretanto, a cantora não foi muito longe: bastou que o vídeo fosse protagonizado por pênis e vaginas, que, ao longo de toda a produção, tranquilamente se exibem, quase como se fosse um desfile alegórico de genitais.

O clipe foi para a canção “Eu Escolhi Você”, do álbum “Problema Meu”, e embora Clarice negue qualquer grande mensagem por trás do vídeo, combina muito bem com a letra, na qual a cantora fala sobre escolher uma opção mais cômoda, que exija menos esforço, já que essa pessoa está ali e “é o que tem pra hoje”.


No vídeo, somos apresentados aos mais variados perfis de genitais, incluindo algumas fantasiadas, brilhantes e até dançantes, mas, no fim, ela termina mesmo é com um vibrador. Porque ela o escolheu. Se você for maior de idade, pode assistir ao clipe aqui.

A polícia da arte ficou nervosa. Disseram que era um vídeo ruim, de extremo mau gosto, mal produzido e, entre outras coisas, desnecessário. Mas ficamos do outro lado. Não era pra ser revolucionário ou inovador, ficou divertido, ousado. E, contando pontos ao seu favor, fugiu da ideia de que o videoclipe precisa sempre ser todo explicadinho, até porque ali não há o que se explicar. Parece até que vocês nunca viram um pinto.

Nós escolhemos você, Clarice.