Fãs da cantora Kesha sairão às ruas em manifestações por sua liberdade no Brasil, Argentina e outros países

A gente sabe que o Brasil está repleto de pessoas que culpam a presidenta Dilma e o PT por absolutamente todos os problemas da classe média (que sofre, hein), mas no próximo dia 28 de novembro teremos manifestações pelas ruas de São Paulo e Rio de Janeiro e, olha só, não direcionados a nenhum político brasileiro.

Ainda não fazemos ideia das proporções que isso realmente pode tomar na prática, mas no dia 28 quem sairão as ruas são os fãs da cantora americana Kesha, apelidados como Animals e Warriors, protestando contra o produtor Dr. Luke (!) e os processos que ele e a dona de “Die Young” estão trocando nos EUA, motivo pelo qual ela não lança novas músicas desde o álbum “Warrior”.



Pra quem não está por dentro do assunto, uma breve explicação é que Kesha acusou Dr. Luke de abuso sexual e psicológico e se recusa a voltar aos estúdios com o cara, responsável por seus dois álbuns, só que ela está presa à um contrato que exige o lançamento de cinco discos até que ela possa se desvencilhar por completo dele e sua gravadora, Kemosabe Records, e em janeiro terá então a resposta quanto a um pedido feito judicialmente, pra que possa voltar a lançar músicas sem qualquer envolvimento do seu agressor.



O produtor, entretanto, tem sido firme ao se defender das acusações e, piorando a situação de Kesha, está processando a cantora de volta, alegando que ela tem inventado histórias sobre ele e sua relação com suas artistas, numa tentativa de não cumprir com o que foi acordado quando ele a descobriu, o que deu início a parceria que resultou no sucesso de “Tik Tok”.



Organizada pelos fãs da loira ao redor do mundo, a campanha “Kesha Deserves Freedom (Kesha Merece Liberdade)” sucede as petições intituladas “Free Kesha (Livre a Kesha)” e conta com o apoio da mãe da cantora, Pebe Sebert, tentando levar seus fãs às ruas por vários países (fora o Brasil, protestos também acontecerão na Argentina, Alemanha e México), com a liderança de seus respectivos fã-sites e intenção de chamar a atenção da mídia para o fato, até então pouco comentado se pensarmos na gravidade do que vem sendo discutido — sério, a Sony Music tirou o nome deles da reta e, sendo assim, Kesha é obrigada a trabalhar com quem responde judicialmente por supostamente tê-la estuprado.



Mais informações sobre os protestos podem ser encontradas em seus eventos no Facebook (São Paulo e Rio de Janeiro) e só temos uma coisa a dizer: haters não passarão. O gigante acordou e está acompanhado de Animals famintos por novas músicas de sua diva favorita. Se Dr. Luke continuar no poder, não tardará até que transforme a carreira dela em Cuba. Kesha merece sua liberdade!



Quer que a campanha #KeshaDeservesFreedom também passe por sua cidade? Então deixe sua sugestão lá na página do maior fã-site da cantora no Brasil.
Tecnologia do Blogger.