Recap || X Factor UK 2015: seguindo à risca o tema "Reinvenção", o segundo liveshow foi, mais uma vez, maravilhoso!


E foi ao ar, ontem (7), no UK, o segundo liveshow da nova temporada de The X Factor.

Depois de terem o Top 13 reduzido para Top 11 semana passada, com as eliminações de Bupsi e Alien, essa semana contou com um tema inédito: "Reinvenção". Que consistia em pegar um clássico ou uma música atual, mas dando a sua cara à ela, como se fosse um material seu. E, olha, tivemos mais um programa de altíssimo nível. Bora então assistir às apresentações e conferir como foram? 

4th Impact - "Sound Of The Underground / Clapping Song" (Girls Aloud / Shirley Ellis)

 
Abrindo o show, tivemos as maravilhosas irmãs filipinas do 4th Impact, cantando (ou melhor, reinventando) um dos grandes sucessos das Girls Aloud, antiga girlband de sua mentora, Cheryl. Dando uma cara mais divertidinha e bastante colorida pra "Sound of the Underground", acrescida de trechos de "Clapping Song", da Shirley Ellis. Elas são incríveis e talvez um dos melhores produtos dessa temporada, mas as performances da fase ao vivo ainda têm deixado um pouco a desejar e muito disso tem se devido às escolhas um pouco equivocadas, que não permitem que elas brilhem intensamente, como nas outras fases.

Mason Noise - "Teardrops" (Womack & Womack)

 
Gostem ou não, é inegável o talento de Mason Noise. O "bad boy" da temporada optou por repaginar um clássico dance, dando uma cara completamente R&B (que ele deve investir mais) e sensual pra canção, com direito à camisa semi-aberta e tudo hahaha. Vocalmente, foi muito melhor que na primeira semana. E se teve algum ponto realmente ruim, foi essa ideia bizarra (mas muito utilizada na história do programa) de usar esse palanque imortalizado pelo One Direction na apresentação, e que limita completamente quem está nele, soando chato e previsível.

Anton Stephans - "Bang Bang/ All About That Bass" (Jessie J/ Meghan Trainor)

 
Onde clica para desver isso? Socorro, que coisa medonha, Anton! E, cá entre nós, o maior culpado por essa bizarrice foi Simon Cowell, que acordou com o pé esquerdo, escolheu esse mashup e acreditou que o Anton tinha virado a Fleur East, só pode. Foi um show de horrores e que coloca o simpático Anton como favoritíssimo pra rodar de cara logo mais.

Kiera Weathers - "Return Of The Mack" (Mark Morrison)

 
Passado o susto com o bottom na semana passada, Kiera renasceu. E em todos os sentidos. Que performance/versão deliciosa. Já reclamei por ela ter o melhor potencial pra baladinhas e a Rita insistir em fazê-la cantar uptempo, mas olha, se seguir o caminho dessa performance, não quero vê-la no bottom tão cedo. Cantou muito bem, teve presença, o palco ajudou e ainda mostrou que pode dançar (mesmo que timidamente). Será uma surpresa se pintar no bottom de novo.

Ché Chesterman - "You Can't Hurry Love" (The Supremes)

 
Ué, The Voice já foi pra ITV? Porque me senti assistindo ao programa com essa performance do Ché. E não, gente, não foi ruim. Pelo contrário. Foi algo difícil, tecnicamente perfeito e digno de toda ovação dos jurados. O começo acapella e depois tendo apenas piano e voz como entradas, mostram o grande vocalista que ele é. Mas o que questiono, é o fato de só ver isso nele. O que é pouquíssimo e lembra (repito, mais uma vez) muito o Andrea Faustini no ano passado.

Louisa Johnson - "Billie Jean" (Michael Jackson)

 
Parem a competição logo e entreguem o prêmio à essa menina, pelamor. Louisa pegou outro clássico imortalizado, deu a sua cara e DESTRUIU de novo, da forma como o X Factor deve ser. Confesso que fiquei com medo do que ela faria diferente das várias versões já criadas pra "Billie Jean", mas foi, de novo, impecavelmente brilhante. Cantou, dançou, sensualizou (sem ser vulgar) e ainda conseguiu soar muito atual. Estamos presenciando o nascimento de uma nova estrela pra amar, meus caros. E só temos que agradecer!

Seann Miley Moore - "California Dreamin'" (The Mamas And The Papas)

 
WOW, Seann! Há cada nova semana só cresce o amor por essa pessoa cheia de atitude e personalidade transgressora, que surge na minha tela e eu não via desde Adam Lambert no American Idol. Palco lindo, clean e tomado apenas por sua presença e carisma magnéticos, sem contar seu poder vocal, que causa arrepios sempre que abre a boca. Simon, nos comentários, disse que Seann é sempre incrível, porém, fica muito na sua zona de conforto e talvez fosse a hora de se desafiar mais. Aguardemos o quanto isso afetará as próximas semanas.

Monica Michael - "Crazy In Love" (Beyoncé)

 
Semana passada, Monica Michael ressurgiu como a wildcard da temporada e mostrando que daria muito trabalho aos demais, com uma performance irretocável de Ed Sheeran. Porém, pra essa semana, ao optar pelo clássico "Crazy in Love", da Beyoncé, e ainda em versão desacelerada, foi um festival de equívocos. Performance chata e previsível, que simplesmente não funcionou. E pra piorar, os jurados ainda afirmaram em seus comentários que foi de mau gosto e sexualizada demais a performance. Eita! De uma das queridas no primeiro liveshow, Monica tem chances altas de encarar o bottom logo mais.

Reggie 'N' Bollie - "What Makes You Beautiful / Cheerleader" (One Direction / OMI)

 
Temos os azarões da temporada, certo? Em dois lives, os novos Nico & Vinz, do duo Reggie 'N' Bollie, arrasou outra vez! Se eles já eram queridos pelo público britânico e internacional, esse amor aumentou com esse mashup leve e divertidíssimo, que levou não só os jurados, como também o público, à loucura. Se nossas previsões estiverem certas, eles devem durar até o Top 5, no mínimo.

Max Stone - "Somewhere Over The Rainbow / What A Wonderful World" (Israel Kamakawiwo'ole / Louis Armstrong)

 
Por que Max insiste nessas versões 4:20, gente? Assim como semana passada, não foi ruim (até porque as partes onde ele abre a voz, são maravilhosas), mas extremamente chato e irritante. Sem contar que, particularmente, garro uma preguiça monstruosa de quem toca ukelele e sempre vejo como pedantismo. Isso sem contar o lual que se tornou o palco, aff ZzZzZ. É outro que vejo no bottom.

Lauren Murray - "Hold Back The River" (James Bay)

 
Lauren é daqueles tipos que você bate o olho e logo quer virar amigo, tamanha a simpatia e carisma que ela passa, né? Daí a moça, queridíssima, pega o hit do James Bay e transforma numa poderosa balada soulful, que mesmo com momentos meio cafonas, ainda assim foi muito boa e confirma Lauren como um dos ótimos nomes da temporada.

E assim termina o segundo liveshow da temporada, com destaques soberanos pra Louisa, Sean, Reggie 'N' Bollie e, vocalmente, pra Ché. Entre os piores da noite, apontaríamos Anton saindo direto, com o bottom sendo formado entre Max e Monica. E vocês, em quem apostam?

Logo mais, acontece mais uma eliminação dupla, e também teremos o grandioso e aguardado retorno da dona do X Factor 2014, Fleur East, que apresentará seu fantástico lead single, "Sax", pela primeira vez na tv.

Amanhã (9), contamos tudinho que rolou, em mais uma Recap aqui no blog. Até mais!
Tecnologia do Blogger.