Sobre o blog: quem somos, de onde viemos, do que nos alimentamos?

Depois de muito discutir comigo mesmo enquanto fazia mil e um rascunhos pra essa página, eis que encontrei a melhor forma de descrever o que é esse blog e quem são as pessoas que o fazem ser o que é hoje: uma conversa pra lá de sincera com você, querido leitor. Mas pera, quem sou eu? Desculpa a falta de educação, "oi, eu sou o Goku!" sou o Gui Tintel, mas pode chamar por "the elusive bloguè", só Gui ou Tintel. A preferência é pela última alternativa.

Eu fiz o It Pop aos meus 15 anos, quando não estava mais satisfeito em apenas perder meu tempo com Orkut, MSN e outras redes-sociais da época, mas no começo, o blog estava longe de ser o que se tornou hoje. Pra você ter uma ideia, ele começou se chamando Tá Listado e só depois, quando vi que não teria condições de manter um blog legal apenas listando coisas que eu não fiz, vi uma luz no fim do túnel ou, melhor dizendo, uma "Tik Tok" da Kesha. A cantora californiana canta no refrão de seu maior sucesso, "don't stop, make it pop", e as coisas não poderiam fazer mais sentido. "Não para, Gui, faça o It Pop!".

Já como It Pop, o blog alcançou um novo nível editorial, visto que passei a utilizá-lo pra noticiar coisas do cenário pop, mas os primeiros leitores vieram com o bom e velho boca a boca. Tanto literalmente quanto no sentido figurado. Eu era aquele chato que, na primeira conversa, já falava que tinha um blog e depois te fazia acessar e dizer o que achava. Deu resultado. Eu reparei que ele estava crescendo quando comecei a encontrar acessos da Ucrânia nas análises do Blogger, mas depois vi que estava maior ainda quando pegava amigos de amigos meus falando sobre. No fim, quando eu menos esperava, já estava sendo convidado pras coisas mais legais que já vi e nos últimos dois anos rolaram até alguns super festivais, como Lollapalooza e Rock in Rio, o que faz com que eu seja muito, mas muito mesmo, grato ao blog, aquele filho que dá um trabalhão, mas no fundo você ama.

Com os primeiros grandes números, me senti também um pouco pressionado a mantê-los, principalmente após nossas primeiras grandes parcerias, como com os portais POP e R7, entretanto, aprendi com o tempo que isso não era a coisa mais importante e, bem, se você faz algo que gosta e do jeito que gosta, vai atrair quem você quer e, se isso for bom, seu público cresce rapidinho. Então está aí, acho que meu maior acerto com o It até aqui foi fazer dele um blog que eu leria e é assim que quero continuar sendo. Não faço posts pras paradas, RS.

Maaaas enfim, deu pra ter uma boa ideia do que é essa entidade pop virtual tão cheia de vida, não é mesmo? Perdão pelas brincadeiras e, caso esteja nos conhecendo agora, seja muito bem vindo.