10 ótimos álbuns que você provavelmente não ouviu em 2015, mas deveria (Parte 10/10): Banda Tereza, “Pra Onde A Gente Vai”

Já se tornou tradição que façamos as tão comentadas listas com os melhores lançamentos do ano, mas, como de costume, também acontecem vários casos de ótimos lançamentos ficarem de fora dos nossos escolhidos e pelas razões mais variadas possíveis.

Uma delas, talvez a mais comum, é o caso do disco não ter sido votado por membros o suficiente dentro da equipe, o que faz com que ele seja passado para trás por outros discos melhores colocados e, desta forma, termine fora dos eleitos na listagem final. 

Mas se tem uma coisa que a gente não tolera, é injustiça com boa música e exatamente por essa razão, começamos há dois anos o especial “10 músicas para ouvir nos últimos 10 dias do ano”, agora reformulado, com dicas realmente imperdíveis de lançamentos do ano que você deveria, mas provavelmente não escutou.

Assim como as duas edições anteriores, o especial será dividido em dez partes, sendo cada uma delas totalmente focada em um disco, e, pela primeira vez, temos ainda a possibilidade de apresentar o disco por completo para vocês no próprio post, graças às maravilhas da tecnologia e o Spotify.

Vamos ao que interessa?

BANDA TEREZA, “Pra Onde A Gente Vai”

Falou em música pop nacional de 2015, os primeiros nomes que nos vem em mente são da Anitta,Banda Uó e Karol Conká, mas enquanto eles tomaram conta de tudo o que esteve relacionado a esse gênero vindo do Brasil pela internet, teve uma outra banda entregando a melhor produção pop do ano, quase sem que ninguém notasse.



Formalmente apresentados aqui no blog em 2012, quando lançou o disco de estreia “Vem Ser Artista Aqui Fora”, a Banda Tereza voltou nesse ano com o álbum “Pra Onde A Gente Vai” e, ainda que não tenha tido outra oportunidade de aparecer por aqui com esse trabalho, nos deixou bastante surpresos com a sonoridade ainda mais radiofônica que o disco anterior, apostando equivalente aos trabalhos do Two Door Cinema Club e Passion Pit lá fora, só que em português.



Mesmo soando mais comercial, a banda não perdeu em nada seu talento e diferencial quanto às letras e, nesse disco, vão do despretensioso clima de festa às irônicas críticas sociais, sendo alguns dos maiores destaques a trap e introspectiva “DJ” e “Eu Não Vou Mais Ligar”, que traça um paralelo entre os novatos da Banda Uó e veteranos da saudosa Blitz. “Nos Deixem Em Paz”, quase no fim da tracklist, é o mais próximo que eles chegam de seu álbum de estreia.

Pra testar: “Pra Onde A Gente Vai”, “DJ”, “Não Sei”, “Eu Não Vou Mais Ligar” e “Nikity City”.


Tecnologia do Blogger.