Sia confessa que teve problemas em compor com Katy Perry: “Sinto como se fossem os inimigos da criatividade”

Os últimos cinco anos foram bastante agitados para a Sia que, pode ter certeza, esteve por trás de pelo menos uma música do seu artista favorito, mas trabalhar com tanta gente não significa que ela realmente tenha se dado bem com todos e, como já fez uma vez, a australiana não vê problemas em falar sobre os bastidores dessas sessões de composições.


Dessa vez, Sia resolveu contar, numa entrevista para a Rolling Stone, sobre quando trabalhou com Katy Perry, para o álbum “Prism”, e a maneira como as coisas custaram a dar certo, ainda que, no fim das contas, tenha rendido a canção “Double Rainbow”, presente no CD.
“Isso que houve de interessante em compor com a Katy Perry porque, de novo, é a voz dela que escutamos no fim do dia”, começou. “Ela também é muito dominante e extremamente analítica. Eu realmente fui embora depois de uma hora da nossa primeira sessão. E foi tipo, ‘Todos nós podemos concordar que isso não está funcionando?’”
Só que, por mais que Sia não estivesse confortável com isso, Katy Perry parecia confiante do que estavam tentando fazer.
“Ela ficou tipo, ‘Eu amo isso. É como um quebra-cabeça pra mim. É tipo uma palavra cruzada’. E eu, ‘Mas isso é tedioso pra mim. Essas análises são completamente chatas pra mim. Sinto como se fossem os inimigos da criatividade’”, continuou. “Foi tão legal ser capaz de ter essa conversa sobre como escrevemos de maneira completamente diferentes. Fico feliz por não ter desistido disso, porque eu realmente tirei uma música disso e nós também rimos, porque nós conseguimos ser autênticos.” 
Na mesma entrevista, a australiana também contou que “Elastic Heart” e “Chandelier” foram oferecidas para Katy, mas a californiana recusou as canções, que se tornaram verdadeiros hits em sua voz. E esse é o desafio que ela assume no seu disco novo, “This is Acting”, previsto para o dia 24 de janeiro. “Eu sinto como se essas músicas fossem hits, mas ninguém as quiserem. Então eu pensei, ‘vamos ver isso como um experiment pra saber se eu estou certa’”.


O novo álbum da cantora será totalmente composto por músicas recusadas por outros artistas. Os primeiros singles, “Alive” e “Bird Set Free”, deveriam integrar o último álbum da Adele, “25”, enquanto a recente “One Million Bullets” não teve seu destino inicial revelado.

Outras inéditas, como “Cheap Thrills” e “Reaper”, são algumas das muitas recusadas por Rihanna, sendo essa última produzida, composta e gravada com a participação do Kanye West, enquanto outras também passaram pelas mãos de Beyoncé, Demi Lovato, Katy, entre outros.

Na última semana, Sia fez mais uma performance de “Alive” na TV, dessa vez para Ellen DeGeneres, e para a nossa felicidade, com a participação da Maddie Ziegler, aquela dançarina da trilogia “Chandelier”, “Elastic Heart” e “Big Girls Cry”. Ainda que com alguns deslizes vocais, a apresentação foi a nossa favorita até aqui, principalmente pela dramaticidade causada por conta da participação da menina. Essas duas não podem se separar mais, né?

Tecnologia do Blogger.