Fizemos uma playlist no Spotify com 40 músicas “tipo Sorry”, do Justin Bieber

Na próxima playlist, reuniremos as cinquenta tentativas de Iggy Azalea repetir “Fancy”.

“Cheap Thrills”, do último CD da Sia, é maravilhosa, né? A melhor música pop dela desde “Titanium”, sem dúvidas. E o que dizer de “I’m In Control”, do AlunaGeorge? Ninguém esperava vê-los flertando com o dancehall dessa forma. Coisa que esperávamos da Rihanna, QUE TAMBÉM O FEZ em “Work”, do disco “ANTI”.



Só essas três músicas já são o bastante para falarmos o óbvio: o dancehall chegou nas rádios para ficar. E os culpados são mais óbvios ainda. Em primeiro lugar, Diplo: o cara usa dancehall nas músicas do Major Lazer há mais tempo do que a idade dos fãs mais novos do hit “Lean On”. Em segundo, Skrillex: ele grudou no Diplo com o duo Jack Ü e, daí em diante, trocou seu tradicional dubstep por fórmulas bem próximas do que já conhecíamos com o cabeça da dupla. E, não menos importante, ele, Justin Bieber: o canadense deu voz para o primeiro sucesso do Jack Ü, “Where Are Ü Now”, ascendeu o tropical house do OMI em “What Do You Mean” e, sob o comando de Skrillex, acabou com as nossas vidas com “Sorry”.



Não dá pra negar que Bieber é um criador de tendências e isso vem desde do seu disco de estreia, que desencadeou uma carreira que mais tarde abriu as portas pra mil e um artistas adolescentes, mas o impacto dele com “Sorry” foi ainda além por 1) ter feito com que ele conquistasse um público bem mais diverso que seu nicho familiar anterior (aka “Beliebers”) e 2) abrir os olhos do resto do mundo — ou artistas de todo ele, pra ser mais claro — para uma fórmula jamaicana simplesmente infalível.



Daí, não deu em outra. Sia trocou suas baladinhas com ares épicos pelo “~tururururu turururu~ sooooorrry I love cheap thrills”, Major Lazer conquistou ainda mais espaço com a fórmula de músicas tipo “Lean On”, “Boom” e “Light It Up”, no relançamento do disco “Peace Is The Mission”, e até o Mike Posner resolveu dar às caras com um remix de “I Took A Pill In Ibiza”, que é um dos seus maiores sucessos desde “Cooler Than Me”.



Você já tinha percebido esse golpe pop tão envolvente???

O que não faltaram também foram revelações na cola do Bieber. A sueca Zara Larsson refez sua “Lush Life”, com a participação do Tinie Tempah E UM REMIX DANCEHALL, a Foxes trouxe uma “Cruel” para o disco “All I Need” e os efeitos dessa febre chegaram ao Brasil com o single “Me Namora”, da antiga cover brasileira da Britney, Francinne, e “Mil Maneiras”, do EP de estreia do ex-‘The Voice’ Leandro Buenno.



Achou muito? Calma que existem pelo menos outras trinta e estão todas reunidas na playlist “Umas músicas tipo ‘Sorry’”, que preparamos lá no Spotify. Siga a gente na plataforma mais adorada pela Taylor Swift, siga a playlist para acompanhar eventuais atualizações (mais quantas “Sorry” conseguirão fazer até o fim do ano?) e faça bom proveito:




Na próxima playlist, reuniremos as cinquenta tentativas de Iggy Azalea repetir “Fancy”.