Recap | X Factor BR 2016: entre erros e acertos, eliminações fizeram o Top 10 valer a pena


Depois de muitas críticas, apresentações esquecíveis, seis eliminações, polêmicas e coisas a melhorar, tivemos na noite da última segunda-feira o primeiro show ao vivo com o Top 10 da temporada de X Factor BR, seguido do episódio de eliminação na quarta-feira. Sob o tema do "Halloween", será que todos os pontos que criticamos nesse texto foram consertados? Confira em mais uma Recap!

Acompanhe conosco toda quarta-feira a cobertura do X Factor Austrália, a melhor franquia do programa!

E aos sábados e domingos, a cobertura do X Factor UK

Diego Martins - "Monster" (Lady Gaga) 



Como performer, Diego é muito interessante, mas essa música, definitivamente, não o favoreceu. Tá certo que Gaga é a artista certa pra ele, mas com tanta música incrível no repertório, Di (o mentor) pegou logo uma que nem single foi ou apelo tem, o que deixou tudo estranho e desconfortável. E a voz de Diego aqui, preferimos nem comentar.

Valter Jr. & Vinícius - "Menina Veneno" (Ritchie)



A ideia do Paulo Miklos de modificar o estilo da dupla foi boa, porém, a execução deixou muito a desejar. A começar pela escolha, que os desfavoreceu. Apesar do tempo de parceria, VJV são bem jovens e, consequentemente, imaturos sonoramente. Ambos se esforçaram, mas não funcionou. Em alguns momentos, chegaram a atravessar um ao outro, esqueceram letra e não teve participação da segunda voz. Foi fraco. Bem fraco.

Cristopher - "Talking to the Moon" (Bruno Mars)



Uma linda e delicada música sendo cantada por um cara cheio de vícios ao cantar. No que resultaria? Se você pensou num desastre, acertou! Foi muito, muito ruim! Gostaríamos de entender por que gostam tanto desse cara. Sério, não dá! Performance gritada, semitonou várias vezes e nem é carismático o suficiente pra sustentar uma performance ruim. Começo tenebroso do programa até agora.

Conrado - "Sem Radar" (LS Jack)



Escolha muito previsível e Conrado com os problemas de sempre envolvendo afinação, não surpreendem. Na verdade, a cada performance fica mais evidente o quão "cru" ele é. Mesmo assim, até metade da apresentação estávamos tolerando, mas bastou subir o tom e não aguentar, que acabou com tudo. Sem falar nessa pose arrogante de bater no peito ao final da performance hahahaha, não damos conta. Mas enxergamos facilmente ele sendo arrastado até à final.

Naomi - "I'm in Love with a Monster" (Fifth Harmony)



Não dá pra entender essas escolhas dos jurados hahaha. Você tem um menina com perfil rockstar na equipe e dá Fifth Harmony pra ela. Qual a lógica? Cadê Evanescence? Aff! Sorte de Alinne que Naomi é boa e mesmo toda cagada, conseguiu entregar uma performance minimamente satisfatória – o que, numa noite fraquíssima até agora, já a coloca em vantagem.

Rafael - "Superstition" (Stevie Wonder)



Rafael tem uma boa voz. E só. E essa performance foi a prova disso. Saiu da zona de conforto, sendo colocado pra dançar e foi tragicômico hahaha. Sentimos vergonha por ele. Adoraríamos não ter visto essa performance, de tão ruim que foi. E nem a voz prestou – semitonada e errando nos melismas (falta de fôlego, talvez?). 

Ravena - "E.T." (Katy Perry feat. Kanye West)



Miraram na performance icônica das Little Mix em 2011 e acertaram num teatrinho de bonecos forçado. Que coisa medonha, ainda mais pelos elogios dos jurados! Individualmente até que se salvam, mas quando juntam pra harmonizar, fica bem ruim. Sabemos que elas têm uma fanbase já grande e carente, mas cá entre nós, pra essa girlband ter a chance de acontecer, é necessário muito, mas MUITO tempo. E tempo é justamente o que não possuem. 

Jenni Mosello - "Máscara" (Pitty)



Jenni é a nossa principal aposta (talvez única) de algo que pode dar certo nessa temporada, mas com essa escolha ela foi completamente sabotada. A música da Pitty é pesada e só fica boa assim, sem suavizá-la, como tentou a menina Mosello. Perdeu o brilho intenso da faixa e ainda cantou atrás da base em alguns momentos. Uma pena, mas segue como nossa favorita.


Miguel - "Demons" (Imagine Dragons)



Esses jurados só podem viver numa realidade paralela pra fazer essas escolhas, porque olha... hahaha, tá difícil. Em que mundo "Demons" ficaria boa na voz do Miguel, Di? Outro desastre, apesar do começo promissor e de todo esforço do menino. 

Helóa - "Sweet Dreams"/"É O Poder" (Eurythmics/Karol Conka)



O mais próximo de X Factor que vimos na noite foi guardado pro final. Grande produção e performance ótima. Chega a ser engraçado ver que Heloá tem se transformado no total oposto (popstar) do que imaginávamos (diva MPB), mas ainda bem que tá funcionando e torcemos pra vê-la muito mais na competição, porque é uma das melhores.

★★★

Já no episódio de eliminação, na quarta-feira, o programa começou com a clássica performance em grupo. A escolha foi pelo hino dos Rolling Stones, "Sympathy for the Devil". Assim com a de semana passada, foi tão ruim que até o diabo recusaria. E, vem cá, por que raios eles têm que dividir microfone sempre? O orçamento tá tão baixo assim, que coisas básicas têm de ser cortadas? 



Na sequência Paula Fernandes se apresentou e fomos ao banheiro...



Voltamos juntamente com o programa do intervalo e, pra nossa surpresa, Fernanda chamou Paula Fernandes outra vez pra cantar. Sim, pra encher o tempo, fizeram bis com o convidado...



Agora, começando pra valer o que interessa, tivemos a primeira formação da "zona de eliminação", ou famoso "bottom" na gringa. Chamados um a um em ordem aleatória, descobrimos que Valter Jr. & Vinícius, Diego Martins e *BOOOM* Rafael estavam entre os menos votados, sendo que a pior votação entre eles, já sairia de cara.

Depois de momentos de tensão, Rafael foi anunciado como o menos votado e Rick Bonadio entrou em colapso por perder seu "queridinho" e aquele que, nas palavras dele, "merecia vencer a competição" (talvez no The Voice, migo), levando a internet à loucura com o resultado.



No Bottom, Diego foi de "Erva Venenosa", clássico de Rita Lee e arrasou, sendo muito melhor que na performance de segunda. Nossa única crítica sendo a voz do Diego. Não tá boa, de verdade. 



Já Valter Jr. & Vinícius optaram por "Flor", de Jorge e Matheus, errando tanto quanto antes.



Na votação, como esperado, tivemos um empate em 2x2, com Rick justificando ainda mais sua birra gratuita com Diego, ao afirmar que não via nele potencial pra vender discos ou ser um sucesso no mercado (como se a dupla tivesse, né?). No resultado do desempate, com a votação do público, Valter Jr. & Vinícius foram eliminados, deixando Paulo Miklos, assim como Rick Bonadio, com apenas um participante, em pleno Top 8 ainda hahaha, que delícia.



Pra encerrar, ainda tivemos a estreia do novo single do NXZero, "Modo Avião", porém com esse áudio cagadíssimo do programa.



★★★

Sendo sinceros, vimos uma clara evolução (mesmo que à marcha lenta) em muitos aspectos que criticamos no texto em destaque no começo do post, apesar da qualidade dos participantes e, agora, erros primários da produção e essas escolhas dos jurados, ainda nos incomodarem. De muito ruim mesmo, só essa nova mudança no formato, criando um programa de resultados arrastado de 2h, com direito a duas performances do artista convidado só pra encher o tempo, enquanto nos outros países, condensam muito bem isso tudo dentro de 1h apenas. Ambas eliminações foram corretas, pensando no conceito do programa e no fato de Bonadio ficar sem participantes já na próxima semana, também é animador.

E vocês, gostaram do programa? Nos vemos semana que vem, com o tema "Retrô". Até!


Tecnologia do Blogger.