Nós separamos cinco artistas pra você ficar de olho nesse Lollapalooza!

Uma das coisas mais bacanas em festivais é o fato de você poder conhecer vários novos artistas e bandas de uma vez só. Outra coisa tão bacana quanto é você conhecer alguns desses artistas e bandas antes do evento acontecer, assim você pode se programar para os shows que quer ir, arrastar seus amigos e cantar todas as músicas juntinhos. 

Pensando nisso, os blogueiros Allan Correia e Luccas Almeida criaram uma lista cheia de amor, dividida entre sábado e domingo, com algumas atrações bem bacanas que vão rolar no Lollapalooza e que, talvez, você não conheça. Aqui, tem indie rock, soul com rock e vibe dos anos 50-60, eletrônica e até um punk rock maravilhoso. Bora começar?

Sábado | 12.03

Cold War Kids


Quem são? 
Os caras são da Califórnia, montaram uma banda e, de 12 anos pra cá, têm trazido até nós um indie rock delicioso. A galera do Cold War Kids subiu num palco pela primeira vez em 2004 e conseguiu, até agora, se manter na indústria, lotando shows e levantando multidões por onde passa.

Com cinco álbuns em seu currículo, eles têm um som que deve agradar quem curte U2, The Killers e, por que não, qualquer ser humano que nutra, nem que seja um pouco, de amor pelo indie.

Seu mais recente disco, datado de 2014, o ótimo “Hold My Home”, é o mais, digamos assim, “alheio” da banda. Gravado após a adição de Dann Gallucci e Joe Plummer à trupe, podemos dizer que o CD não foi lá muito bem recebido pela crítica, justamente por ser a diferentona da discografia deles.

Onde?
Palco Onix.

Quando?
Das 17h15 às 18h15.

O que eu deveria começar ouvindo?



Vintage Trouble


Quem são?
Foi numa bela tarde de Venice Beach, na Califórnia, em que Ty Taylor e Nalle Colt, após montarem um pequeno estúdio caseiro, formaram a Vintage Trouble. Com Taylor no vocal e Colt na guitarra, a formação ainda não era suficiente. A dupla então convocou dois amigos: Rick Barrio Dill e Richard Danielson.

Esses aqui são pra quem curte um R&B. Mas se engana se você logo pensou num The Weeknd ou numa coisa mais comercial. O próprio nome do grupo da denuncia: os caras gostam mesmo é de um som antigo. Buscaram no black dos anos 50 e 60 sua inspiração. Está mais pra Amy? Até que sim, mas com uma pitada de soul e uma pegada rock pra ninguém botar defeito.
Com uma sonoridade tão boa quanto essa, dá pra entender o porquê do Problema Antigo ter conquistado tanta gente, né? E olha que não estamos falando só de fãs. Os Rolling Stones, um dos grupos mais veteranos do rock, até chamaram a banda aqui descrita para abrir o show deles no Hyde Park, em Londres. Depois? Veio a abertura da turnê do The Who e do AC/DC.

Onde? 
Palco Axe.

Quando?
Das 14h às 15h.

O que eu deveria começar ouvindo?



A-Trak


Quem é?
A música eletrônica tem ganhado cada vez mais espaço no gosto das pessoas e, consequentemente, dos festivais. O próprio Lolla tem convocado mais atrações pra gente fritar. Mas, enquanto muita gente não tira o olho do Diplo, Calvin Harris etc, nós descobrimos esse serzinho nas letras miúdas do line – o que não tira nem 1% do seu talento.

A-Trak é um produtor e DJ canadense que já trabalhou com o polêmico Kanye West e praticamente inventou Kid Cudi, Danny Brown e Flosstradamus. Parte integrante da elite da EDM, ele usa seu status para revitalizar o rap. Já apareceu na lista de indicados do Grammy e do VMA (naquelas linhas minúsculas dos créditos você pode ver o nome do rapaz). O cara também se juntou com a menina Kimbra e o Mark Foster, do Foster The People, para “Warrior”, uma música criada para uma campanha da Converse.

Ainda tem dúvida dos talentos do DJ? Com 18 anos, ele levou 5 prêmios no DMC World Championships e quebrou um recorde. Com. 18. fucking. anos.

Onde?
Palco Trident.

Quando?
Das 16h15 às 17h15.

O que eu deveria começar ouvindo?


Bad Religion

Quem são?
Essa aqui é a prova de que idade não significa fama. A Bad Religion é uma banda americana de punk rock que se formou em 1979 (!) e foi um dos grandes destaques da cena punk no fim dos anos 80.

Gostam é de provocar. Se fossem pacíficos, estariam no oceano. Adoram cantar sobre temas sociais e amam ainda mais usarem metáforas na hora de falar de ideologia. A crítica toda é feita com a letras provocantes embaladas pelos sons da guitarra e da bateria.

Tiveram um período de ascensão no auge do grunge e do punk, na primeira metade dos anos 90, época em que criaram sucessos do rock mundialmente conhecidos, como “Infected,” "21st Century (Digital Boy)" e “Sorrow”, mas perderam o fôlego no fim da década.

Onde?
Palco Skol.

Quando?
Das 16h10 às 17h10.

O que eu deveria começar ouvindo?


Domingo | 13.03

Duke Dumont


Quem é?
Se você acompanha o It Charts, sabe que a música eletrônica bomba no Reino Unido. A prova disso é o sucesso de Duke Dumont por lá. O produtor deep house e DJ britânico já chegou nas duas primeiras posições da parada com sucessos como "Need U (100%)" (que inclusive foi indicada ao Grammy de Melhor Gravação Dance, em 2014), "I Got U" and "Won't Look Back", abrindo as portas para a ascensão do ritmo.

Não demorou e logo ele foi listado como um dos melhores produtores do mundo. O cara tem um visual meio gótico, sombrio. Mas não se assuste, ele ama botar todo mundo pra ferver.

Sem dúvidas, é um dos shows mais esperados do festival: no último Coachella, sua apresentação pulou de um público de pouco mais de 3 mil pessoas para 25 mil (é sério), o suficiente para inspirar shows do Daft Punk e dos Chemical Brothers.

Onde?
Palco Trident.

Quando?
Das 16h45 às 17h45.

O que eu deveria começar ouvindo?



...

E é isso! Esperamos que você tenha curtido nossas indicações e não deixe e acompanhar pelo menos um dos shows no festival. Até a próxima!
Tecnologia do Blogger.