Emicida quer levar colaborações do seu último CD para o palco do Lollapalooza

O rapper Emicida lançou no ano passado o disco “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa” e, desde então, segue colhendo os frutos desses e outros trabalhos, que fizeram dele uma das principais referências do rap nacional da atualidade.

Um desses frutos, inclusive, será colhido no próximo domingo, 13 de março, quando ele subirá ao palco do Lollapalooza, com a certeza de que encontrará um público verdadeiramente curioso por tudo o que ele conseguirá explorar de sua discografia e influências dentro do festival.


Numa entrevista ao site RG (leia completa aqui), Emicida adiantou então algo que deverá animar ainda mais os seus fãs: ele quer apresentar ao vivo a canção “Mandume”, do seu último disco, com todos seus colaboradores.



Tratando sobre racismo e feminismo negro, a música conta com várias participações, incluindo Drik Barbosa, Rico Dalasam, conhecido por performances que vão contra diversos estereótipos, Muzzik e Raphão Alaafin. Falando sobre essa possibilidade, o rapper afirmou: “A gente só conseguiu fazer essa versão ao vivo, com todo mundo, no show de lançamento do álbum, no ano passado. Vamos tentar fazer com todos os caras novamente.”

Mas se você acha que ele para por aí, está enganado. Sua discografia também traz colaborações com Pitty, Criolo, Projota, Guimê, Mano Brown, Vanessa da Mata, Caetano Veloso, entre outros e, segundo o rapper, vão ter outras participações. “Mas prefiro mantê-las em segredo, pois preciso de algumas confirmações”, explicou.

Ansioso para assistir ao show da banda Alabama Shakes, que se apresentará mais cedo, no mesmo dia do festival, o brasileiro aprovou a participação de rappers como Eminem e o recentemente cancelado, Snoop Dogg, visto que grandes artistas do gênero não costumam vir ao país e, se tratando do festival, ter o público de nomes como esses presentes também serve como uma plataforma para ele expandir a procura pelo seu trabalho. E ele também aproveitará a oportunidade para testar coisas diferentes dos seus shows tradicionais, levando isso como mais um desafio:
“Quando você vai para um público de não sei quantas mil pessoas – sei que é gente pra c…- você tem que pensar no setlist de maneira específica. E é o que estou fazendo agora”, revela. “Não me obrigo (a tocar só hit). Penso ao contrário. Como não é meu público, tenho oportunidade de fazer uma experiência totalmente diferente. Fazer um show como este, me deixa até mais livre do que para o meu público – que vai ficar me pedindo pra tocar determinada música”, completou.
Além do Emicida, outros nomes do rap nacional, como Karol Conká e Planet Hemp, marcarão presenta no Lollapalooza Brasil 2016, que acontece nos dias 12 e 13 de março em São Paulo, no Autódromo de Interlagos.

Tecnologia do Blogger.