10 músicas para ouvir nos últimos 10 dias do ano (parte 08/10): ‘Spark The Fire’, Gwen Stefani

Há um significado especial para a última música que você escutar no ano, porque ela encerra, de fato, todo o período que você viveu antes dessa audição e, meu Deus, pra quem é tão ligado quanto nós em música, a escolha certa faz uma diferença e tanto. Pensando nisso, decidimos refazer o especial “10 músicas para ouvir nos últimos 10 dias do ano”, seguindo os moldes do mesmo formato apresentado no ano passado e aqui estamos nós com algumas indicações.

De acordo com nossos cálculos, os dez últimos dias de 2014 ainda nos rende 240 horas que, obviamente, são o suficiente para ouvir mais que apenas 10 músicas, mas estamos levando em consideração o fato de você talvez não conhecer alguma de nossas indicações e, quem sabe, goste tanto ao ponto de querer ouvi-la de novo e de novo, daí é bom que sobre algum tempo, não é mesmo? Sem delongas, abaixo está a nossa oitava sugestão.

Gwen Stefani, ‘Spark The Fire’

Gwen Stefani não chamou muita atenção quando retornou com o single “Baby Don’t Lie”, primeiro do seu novo álbum em carreira solo, mas bastou chegar sua nova parceria com o Pharrell Williams, “Spark The Fire”, para nos rendermos de vez a uma era que está apenas começando.

Por mais que a maioria pense o contrário, talvez presa ao fato de “Happy” ter sido uma música irritantemente bem-sucedida, Pharrell Williams é um dos maiores produtores dos últimos tempos e ainda que sua fórmula já esteja um pouco batida, valorizamos e muito a liberdade que ele dá para as artistas em estúdio. É isso que as permite ser artistas. Com Gwen Stefani, Pharrell deixou que ela buscasse por sua própria reinvenção e, em “Spark The Fire”, ela fala sobre a satisfação em se reencontrar numa canção outra vez, afirmando “é o que acontece quando me uno ao Pharrell”.

A batida divertida, dançante, “desritmada” e frenética, o sininho ao fundo, tudo soa para que “Spark The Fire” não saia da sua cabeça tão cedo e, se necessária alguma associação com a velha Gwen, lá vamos nós com a inesquecível “Hollaback Girl”. É óbvio que ela não quer repetir nenhum feito da música anterior, a própria disse numa recente entrevista que não tenta se repetir, pois chega um momento da carreira que você se torna o seu próprio inimigo, mas a música revive seu sucesso da melhor maneira possível, nos mantendo também atentos aos seus próximos passos. Tanto em carreira solo quanto com o próximo retorno do No Doubt. O-M-G, ela voltou outra vez!

Tecnologia do Blogger.