O Lollapalooza quer saber: quem você quer ver no festival em 2017?

O Lollapalooza Brasil 2016 foi lindo, né? E bastante diversificado, com destaques para o hip-hop (Eminem, Karol Conká e Emicida), rock (Albert Hammond Jr., Florence + The Machine, Eagles of Death Metal) e pop também (Marina & The Diamonds, Halsey, Walk The Moon), mas agora chegou aquele momento tão aguardado, no qual eles perguntam quem o público quer ver no ano seguinte.

Por email, a produção do festival, comandado pela Time For Fun no Brasil, enviou um questionário com perguntas sobre o evento em geral, pra ter aquele feedback do público sobre seu aproveitamento e satisfação, mas uma das questões mexe com nosso imaginário: “Quem você quer ver no Lollapalooza 2017?”

A mão de citar todos do nosso Spotify chega a tremer, mas tentamos ser bastante racionais e, pra te ajudar nas suas escolhas, aproveitamos pra listar algumas de nossas apostas e sugestões abaixo. Confira nossa lista e faça suas sugestões aqui:

Rap no Lolla:

KENDRICK LAMAR

Kendrick Lamar foi uma das maiores revelações do hip-hop e, com o disco “To Pimp A Butterfly”, terceiro de sua discografia, conquistou de vez a atenção do público e da crítica, que já vinham caindo por ele desde o “good kid, M.A.A.D City”. Seu repertório, bastante ágil e explosivo, mas também polido, grandioso, seria bastante funcional para o festival, que provavelmente acenderia um ao som de “Bitch Don’t Kill My Vibe” e iria literalmente ao chão com “Alright”.



KANYE WEST

O disco “The Life of Pablo” saiu neste ano e, mais uma vez, Kanye nos lembrou da razão de ser tão bem sucedido nesse meio. O cara é meio babaca, sabemos, mas também é um verdadeiro gênio e, com suas músicas, abraça o rap e o pop com uma postura de rockstar. Se aprovaram a passagem pelo Em’ no Lolla 2016, esperem até ver o que Yeezy poderia fazer por seus fieis no mesmo festival.

CHANCE THE RAPPER

Se tem um novo nome que devemos ficar de olho no hip-hop, é do Chance The Rapper. O cara chegou com bastante influência do Kanye West e, no último ano, terminou PRODUZINDO para o próprio Yeezy. Entre outras coisas, Chance ficou famoso por trabalhar com Justin Bieber no disco “Journals”, que já previa seu amadurecimento musical, e conseguiria facilmente levar um show sem grandes sucessos, por seu talento mesmo.

AZEALIA BANKS

Já estamos até imaginando a Multishow avisando que “Azealia Banks vetou a transmissão de seu show”, mas nós estaríamos lá pra ver a negrita ao vivo, né? A rapper tem um disco de estreia MARAVILHOSO, “Broke With Expensive Taste”, e faria todos dançarem muito com músicas como seu único hit, “212”, e outras mais fora da caixa, como “Nude Beach A Go-Go”.

MACKLEMORE & RYAN LEWIS

Com o disco “This Unruly Mess I’ve Made”, os caras do Macklemore & Ryan Lewis ficaram menos festeiros, mas ainda trazem músicas como “Downtown” e “Brad Pitt’s Cousin”, que enlouqueceria todo um Lollapalooza. Acrescente à lista o hit “Thrift Shop” e outras de seu disco de estreia, como “Thin Line”, “Can’t Hold Us” e “White Walls”. Seria do caralho!


Pop no Lolla:

CHARLI XCX

Prestes a lançar seu terceiro álbum, a britânica Charli XCX tá na vibe do synthpop e PC music, mas arrasaria no Lollapalooza com as músicas do seu segundo CD, “Sucker”, que é todo roqueiro, mas uma verdadeira obra prima do pop atual. Seus refrãos ágeis e chicletes colocariam todos pra cantarolar, mesmo sem saber as letras completas, o que não seria um problema em momentos como “Boom Clap” e “Break The Rules”.



CARLY RAE JEPSEN

Depois de ganhar o mundo com “Call Me Maybe”, Carly nos fez querer bem mais que uma ligação com o disco “EMOTION” e nos renderia um show pra lá de dançante com músicas como “Run Away With Me” e “I Really Like You”, mas mantendo o equilíbrio com outras como a incrível “All That” e Gimmie Love”. 

SIA

Com ou sem sua peruca, Sia está de volta aos palcos e, nos Estados Unidos, deve cumprir a rota de vários festivais nesse ano, se tornando um nome em potencial pra vir balançar como um candelabro aqui no Brasil. O disco “1000 Forms of Fear” a tornou mais pop do que ela mesmo esperava e com esse e seus antecessores, a australiana pode nos entregar um show impecável, que une seu vozeirão com músicas de tirar o fôlego. Chorar com “Elastic Heart” estará permitido sim.

CHVRCHES

Se Taylor Swift é mainstream demais para um Lollapalooza, o synthpop do CHVRCHES não nos deixa na mão. O último disco da banda, “Every Open Eye”, apresenta um pop noventista bem próximo do que a hitmaker de “New Romantics” fez no CD “1989”, mas não se engane, isso é coisa que eles já fazem desde o disco anterior, “The Bones of What You Believe”. É uma das nossas maiores apostas para um Lolla futuro e o show seria imperdível, sem dúvidas.

IGGY AZALEA

The shade of it all. A autraliana Iggy Azalea lança nesse ano o disco “Digital Distortion”, que chega logo após uma era de ascensões e quedas com hits bem pops, como “Fancy”, “Black Widow” e “Trouble”. A rapper é dona de uma apresentação de tirar o fôlego, se é que nos entende, e seria daquelas que terminaria agradando aos white gregos e troianos.


Rock no Lolla:

FALL OUT BOY

O ultimo disco deles, “American Beauty/American Psycho”, é muito ruim, mas calma que todo o resto da discografia salva, incluindo seu antecessor, coincidentemente chamado “Save Rock and Roll”. Com músicas desses álbuns e sucessos dos antigos, tipo “Dance Dance” e “This Ain’t A Scene, It’s An Arms Race”, a banda uniria todas as tribos, como foi o Norvana, nos lembrando da época mais emo do rock.



WEEZER

Tem disco novo do Weezer vindo aí e, definitivamente, iríamos AMAR tê-los como um dos headliners do Lollapalooza ano que vem. A nostalgia ao som da banda estaria garantida até para os fãs mais jovens e músicas como “Island In The Sun”, do seu álbum verde, levariam todos ao êxtase.

THE STROKES

Julian Casablancas veio com a banda The Voidz em 2014, o lindo do Albert Hammond Jr. veio nesse ano com seu projeto solo… O próximo passo é vir a banda toda, né Lolla? O disco novo dos caras, sucessor do divisor de opiniões “Comedown Machine”, deve ser lançado até o fim desse ano e, com isso, o que não faltará é repertório para o ano que vem. Na falta de músicas novas e boas, ainda temos os hits antigos, tipo a obrigatória “Last Nite”.

THE KILLERS

Lollapalooza, nós nunca te pedimos nada. The Killers ARRASOU quando tocou no Lollapalooza pela primeira vez, em 2013, e os fãs brasileiros até tiveram uma gota de esperança quando souberam que o Brandon Flowers foi escalado pra substituir o Snoop Dogg nesse ano... Mas só na Argentina. O mais justo é ver o festival se redimindo com a banda toda no Brasil ano que vem.


Revelações no Lolla:

THE KNOCKS

O disco de estreia “55”, da dupla americana The Knocks, deveria causar no público do Lollapalooza um efeito bem semelhante ao que assistimos com o Capital Cities em 2014. Nem tudo é hit, mas não tem como ficar parado. O primeiro CD dos dois conta com várias participações, incluindo Carly Rae Jepsen e Justin Tranter, um dos compositores de “Sorry”, do Justin Bieber.



JACK GARRATT

Uma das grandes apostas da BBC em 2016, no mesmo termômetro que descobriu Adele, Jessie J, Ellie Goulding e vários outros nomes, Jack Garratt lançou um dos melhores álbuns do ano, seu CD de estreia, “Phase”, e traz com ele um repertório que ganharia facilmente qualquer festival, com sintetizadores e percussões casadas de uma maneira bastante singular, além do seu vozeirão, que soa como uma versão melhorada e mais interessante do Sam Smith.

ALESSIA CARA

Outra aposta da BBC, Alessia Cara ganhou o mundo com o hit “Here” e, na sequência, apresentou o álbum de estreia “Know-It-All”, com uma sonoridade que nos lembra da Lily Allen à Amy Winehouse. Só as melhores da sua terra natal. A menina funcionaria aqui num espaço semelhante ao da Ellie Goulding ou Halsey, com esse pop de quês alternativos, mas inquestionavelmente radiofônico.

ELLIPHANT

A sueca Elliphant tem feito de tudo pra se tornar um dos maiores nomes da música atual. Com um disco de estreia mundial produzido pelo Skrillex e Diplo, além de uma recente parceria com o Major Lazer em “Too Original”, ela chega com uma proposta agressiva e extremamente dançante, que nos lembra da irreverência da M.I.A., principalmente em momentos como “Make It Juicy”, no qual flerta com o funk carioca. Seu show seria daqueles que todos comentariam depois, mesmo sem lembrar muito bem seu nome ou canções.

TROYE SIVAN

Queridinho dos fãs de alt-pop atual, há quem diga que Troye Sivan é a versão masculina da Lorde, mas com isso a gente não concorda muito. Seja como for, seu disco de estreia, “Blue Neighbourhood”, rende umas produções incríveis, como o hit “Youth” e “Suburbia”, que nos faz ficar bastante curiosos para o que ele poderia apresentar no palco brasileiro do festival.


Brasileiros no Lolla:

RICO DALASAM

O disco de estreia do Rico Dalasam sai esse ano, com produções de nomes como Gorky, do Bonde do Rolê, e Léo Justi, e mesmo sem nenhum grande sucesso, o brasileiro é uma das nossas maiores apostas para esse ano, com uma performance cheia de militância e empoderamento gay e racial, além de uma apresentação que desafia vários padrões. Pra quem não conhece seu som, vale começar pelo single “Riquíssima”.



BANDA TEREZA

Com seu segundo disco, “Pra Onde A Gente Vai”, a banda Tereza nos fez questionar a razão deles nunca terem conseguido um lugar no Lollapalooza, já que são um dos melhores artistas desse pop alternativo no Brasil. Seu repertório, também formado pelo CD de estreia “Vem Ser Artista Aqui Fora”, rende inúmeros refrãos chicletes e pra lá de dançantes, além de uma vibe apoteótica que faria todos caírem de amores por nossos conterrâneos.

KAROL CONKÁ

A rapper Karol Conká ARRASOU no Lolla 2016, com o disco “Batuk Freak” e as parcerias com o Tropkillaz, do CD que lançará em abril, e, com certeza, merece um bis no Lolla 2017, para apresentar o seu novo material completo e, mais uma vez, mostrar todo o potencial do rap nacional, do seu jeito tão pop e empoderado.

MARCELO D2

Vamos fazer justiça pelo Marcelo D2? Ele salvou o Lollapalooza em 2015, substituindo a Marina & The Diamonds de última hora, e em 2016, fez o mesmo, com o Planet Hemp substituindo o Snoop Dogg. Nós sabemos o quanto seu show é foda e, vamos lá, rola de anunciá-los sem ser para cobrir a falta de ninguém? RS. O grande show está garantido.

***

Se deixar, a gente sugere tantos nomes que termina até acertando a line-up completa! Pelo Facebook, havíamos, inclusive, feito outras sugestões, incluindo nomes como M.I.A, Drake, Robyn, Iggy Pop, M83, Years & Years, HAIM e por aí vai... Confira abaixo:

Seria um sonho? Faltam apenas alguns dias para o #Lolla2016, mas já estamos pensando nos nomes que poderiam vir nas pró...
Publicado por It Pop em Quarta, 9 de março de 2016


Nossa parte tá feita. Agora é a sua vez! :D
Tecnologia do Blogger.