It Pop Apresenta: o pop e indie rock de St. Vincent!

Nós sabemos que St. Vincent não é uma artista nova no meio musical e que muita gente já a conhece. Contudo, nós gostamos tanto do relançamento de seu último álbum que decidimos apresentar ela para vocês. Então, se você não a conhece, chega mais e vem descobrir tudo sobre ela! Ah, caso já a conheça, pode ler o post também, tá? Escrever tudo isso deu trabalho, hahaha.

Annie Erin Clark, mais conhecida por seu nome artístico, St. Vincent, nasceu em 1982 numa cidade chamada Tulsa, em Oklahoma, EUA. A garota é compositora, multi-instrumentista e dona de uma sonoridade que abrange o rock, pop e o indie rock, além de ser linda nas horas vagas.



Vincent já havia trabalhado com outras grupos musicais, mas foi em 2006 que lançou o primeiro trabalho com sua banda atual, o EP "Paris Is Burning". No ano seguinte, lançou seu brilhante álbum de estreia, "Marry Me", que a fez ganhar o prêmio de Artista Feminina do Ano no PLUG Independent Music Awards, sendo amplamente elogiado pela crítica. Para ela, "Marry Me" representa o que a vida e o amor são na visão de alguém que nunca experimentou nenhum dos dois. Que tal darmos uma pausa para chorar com o conceito do disco?



E, então, veio o conhecido e temido desafio do segundo álbum. Como superar "Marry Me"? Como surpreender a crítica tão positivamente como fez em seu disco de estreia? Bem, com uma nota de 8.1 no Metacritic e diversas classificações positivas pelo público, podemos dizer que "Actor" não decepcionou nem um pouco. Além de diversas das músicas contidas nele serem inspiradas em filmes infantis, como "Branca de Neve" (1937) e "O Mágico de Oz" (1939), o disco tem uma sonoridade muito mais experimental e diferente do que vimos em seu antecessor.


Para nós, "Strange Mercy" (lançado em 2011) é um dos CDs mais legais da Vincent. Além de ter atingido a posição 19 no Billboard 200, que foi o maior pico dela nos charts até então, o disco também foi reconhecido como um dos melhores da década pelo Pitchfork. Tá bom pra você ou quer mais?


Ela também gravou um álbum de jazz em parceria com David Byrne, cheio de melodias estranhas, batidas funk e vozes encantadoras. Nós recomendamos as faixas "Who" e "I Am an Ape" para todos que tiverem curiosidade.

Já em 2014, fomos presenteados com o lançamento de seu disco autointitulado, dono de uma das capas mais belas que vimos naquele ano, sem falar que o álbum também é belíssimo por dentro. Integrado por 11 faixas, ele venceu a categoria de Melhor Álbum Alternativo no Grammy desse ano, dando a Vincent o primeiro gramofone de sua carreira, além de ter sido a melhor posição de um álbum dela nos charts, atingindo a 12ª posição no Billboard 200, e ter participado de diversas listas de melhores CDs do ano, incluindo a da Rolling Stone, TIME e Guardian. "St. Vincent" tem uma pegada indie rock, mesmo em meio a tantos sintetizadores. Que tal amar "Digital Witness" logo abaixo?



Como nós dissemos no início desse longo post, a garota havia relançado seu álbum autointitulado, adicionando 3 faixas inéditas e 1 remix para a tracklist de um dos discos mais elogiados de 2014.


Para quem amou, temos uma ótima notícia. A moçoila virá ao Brasil para uma série de shows! Ela irá se apresentar no primeiro dia do Lollapalooza, em São Paulo; no Citibank Hall, no Rio de Janeiro e no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte. Adivinha quem irá aos shows e contará tudinho para você? Nós, é claro!

E é isso! Quer demonstrar todo seu amor à garota ou quer corrigir alguma informação que demos? Os comentários estão aí para isso, gente! E, caso queira dar uma olhada nas redes sociais dela, estão todas bem aí:

Tecnologia do Blogger.