Em entrevista, o líder do Years & Years fala sobre amor, carreira e colaborações em seu último disco: 'gostaria que o Pitbull tivesse participado'


Como você deve saber, "Communion", o brilhante disco de estreia do Years & Years, já está entre nós e, para aproveitar todo o buzz que isso gera, o vocalista e líder do trio, Olly Alexander, vem dando uma série de entrevistas para diversos veículos. Depois da Attitude, NME e Digital Spy, é a vez do site Pop Justice ter um momento com Olly e criar uma das entrevistas mais legais que o cara já deu, comentando sobre amor, o futuro do Years & Years e até mesmo sobre uma parceria com o rapper Pitbull (oi?), dá uma olhada em alguns trechos que separamos:

Pop Justice: Quais são as suas ambições agora? Digo, fora do habitual 'álbum de sucesso, tour em arenas'.
Olly Alexander: Bem, eu queria não ser mais um idiota no mundo (risos). Eu sou questionado bastante agora: "como é que é ser um porta-voz para a comunidade gay?", o que é estranho porque eu não posso simplesmente falar por todas as pessoas gays porque eu sou apenas um homem gay e existem diversos tipos de problemas. Nós vimos em todos os tamanhos e formas, nós gays. Mas eu quero poder falar por mim mesmo e com isso ajudar outras pessoas, aí é uma coisa boa.

"Shine" era o #1 no iTunes pela manhã, ainda está lá?
Acho que sim, eu chequei essa manhã e nós ainda estávamos lá. SIM! Quer dizer, podemos não estar no #1 até o fim, ou podemos, quem sabe?

Ao menos não é um flop.
Ao menos não é um flop, o que é o mínimo que todos nós podemos esperar na vida!

E vocês farão uma baladinha para o próximo single?
Bem, eu não sei. Não tenho certeza do que acontecerá em seguida. Eu gostaria que não fosse. Eu não gostaria de lançar uma baladinha. Há mais faixas uptempo do que downtempo no álbum. Eu só não estou interessado em fazer mais baladinhas, sério. Não gosto de ouvir esse tipo de música. Quero dizer, elas têm seu lugar...

Há algumas baladinhas no disco.
Há 3 músicas lentas no disco.

Isso é tipo 1/4 do álbum, você ficaria feliz com as pessoas dando nota 7.5 nas críticas? 
CALMA. Não estou falando que não gosto 1/4 do meu álbum!

Mas você não gosta de ouvir esse tipo de música.
As minhas são diferentes. As minhas são ÓTIMAS.



O quão bom você diria que seu álbum é? De um a dez.
Dez, eu daria dez.

SÉRIO?
Tá bom, nove. Tem sempre espaço para melhorar.

Então, o que há de errado com ele?
Colaborações. Não tem colaborações o suficiente.

Quem você queria que tivesse colaborado no álbum?
PITBULL!

O que você acha que o Pitbull iria trazer, liricamente, para uma faixa do Years & Years? Tradicionalmente, as colaborações dele tendem a ser sobre homens pegando mulheres.
Acho que nós teríamos algumas idas e vindas sobre o que eu penso que é misógino e não um bom jeito de tratar uma mulher, e ele ficaria tipo [pausa para a pior impressão do Pitbull] "cala a boca, deixa eu tocar essa puta". Ou algo assim.

Quando eu o conheci, ele era surpreendentemente charmoso.
Ele era gostoso? Acho que está tudo bem em fantasiar com o Pitbull. Não consigo lembrar ao certo de como ele é. Ele é careca? Algumas pessoas acham isso sexy.


Qual letra do álbum combina melhor com você?
Provavelmente a de "Real": if I’d been enough for you, would I be better, would I be good? (Se eu tivesse sido o suficiente para você, eu seria melhor, eu seria bom?)

Como isso funciona?
Bem, é a ideia de amor não correspondido e esse sentimento de que se uma pessoa te amar, isso te tornará alguém melhor. E isso é uma ideia bem idiota. Mas eu acho que é uma coisa que muita gente acredita. Essa ideia que você precisa do amor e atenção de alguém para sentir que você vale algo. E muito do álbum vem disso.

E você frequentemente se sentia inferior em relações?
Eu me sentia sim. Mas eu acabei percebendo também que essas pessoas não me queriam o suficente.. bem, eu não poderia dizer que estava amando eles. É interessante, uma relação parasitária quando você quer que alguém queira você, mas você nem quer ele ao menos. É tóxico.

Que tipo de pessoa você teria se tornado se tivesse se encontrado em relações onde você não era inferior? Porque algumas pessoas procuram relações em que eles sempre serão os melhores. Eles querem ou precisam ser os mais bonitos, ou os mais divertidos ou os mais carismáticos, e eles também procuram pessoas 'inferiores'. [Essa parte nos lembrou "Vantagens de Ser Invisível"]
Eu não acho que isso seja o que eu estou interessado em fazer. Eu gosto, normalmente, ou ao menos a minha experiência me mostra isso, de ser o inferior numa relação (risos). Mas igualdade é bom, não é? Lutemos pela igualdade!


Como o seu primeiro álbum solo vai soar?
"I Am... Sasha Fierce"

Quantos álbuns teremos do Years & Years antes de você ir para uma carreira solo?
Quatro. Teremos quatro.

E como soará o próximo disco do Years & Years?
Depende de como o "Communion" se sair. Se sair-se bem, faremos exatamente o mesmo (risos). Mentira, estou pensando em fazer algo diferente.

Posso fazer um pedido para o segundo álbum?
Claro.

NENHUMA música sobre estar na estrada e sentir falta das pessoas.
Boa pedida. É um problema regular sobre segundos álbuns?

Segundos álbuns são assim: você ganha mais guitarras. Você tem feito muitos festivais, então você faz música que só faz sentido para um público ao vivo. E você escreve sobre sentir falta das pessoas por estar em tour.
Eu entendo. Pode me dar ideias para outro material?

Sim. Músicas sobre estar no clube. Também, mais músicas sobre estar apaixonado, mas que também poderiam ser sobre cocaína. [Entenda]
(Risos) Ok, feito.


Algum dia você escreverá uma música tão boa quanto "Style", da Taylor Swift?
Você acha que essa é a melhor música da Taylor? Eu acho também. As pessoas geralmente não concordam comigo, mas se eu vou escrever algo tão bom? Sim, eu acho que vou.

Com o que se parece estar apaixonado?
Parece estar andando sobre a corda bamba

Por favor, explique-se.
Você já andou sobre uma corda bamba?

Não.
Nem eu!

Ótimo.
Mas eu já estive apaixonado. Você tem que estar equilibrado e se você estiver em perigo, provavelmente será um risco de morte. E, er, sim, é meio que auto-explicativo, não é?



E esse foi um ~trecho~ da entrevista do Olly Alexander para o Peter Robinson, jornalista do Pop Justice. Na entrevista em sua íntegra, o cara ainda fala sobre sua infância pobre, bullying, seus namorados e muito mais. Recomendamos de todo o coração que você a leia (em inglês) bem aqui e se apaixone pelo Olly da mesma forma que nós. Ah, lembrando que "Communion", o maravilhoso disco de estreia do trio, já está entre nós e pode ser ouvido aqui.
Tecnologia do Blogger.